Olhar das estrelas

Olha, veja lá em cima
Essa obra-prima
Os pontos do firmamento
brilhando em espalhamento
rebordando a noite em cacos
esfera de luz em estilhaço
preenchendo a imensidão do espaço
Trago a certeza em desalinho,
No manto infinito da noite preta
que nosso minúsculo planeta
Não há de estar sozinho
Nesse perpétuo e bonito balé espacial,
espetáculo que mais lembra um carnaval.

Lá em cima,
Em algum lugar,
deve haver um orbe.
Longe duma estrela,
mas nem tão distante
que o faça congelar.
Lá, neste pequeno mundo,
no preto mais profundo,
Deve ter um pequeno ser,
com seus olhos esquisitos
observa o infinito
Indagando sem sorrir
se eu também estou aqui.

Receba o melhor do nosso conteúdo

Cadastre-se, é GRÁTIS!

Não fazemos spam! Leia nossa política de privacidade

Philipe Kling David
Philipe Kling Davidhttps://www.philipekling.com
Artista, escritor, formado em Psicologia e interessado em assuntos estranhos e curiosos.

Artigos similares

Comentários

  1. Philipe ficou incrível! Adoro o espaço, o sentimento de infinito de que sempre há algo mais para ser desvendado, seu texto traduz essa certeza

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here

Advertisment

Últimos artigos

Uma breve história da manga

Criptomoedas: Algumas Moedas digitais

Os mistérios da ilha de Páscoa

Eu viajei no tempo