• Ulisses

    Post foda, Philipe. Dei uma risadinha irônica – e triste, também – quando vi que o nome do site que anuncia o apê de 300 mil se chama… BOM NEGÓCIO!

    • Né?

      • John Doe

        “Bom negócio” para o vendedor; para o cara da imobiliária…. já o comprador, óóóóó no fiofó…. 🙁

    • André S. de Matos

      Meu, isso parece um pico invadido por um mendigo e o cara quer R$ 300.000,00?!?!
      É rir pra não chorar

  • Alex Naves

    Excelente Post, Philipe! É triste pensar que em um país com tantas riquezas, vivemos em miséria. Espero que um dia acordemos de verdade!

  • Anderson

    Meu irmão ganha um pouco mais de um salário mínino e paga um aluguel numa casa de fundo de 300 reais , mas vai ter que sair da casa , achou uma com quatro cômodos por 650reais , agora me diz como que uma pessoa vive neste país ? A empresa que ele trabalha é uma fabrica de moveis que fatura milhões por ano , 70% do salário dele vai só pro aluguel , e por falar em preços alto um iphone de 64Gb sai por R$ 3,599 reais.

    O aluguel tinha que ser fixado com base no salário mínino do trabalhador , e depois não querem miséria e problemas sociais que são gerados pela miséria , depois pega essas pessoas e colocam elas nos nossos presídios de primeiro mundo.

    O brasil está doente sendo governado por homens podres e doentes , eles não se importam poirque no final do mês o salário deles estão garantidos.

    Renan calheiros presidente do senado iria gastar com alimentação pra ele e sua família quase 100 mil reais por cerca de 6 meses ,e agora como que vive um cidadão trabalhador comum que tem que se alimentar , cuidar da família com menos de 2 salários mínimos ?

    É uma piada o que fizeram com a gente , hoje somos escravizados , explorados e muitos nem se dão conta disso , acredito que perdemos a luta a guerra por um mundo mais justo e melhor para todos.

    • Alessandro

      A desigualdade diminuiu bastante. O que falta é educação financeira. E daí que um Iphone 5S de 64 Gb custa mais de 3000 reais ou um PS4 custa 4.000 reais? No passado, as passagens de avião eram caríssimas, e só rico viajava para o exterior.

      Ainda tem que melhorar muito? Claro! O ideal é que o seu irmão receba um salário bem maior, os impostos diminuam, e assim seja possível pagar um aluguel em um local bem melhor. Mas querer ou reclamar não vai mudar o cenário atual, infelizmente.

      A minha política é a seguinte: o que eu posso mudar? Apenas a mim mesmo. Então vou dar o bom exemplo, fazer as coisas certas, desde não jogar lixo no chão, tratar os outros com cordialidade e não andar no acostamento. Se o total de egoísmo do país (TEP) equivale a soma do egoísmo de todos os brasileiros, então vou fazer o possível para diminuir esse TEP. Alguns vão aumentá-lo, mas vou fazer a minha parte e dar o exemplo para inspirar outros a fazer o mesmo, educar os meus filhos assim, enfim. É o que dá para fazer.

  • Carlos

    Infelizmente o povo deste país abençoado não entendeu ainda que o governo é somente um reflexo do povo. Fomos nós que colocamos estes governantes lé para nos representar. Somos nós que não lembramos em quem votamos. Somos nós que reclamamamos da corrupção mas, se estivessemos lá, talvés fizessemos o mesmo.
    Temos que para de sermos hipócritas e “sem noção”, como bem citado, e percebemos que a mudança se dará por nós.
    Somente se formos mais organizados, menos egoistas e, principalmente, mais HONESTOS é que poderemos ter um governo com estas qualidades.
    Entendam que SOMOS NÓS que mandamos no governo.
    Enquanto a nossa alma for suja, o governo também vai ser.

    • Pedro

      Que bobeira, cara… como você fala de uma maneira burra, acho que não consegui entender o que você fala…

      Segundo você, tudo vai mudar somente sendo “organizados…”?

      Não, brow…

  • John Doe

    Philipe, creio ter algumas respostas, mas… vou avisando, elas serão indigestas para alguns.
    A culpa por toda essa situação que aí está é…. nossa, mesmo. Dos brasileiros. Somos o fruto “aprimorado” de gerações e gerações de exploradores, pilantras e tudo o mais de ruim que possa existir em uma sociedade, que acabou aportando por aqui.
    Há, mas também veio gente boa, dirão alguns. Sim, mas faço a analogia das maçãs: se você tiver nove maçãs boa e uma podre, essa vai estragar as demais; se você tem nove maçãs podres e uma boa, esta não vai melhorar as outras, e vai se estragar também.
    No Brasil impera a cultura do imediatismo, do exibicionismo, da ostentação e do “ser diferente” a qualquer custo (ou preço).
    Pagamos caro por bens, produtos e serviços… porque queremos pagar. Queremos, não importa a que preço, nos igualar aos “reis dos camarotes” da vida, que são por muitos admirados e invejados, mesmo que por breve instantes.
    Criticamos quem está numa posição de destaque e “mete a mão” na coisa pública, mas, no fundo, consideramos errado apenas porque não estamos ocupando aquela “posição” e nos beneficiando ainda mais.
    Falamos mal de políticos e outras pragas, mas esquecemos que eles não vieram de outro planeta. Saíram do meio do povo, logo são reflexos de nós mesmos e de nossas ambições.
    Queremos que os outros sejam “honestos” a todo custo, mas somos lenientes com nosso próprios erros e defeitos.
    Temos “n” problemas sociais, mas, agora, o que importa é que a copa vem aí.
    Bandidos e terroristas notórios reclamam de “perseguição” política” em plena democracia, afirmando que são “oposição” ao seu próprio partido político, mas o que ocupa as manchetes é a dúvida: o Cauã traiu ou não a Grazi dando um “fincão” na Ísis???
    Somos lixo, mas nos enxergamos como reis, e queremos “viver” assim. Por isso o sujeito trabalha a semana inteira; compra um jeans “de marca” pagos em torcentas parcelas, mete a beca no sabadão e posa de “bacana”… tomando uma dose de cachaça.
    Desprezamos a inteligência mas idolatramos os “ixxxxpertos” que passam qualquer um para trás em troca de um tostão. Fazemos graça da malandragem brasileira, como se ela fosse algo melhor do que um mínimo de honestidade e de vergonha na cara.
    Em resumo: o Brasil é a porcaria que é por causa dos brasileiros e de mais ninguém. E isso não tem conserto, à medida que cada geração que nasce vai sendo “deseducada” para ser mais “ixxxxperta” e velhaca do que a anterior. como querer educar alguém, se não se recebeu educação? Como dizer para alguém ser honesto e educado, sem dar bons exemplos?
    Não vai melhorar. Pelo menos, não a curto prazo.
    E detalhe: usei sempre a terceira pessoa do plural do indicativo: NÓS. Pois não dá para separar culpados de omissos. No final das contas, a fatura sobra para todos!!!

    • Realmente é foda, mas tipo, a Austrália também foi um lugar para onde mandaram assassinos, estupradores, putas, bandidos e salafrários. A Austrália deu certo.

      • John Doe

        Então os caras que foram para lá eram “menos ruins” do que os que vieram para cá… ou, ainda, eram ruins, mas tinham vontade de mudar. Coisa que também nos falta!

        • Krause

          Concordo com tudo, mas vale lembrar que essa história de que Portugal mandou prostituta e bandido pra colonizar o Brasil não é verdade. As terras brasileiras foram loteadas e vendidas mediante a tratados, e prostituta e bandido não tem $ pra comprar terra. Se a bandidagem proliferou por aqui já é outra história, e na minha opinião envolve outros povos além de Portugal.

          • John Doe

            Krause, é verdade o envio do “lixo social” português para cá, tanto é que, na época, havia uma pena denominada “degredo”, que hoje seria chamada de “banimento”. As pessoas eram forçadas a vir para cá, contra a vontade, pelos mais diversos motivos.
            Agora o “loteamento” a que você se referiu (há quem diga que o sucateamento brasileiro começou por aí) foi o sistema de Capitanias Hereditárias, um tosco modelo copiado na cara dura das treze colônias americanas. As melhores foram “cedidas”, as nem tanto, “vendidas”, numa tentativa de fixar as pessoas na terra, para que Portugal não perdesse o domínio sobre a colônia.
            Pois é, já naquela época, como hoje, se não tomar conta, alguém aparece e leva… ou ocupa.

        • Danilo M.

          Nosso país tem esse problema de ter um punhado de caucasianinhos que não se acham brasileiros, essa conversa de que mandaram bandidos para colonizar é bem clichê.

