42 Comentários

  1. Leon

    Caramba Philipe, que post FODA! Obrigado por nos agraciar de vez em quando com posts tão incríveis e tão completos como este! 😉

    Responder
  2. Daniel

    Não sei o que tem de tão inacreditável na reencarnação!?
    Gente, o nosso corpo funciona como uma prisão para a nossa alma, nos obrigando
    a passar por todas as adversidades de uma vida real, para com essas situações aprender
    e sermos avaliados e se podemos passar ou não para outra aula é como em uma
    escola que tem as matérias e as avaliações feitas pelos professores e só saímos
    de uma serie para outra se formos aprovados. Jesus mesmo precisou vir em carne novamente
    (reencarnar) ele já possui uma evolução espiritual altíssima e por isso Deus
    nosso Pai o enviou consciente de tudo o que ia acontecer com ele, Jesus é um
    espírito altamente evoluído não precisava mais passar por reencarnações, mas
    mesmo assim aceitou a missão do nosso Pai de encarnar mais uma vez, sabendo de
    tudo o que iria passar, só para nos servir de exemplo, ele precisou nascer do
    ventre de uma mulher, assim como aqui acontece com cada um de nós até que se
    obtenha o total aprendizado, para que um dia já formados, saiamos deste planeta
    escola para a nossa morada definitiva. O poder de Deus meus amigos é a
    sabedoria o conhecimento sobre todas as coisas, altíssima tecnologia, esqueça
    essa imagem de um velho barbudo que fica em cima das nuvens olhando cá para
    baixo. Na realidade ninguém morre, pois só a matéria orgânica e destruída, mas
    a alma não, apenas é libertada para uma nova etapa em outro corpo, nascido de
    algum ventre, pois é isso que também somos, fabrica biológica de prisão para
    almas em aprendizado, se liguem!!

    Responder
    1. Josué

      Jesus Reencarnado foi foddaaaaaaaaaaaaaaa!!!
      Jesus RESSUSCITOU DENTRE OS MORTOS!

      Responder
  3. Thiago chipset Andrey Ferreira

    E se um demônio conhecia e guiava toda a vida de Heinrich Richter desde que ele entrou para o exercito nazi? Carl Edon parece não ter outras recordações além das que Richter observou na guerra como piloto. Por exemplo: Carl nunca falou que gostava de brincar com fulano(a) quando morava com os pais, mas sabia a cara e a função dos botões do cockpit do avião que nunca vira na vida. Então vamos supor que Richter tenha sido perseguido por esse demônio/encosto após se alistar, a entidade é aficionada por Richter e se vangloria quando consegue tomar sua alma o matando no acidente aéreo. Anos depois, a entidade escolhe uma criança para encher o saco: Edon, (possivelmente porque os pais da criança deram brechas, essa historia de eles serem cristãos e frequentarem a Igreja Anglicana era só fachada), e então sopra nos ouvidos do guri coisas que ele sabia sobre Heinrich e consegue atormentar uma vida toda, uma família toda e além até tomar a vida do cara pra si usando outro humano manipulado espiritualmente!

    Viajei?

    Responder
    1. Bofofo

      De forma alguma. É um levantamento tão plausível quanto o do post. Talvez ainda mais…

      Responder
        1. Bofofo

          Sentido é uma palavra incompleta como explicação… de cunho bastante pessoal também.

          Responder
    2. Fernando

      Na minha opinião é exatamente assim que acontece. Não há segunda chance. Essa nossa vida está aqui e agora. Como cristão que sou nunca deixaria me influenciar por um relato desses, mesmo partindo de um filho, porque Deus disse que ao homem caberia de morrer uma vez antes do julgamento. Para quem não acredita em Deus, a reencarnação não tem nenhum apoio demográfico, por exemplo. E por fim, não teria nenhum sentido ou lógica, visto que os “casos reais” de pessoas que se lembram do passado são tão raros que inviabilizam qualquer tipo possível de aprendizado contínuo, em busca de uma perfeição esperada para avançar para a próxima fase. Sem segunda chance. Sem Ctrl + Z. Apenas um fôlego curto num corpo frágil, para fazer valer a pena cada dia, e fazer sentido atacar os problemas, em vez de fugir deles. Abraço.

