Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on pinterest
Pinterest
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on whatsapp

Após 179 anos, ainda permanece insolúvel o mistério do pequeno sapato abaixo (em comparação com um dedal):

a0ae7e0078326e0735319635ccabd808

O sapato desta foto foi descoberto no longínquo ano de 1835 por um fazendeiro, que conduzia suas ovelhas por uma trilha em uma trilha na remota na península de Beara, na Irlanda.

O sapato minúsculo é muito bem feito, e sua construção mostrou de imediato que não era um sapato de boneca. O tamanho é anatomicamente correto, diferente dos sapatos de boneca tradicionais, oferecendo um pé excessivamente longo para uma boneca. Para piorar, sapatos de bonecas costumam ter um padrão de desgaste diferente deste, que tem um padrão de desgaste compatível com um sapato de verdade!
Seu estilo é compatível com os sapatos de cavalheiros do século XVIII.
A primeira ideia que ocorreu sobre ele é que seria algum tipo de sapato criado por um artesão, para treinar, mas isso foi descartado, porque o local onde ele foi encontrado é um campo ermo onde não há lojas, casas ou ruas.
Ele era praticamente um sapato normal que parecia ter encolhido para um pouco mais do que o tamanho da unha de um dedão. Ainda mais estranho é o fato de que o sapato mostrava sinais de desgaste e uso! Ele estava amassado corretamente como o couro se deforma num sapato real e havia desgaste no calcanhar decorrente de uso. O sapato era preto, e aquilo impressionou tanto o agricultor que ele levou para a pessoa mais esclarecida que ele conhecia, o seu médico. O médico local se impressionou com a estranha descoberta, e sem conseguir decifrar o mistério de que fez – e o mais importante Quem usou aquele sapato tão pequeno, o médico o guardou consigo até que o deu (ou vendeu) para a família Somerville.
O Dr. Edith Somerville solicitou apoio na resolução do mistério aos cientistas da Universidade de Harvard. Estes, ao examinarem o sapato com cuidado, detectaram costuras tão minúsculas que exigiriam lentes compatíveis com microscópio para serem feitas. Pra piorar elas eram mais finas do que as linhas uadas na época, assim, quem fez o sapatinho fez também a linha e a agulha com o qual ele foi confeccionado. O mistério do sapato só aumentava!
Eles removeram um pedaço do couro para que ele fosse identificado. Os especialistas se espantaram quando notaram que o couro não era comum, mas pele de rato ou camundongo! Outro fato que assombrou os investigadores é que o sapatinho continha diversos ilhós de metal, todos bem trabalhados.

O mais estranho de tudo é que naquele lugar já foram descobertas outros itens, igualmente minúsculos, sendo os mais famosos uma capa, contendo bolsos e igualmente bem trabalhada, e também um anel quase microscópico!

A maioria do povo local acredita tais objetos anômalos sejam de fadas e seres associados, como Goblins, Elfos, Gnomos e Leprechauns.
Mas se considerarmos que essas criaturas são seres míticos, estaremos diante do mistério que perdura quase 200 anos: Quem fez o sapatinho, quem usou o sapatinho e sua razão?

fonte

O mistério do pequeno sapato

Comments

comments

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on telegram
Telegram

22 ideias sobre “O mistério do pequeno sapato

  • 9 de julho de 2014 em 13:07
    Permalink

    Taí uma coisa extremamente misteriosa!

    Resposta
  • 9 de julho de 2014 em 16:43
    Permalink

    kkk foram os Leprechauns, na irlanda ainda.

    Resposta
  • 9 de julho de 2014 em 18:23
    Permalink

    Médico safado esse, hein?

    Lendas como a do Leprechaun eram comuns na Irlanda, e um cirurgião com queda para o artesanato (e para o 171) é bem capaz de montar uma farsa dessas.

    Resposta
    • 9 de julho de 2014 em 20:03
      Permalink

      Hahaha né? Se bem que Hobbits não usam sapatos, né?

      Resposta
  • 10 de julho de 2014 em 0:21
    Permalink

    tem gente que faz escultura em palito de fósforo, em grão de arroz, acho bem plausível que tivesse capacidade para algo assim. artistas, muitas vezes, tem dons “extraterrenos”.

    Resposta
  • 10 de julho de 2014 em 8:42
    Permalink

    Oi Philipe, não tem fotos e mais detalhes dos outros itens achados? Muito maneira essa história!
    Bjos
    Juju

    Resposta
    • 10 de julho de 2014 em 9:08
      Permalink

      Eu procurei, mas o termo “capa de fada” é muito ingrato. Acha um monte de merda que não é a parada. Creio que não haja foto na net.

      Resposta
  • 10 de julho de 2014 em 11:30
    Permalink

    Eita porra! Mas esse sapato ainda existe? Não tem fotos mais recentes?

    Resposta
  • 10 de julho de 2014 em 13:22
    Permalink

    Philipe, na sua opinião isso é veridico ou trata-se de mais um hoax?
    O texto cita a Universidade de Harvard, mas nada de nomes, departamentos, datas.
    A propria Universidade de Harvard teria artigos cientificos sobre esse assunto, que se existissem, poderiam ser citados no texto.
    Onde está o sapatinho hoje? Pela importancia, deve estar em algum museu, universidade, centro de pesquisa, etc

    Resposta
    • 10 de julho de 2014 em 15:56
      Permalink

      De fato, quando fiz o post fui atrás de descobrir onde o sapato estava e não achei. creio que depois de analisado, ele foi devolvido à família do médico. Tudo que eu encontrei foi essa referência a ele num livro de mistérios bastante famoso. Pessoalmente não creio que seja de fada nem nada do tipo, mas me intriga quem o fez e o porque, e porque ele estaria num lugar ermo. Investigando mais a fundo, descobri que na região, povos antigos acreditavam tão fortemente em seres como fadas e duendes, que construíam pequenos bonecos. Não se sabe a razão desses bonecos, mas alguns deles foram encontrados em pequenos túmulos. Suspeito que talvez este sapato pudesse pertencer a um desses bonecos, e a parte do desgaste alguém inventou para dar um “tchã” nessa história. Porém, se ele é de pele de rato, teria se decomposto muito rapidamente exposto ao tempo, de modo que penso que talvez, uma das cabras pudesse ter arrancado uma planta cujas raízes desenterraram um desses pequenos túmulos, expondo o sapatinho e dando inicio a onda de especulações locais.
      Achei estranho na história o sapatinho surgir na Irlanda e ir parar em Harvard, e não em uma universidade inglesa, como Oxford…

      Resposta
  • 10 de julho de 2014 em 15:11
    Permalink

    A história pode até ser legal mas onde está o item hoje?
    Se ele foi levado até harvard, deve exitir algum registro disso por lá?
    O item provavelmente estaria exposto em algum lugar.

    Pra mim não passa de alguém que fez uma caneca em formato de dedal, tirou a foto e contou a história.

    Resposta
  • 14 de agosto de 2014 em 19:28
    Permalink

    E um assunto muito curioso, e que deve ser bem pesquisado quanto às descobertas sobre objetos que já foram encontrados naquele local.

    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

error: Alerta: Conteúdo protegido !!