          • John Doe

            Pode ser clichê, mas é verdadeira. Não se pode negar a história! E esse “caucasianinho” aqui que vos escreve adoraria ter bons motivos para se orgulhar de ser brasileiro… mas atualmente, tá difícil!

        • C. L. Santos

          Caro John Doe,
          As Capitânias Hereditárias tiveram início em 1534, e a partir de 1607, as Treze Colônias.
          Como as Capitânias foram copiadas das Colônias norte-americanas se aquelas vieram primeiro? Hum?
          Abraços.

          C. L. Santos

          Ps: repliquei neste comentário porque no outro não aparecia o ‘reply’!

          • C. L. Santos

            Mas se tu se referiu ao sistema de “loteamentos” foram posteriores, fato. 😉

          • John Doe

            Realmente, falha minha. Eu confundi as datas, de umas com as outras. Devia ter pesquisado antes! Grato pela correção, e minhas desculpas.

          • John Doe

            C. L. Santos, “o loteamento” tem mais a ver com a minha confusão com as datas. Mas você entendeu!

    • Carlos

      Concordo com o John Doe, como digo no meu post anterior. Aculpa é nossa que preferimos nos alienar a resolver os problemas.
      Só não concordo no fato de que eu acredito que possamos reverter. O que precisamos é de vontade, de sair do ostracismo.
      Mas vai demorar. Talvez não seja no meu tempo, mas não aceito o fato de deixar esta porcaria para meus filhos.
      Aqui tem um link que recebí esta semana, para quem quer tomar vergonha na cara e começar a mudar.
      http://vimeo.com/78245147

      • John Doe

        Mas o problema, Carlos, está na apatia, na falta de vontade generalizada de mudar e melhorar. Problemas existem em todo lugar, mas por aqui, parece que rola uma “anestesia geral” no sentido de se querer mudar o estado de coisas.
        E sempre é bom lembrar: vontade sem atitude é como enxugar gelo no verão!

    • Pedro

      Hey, jhow… Só reclamações não resolvem nada; Creio que tudo já foi falado no post, exceto, por soluções.

      Acho que não adianta apenas a revolta sem apresentar algum tipo de solução sensata.

      • John Doe

        Eu tenho algumas… mas elas dependem da boa vontade e atitude de mais pessoas, além de mim, pois “uma andorinha sozinha não faz verão”.
        Quer uma boa? Todo mundo precisa, a partir de agora, ter vergonha na cara!
        Consiga que as pessoas comecem a colocar isso em prática e estaremos no caminho!

  • Vinicius

    Mandou muito bem nesse post, estou pensando o que voce poderia ter escrito a mais caso a energia nao caisse kkkk Possivelmente chegaria nas maos de algum governante que ficasse chateado, mais quem liga… xD

    OFF: Tem algum post aqui no mundo gump falando sobre tecnologia de invisibilidade? Ja espanquei o google e nao achei ;-;

  • Carlos Dente

    Moro em Canela, Rio Grande do Sul. Os terrenos (terrenos, não casas) mais baratos aqui são pequenos, estão em uma área recém-loteada há quinze quilômetros do Centro (que, no caso de uma cidade pequena, já é divisa com área rural de outro município), com ruas de chão batido e esgotos correndo em valas abertas ao lado dessas ruas, custam À PARTIR de R$ 90.000,00 – é necessário pagar pela “extensão” de redes de água e energia, que não chegam nos últimos terrenos, ainda, e não há telefone fixo: se você tiver uma antena ampliadora de sinal em casa, usará celular e ‘Net 3G (2,5G, na verdade). Taxa de ocupação de 50%.
    .
    No Centro, há residências prontas à partir de R$ 350.000,00: sala-cozinha-lavanderia conjugadas, banheiro e UM quarto.
    .
    Os apartamentos mais baratos que vi para alugar ficam na faixa de R$ 400,00 + condomínio: quarto de 3,0m X 2,5m. Cozinha e banheiro são compartilhados por andar (os “apês” são quartos de uma antiga hospedaria).
    .
    Com esses preços, deve-se imaginar baixa oferta e muita procura, certo? Mas não… A cidade é cheia de placas de vende-se e aluga-se, e atualmente é um dos piores lugares para se investir em imóveis para retorno em curto e médio prazo no Rio Grande do Sul. Há apartamentos novos esperando moradores a mais de quatro anos.

    • Maria

      Carlos, esse é um problema que ainda não enfrentamos, mas obviamente é um problema de países recentes e grandes. Deveria haver estímulos para as pessoas ficarem em cidades pequenas, tem mais qualidade de vida, é mais fácil de administrar. Mas com a farra dos municípios pós CF saiu cada coisa, que hoje deveria ser juntada. Só que elas não tem um plano de urbanismo, de desenvolvimento e aproveitamento que as torne viáveis. Além disso, muito ajuda a nossa mídia a difundir a ideia de que só a vida na cidade grande presta, levando milhares de iludidos para lá. Se as pessoas aprendessem isso e não tivessem preconceito, fariam o que é mais lógico e dá mais qualidade de vida. Por exemplo, é melhor criar o filho em uma ampla casa em Canela do que em uma kit imunda em São Paulo.

      • Concordo totalmente. Há quase que uma “campanha” para as pessoas do interior virem em massa para os grandes centros urbanos. O que resulta disso é que realmente o grande centro começa a ter muitas oportunidades, e isso retroalimenta essa migração inter-urbana.

  • Mme. Danica

    Excelente post, Philipe! Inacreditável a foto do “apê” de 300 mil em Copa! Aliás, nem me fale em imóveis ultimamente… Tenho visto cada coisa tão, tão, tão absurda, que dá até nojo!!

    Apesar de não ser de imediato, acho que isso ainda vai dar merda. Eu tenho recebido vários e-mails de construtoras fazendo saldão de imóveis encalhados, algumas oferendo descontos de mais de 30 mil! E sinceramente, não acredito quando vejo placas anunciando “100% vendido” em algum empreendimento. O bairro onde eu moro já virou um bairro de imóveis fantasmas, mas todos com as plaquinhas “100% vendido”. O que acontece?! Especulação?!

    Imagine essa porra toda encalhando?! Construtoras quebrando… E quem vai pagar o pato?!

    • Elas já estão praticamente todas quebradas. Tava lendo outro dia que mesmo operando no vermelho essas grandes empresas como a Cyrella pagam bonus milionários aos executivos. Isso não tem como dar certo.

      • John Doe

        Seria o “efeito eikex batistex”?????

  • Felipe Veiga

    Muitas pessoas gostam de fazer comparações de preços de tudo entre o Brasil e os EUA. Dizem que nos USA tudo é 4 vezes mais barato do que no Brasil, desde os produtos básicos até os mais caros. Mais se formos parar para pensar, não tem como comparar os dois países. Os EUA são diferentes culturalmente e economicamente de nós. Os EUA estão anos luz na nossa frente em diferentes aspectos, eles tem tecnologia de ponta, tem uma ótima logística e uma infra-estrutura monstruosa, tem subsídio e por ai vai, com tudo isso eles conseguem produzir mais com menos recursos, fazendo isso os produtos saem baratos para o consumidor. Um exemplo são as casas Norte Americanas, enquanto os Americanos fazem casas pré-fabricas em semanas. Nos Brasileiros estamos na era da pedra, usamos arga massa tijolos e ainda uma casa simples no Brasil custa o mesmo que uma casa padrão nos Estados Unidos. Olha a infra-estrutura do Brasil que lixo, em vez de transportarmos nossos bens por trem ou cabotagem, utilizamos o meio de transporte mais caro do mundo que é o rodoviário, isso encarece os produtos devido nossa malha rodoviária esta em péssima condições e tem pedágio abusivo por todo lado, e pra ajudar o combustível é um dos mais caros do mundo. Além disso existe o lucros Brasil, onde as concessionarias que vendem carros enfia a faca no consumidor para obter lucros abusivos. Não adianta somos tupiniquim. Quando eu vejo que os USA produzem 450 milhões de toneladas de milho com apenas 1 safra e tem silos para armazenar tudo isso, e o Brasil que por milagre de Deus tem 2 safras de milho ao ano, produz malemá 80 milhões de toneladas e não tem onde armazenar seus grãos, tem que apelas para quadras de futsal das escolas porque não temos silos suficiente o que eu devo imaginar do nosso Brasil. No Brasil para quem ganha salário minimo é pouco, mais para quem paga o salário minio é muito, devido aos altos encargos e impostos as empresas não conseguem gerar emprego e obter lucro suficiente para se manter ai trava tudo. Somos tupiniquim

    • Marlon Ruttmann

      Só toma cuidado pra não entrar em contradição colega, você começou o comentário falando que não se pode comparar, mas passou o comentário todo comparando. E acho que se deve comparar sim senhor! Foram décadas de estagnação aqui no Brasil, onde nada mudou, e continuam achando que tá uma beleza, não têm a vergonha nem de correr atrás do atrasado. Devemos comparar porque é onde dá certo que devemos nos espelhar.