      Responder
  4. BEZALEL

    Há algum tempo atrás me interessava pelo assunto e me lembro de ter lido sobre uma criança que supostamente era a reencarnação do avô. E numa certa ocasião remexendo um velho baú exclamou: olha aqui, o relógio que dei para meu filho ( o pai) . O pai ficou abismado com aquele fato é quiz saber mais. Bem, resumindo ele praticamente se convenceu que o filho era seu pai. Entre outra histórias misteriosas nesse sentido!
    Show de post.

    Responder
  5. Willian Mendes

    Essa história foi cabulosa mesmo. Eu pessoalmente não acredito cegamente nessas histórias mas acho interessante pra cacete. A ideia em si me parece fascinante, ter vivido várias vidas, em outras épocas.
    Tenho um amiga que acredita firmemente em reencarnação e que afirma não ter medo de andar de avião mas possui pavor de navio e ela associa esse medo sem sentido (já que ela nunca passou por nenhuma experiência traumática envolvendo esse tipo de transporte) a uma lembrança de outras vidas.
    Vai saber né? Esse mundo tá cheio de loucuras e só Deus sabe.

    Responder
  6. Eduardo Costa Santos

    Quem sabe o espírito do alemão ficou ao lado de Carl para que com essas lembranças, encontrassem seu corpo e ele pudesse descansar em paz.

    Responder
  7. Antonio

    Este artigo é um completo embuste intelectual. Não há “prova sólida real” alguma, ao contrário do que falsamente diz o autor na introdução, muito menos pesquisa pautada por metodologia científica.

    É apenas mais uma dentre milhões, quiçá bilhões, de estorinhas sobrenaturais com muitas informações que não podem ser checadas, relatos subjetivos e apelativos, “testemunhos”, conjecturas, suposições, coincidências e tudo que caracteriza esse tipo de literatura “fantástica”.

    Responder
    1. Philipe3d

      Por favor, Antonio, me mostre em que parte do texto eu disse que este caso tem a prova solida e real da reencarnação. Eu disse que na “MAIORIA DOS CASOS FALTA A PROVA REAL!” Mas disse também que este caso em especial é muito bom, porque nele, temos um evento: O menino que diz ser a reencarnação do piloto, e que posteruiormente as alegações, há evidências físicas (a perna separada do corpo, o tipo de avião e a comprovação que a pessoa em questão estava no comando da aeronave). São provas físicas do caso. Podem ser coincidência? Sim, podem. Mas o meu ponto é que neste caso (tal qual o caso da criança que revelou o desfecho do assassinato de outra pessoa inclusive apontando o culpado que posteriormente reconheceu o crime e foi peso, tudo com base no relato de uma suposta criança reencarnada, que soube mostrar inclusive onde o assassino escondeu a arma do crime! – São casos que saem apenas dos relatos e entram em evidências investigaveis via método científico. Se com base em tudo isso você continua a pensar que se trata de “Embuste intelectual” (sabe usar o termo da modinha, parabéns!) só lamento. Penso que desonestidade intelectual é devido sua deficiência de compreensão de texto me acusar de uma coisa que não fiz.

      Responder
      1. Antonio

        “Há muitos casos, muitos deles pesquisados – felizmente – através de método científico. Embora uma ampla maioria desses casos e estruture como eventos anedóticos, há alguns casos bem melhores que os outros, já que o que geralmente COSTUMA FALTAR num monte de histórias são provas. Provas sólidas e Reais. E É POR ISSO QUE a história de Carl Edon é tão extraordinária.”

        O registro é textual. Qualquer pessoa que não pertença à sua claque de crentes e que tenha o mínimo e capacidade de interpretação de texto irá perceber isso facilmente. Eu não falei de prova sólida e real da reencarnação; falei da menção genérica à “prova sólida e real” que consta no excerto acima e que induz o leitor falsamente a acreditar nisso. Você está se valendo da falácia do espantalho e replicando algo que sequer foi dito. Isso é manjado.

        Evidências físicas documentas, estudadas e registradas por quem? Qual a fonte? Um site repositório de textos apócrifos? Quem conduziu a pesquisa? Vamos então aprofundar isso.

        Uma horá você diz que há provas, depois que não, depois volta a dizer que sim… Decida-se.

        Podemos também fazer um debate online, ao vivo, pelo youtube, com um grupo de céticos (me candidato) e um grupo que apresente as “evidências investigáveis via método científico”, caso você ou seu indignado rebanho se disponham a ir para além da área de comentários e afirmações sem fundamentação REAL.

