Pé de chinesa: A bizarra crueldade com os pés de mulheres

Descubra a fascinante tradição milenar dos "Pés de Lótus" na China, onde milhares de meninas sofreram a fratura dos pés para atender a um padrão de beleza completamente bizarro.

Na rica tapeçaria das tradições chinesas, um costume peculiar se destacou ao longo dos séculos: o Pé de Lotus, também conhecido como Pé de Chinesa.

Essa prática, que moldava os pés das mulheres, não era apenas uma busca estética, mas uma tradição profundamente enraizada que impactava a vida e os casamentos das jovens chinesas.

As Raízes Históricas: Dançarinos da Corte e Contos Antigos

Acredita-se que a obsessão pelos pés pequenos, um padrão que deveria situar-se entre 8 e 10 cm, tenha se originado nos dançarinos da corte da elite chinesa durante o século 10, no período das Cinco Dinastias e Dez Reinos. Este padrão não era apenas estético; era uma tentativa de garantir melhores perspectivas matrimoniais para as mulheres, uma vez que os homens da época demonstravam preferência por pés menores.

A romantização de membros pequenos remonta à dinastia Tang (aproximadamente 850) com o conto “Ye Xian”. Nessa história, uma garota perde seu sapato, resultando em um casamento com um rei que a procurava, pois somente seus pequenos pés caberiam no calçado. Este conto é um precursor da conhecida Cinderela europeia.

Cinederlla - Uma versão europeia do conto chinês
Cinderela – Uma versão europeia do conto chinês

Há uma série de histórias sobre a origem da amarração dos pés antes de seu estabelecimento durante a dinastia Song. Uma delas envolve a história de Pan Yunu , uma consorte favorita do Imperador Qi do Sul, Xiao Baojuan . Na história, Pan Yunu, conhecido por ter pés delicados, executou uma dança descalça sobre um chão decorado com o desenho de um lótus dourado, após o que o Imperador, expressando admiração, disse que “o lótus brota dela a cada passo!” , uma referência à lenda budista de Padmavati, sob cujos pés brota o lótus. Esta história pode ter dado origem aos termos “lótus dourado” ou “pés de lótus” usados ​​para descrever pés amarrados; não há, no entanto, nenhuma evidência de que a Consorte Pan tenha amarrado os pés. 

A opinião geral é que a prática provavelmente se originou na época do imperador Li Yu , do século X , do Sul Tang , pouco antes da dinastia Song.

Li Yu criou um lótus dourado de 1,8 metros de altura  decorado com pedras preciosas e pérolas, e pediu à sua concubina, Yao Niang, que amarrasse seus pés em seda branca no formato de uma lua crescente. Após isso ela executa uma dança nas pontas dos pés no lótus.  Dizia-se que a dança de Yao Niang era tão graciosa que outros procuraram imitá-la.

A amarração dos pés foi então replicada por outras mulheres da classe alta, e a prática se espalhou.

As primeiras evidências arqueológicas de amarração de pés datam dos túmulos de Huang Sheng, que morreu em 1243 aos 17 anos, e de Madame Zhou, que morreu em 1274. Os restos mortais de cada mulher mostravam pés amarrados com tiras de gaze medindo 1,8 m (6 pés) em comprimento; O esqueleto de Zhou, particularmente bem preservado, mostrava que seus pés cabiam nos chinelos estreitos e pontiagudos que foram enterrados com ela.

O Ritual de Transformação: Como os Pés de Lotus Eram Criados

o pé de chinesa
o pé de chinesa

Para atingir a forma desejada, os pés eram firmemente atados com pedaços de tecido, os dedos enrolados na direção da sola e espremidos até que quebrassem.

Esse processo, iniciado entre os quatro e nove anos de idade, impedia o crescimento natural, resultando em membros que lembravam a forma de um botão de lótus. A busca pela beleza tinha um preço elevado desde tenra idade.

Mulher com pé de lotus
Bundesarchiv, Imagem 116-127-075 / CC-BY-SA 3.0

Consequências Além da Estética: Dor e Sofrimento

Os pés de Lotus eram símbolos de status e beleza, mas seu preço era alto. As jovens que viviam com essa prática desde a infância enfrentavam sérias dificuldades motoras, frequentemente caindo devido à limitação imposta. Além disso, deformações nos ossos do quadril e da coluna, juntamente com fraturas no fêmur, eram frequentes. A estética cobrava seu tributo físico.

As mulheres chinesas com os pés enfaixados também tinham que ter cuidado, pois poderiam sofrer infecções mortais devido ao enfaixamento dos pés. Os panos que prendiam os pés tinham que ser trocados e lavados regularmente para evitar infecções. Para os ricos, isso era feito uma vez por dia. Para as pessoas mais pobres, isso acontecia 2 ou 3 vezes por semana. Isso foi feito por um enfaixador profissional (sim, essa ocupação realmente existiu no passado!) Ou por uma parente mais velha. Além das infecções, outros problemas incluíam a podridão da carne dos pés e o mau cheiro associado a isso.