  • Fabricio Manfio

    Eu não tenho casa própria até hoje, eu junto a grana quando vou ver o imovel que estou de olho novamente está num preço fora da realidade !! Teve um mané aqui em Suzano city que estava vendendo a casa por 140 mil a 2 anos (só eu me interessei) quando pude comprar ( com o financiamento da caixa ) o zé reformou a cozinha e os quartos e o valor passou a 230 mil !!!!!!! agora que não vende mesmo o zoiudo !! Fhilipe pra presidente !!!!

  • Mario Mesquita

    Brazil-zil-zil…

    (Nem tenho forças pra comentar. Ficando velho mesmo, cansado de ver esse filme…)

    Boa, Philipe!

  • André

    “Como que tendo tudo isso, somos uns bostas?”
    Estamos sendo atacados pelo mesmo mal que destruiu a Rússia e a China, e está destruindo a Venezuela: socialismo.

    Solução, copiar o modelo político e econômico dos países que consideramos bons de se viver: EUA, Suíça, Japão, por exemplo.
    Problema: Não é possível mudar o modelo político e econômico sem antes mudar a mentalidade do povo para aceitar
    que o liberarismo econômico é bom, ainda mais depois de décadas de lavagem cerebral esquerdista.
    Só que essa solução dá muito trabalho e leva DÉCADAS.
    Conclusão, esse país tá ferrado.

    Solução mais fácil e rápida: Emigrar. Ou em linguagem mais coloquial: FUGIR!

    • Jorge

      Que tal a social democracia, que fez a Europa do norte atingir o topo do desenvolvimento humano?

      Liberalismo já deu errado duas vezes. Chega de insistir no mesmo erro.

    • Sergio Azevedo

      Estamos sendo atacados pelo mesmo mal que destruiu a Rússia e a China, e está destruindo a Venezuela: socialismo.

      “Solução, copiar o modelo político e econômico dos países que consideramos bons de se viver: EUA, Suíça, Japão, por exemplo.”

      Não dá para perceber que toda essa desigualdade, razão principal de toda essa merda, foi gerada em grande parte por uma ditadura implantada no país justamente para defender esse modelo?

      Quando o país foi socialista?

  • Krause

    Excelente post, Philippe, que provocou a “saída” do que tava aqui entalado na garganta, o desabafo de um paulistano: A especulação imobiliária é absurda. Moro em São Paulo, que é uma das cidades mais afetadas por esse comércio obsceno… Moema, Vila Olímpia, Alto da Boa Vista, (bairros da zona sul, que é onde eu moro e conheço, mas em outras zonas tá a mesma coisa) são só alguns bairros onde essa indecência é praticada. Nego faz propaganda mostrando um apto de 19m2 como se fosse um “modo de viver alternativo que exige status”. Cobra R$ 300.000 por essa jaula, e o Zé Ruela leitor de Veja São Paulo acha que tá abafando e vende até o rim pra se endividar num financiamento, só porque acha que vai passar a pertencer a uma classe “média-alta metida”. Há quem venha comparar São Paulo com Nova York por causa de meia dúzia de musical importado da Broadway na Brigadeiro, ou dizer que estamos virando uma Amsterdã por causa de meia dúzia de faixa pra ciclista. “Meia dúzia” é muito pouco para os cidadãos de uma cidade que o IPTU vai subir 20%, e que vive mais no trânsito, respira mais fumaça e gasta mais pra comprar qualquer coisa do que qualquer cidade deste país. Aí eu pergunto pra quem é paulistano: Quanto vale o metro quadrado pra viver assim?

  • Rodolfo

    uma coisa q sempre achei estranho…tenho um ford focus 2003 ghia completao. paguei na epoca 23.500 por ele…a 2 anos atras…e tenho um amigo meu que esta no canada e no terceiro mes do emprego comprou um 2005 igual o meu,apenas mais novo por 3.500 dolares.Sério,tem alguma coisa muito errada aqui.

  • Christian

    simplesmente excelente post!

  • pedro henrique nunes

    Cara, a realidade do país é bem triste, há tanta coisa para ser feita mas é tanta demagogia, presidenta nossa só viaja e está em campanha eleitoral desde o ano passado, os planos políticos são do tipo “vamos tentar isso,se der certo deu, se não gente refaz algo”. Tem os desistentes, mas que penso é que número absurdo de hipócrita e malandro nos comandos do poder é que o povo se reconhece neles. Nossos dirigentes são podres, mas temos nosso pedacinho nisso, e eu não me vejo como vítima, mas como parte de um povo algoz de seu próprio karma ruim.
    por fim, http://brasiliaempauta.com.br/artigo/ver/id/2888/nome/Entre_ter_de_limpar_seu_banheiro_voce_mesmo_e_poder_abrir_sem_medo_seu_Mac_Book_no_onibus

  • Marcosvinicius

    Rodolfo, um Camaro modelo top [modelo esse com motor V8 que acho nem ser vendido por aqui] la nos EUA custa $26.000, aqui no bRASIL um Camaro sai pela bagatela de R$140.000 … Realmente, tem alguma coisa muito errada aqui!

    Bônus: Um Corola/Civic completo ta na faixa de $20.000 a $22.000… Não faço ideia de onde esta o erro.

  • Pois é né. Esse é o brasil(com B minúsculo de propósito) dos brasileiros comedores de churrasco(eu sou vegetariano a 8 anos), torcedores de futebol(não torço para time nenhum), tomadores de cerveja(eu não consumo bebidas alcoólicas), tomadores de coca-cola(parei de tomar esse lixo faz 8 anos também), telespectadores de rede globo(também não vejo esse lixo) e consumidores de porcarias a preço de ouro. Um brasileiro que é torcedor de futebol e telespectador de novela, que compra um carro com lataria no nível de latinha de cerveja e interior feito de plástico de velotrol e tem o preço absurdo é um brasileiro nato, ou seja, é um perfeito idiota. E sem contar a desonestidade do próprio povo em níveis que chega a estarem incrustadas no DNA. Tipo achar um celular na rua e desligar o mesmo para não devolver, coisa de brasileiro torcedor de futebol, funkeiro, pagodeiro, axezeiro e comedor de churrasco feito na laje ou no terreiro da casa, ou também em alguma churrascaria de elite(frequenta para ostentar). Enfim, meu estômago embrulha quando começo a refletir sobre o brasileiro e sobre a natureza desse povinho de merda aqui…

    • Roberto

      Marcus Vinícius!!! É isso ai, cara. Isso que é ajudar o Brasil!!!!! Não come carne, não torce pra futebol, não toma cerveja, não toma Coca-Cola e, PASMEM!!!!!!, não vê a Rede Globo! Cara, estou impressionado, viu. Você também não compra carro de latinha? E devolve celular que acha na rua?? Cara! Você não devia nem ser político! Você é um santo. Um exemplo!!!! Meus parabéns. Vou imprimir o seu comentário e seguir como exemplo de vida. Vou educar meus filhos com esse exemplo, ainda há tempo! Que figura fantástica!!! Parabéns! Que exemplo, que exemplo!!! Finalmente o Brasil estará a salvo.

      • Janio

        Roberto, agora você vai ironizar o cara só porque ele pensa diferente de você.
        Você é imediatista, arrogante, intolerante e burro.
        Pior é que você é parte do problema e não percebeu.
        Mas… sorria: na nossa sociedade mentalidade igual à sua sempre vence.
        É isso que precisamos mudar.

      • Roberto, tô vendo que você é o brasileiro original que citei no meu comentário. E o pior é que você se sente ofendido quando eu e algumas pessoas apontam e citam todas as podreiras naturais do brasileiro. Das duas uma, ou você é um pobre fudido que ganha mal, mora mal e come mal e mesmo assim sente orgulho de viver nesse país tão desigual e cheio de gente rica e suja, sim, tem muito rico safado ficando rico de maneira mais safada ainda, enquanto uma grande parte da sociedade amarga as dificuldades diárias. Ou então você deve ser um filhinho de papai que ganha tudo de mão beijada, vive uma vidinha de rei do camarote graças ao dinheiro do papai e sai por ai dizendo que o brasil é bom d+, vive de baladinhas noturnas e claro, vai achar o país uma maravilha, não tem que se esforçar para pagar contas ou ganhar dinheiro, é só gastar e se divertir, viver assim em qualquer país é bom, até no Iraque. Digo e repito, o brasil é o que é porque o povo é infantil, piegas, corrupto e escroto por natureza. Ou por acaso o governo brasileiro é composto por japoneses? Não, é composto de brasileiros altamente defeituosos em seu caráter, e por isso nunca vai mudar. A solução para o brasil é entregar a administração do país para quem sabe fazer crescer, e não vejo ninguém melhor do que os japoneses. O brasil deveria ser administrado por Japoneses, o governo deveria ser privatizado e entregue a japoneses, aí sim esse país avançaria 10 anos em 2.