        Só não vale depois se sair com as pérola do tipo “ciência e religião são complementares”, “prove que algo não existe”, “não se pode ver o amor” e outras parvoíces.

        Responder
        1. Philipe3d

          Suspeito que você esteja usando toda sua capacidade retórica para tentar disfarçar sua ingênua dificuldade em interpretar texto. Você acredita realmente eu eu digo no texto que há uma prova irrefutável da vida após a morte?
          Isso seria bem dificil de se conseguir, sem ser com a medicina conseguindo um mecanismo concreto de produzir uma reencarnação.
          O que sobra são outros métodos, correlações e levantamentos, que são métodos científicos, obviamente.
          Há uma diferença entre um assunto ser ESTUDADO pelo metodo científico e ser comprovado pelo método científico. Eventualmente essas duas coisas ocorrem, mas isso, como você deveria saber, não é uma regra.

          O assunto é de fato estudado e pesquisado há décadas por acadêmicos, e existem muitos artigos científicos tratando do problema. Eles afirmam irrefutavelmente que são reencarnações? Não, e nem há porque fazerem isso, uma vez que do mesmo jeito que eu disse no texto, conseguir fazer isso sem matar alguém e trazer de volta depois complica muito essa pesquisa.
          Acho que seu erro é esperar que eu diga que os casos de suposta reencarnação são comprovados pelo método científico. Pessoalmente, eu até aceitaria que as coisas pudessem se dar nesse sentido, e que a busca e levantamento de dados, sobretudo os que envolvem outros registros, como detalhes de mortes e conhecimentos previos de dados e até segredos de pessoas em outros continentes, pode, através do paradigma indiciário apontar uma validade da Hipótese reencarnatória para essas anomalias psicossociais. Mas francamente, meu chapa, se eu pudesse provar irrefutavelmente isso eu ia exigir o meu Nobel.

          Acho falha de conceito esperar uma comprovação empírica de um fenômeno extrafísico.

          Sobre fazer debatezinho na internet com juri e sei la mais o que, eu não sei quanto a você, mas eu não tenho tempo para essas presepadas. Eu fico o tempo todo trabalhando, estudando e ralando. Bem que eu gostaria de ter esse tempo livre, mas se tivesse não é com isso que eu iria gastar, pode ter certeza. Já indiquei uma bibliografia pra você começara se instruir aí em outro comentario.

          Embora eu não possa fazer debate com você nem sequer meus vidoes do canal não Tô conseguindo fazer porque emendo um trabalho no outro há meses) o espaço de comentários deste blog está franqueado a você e seus amigos da “bancada cética” exporem seus argumentos. Não espere de mim uma postura de defensor da reencarnação. Traga dados e informações consistentes, para que seja possível mostrar outras possibilidades para as demais pessoas, aquelas que você desrespeitosamente chamou de “rebanho”.

          Responder
    2. Silvio Silva

      Ou seja, não tem como provar que pode acontecer. Você pode provar que isso não pode acontecer? Os dois extremos são cegos. O crédulo que acredita em tudo e o incrédulo que não acredita em nada. Ciência e religião não são adversárias, como os extremos assim os querem. São complementares. Não ver não quer dizer que não exista. Somos cartesianos demais, soberbos demais, superiores demais, para compreender coisas que só a nossa mente não consegue explicar. Portanto, não explico, não acredito e pronto?
      Coitados dos homens que precisam ver para acreditar. Alguém vê o amor, alguém vê o vento, a eletricidade, a radiação, espíritos, reencarnações? Não vejo, não acredito?
      Estamos tão cegos pra tudo, que tudo precisa ser provado?
      Existem provas para o tipo do artigo acima, procure, aprofunde. Tem livros, artigos, textos que usaram a ciência para provar. A prova real é que não precisa existir prova alguma, mas nesses casos têm.

      Responder
      1. Antonio

        Provar que algo não existe, ciência e religião “complementares” (essa é de rolar de rir) são o tipo de mugido de quem realmente não conhece os princípios mínimos de investigação científica e da racionalidade. E as reações histéricas e infantis aqui nos comentários apenas comprovam que, como já dizia Carl Sagan, “Não é possível convencer um crente de coisa alguma, pois suas crenças não se baseiam em evidências; baseiam-se numa profunda necessidade de acreditar”

        Responder
      2. Antonio

        E a coisa sempre cai nessa mediocridade pseudo-poética do tipo, “alguém vê o amor?”… Comparar elementos físicos FARTAMENTE estudados como o vento, a eletricidade ou a radiação, só porque não se pode vê-los a olho nu é outra piada “para glorificar de pé”, rsrs.

