Os cinco caras que se voluntariaram para que o governo explodisse uma bomba atômica em cima deles

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on pinterest
Pinterest
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on whatsapp
Categorias
Night mode

Pode ser difícil de acreditar, mas nos anos 50, Sidney Bruce, Frank Ball, Normal Bodinger, John Hughes e Don Lutrel, todos  oficiais militares se voluntariaram para um experimento digamos, gump:

BOMBA ATÔMICA NA CABEÇA

Essa bizarra aventura se deu no dia 19 de julho de 1957, quando cinco oficiais das Forças Aéreas dos Estados Unidos e um cinegrafista (que foi obrigado a “entubar o trampo”)  ficaram juntos em um deserto a cerca de 100km de Las Vegas. Eles marcaram o local com uma placa feita à mão que dizia “Marco zero. População: 5”.

Enquanto isso, dois F-89 aparecem no horizonte. Começa a contagem. Os homens se entreolham apreensivos.
Um dos jatos libera um míssil nuclear de 2 kilotons.

A 5km de altitude sobre o pequeno grupo no meio do deserto, a bomba é detonada.

Um deles, o único com óculos escuros, olha para cima no momento do forte flash de luz. O narrador grita: “aconteceu!

O som demora alguns segundos para chegar ao solo. A física básica explica que a luz tem maior velocidade que o som, então observamos o mesmo fenômeno que a diferença entre os raios e os trovões em uma tempestade comum. O governo norte-americano, porém, costumava editar alguns vídeos das bombas atômicas para que o som e a luz acontecessem ao mesmo tempo.
Este registro veio do arquivo do governo dos EUA, e foi filmado pelas Forças Aéreas para demonstrar como a bomba nuclear detonada na atmosfera é inofensiva para quem está em solo.
Os cinco homens se voluntariaram para a tarefa, mas o cameraman, George Yoshitake, foi obrigado a participar. Os voluntários foram: Sidney Bruce, Frank Ball, Normal Bodinger, John Hughes e Don Lutrel.

O que aconteceu com eles?

Em 2010 George Yoshitake deu uma entrevista para o New York Times falando sobre os cinegrafistas oficiais que foram forçados a trabalhar em filmes que envolviam bombas atômicas. “Alguns morreram de câncer. Sem dúvida foi relacionado aos testes.
Já os outros cinco participantes morreram entre os anos de 1987 e 2003, com idades entre 63 e 86 anos. As causas das mortes não foram anunciadas.
O historiador especializado em ciência, Alex Wllerstein, explica que muitas pessoas envolvidas na base de testes atômicos de Nevada tiveram câncer com o passar dos anos, e ao redor de US$150 milhões foram pagos em indenizações para mais de 2 mil participantes diretos dos testes.

O pesquisador diz que os seis homens do vídeo não corriam risco imediato de morte. A bomba era pequena e estava alta o suficiente para não causar danos diretos a eles. Quem mais sofreu com os testes eram as pessoas que viviam em pequenas cidades próximas da base, para onde as nuvens radioativas eram levadas pelo vento.

Uma delas é St. George, em Utah. Um dos testes, de codinome “Harry”, depositou tanta radiação na cidade que os residentes foram forçados a ficar dentro de casa por várias horas, e foram proibidos de lavar seus carros até que eles ficassem menos radioativos.
O governo dos EUA pagou mais de US$813 milhões para 16 mil pessoas dessas cidades que sofreram com a radiação carregada pelo vento depois de testes como o do vídeo.

fonte

Comments

comments

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on telegram
Telegram

2 respostas

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

© MUNDO GUMP – Todos os direitos reservados. Proibida a reprodução sem autorização.