        • John Doe

          É que dói quando se coloca o dedo na ferida, né cumpadre….

      • John Doe

        Roberto, então ele estaria “ajudando”o brasil (concordo com o ‘b’ minúsculo) fazendo o contrário???
        Cara, acorda! conformados como você garantem a manutenção da desgraça nacional. Aceite tudo, faça tudo “torto” e imprima a “lei de gerson: gosto de levar vantagem em tudo, ceerrrtttooo!” como seu modelo de vida e seja feliz… se conseguir!!!

    • John Doe

      lembrar do velotrol foi boa…. deu saudade… =D

      • Maria

        não sei o que não comer churrasco ou coca-cola vai ajudar o Brasil! Se tem um pingo de conhecimentos gerais saberia o quanto esse mercado representa no país! Eu sou que nem o Marcus e não me acho uma esclarecida avante toda a sociedade! Conheço pessoas geniais que comem churrasco, tomam cerveja e coca-cola! E tem funkeiro que empreende mais que muito vegetariano escutador de Sinatra! A Coreia do Sul evoluiu fantasticamente com uma cultura de massa que é um lixo tão ruim quanto funk! Por favor, sem apelações. Isso é o de menos, um país não é melhor ou pior porque tem gente que gosta de umas coisas que outros odeiam, isso aí pouco muda. O que muda é a forma como se administra os recursos, seja como for, a consciência das pessoas em tolerar os outros (porque ser rico e ser intolerante também não ajuda), a defesa e promoção de direitos humanos, as condições de vida, de educação…
        Se esse fosse o problema de um país, a Alemanha seria o ó do borogodó! Aliás, Janio, você teve a mesma atitude que criticou no Roberto.

        • Maria, esses mercados, o de consumo de carne e o de Coca Cola representa o brasil? Só se for o brasil da sua família, ou seu pai é um grande criador de gado ou ele é dono de uma distribuidora de refrigerantes. Faça me o favor, a criação de gado é um grande negócio para criadores de gado, traz lucros gigantescos, enquanto destrói a natureza, sim, visto que áreas de mata nativa são derrubadas para criação de pasto para se colocar milhares de cabeça de gado, e tudo para corte e consequentemente alimentar sua glutonaria por churrasco. Acorda pra vida filha. E não sou escutador de Sinatra. Você disse: um país não é melhor ou pior porque tem gente que gosta de umas coisas que outros odeiam, isso aí pouco muda. Minha filha, em um país onde algumas pessoas estão preocupadas com os problemas sociais e outras estão ocupadas vendo futebol pela TV, ouvindo funk pornográfico ou funk fazendo apologia ao crime organizado, preocupadas em queimar aquela carninha no final de semana e se fartar de carne até passar mal enquanto algumas pessoas não tem nem o que comer na mesa, você acha mesmo que um país com uma sociedade tão dividia entre os problemas e coisas fúteis vai pra frente? Acorda pra vida…

    • Everson

      Você é senhor de sua vida. Já sabe disso, e não precisa que ninguém te diga, não é verdade, Marcus Vinícius?
      E também tem todo o direito de ter suas opiniões, afinal é livre. Mas você não tem direito de ofender as pessoas por suas escolhas alimentícias, ou ainda seus prazeres, como uma lata de cerveja ou uma partida de futebol na TV Globo.
      Saiba que o fato de não comer carne não te torna melhor que ninguém ( nem em termos de saúde!! ), e mesmo se tornasse, não seria educado esfregar isso na cara das pessoas. Na verdade, sua atitude provoca o efeito inverso.
      E o fato de não tomar cerveja também não mostra nada, visto que a cerveja é companheira da humanidade há muito tempo, e assim como a carne, faz parte de nossa alimentação há milênios. Cerveja e carne são consumidas em países de primeiro mundo, sem restrição alguma. Realmente não é isso que faz a diferença no desenvolvimento das pessoas, e consequentemente do país.
      Quanto ao gosto musical, embora também não goste desses, é mais uma daquelas coisas que não interessam a terceiros. Assim como você é o senhor de sua vida, as outras pessoas também tem direitos, viu? É claro que elas não têm direito de te incomodar enquanto ouvem o seu funk, pagode ou axé. Considerando que você se refere as pessoas com menor poder aquisitivo com tanta superioridade, penso que você não mora na favela ou comunidade, e portanto fica complicado entender que parte te perturba tanto, se é o fato de escutarem música em volume alto, ou de gostarem do ritmo. Veja, você está longe dos churrascos na laje, e continua perturbado por eles…Falando em churrasco, acha mesmo que as pessoas que estão na churrascaria estão lá pra ostentar? Recomendo que algum dia você vá a uma churrascaria e constate: As pessoas vão lá é pra comer mesmo.
      Quanto a sua resposta ao Roberto, foi muitas vezes mais lamentável que o post inicial. Eu conheço pessoas de quase todas as classes sociais. Não conheço ninguém miserável, nem ricos a ponto de ganharem 100k por mês, por exemplo. Mas lido com pessoas e afirmo categoricamente, sem medo de errar: Caráter não tem absolutamente nada a ver com o saldo da conta corrente. Tem bandido em qualquer classe social e tem gente honesta em todas também. Você, o Janio e o John Doe foram, na minha opinião, absolutamente infelizes e rotularam o Roberto só porque ele teve a ousadia de discordar de você. Ele em nenhum momento disse que está contente com o Brasil, ele te ironizou simplesmente porque as coisas que você disse foram tão ácidas e equivocadas, que estão longe de ser a causa dos problemas do país, ou parte da solução. E ainda acho que a ironia foi bem mais suave que o comentário. Primeiro, porque foi somente para você, segundo porque foi provocada.
      Por fim, discordo completamente em entregar esse monte de terra, que alguém chama de país, aos japoneses. É que eles não são amigáveis com povos colonizados, e eu não tenho os olhos puxados.
      Eu nem ia responder nada, mas o rapaz lá de cima querendo indexar o aluguel ao salário mínimo e o outro mais embaixo colocando a culpa em “caucasianinhos”, no melhor estilo preconceito pela cor da pele; minaram minha paciência. É que estou de saco cheio de gente que se acha evoluída e melhor, e em vez de colocar seus argumentos de forma clara e sem ofender, mostrando para as pessoas as vantagens de se portar diferente, faz questão de humilhar o semelhante. Não. Não é possível melhorar dessa forma.

      • Everson, citei sim todas as características dos brasileiros “originais” e com certa impaciência e raiva porque vejo isso dominando a mente e o coração do brasileiro, o alienando de toda a situação atual da sociedade e do país.

        É um direito meu de não gostar da maioria das atitudes dos brasileiros. Citei o fato de ser vegetariano, de não tomar bebida alcoólica, não assistir Rede Globo, não gostar de futebol, não gostar de funk, pagode, axé e outros lixos não para dizer que sou melhor, mas sim para mostrar que tenho facilidade de quebrar com padrões sociais pré estabelecidos e muitas das vezes impostos guela-abaixo.

        Citei todas as minhas características e conceitos foi para dizer que consigo me desprender de qualquer coisa que ocupa minha mente e que me impede de focar em algo que seja produtivo e traga soluções, seja para mim ou para o meio em que vivo.

        Me irrita sim ver o povo brasileiro tão preocupado com uma final de campeonato brasileiro enquanto a sociedade mergulha no caos, enquanto a qualidade de vida cai vertiginosamente, enquanto a violência aumenta de forma galopante, e as drogas, principalmente o crack se torna uma epidemia.

        Você disse que me refiro às pessoas da favela com ar de superioridade, não odeio moradores de favela, mas não gosto do comportamento carnal e até mesmo alienado de alguns moradores de favela, onde prevalece a ideia de que tudo é festa e que se danem os problemas sociais da favela, o famoso “EU QUERO É CURTIR O BAILE FUNK, O SAMBINHA, A MALANDRAGEM E QUE SE DANEM OS PROBLEMAS AQUI DO MORRO.”

        E outra coisa, até acho interessante o ambiente mais humano de favela, os pequenos comércios onde todo mundo conhece todo mundo, a amizade entre os vizinhos dos barracos, a vida cotidiana e bem movimentada de uma favela e sem contar a vista maravilhosa das cidades que se contempla de uma favela, visto que a maioria está em alto de morros e tem uma visão panorâmica incrível.

