23 Comentários

  1. Dhiego

    Difícil imaginar o nível de desespero e aflição que ele está sentindo. Impressionante seu talento para descrever um contexto tão assustador.

    Responder
  2. Fernando

    A mulher foi comida duas vezes no capítulo. Que monstro bizarro. Boa capítulo, cara, parabéns!

    Responder
    1. Robson

      kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

      Responder
  3. Robson

    Parece que a Caixa não é a única dimensão mística que existe em céu e inferno.

    Esse guardião tem menos controle do lugar do que o guardião da caixa.

    Interessante o que aconteceu com o corpo deles, aparentemente assumiram uma forma aperfeiçoada…

    Acho que é uma dimensão parecida com a Caixa pq, se fosse o inferno a mulher deveria reviver para ser novamente devorada e coisas insanas do gênero que se espera do inferno.

    Pela língua totalmente singular dela e pelo imenso pavor dela ao ver a criatura, que pelo visto viu pela primeira vez, ela devia estar lá a muito tempo.

    Responder
  4. Carlos Dente

    Esse conto (conto?) está se tornado excelente. O crescente aprofundamento é incrível.

    Parabéns, Philipe. De coração, cara.

    Responder
      1. Carlos Dente

        Eu que agradeço pelas tuas ótimas histórias. Ontem mesmo reli ‘O Despachante da Morte’ em ‘O Melhor do Mundo Gump’.

        E que venham cada vez mais ‘Crônicas de Leonard’!

        Responder
  5. Cris Ramos

    Quando penso que vou descobrir o final…aí vem o Philippe e complica tudo…parabéns tá muito bom…

    Responder

  6. Lembrando que podemos ficar sossegados com a segurança do Renato, pois quem conta toda a história pro Philipe lá no restaurante é ele próprio… ou será que não é ele? 🙂

    Responder
  7. Rogério Calsavara

    Olha aí o Mungo!! Quem diria que ele é o gato bizarro do Lúcifer?? Mas olha… com uma caixa de areia desse tamanho tenho até medo de pensar em como é o xixi dele… E o cara ainda se enterra na areia? Se o Lúcifer não tiver trocado a areia recentemente ele vai pegar uma micose do inferno… literalmente!

    Responder
  8. Marcelo da Silva Almeida

    Cara, estou acompanhando esse conto desde o primeiro post, e todo dia abro o site pra ver se tem atualização hahahah, parabens pelo excelente trabalho!! A história realmente prende quem lê, essa temática eu gosto muito!! E sinceramente, daria uma excelente serie, fiquei imaginando um produtor fazendo isso com os recursos certos, seria algo que certamente daria o que falar! Pensei em filme, mas seria triste resumir algo tão aprofundado e rico em poucas horas :D. Eu gosto muito de filmes de terror, suspense ..etc .. vez ou outra surgem coisas interessantes e originais, mais a maioria cai em clichês, e tornam-se produções descartáveis.. mas uma história dessas realmente seria algo marcante!

    Responder
        1. Marcelo da Silva Almeida

          Sim cara, eu vi essa notícia um dia desses, realmente deve ser uma satisfação imensa! Quem sabe um dia né, Philipe hahahahha, a cada capitulo que leio da pra imaginar como poderia ficar algo do tipo nas telas 😀 , tem ótimos contos no site, mas esse de longe foi o conto que mais gostei!

          Responder
  9. Rubia Costa

    Nossa Philip este conto está muito bom, tem algo diferente nele, realmente com situações inesperadas.

    Esse lance de esquecer das coisas e do deserto com o mostro que se parece o deserto me lembrou do livro A Historia sem fim, a parte do deserto de Graograman.

    Responder
  10. Luis Eduardo

    Mais: nunca pensei que veria a mais perfeita descrição do inferno justamente num conto do Philipe!!!

    Responder
  11. Cuco

    Bem legal essa parte. Renato está em apuros e a história vai ficando cada vez mais imprevisível. Esperando a parte 21.

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.