        Por favor indique OBJETIVAMENTE o texto ou livro que usa a ciência para provar esse ou outro caso análogo. Eu compro o blefe.

        Responder
        1. Silvio Silva

          Essa necessidade de ver para crer é que faz as pessoas perderem a capacidade de compreensão. Sim, reafirmo, religião e ciência são complementares, depende do viés que queira olhar. Se um lado quer confrontar com o outro você achará algo, isso em tudo. O espiritísmo tem todo o rigor científico racional. Não é uma fé cega sem comprovação. Talvez dentro de algum tempo, sem precisar a época, todas essas coisas que TU não vê explicação, se explicarão. O Átomo sempre existiu, desde de sempre, os homens da caverna não sabiam a existência, os homens da idade média a desconheciam, o homem moderno supunha, o homem atual sabe muito bem do que se trata. Ou seja, sempre existiu, e você a vê? A nega? Não acredita? Porque um evento físico é diferente do espiritual? Tua retórica é fadada ao fracasso, pois tu também não pode negar, nem comprovar a inexistência. Leia, aprofunde, se esclareça antes de dizer qualquer coisa, senão será sempre um que fala as palavras dos outros, que pensa ser as suas.
          Leia os livros do Ian Steveson, comece por esse texto:

          http://www.assepe.org.br/livros/Vinte_Casos_Sugestivos_de_Reencarnacao.pdf

          Tem extensa bibliografia junto a ele. Talvez o teu rigor científico não lhe permita aceitar, porém eles existem, você querendo ou não.

          Responder
    3. Alfredo Ackermann

      TOOOOMAAAAA

      Saco cheio desses “céticos” fanáticos, tão crentes na “ciência” ortodoxa quantos os crentes de chessuss. Modinha pra se sentir superior de quem tem preguiça de pesquisar por si mesmo e tirar as próprias conclusões.

      Fica a dúvida se é preguiça mental, desonestidade intelectual ou burrice mesmo.

      Responder
      1. Silvio Silva

        São as três juntas e multiplicadas: Preguiça mental X desonestidade intelectual X burrice = muita gente.

        Responder
      2. Antonio

        Eu não “acredito”, eu formo uma convicção motivada, baseada em análise racional, sem apelos metafísicos à fé ou crendice pura e simples;

        Sou preguiçoso? Então, por favor, indique algum material para eu pesquisar por mim mesmo. Vamos ver quem é que tem desonestidade intelectual aqui e quem REALMENTE pode provar alguma coisa. Também compro esse blefe.

        Responder
        1. Philipe3d

          Recomendo começar pelos estudos de Ian Stevenson, da Universidade da Virgínia, elogiados inclusive por Carl Seagan como um trabalho sério que merecia ser analisado (De corpo em corpo. Superinteressante. Lisboa, nr. 141, janeiro de 2010, p. 60.).

          Twenty Cases Suggestive of Reincarnation. (1966). (Second revised and enlarged edition 1974), University of Virginia Press, ISBN 0813908728

          Cases of the Reincarnation Type Vol. I: Ten Cases in India, (1975). University of Virginia Press.

          Cases of the Reincarnation Type Vol. II: Ten Cases in Sri Lanka. (1978). University of Virginia Press.

          Cases of the Reincarnation Type Vol. III: Twelve Cases in Lebanon and Turkey. (1980). University of Virginia Press.

          Cases of the Reincarnation Type Vol. IV: Twelve Cases in Thailand and Burma. (1983). University of Virginia Press.