        Aqui mesmo em Belo Horizonte na favela da Serra se tem uma vista inigualável de toda a Belo Horizonte, linda vista e que faz qualquer cobertura de prédio ser sem graça.

        Quanto ao consumo de cerveja minha raiva não é pelo consumo, até entendo que não é tão nociva para a saúde, o que me irrita é o estado em que ficam algumas pessoas após o consumo de cerveja, as atitudes tomadas e como a consciência de algumas pessoas se anula, ou você não lê as noticias de acidentes de trânsito causados pelo consumo de bebida e direção?

        Odeio a seguinte ideia do brasileiro: “Eu bebo é para ficar ruim mesmo, se fosse para ficar bom eu tomava remédio”. Olha que desgraça isso!

        E quanto ao gosto musical do brasileiro, acha mesmo que eu não tenho o direito de ficar indignado quando passa um idiota com o carro cheio de som tocando músicas com letras obscenas, que muitas das vezes se referem à prostituição infantil, denegrindo a imagem da mulher na sociedade, fazendo apologia ao crime organizado e num volume que é única e exclusivamente para irritar e perturbar?

        Quanto a minha raiva pelo futebol? Pois bem, vou te explicar. Onde que o futebol traz benefícios sociais para esse país? É até o contrário, dinheiro público foi usado na reforma de estádios e não pode ser usado para melhora da saúde, educação e infraestrutura? E ainda quer que eu veja a paixão dos brasileiros por futebol com bons olhos? Faça-me o favor né Everson!

        • Marlon Ruttmann

          A primeira parte você já cumpriu, agora faça a segunda: Agir ativamente na política.
          Admiro suas atitudes, adoro carne e não se conseguiria viver sem comer isso pelo menos uma vez na semana. Porém não se coloque como exemplo, essa é uma atitude amplamente tomada aqui no Brasil, mas que mexe diretamente no inconsciente do leitor. Sabe por que? Por que a esmagadora maioria dos que agiram assim aqui, traíram aqueles que os admiravam.
          Agora, sabe por que vai demorar pra qualquer mudança ou revolução surtir efeito aqui no Brasil? Porque no Brasil não tem brasileiro. No Brasil tem baiano, que migra pra São Paulo pra se dar melhor na vida, que por sua consequência virá piada na mesa de bar dos sulistas por sua condição. Aqui tem paulista que odeia o baiano que “rouba” os postos de trabalho do Sudeste e, aliás, qual é o “reclamão” do Sudeste que tá correndo atrás das vagas de pedreiro e carpinteiro que o nordestino tá “roubando”? Aqui tem o povo do Sul que acha que o Sudeste é egoísta, que acha que todo nordestino é burro, que acha que no Centro-Oeste só tem pasto e que no Norte só tem mato e malária. Enfim, aqui não tem união, não existe o mínimo senso de humanidade, nos somos “pequenos países em conflito”, todos dentro de uma grande nação, a qual nunca foi – reconhecidamente pelo povo – tomada como unida e soberana.
          O seu discurso é bom Marcus, mas tente aliá-lo a um conhecimento social e histórico. Dessa forma você só é considerado mais um “revoltadinho”, um “rebelde sem causa”. Futebol, carnaval e cerveja são culturais aqui. Assim como vodka é cultural na Rússia. Assim como wiskhy é cultural na Escócia. Assim como futebol americano e baseball são culturais nos EUA(e os torcedores lá são bem como os daqui).
          Nossas deficiências são aspectos históricos, enraizados na história desse país, desde 1500. Não culpe questões efêmeras e pontuais como causa raiz das nossas deficiências.
          Outro aspecto que agrava nossos problemas são as bancadas evangélica, bancada dos homossexuais, bancada dos futebolistas, bancada dos jogadores de frescobol, e assim por diante. É um monte de gente querendo ampliar seus direitos, sem se preocupar se isso afeta a vida do restante da população. Tá faltando aqui a bancada da união e soberania! Subir num palanque pra ficar vomitando palavreado difícil sobre só o que te interessa é fácil. Juntar todo o povo num único objetivo, analisando as necessidades mais diversas e adequando o geral de modo a igualar todos os povos é que tá difícil. Eu tenho me esforçado pra fazer a minha parte, discurso moralista e fundamentalista não tá com nada, vide nossos amigos do Oriente-Médio. A união e consciência coletiva é que vão mudar esse país!

        • Everson

          Marcus, obrigado por responder, deixou mais claro minha ideia inicial sobre você.
          Para grande parte da resposta, basta reler meu comentário. Você supôs um punhado de coisas, mas eu não as defendi. Defendi apenas a liberdade das pessoas. E isso não inclui som alto. Está lá, releia.
          Quanto à indústria da carne… Você sabia que apenas 28% da área do país é usado na agropecuária? Sabia também que quase 33% das pessoas do país dependem do agronegócio para o seu sustento? E que quase 25% do PIB do Brasil vem dele? Se essa indústria não for importante…
          Agora, se a questão é preservar, concordo contigo. Tem que ver, nesses 72% do país que sobram, aonde dá pra preservar mais. Porque usar 28% da área, produzir alimento para brasileiros e exportar ainda 5,77 bilhões de dólares só em carne bovina, não é pra qualquer um não. Precisa ser competente. E se alguém destruir o meio ambiente, que seja enquadrado na lei. Agora o cara pega a mulher no sofá com outro, e para resolver, vende o sofá??? Daqui a pouco sai a notícia ( não na Globo ) que estão desmatando para plantar soja, e você vai tirar sua proteína de onde?
          Resumindo, você chamou de merda uns 99% da população brasileira. Se sua preocupação é com as pessoas, poderia começar parando de chamá-las de merda.

          • Everson, vou parar de chamar a grande maioria dos brasileiros de merda o dia que eles me mostrarem que tem interesse em sair da merda, do contrário continua sendo um povo de merda seguindo uma cartilha para ser um povo de merda. E outra, vegetarianos não se alimentam apenas de soja, não seja tão simplista e piegas.

      • John Doe

        Everson, é sua opinião e ela deve ser respeitada. Ah, e concordar com algumas coisas que as pessoas escrevem, não significa concordar com tudo, pois se formos detalhar as coisas, isso aqui ficaria pior que a TV Senado…
        Concordo, em parte, com o que você manifestou, assim como o Marcus Vinicius, principalmente porque as considerações dele mais me pareceram um desabafo, do que uma ofensa propriamente dita.
        E falo (escrevo) isso porque no meu comentário transparece a mesma indignação, também.
        Também não sou fã de funkeiro, nem de pagodeiro. Como paulista do interior, não temos por aqui “churrasco na laje” porque a maioria das casas são térreas. Nada contra o estilo de vida dessas pessoas, pois cada um “se vira nos trinta” como pode. Importante é estar de bem consigo mesmo, e com a vida.
        E como dizem, o que seria do amarelo, se todos gostassem somente de azul, não é mesmo?

        • Everson

          John Doe, qualquer um que pare pra pensar em como o Brasil poderia ser não fosse tanto roubo fica irritado.
          Nem precisava justificar, mas mostrou sua preocupação em não ser mal interpretado. Obrigado por responder

      • Jonas19

        Rapaz, obrigado pela sua resposta, foi isso que eu pensei.

        • Jonas19

          <Me referia ao Everson!

  • Alessandro

    Philipe,

    É incrível ver o quanto estamos distante de uma solução.

    Mas como disse em um comentário mais acima, o que está a nosso alcance de mudar somos nós mesmos. De 10-15 anos para cá, senti que aumentou muito o egoísmo da sociedade. As pessoas pensam primeiro no delas, e depois no delas também. Você percebe isso ao ver o comportamento e desrespeito ao próximo, desde pequenas coisas, como música alta e furar filas, até coisas mais graves, como furtar o celular de outra pessoa (já aconteceu mais de uma vez em meu ambiente de trabalho!).

    Acho que temos que trabalhar para mudar isso. Você por exemplo vejo como um educador, ensinando e divertindo seus leitores, mostrando que com dedicação é possível alcançar muita coisa. Apenas como exercício, e sei que você gosta de desafios, tente fazer uma postagem enaltecendo o Brasil, as coisas boas que só temos aqui (como a comida), e as perspectivas do que pode melhorar no futuro, mesmo sendo um futuro distante.

    Grande abraço.