A amarração dos pés era um símbolo de status. Era um símbolo de beleza, riqueza, elegância e até sexualidade. As mulheres chinesas que quisessem casar bem ou ganhar dinheiro tinham que ter os pés enfaixados, pois os homens chineses não queriam casar com mulheres com pés grandes. As famílias que conseguiam enfaixar os pés das filhas eram vistas como ricas, pois isso significava que podiam pagar empregados, uma vez que as filhas com os pés enfaixados nunca conseguiriam trabalhar e precisariam de ajuda para se movimentar.

O objetivo ideal na amarração dos pés era ter pés de até 7,6 cm de comprimento. Estes eram chamados de pés de “lótus dourado” porque os pés minúsculos lembravam um botão de lótus. Pés com 10 cm de comprimento também eram aceitáveis ​​e eram chamados de lótus prateados. Mulheres com pés amarrados usavam sapatos especiais chamados ‘sapatos de lótus dourados de três polegadas’. Esses sapatos eram feitos especialmente, geralmente feitos de tecido, como seda com sola de algodão, e sempre lindamente bordados.

o pé de chinesa
o pé de chinesa

 O Declínio da prática centenária do pé de chinesa

Somente no século 20, o Pé de Lotus foi finalmente banido, reconhecendo-se as graves consequências físicas que impunha às mulheres.

No entanto, algumas famílias persistiram na prática clandestinamente, mantendo-a viva por mais tempo do que a proibição oficial sugeria. Até os dias de hoje, idosas, principalmente nas áreas rurais da China, exibem seus membros deformados, contando histórias de uma era em que seguir esse padrão doloroso era inevitável.

A simples comparação do pé de chinesa com uma pessoa de pé normal já impressiona. Imagina só se comparar com o menino do pé gigante! 

pé de chinesa
A comaparação de um sapato normal com os sapatinhos que elas usavam com o pé de chinesa

Houve várias tentativas de proibir a amarração dos pés nos anos 1800 e no início de 1900, embora não tenham tido muito sucesso. Essa prática levou anos para desaparecer. A última fábrica na China que fabricava sapatos para pés enfaixados finalmente fechou no final da década de 1990 porque já não havia qualquer procura para os sapatos, uma vez que as poucas mulheres com pés ainda enfaixados estão morrendo.

pé de chinesa

Hoje em dia, os sapatos de lótus só podem ser vistos em museus ou são vendidos como souvenirs. Eles são de uma época passada, pois a prática de amarrar os pés tornou-se uma relíquia do passado.

Raios X de um pé de chinesa

raio x de pé de chinesa
raio x de pé de chinesa

Esse tipo de bizarrice estética acabou?

Se você acha que esse tipo de bizarrice que obrigou milhares de mulheres a se deformarem em busca de um padrão de beleza esquisito é coisa do passado, errou!

Os padrões bizarros de beleza seguem de vento em popa, alimentados por industrias  diversas como as das plásticas, do entretenimento e etc.

Exemplos desse tipo de coisa podem ser vistos em pessoas como essa moça abaixo que injetou doses cavalares de fillers nos lábios em busca de uma boca mais sensual para o padrão de beleza vigente. Spoiler: Não deu certo.

mulher com boca bizarra

Do mesmo modo uma moda que se tornou quase que uma obsessão nacional para dizer que está indo bem na vida é a lente de contato nos dentes, um procedimento que envolve a destruição dos dentes originais para colocação de uma capa FAJUTA tão branca que parece um plástico por cima. É um procedimento que dura cerca de dez anos e que NÃO TEM RETORNO.

Mesmo assim, o “dente de mentex” como é chamado, se tornou um “must have” e está na boca de 9 a cada dez influencers e jogadores de futebol, como o Neymar.

Em conclusão, o Pé de Lotus permanece como um capítulo marcante na história cultural da China, revelando não apenas os padrões estéticos do passado, mas também as complexidades e sacrifícios que as tradições podem exigir.

Hoje, enquanto refletimos sobre essa prática centenária, é essencial compreender as histórias e as vidas que moldaram essa tradição tão única e ver que a bizarrice por um corpo idealizado, continua aí, basta olhar em volta.

Receba o melhor do nosso conteúdo

Cadastre-se, é GRÁTIS!

Não fazemos spam! Leia nossa política de privacidade

Philipe Kling David
Philipe Kling Davidhttps://www.philipekling.com
Artista, escritor, formado em Psicologia e interessado em assuntos estranhos e curiosos.

Artigos similares

Comentários

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here

Advertismentspot_img

Últimos artigos