          Unlearned Language: New Studies in Xenoglossy. (1984). University of Virginia Press, ISBN 0813909945

          Reincarnation and Biology: A Contribution to the Etiology of Birthmarks and Birth Defects Volume 1: Birthmarks and Reincarnation and Biology: A Contribution to the Etiology of Birthmarks and Birth Defects Volume 2: Birth Defects and Other Anomalies. (1997). (2 volumes), Praeger Publishers, ISBN 0-275-95282-7

          Where Reincarnation and Biology Intersect. (1997). Praeger Publishers, ISBN 0-275-95282-7 . (A short and non-technical version of the scientific two-volumes work, for the general reader)

          Children Who Remember Previous Lives: A Quest of Reincarnation. (2001). McFarland & Company, ISBN 0-7864-0913-4 , (A general non-technical introduction into reincarnation-research)

          European Cases of the Reincarnation Type. (2003). McFarland & Company, ISBN 0786414588

          Depois você pode se aprofundar mais com os livros e artigos de Erlendur Haraldsson.

          The Departed Among the Living. An Investigative Study of Afterlife Encounters (Translated ed.). Guildford: White Crow Books. 2012. ISBN 9781908733290.

          Edwards, Paul. (1996). Reincarnation: A Critical Examination. Prometheus Books. p. 270. ISBN 1-57392-921-2

          Bassuk, Daniel. (1987). Incarnation in Hinduism and Christianity: The Myth of the God-Man. Macmillan. p. 91

          Dele tem este documentário também: Children’s Past Lives. A Zenith North Production for Channel Four, UK. Producer Laura Granditer. October 2000.

          Responder
          1. Silvio Silva

            Isso aí Philipe. Cubriu a aposto e dobrou. Tomaaaaa seu Antonio, tem material pra estudar. Eu pago o teu blefe.

  8. Erika Eloise Peres Sogari Sant

    A gente vai lendo com vontade de que nunca termine o post <3
    Adoro seus textos Philipe :))

    Responder
  9. Raphael

    Philipe, posso reproduzir o post no meu blog, citando a fonte e os direitos autorais pra ti?

    Responder
  10. Allison QDVz

    Me amarro nos posts grandes, que nos prendem com essa leitura fantástica!
    Parabéns mais uma vez!
    Show de Bola!! 🙂

    Responder
  11. Ritchie

    Cara esse Post é demais!!
    sempre que posso dou uma passada aqui no teu blog para dar uma olhada… tanto é que até hoje, indico aquele seu post sobre o cemitério do Everest!
    Continua assim Pillipe!!!!!

    Responder
  12. Isabel C C Bulhoes

    Minha avó, em João Pessoa, era vizinha de um casal, no começo do século passado, que teve um filho que, por volta dos 3 anos, dizia que não era filho deles, mas de outro casal. Contava que morrrera queimado, caindo num buraco onde o pai queimava o lixo, no quintal. Os anos foram passando e ele continuava insistindo. Dizia o nome dos pais e finalmente deu o endereço completo. O casal ficou muito assustado e não queria ir lá, mas o menino tanto insisitu que foram. Lá, o casal contou que, de fato, o filhinho deles caiu no buraco e morreu queimado. As famílias passaram a conviver. Infelizmente, naquela época não havia nada científico em relação a isso. Mas minha avó e osque viveram essa história, passaram a acreditar em reencarnação depois disso.

    Responder
  13. Olavo Cruvinel Neto

    História muito parecida com a reencarnação do piloto da 2 guerra e a criança americana no livro: A Volta. Recomendo ler o caso.

    Responder
  14. Silvio Silva

    História interessante e pertinente. É para pensar: Toda ação terá uma reação. Lei da causa e efeito.
    Para tudo existe explicação, porém, nem todas são possíveis de compreender com a nossa atual fase de evolução. Existe reencarnação? Acredito que sim. Muitos me perguntarão e exigirão: “Prove”! Não cabe a mim provar, cada um terá sua resposta por sí mesmo, logo após o último suspiro. Dirão em resposta: “ninguém voltou de lá pra falar”! Talvez o “não voltar” é uma condição que ainda não estamos preparados para entender. Os homens da caverna também não estavam preparados para entender o átomo, porém o átomo sempre existiu, e o “descobrimos” depois que pudéssemos compreende-lo e aplicá-lo. Se usamos corretamente, outro assunto: Livre arbítrio. E a história nunca terá fim.
    Parabéns Philipe, tem o livro “A Volta” que indico para compreender um pouco mais sobre o assunto e outros livros que estão na bibliografia. Abraço.

    Responder
  15. Guto Aguiar

    APOSTO que você que está lendo esse comentário ficou se questionando ou tentando lembrar de algo que poderia supostamente ter acontecido com você… HEUHEUEHUEH

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.