    • Carlos

      Caro Alessandro.
      Vi tudo isso que você viu, mas vi também as pessoas mais conscientes com o meio ambiente, assim como com a mortalidade infantil, a violência doméstica, entre outros.
      A mudança não vai ser fácil e nem rápida, mas eu vejo pequenas mudanças de atitude que me dão esperanças.
      Como já disse mais acima, não aceito deixar as coisas assim para meus filhos. Tento fazer minha parte, pelo menos como exemplo para os outros e para meus filhos, e, sempre que possível, tento conversar com as pessoas sobre os problemas e como poderiam ser resolvidos.
      Infelizmente não detenho poder para fazer mais do que isso, mas se é somente isso que posso fazer, vou fazer a minha parte.
      Uma andorinha só não faz verão, mas quando uma levanta voo, as outras vão atrás. VAMOS LEVANTAR VOO.

  • Raid

    O problema, mesmo soando clichê, é histórico. Nós, como você mesmo disse, temos o país do futuro aqui. É um país continental, com a quinta maior população, sem desastres naturais em larga escala, com clima favorável, com abundantes matérias-primas.

    Mas já começou errado em 1822, querendo virar Império, numa época onde todas as colônias viravam repúblicas. E foi virar império muito a contragosto, os brasileiros que aqui estavam nem reclamavam muito da situação colonial, mesmo vendo os países vizinhos guerreando já uns 20 anos para se tornarem independentes da Espanha, aproveitando as invasões do Napoleão. Ao invés de se rebelar, nós acolhemos nossa corte saindo de fininho da Europa.

    Mas tardamos e finalmente viramos república, no limiar do século 20. Foi boa até, sem guerra nem nada. E ainda meio que copiamos a Constituição dos Estados Unidos, feita pelo Thomas Jefferson uns bons 120 anos antes. Constituição essa ainda vigente por lá.

    Mas a nossa não durou muito, na década de 30 veio a Revolução Constitucionalista, guerra civil, e o Estado Novo do Getúlio e viramos ditadura. Mais atraso. Acabou uns 10 anos depois, com o fim da Segunda Grande Guerra e voltamos a ser república. Voltamos por uns 20 anos só, virando ditadura outra vez, agora militar.

    E essa durou bastante, atrasando ainda mais o país. Só em 85, recentemente voltamos a ser república, terceira vez é de vez, como dizem.

    Só que a nova e última Constituição, de 88, é completamente falha, foi feita por muitas mãos, vários partidos, ficou uma bagunça, cheia de furos.

    Somos uma república de 30 anos, com uma Constituição meia boca, com políticos de carreira despreparados que herdamos da ditadura, com multi partidos criados nas coxas e com muito dinheiro. Só que esse dinheiro não retorna, porque nossa administração é um emaranhado de fios sem pontas soltas que favorece a corrupção e o desperdício de recursos públicos.

    Até mesmo um principado como Dubai ou Abu Dhabi tem mais retorno pra população do que nós, e olha que lá os príncipes PODEM guardar tudo só pra eles. Se aqui até vereador de cidade pequena tem dinheiro para despesas do cargo, e senadores e deputados podem aumentar os próprios salários, eles tão é mais preocupados com os deles do que com o país que administram porcamente.

  • Maria

    Brasileiro no geral é complicado. Quem é empenhado e realmente trabalha vê que a falta de vontade e pilantragem é uma doença que se espalha pelo ar nesse país. E a gente nunca assume a culpa, nunca. Quem reclama de político, reclama “do sistema”, adora colar na prova, adora sabotar os pais pra fugir escondido, burlar leis. Aí a gente aceita “ah mas é jovem”, e assim nos adestramos. E quem faz as coisas de forma certa é ridículo. Eu convivi muito com o pessoal que é de movimentos, que eu defendo e gosto, mas tenho duras críticas. Tenta organizar, tenta sistematizar, por as contas na ponta do papel… a maioria é estudante que se encosta nas bolsas do governo ou na cola dos pais, usa o dinheiro da universidade para ir nos encontros nacionais da bebedeira. E daí não querem deixar os outros agir porque só eles são capazes. É uma hipocrisia. Aliás, a menina do FEMEN no Brasil é um clássico exemplo disso.
    Esses dias li uma entrevista do Amyr Klink – acho que uma das mentes mais geniais que temos hoje – e o que deu para concluir é que somos pouco pragmáticos. Adoramos fazer nossos trabalhos meia boca nas coxas, adoramos coisas bonitas que chamem a atenção, mas nada muito prático e funcional. Os projetos de pesquisa em sua maioria são passionais; e, aliás, nunca se faz um orçamento decente. Duram anos pesquisando porcaria nenhuma que, no final, fica obsoleta. Quando se desenvolve uma tecnologia, se vende para empresas de fora por uma bagatela.
    Não dá pra pegar a Europa como exemplo, nem os EUA, porque a Europa teve guerras, isso deu uma boa limpa populacional (pragmaticamente falando), depois ganhou um punhado de dinheiro dos EUA para se reconstruir, e também tinha um sistema de ensino desenvolvido por muitos séculos, igual a Ásia. Os EUA está em crise, os imóveis estão valendo nada como reflexo disso.
    Falando da Ásia, é uma consciência diferente, uma consciência coletiva. Ninguém se sente idiota em ajudar o país. Aqui a gente não faz nada pelo país. Mesmo que “prestasse”, não faríamos. Olha o que deu com os “Brizolões” no RJ. Se faz uma coisa que é para melhorar, tem os “olhos gordos” que dão um jeito de falir.
    Não dá pra dizer que não tivemos problemas no nosso modelo de exploração, porque isso ocorre em TODA a América Latina, na África e também em muitos países asiáticos. Que, aliás, mesmo colonizados tinham sistemas próximos aos ocidentais (que é o que invariavelmente domina hoje) mais desenvolvidos.Sabe-se lá o que seria do Peru se não tivessem dizimado seus nativos, que eram uns gênios, mas se adaptado a eles, como fizeram com árabes e asiáticos.
    Temos que nos conscientizar que nós temos que mudar. Essas passeatas do meio do ano foram uma piada. A gente sai berrar sem saber o que quer. Tenho uma colega que estudou na Grécia e voltou esse ano, disse que lá está um caos, que a polícia perdeu a credibilidade (pelas passeatas da crise) e que virou uma baderna.
    A gente quer mudar a educação. Mas quer o que? Escola integral? Queremos totalmente pública? Queremos o que no currículo? Que currículo? Como serão os professores? Gritar sem propor não dá em nada, depois fazem as Audiências Públicas e ninguém vai e nem sabe do que se trata.
    O governo é um lixo. beleza, queremos o que então? Uma ditadura? Uma Monarquia? Anarquia? Vamos fazer o que? Que tal nos candidatarmos? Bem, mas não esqueçamos do Lindebergh…
    A saúde é um lixo, mas fala em pagar cirurgia de mudança de sexo no SUS e todo mundo pira porque é um absurdo. Mas saúde é muito mais que dar remédios…
    E aí a gente vê o pessoal no trabalho. Só para dar um exemplo, na própria faculdade é comum os colegas, na cara dura, deixarem os outros fazer tudo. E isso se replica.
    E assim caminhamos, como diz o Lulu Santos (dono do ECAD) “com passos de formiga e sem vontade”. Contanto que tenha a cerveja na sexta-feira, o telefone da moda pra mostrar pros outros, e muita pornografia, além de um espaço pra resmungar, tá ótimo.

  • Casoares

    Philippe, confesso que não li tudo e não foi por causa do tamanho do texto, pois seus textos são muito informativos. É que o assunto tratado é um porre.

    De passagem, passei pelo sub-título “NENHUM PARTIDO POLÍTICO PRESTA!” e concordo plenamente contigo.

    • Sem problemas. O assunto é um porre mesmo.

      • John Doe

        Mas convenhamos: deu motivo para um monte de comentários e opiniões, né!

        • Hehehe assim que eu gosto! Dá uma animada. E apesar de ser um assunto chato, acho importante falar disso, porque afeta a vida de todo mundo. Pode parecer só uma resmungação sem finalidade, mas alguns leitores de vez em quando me escrevem dizendo que passaram a acompanhar e se preocupar mais com as questões políticas depois de ler sobre isso aqui, então estou sempre fazendo e apontando o dedo para as merdas que os políticos fazem no país.

  • Everson

    Precisamos de educação, saúde, segurança e justiça rápida, nessa ordem. De maneira geral, esses quatro pilares influenciam diretamente no desenvolvimento do país. Sem iniciar com educação nunca teremos infraestrutura, porque esses políticos atuais querem apenas a perpetuação no poder, e não desenvolver o país. A educação é a base de um povo que vai cobrar e exigir que o valor pago nos impostos seja usado em prol do desenvolvimento. E está claro que o atual governo não quer a população educada.
    Conheço quem não vota como forma de protesto, mas acredito ser uma atitude errada, visto que não votar, da forma como é feita a apuração, favorece o candidato melhor posicionado. Quem está descontente com o atual governo deve votar em qualquer candidato no primeiro turno, e votar no outro candidato que for para o segundo. É a única forma de garantir a alternância de poder, dando o recado claro: Se não for bom, vai sair na próxima eleição. As pesquisas indicam que Dilma tem perto de 45% dos votos. E, se 55% da população não quer, então porque ela ainda assim seria eleita no primeiro turno? É porque votos nulos e brancos são simplesmente ignorados, e daí o universo total diminui, exigindo do candidato menos votos que 50% + 1 ( do total de eleitores ) para ser eleito.
    Eu não acreditava que José Dirceu fosse preso, e aconteceu.

  • Jorge

    Quase a metade da arrecadação estatal dos três poderes é sangrada pelo pagamento de juros e serviço da dívida pública. É o dinheiro que faz falta na educação, na saúde, nos investimentos públicos, e por aí vai.

    Agora, permita-me fazer uma observação: quando as pessoas de bem, que sonham em ajudar a construir um país digno e justo se afastam da política e começam a dizer que “políticos não prestam”, que “político é tudo igual” os picaretas, canalhas e corruptos se sentem muito mais a vontade para mandar e desmandar.

    Graças a esse tipo de discurso, que no limite é anti-democrático, em breve teremos algum “salvador da pátria” se candidatando, dizendo que é diferente, que vem de fora do sistema, que vai moralizar e etc… todos vão votar nele, e aí, já sabem – mais uma vez vamos quebrar a cara, igualzinho quando elegeram o Jânio Quadros presidente, igualzinho quando elegeram o Collor presidente…

    A vida em sociedade é em essência um ato político. Você pode não concordar, mas está fazendo política aqui no seu blog, assim como os comentaristas, ao difundir suas idéias e opiniões. Em 2013 nossa sociedade ocupou as ruas e se manifestou. Agora é hora de dar o próximo passo: ocupar, tomar de volta a democracia. Participar da vida política da cidade, apoiar aqueles que tem novas idéias e boas intenções (pois ainda existem, sim, pessoas de bem tentando fazer política), questionar e criticar as verdades difundidas pela mídia e pelo governo, expressar suas opiniões e não ter medo de afirmá-las. Pois a democracia, a política são uma merda, mas ainda assim são muito melhores do que a melhor das ditaduras.

    Sabe qual o problema do nosso país? Sabemos reclamar, mas na hora de tomar iniciativa e tentar mudar, nos acovardamos, esperando que as soluções caiam do céu, esperando que o “governo resolva”, que a Dilma dê um jeito, ou o próximo presidente.

  • Rick

    O povo brasileiro ainda vive na escravidão dos governantes. O PT sem o voto de cabresto (bolsa família – opa,miséria) não se elege. O povo brasileiro briga por direitos toscos e ridículos como ir para rua pedir liberação de maconha,marcha de vadias,casamento gay,etc. Enquanto o brasileiro for burro e ignorante veremos tiririca,popo e Romário criando leis nesse pais. Falta instrução e conhecimento de causa sobre esses problemas. Se partido fosse bom não chamava partido,seria inteiro. Detalhe final,companheiros de sofrimento: nenhum político se interessa pelos fatos escritos nesse blog. Infelizmente. Sabiam que a Dilma tem um gasto de $ 17.000.00 mil reais com a “limpeza da piscina” do palácio ? Não ? Pois e,imagine quanto deve ser suas custas de jardineiro e cozinheiro. “Tem muita manga nesse pano,amigos”.

  • Rick

    O que inviabiliza um possível sistema justo e o descaso político.

    • Penso que o descaso político pese muito. Um bom exemplo de como ele pesa é que os políticos efetivamente só trabalham três dias na semana, pois sessões plenárias não ocorrem nas segundas nem nas sextas. Isso é uma vergonha horrível, pois pagamos caro para nego não trabalhar. Mas não penso que seja só isso a culpa pela falta de mudanças que precisamos implementar urgente e que não são implementadas. O sistema como um todo é excessivamente burocrático e com complexidades inúteis, que trabalham para emperrar mudanças. São infinitas comissões, grupos de discussões, emendas e cortes que muitas vezes inviabilizam qualquer alteração nas leis do país. Em cima disso ainda vem o veto presidencial, o uso do veto nas “casas do povo” como meio de pressão para atingir objetivos e interesses partidários. Não é atoa que pessoas que entraram para a política querendo melhorar as condições deixaram a carreira política com nojo.

  • Talita

    Por favor, alguém ai sabe onde tá o botão de reiniciar do Brasil?

    • John Doe

      Talita, o problema é que, se “reiniciar”, volta a ser como era… melhor encontrar o “delete”, mesmo, e começar de novo!!!

  • Aline Carneiro

    O principal problema do país é que nós temos um PIB trilionário, mas no ano passado 48% desse pib foi comprometido para pagamento de dívida pública. E não é pagamento que diminui montante, mas pagamento de JUROS. Na nossa constituição estava prevista a auditoria dessa dívida, mas ela nunca foi feita. Quando o Equador, que é um país infinitamente menor que o Brasil, fez a mesma auditoria, na melhor janela de temp possível, na época da crise de 2008/2009, conseguiu reduzir os juros que eram cobrados sobre juros e reduziu seu déficit muito (não tenho números precisos), e aqui, ao falar do governo do equador a imprensa se refere a ele como “chavista de esquerda”, quando na verdade ele é liberal e não-estatizante.
    Durante os protestos de junho/julho, falouse muito dos gastos da copa e da olimpíada, mas sem o mínimo senso crítico. Não estou dizendo que não se gastou muito, mas ninguém examina a conjuntura do país (o Philipe é uma brilhante exceção). Todo discurso de reação soa, na verdade, reacioário ” a culpa é do bolsa família”, “a culpa é do maracanã”… a culpa é de seis governos seguidos que não cumpriram um compromisso constitucional e não auditaram – veja bem, não é renegociação, é exame da legitimidade da dívida – e só fizeram aumentar o rombo. E para surpresa de muitos, a maior dívida do governo é interna! É obviamente um caso de governo que administra mal o orçamento e põe a culpa nos funcionários públicos, nos aposentados – que são as classes que sempre pagam o pato quando o governo se pronuncia. Diz que funcionário público já ganha bem (mas não tem quasebenefício, viu, principalmente os estatutários da área federal) e que o aposentado “sai caro” e tome reformas de previdência que tungam e vão tungar mais ainda os aposentados. Pensem no futuro de vocês e guardem dinheiro, porque quando chegar lá na frente o governo pode – e tem lei garantindo isso – não querer pagar sua aposentadoria de direito.
    Tem um site com muita informação sobre isso. Recomendo a leitura: http://www.auditoriacidada.org.br/

    • Por isso que eu sempre digo para NUNCA, JAMAIS confiar que um dia se aposentará com dignidade pelo INSS. O unico jeito de evitar riscos (ainda assim envolve riscos ja que segurança juridica é algo raro no Brasil) é procurar planos de previdência privados.

  • Firmino

    hahaha gostei do seu post, cara!

    O grande problema do Brasil, é que somos uma colônia de exploração, ou seja, assim que EU conseguir o que eu posso ($), tá bom! os outros que se danem!! vou ajudar ou me juntar a gente que só quer me passar pra trás? ninguém pode confiar em ninguem nessa encrenca de país, porque todo mundo quer se dar bem em cima de todo mundo!! É ASSIM QUE A MAIORIA PENSA!

    Aqui é cada um por si! e quem tá por cima, vai continuar por cima, porque é os de cima que CONSTROEM e MANTEM o sistema do jeito que está…o brasileiro das classes média e baixa, é igual a barata, se acostuma com o ambiente.. e assim nossa geração vai ficar, no mesmo marasmo das gerações passadas!

    vai me dizer que você, após ficar rico, com uma empresa de onibus, por exemplo, vai querer que a cidade tenha um serviço de metro eficiente e mais barato? uai cara, claro que não! você vai ligar pros seus contatos no congresso pra que a coisa não saia do papel, e assim segue a vida!

    Meu comentário, foi em tom de descrição da situação atual, e não como um apelo, ou critica.

    • Infelizmente é assim que acontece mesmo. Talvez por isso que em muitos países, como a França, áreas cruciais são monopólio estatal.

  • E não é de graça que eu saio desse balde de lixo…ops…do nosso querido país, pra ir morar em qualquer outro país “de primeiro mundo” na primeira oportunidade.

    Mesmo que seja pra limpar chão de banheiro do McDonalds no Canadá.

    • Jorge

      Limpar banheiro do McDonalds no Canadá? Se é para ser lixo no exterior, prefiro ser lixo aqui mesmo.

      • Talvez o erro seja considerar que as pessoas que trabalham em empregos básicos sejam indignas. Como você pode dizer que uma pessoa honesta que trabalha é lixo? Lixo é um parlamentar que leva propina para defender interesses escusos. A condição social não é o que faz as pessoas serem lixo. Um parente de um grande amigo meu emigrou para o Canadá. Ele é operador de retroescavadeira, uma profissão que talvez esteja na sua categoria “lixo”. Apenas operando a maquina ele mora numa casa que no Brasil seria considera Mansão, tem dois carros, que aqui não sairiam por menos de cem mil reais cada, motos de neve, tv de 50 polegadas, os filhos estudam em excelentes escolas, eles viajam pelo mundo duas vezes ao ano.

  • Rick

    Isso é o que eu também penso, Philipe. Mal sabe que um salário de um limpador de banheiro do McDonalds equivale ao mesmo de um brasileiro com formação acadêmica (isso quando o sortudo tá empregado). A mão de obra em país de primeiro mundo é muito valorizada, cheia de benefícios e regalias que aqui não se tem nem sonhando. Um exemplo vivo do que dizemos está aqui:

    http://www.youtube.com/watch?v=mH00NqcqKLU

    http://www.youtube.com/watch?v=DigUKDOM-k0

  • Fernanda

    Simplesmente resumiu o que eu penso e vivo falando. E amo o meu país, mas aqui não dá pra ficar, me desculpem. Cansei de ver o quanto eu gasto EM TUDO, cansei de ver as coisas subindo, desdo arroz e o feijão no supermercado, até a cerveja dos finais se semana com os amigos. Aí vem esse aumento do IPTU para os bairros ricos, ou seja, quem mora em bairro “nobre” é necessariamente “nobre”, quem tem comércio nesses bairros necessariamente tem dinheiro? Aqui em SP o transporte não funciona e cada dia temos mais e mais carros exalando poluição como se, comprar um carro fosse resolver o problema do transporte coletivo (coletivo sim, porque se fosse público a verba seria revertida na cidade, o que não ocorre). Tudo está aumentando, menos o salário. O que eu recebo vai praticamente inteiro para a minha faculdade e não daria pra eu sobreviver sozinha, e olha que é um pouco mais que um salário mínimo. Eu fico pensando com qual dignidade as pessoas que ganham um salário mínimo ou “bolsas” do governo vivem.
    Esse país o mais mascarado da América. Anos e anos de descaso com o povo, o povo que elege os filhos da puta que tão nos “representando” nos altos cargos dos municípios, dos estados e do país, esses filhos da puta que só nós fodem de tanto que a gente trabalho por um mínimo de dignidade.

    • Ta foda mesmo. Fui ver creche para o Davi. Sabe quanto? mais de mil reais! Mais caro que uma universidade!

  • BEZALEL

    Quem não estiver satisfeito que se mude pra lá!

    • Rui

      Quem disse que não?
      conheço um punhado de gente que estuda fora paga mais barato por educação superior(incluindo mestrado e doutorado), ganha um salario que aqui no brasil seria bolsa familia, mas tem deles que vivem na europa em locais cinematograficos, nao precisam pagar por conforto ja é algo básico dos locais a centenas de anos, isso são direitos humanos e olha que nao estou falando de capitais europeias.

      • “mas tem deles que vivem na europa em locais cinematograficos, nao precisam pagar por conforto ja é algo básico dos locais a centenas de anos,” – meus pais!

  • Sinatra

    Philipe,
    Gostaria de lhe sugerir uma pauta que, creio eu (numa visão pessimista), vai assumir um tom profético a médio ou longo prazo: uma estimativa dos efeitos da explosão da bolha imobiliária no Brasil.
    Poderia até ser uma narrativa ficcional do tipo guerra dos mundos, prevendo e descrevendo a sociedade nacional após o baque, no futuro. Como elementos de fundamentação poder-se-ia proceder com a comparação ao estouro deste tipo de bolha em nações de condições econômicas e culturais parecidas (análise de casos comparados).
    Eu acho que com sua excelente redação e bom senso de confecção da trama dos fatos e ideias, seria no mínimo um referencial MUITO interessante para agora e especialmente para o futuro.
    Vai que a coisa toda estoura daqui a 6 meses ou logo após a Copa? Com estes índices econômicos péssimos que experimentamos, não seria uma previsão descartável. A esta altura, o Mundo Gump teria um excelente referencial no assunto.

    • É uma boa ideia, Sinatra, mas previsões são coisas traiçoeiras, porque para poder fazer com certeza, elas precisam de caminhões de variáveis. Quem gosta muito deste tipo de previsão bizarra com base em variáveis malucas são uns caras que fizeram o livro Freakonomics

    • Mrcs

      http://www.bolhaimobiliaria.com

      E Se philipe se candidatar, voto com certeza! Precisamos de mais pessoas conscientes, engajadas e carismáticas no nosso governo.

  • Vai se tratar

    Que você é um bosta , não tenho dúvida, afinal você é o que você pensa que é, você é uma piada também, pois só uma piada humana fala isso sobre sí próprio, agora deixe os outros fora da sua viralatisse autodiscriminatória congênita pois como em todo lugar aqui tem gente de todo tipo, a os que levam as coisas pra frente, os pesos mortos e os sabotadores, os viralatas complexados ladram mas a caravana segue, não vou repetir pela enésima vez os avanços do Brasil pois não acredito em surdice, cegueira ou burrice em tamanho grau, trata-se claramente de um problema psicológico/emocional que atinge sobretudo nossa classe coMédia por gerações. pra vocês o Blues da piedade do saudoso Cazuza.

    • Linda capacidade de argumentação. Hahaha.

    • Mrcs

      Desinformado detected.

    • Marlon Ruttmann

      Cara, tu cita Cazuza. Tu nunca deve ter lido sequer uma letra de música do Cazuza… 😛

  • Carlos Almeida

    Vou bancar o economista / historiador.

    1 – Logo no período da colonização do Brasil, era prática comum a troca de 7 navios com comida e ervas (plantadas no brasil) por 1 navio com produtos manufaturados (vindo da europa).

    2 – Este modelo de negócio ( 7 a 1 – igual o jogo AlexBra 2014), citado no item 1, foi dominante por mais de 400 anos… nota-se que não é uma boa ideia fazer desta forma.. mas este era (é) o modelo de formação de riqueza de Portugal que…. opa!.. tá tão ruim (ou pior) que o Brasil.

    3 – Para que seu país seja considerado rico, é necessário duas coisas: 1 – Ou ele produz tudo o que usa e precisa (ou quase tudo) e permite que sua população tenha acesso a estes itens. 2 – Ou você vende muito (seja lá o que você produz) e adquire muito dólar pra comprar o resto do que você quer (playstation, peças de carro, peças de avião, máquinas, equipamento para hospitais) de algum outro país gringo que quer receber em dólares ( e não em reais -> nossa moeda bonita e colorida, mas que não tem valor algum lá fora).

    4 – A reserva de dólar do Brasil é considerada uma piada ridícula (é sério, qualquer economista confirma isso), pois os principais produtos são: Soja, minério de ferro e petróleo (de baixa qualidade)… portanto, não será suficiente para comprar itens almejados por 200 milhões de pessoas… ainda mais se você constatar que os carros nacionais (os aviões também) são montados com peças vindas de fora (compradas com dólar) ou que um grampeador usado em cirurgias custa cerca de 20 mil dólares… então, para controlar o consumo, e as reservas não secarem, impostos altos são colocados a fim de impedir que os brasileiros torrem toda a reserva de dólar do país.

    5- O imposto alto para importação inicia o círculo vicioso, e tudo deverá ser caro, a fim de impedir que todos comprem.. mesmo o cimento (fabricado aqui) se torna caro pois depende de caminhões (vindos de fora) para ser transportados.. e a gasolina (fabricada aqui) se torna cara para que sobre para a venda em dólar, e ela tem de ser vendida lá fora senão a Petro não terá moeda para comprar os equipamentos que precisa para extrair petróleo.

    6- Saudosistas dizem “mas no período militar era melhor”. Bem, naquela época, o medo do comunismo fez os americanos emprestarem muita grana ao Brasil. Isso hoje acabou, pagamos nossa dívida externa na marra!… e não dá pra comprar mais nada “fiado”.

    Resumindo: para aqueles que dizem que a culpa do Brasil é só da corrupção e dos impostos altos, eu digo “adoraria que fosse só isso”.. o problema é muito, mas muito mais difícil de resolver. O primeiro passo seria pegar todos os bolsistas (capes e etc) e solicitar deles projetos para suprir carências produtivas do país, e passos serem dados para que o brasil fabrique suas porcarias com preços baixos a fim de que o povo tenha acesso a algum consumo.

    abração.