Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on pinterest
Pinterest
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on whatsapp

Meu amigo Rafael Rinö deu a dica deste post sobre um mistério bem intrigante que aconteceu numa ilha da Noruega.

A ilha Bouvet é sem duvida nenhuma uma das mais remotas de todo o planeta. Sob temperaturas congelantes subantárticas, e ventos tão sinistros que conseguem até arrancar asfalto do chão (sério!) essa ilha não é exatamente um lugar ideal para um náufrago sobreviver.

800px-Bouvet_Island_in_its_region.svg

A ilha está localizado no Oceano Atlântico Sul, e pertence à Noruega. Essa ilha, é muito pequena, desabitada, e atualmente se encontra classificada como uma reserva natural depois de fecharem uma estação meteorológica que esteve operando em seu território por pouco tempo, entre 1978 e 1979.
BOUVETOYAHERO

Além de seu isolamento insondável, essa ilha não parece ter nada de especial, além de um grande mistério.

Em 1964, o britânico Allan Crawford, que era tenente-comandante foi enviado até aquela ilha lá no quinto dos infernos de helicóptero, para pesquisar uma nova área da ilha que teria aparecido devido à atividade vulcânica.

Abaixo o registro da primeira exploração da ilha em 1927:

Bouvetøya

Sabemos que essas ilhas vulcânicas vão crescendo gradualmente, e por isso é sempre importante acompanhar sua expansão. Mas é aqui que aconteceu uma Gumpice sensacional.

Quando a equipe desceu na ilha, ali estava algo completamente incomum. Justamente na nova área de terra que havia se formado na última década em função da atividade vulcânica, a equipe encontrou um bote salva-vidas abandonado, flutuando em uma lagoa.
Ainda mais estranho, os remos estavam na praia, juntamente com um tanque de cobre. Não havia nenhum sinal sequer de pessoas ou grupos acampando na ilha. O barco não tinha identificação, e não se achou nenhum outro vestígio de gente, além do tanque de cobre e os remos na praia interna da ilha. Com o mau tempo costumeiro da região e o período curto que não permitiam maiores explorações, a equipe não teve muito tempo para olhar ao redor, mas antes de saírem eles tiraram esta foto:

abandoned-lifeboat-on-bouvet-island

A pergunta que restou foi: De onde é que o barco veio?

É possível e provável que o barco salva-vidas seja produto de um navio em perigo, mas essa hipótese tem sido vista como duvidosa por causa do grande afastamento, tamanho minúsculo e falta de visibilidade da ilha, cercada por um permanente estado de mau tempo.

Mesmo que fosse um náufrago, seria bem inviável ele chegar com vida naquela ilha, e mesmo que conseguisse, a questão fica ainda mais estranha: para onde ele foi?

Como mencionado anteriormente, não havia sinais de que alguém tinha tentado acampar perto do barco salva-vidas, ou mesmo – o que seria muito provável – tentado usá-lo como um abrigo.

Também é possível que aquele barco salva vidas estivesse à deriva no oceano e acabou agarrando na ilha, só que isso não explica o tanque de cobre e muito menos os remos lá na praia, que são fortes indícios de que alguém desembarcou lá e depois sumiu.

Assim, quanto mais mexemos na questão, o mistério parece se aprofundar.
Mas a coisa iria ficar ainda mais esquisita:

Outra expedição à ilha alguns anos mais tarde, não encontrou nenhum vestígio do barco!

Também haviam desaparecido os remos e o tanque de cobre que estavam em terra.
Será que o dono do barco teria voltado para buscá-los?

Claro que isso é bem improvável, porque como já falamos, essa ilha é afastada de tudo, e pela foto, o barco já estava meio afundado. A recuperação daquele bote salva-vidas certamente necessitaria levantá-lo com um helicóptero ou arrastá-lo de volta para o mar e colocá-lo em um navio. Isso tudo parece muito trabalhoso e desnecessário. Mas o fato é que o barco sumiu.

Entre as diversas hipóteses que explicariam o sumiço, estão a ideia de que realmente um naufrago chegou até a ilha, desembarcou e em uma investigação em busca de abrigo, acabou morrendo em algum lugar da ilha. Como ela não foi investigada em detalhes, ninguém achou o corpo. Parece uma explicação lógica, mas por outro lado, um naufrago não surge do nada e não há registros de naufrágios nas últimas décadas perto do local.

Outra hipótese até melhor, sugere que um navio de exploração esteve na ilha, e desse navio, dois barcos levaram membros da tripulação para a explorar a ilha. Um desses barcos acabou se danificando, e foi largado para trás. A equipe retornou ao navio no barco bom e não achando nada que pudesse ser explorado comercialmente na ilha vulcânica, foram embora, deixando os remos do barco estragado na praia, junto com o taque de cobre (certamente com água) que foi preciso ser retirado para abrir espaço no bote para os novos passageiros.

Uma pedra enorme de gelo e rocha, sem nenhuma planta e com um clima desgraçado
Uma pedra enorme de gelo e rocha, sem nenhuma planta e com um clima desgraçado

No entanto, nunca apareceu nenhuma companhia de prospecção ou nenhum relato sobre navios lá. Como a equipe que encontrou o barco misterioso em 1964, ele estava há muito pouco tempo naquela ilha. Não se sabe por que ninguém se apresentou para reclamar a propriedade pelo barco.

Até hoje, o mistério do barco encontrado na Ilha Bouvet permanece sem solução.

fonte fonte fonte

O mistério da ilha Bouvet

Comments

comments

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on telegram
Telegram

11 ideias sobre “O mistério da ilha Bouvet

  • 26 de setembro de 2014 em 13:37
    Permalink

    Me lembrou um poema dramatico do Fernando Pessoa que se chama: O Marinheiro.

    Um suspense metafisico.

    Resposta
  • 26 de setembro de 2014 em 14:10
    Permalink

    Seria um grande mistério se essa estória fosse verdadeira, mas não é. Ela é uma mistura de alguns fatos com um punhado de ficção.
    A ilha verdadeira é Tristan da Cunha, onde um grupo de 16 voluntários, liderados por um tenente-comandante (médico) britânico, montaram uma estação meteorológica, de rádio, e de monitoração das atividades navais alemãs em 1942 (WWII). Essa história (real) foi descrita num livro de autoria de Allan B. Crawford.
    Depois, já em 1961, houve uma erupção vulcânica que forçou os habitantes a temporariamente abandonarem a ilha. Por isso existem fotos de objetos deixados no local. Eles retornaram à ilha alguns meses depois, e até hoje ela é habitada.
    Diz-se que é a ilha mais remota do mundo com habitantes permanentes.

    Resposta
  • 26 de setembro de 2014 em 14:15
    Permalink

    Não poderia o bote, estando à deriva num local próximo da ilha, ter sido levado por “tromba d´água” ou fenômeno climático análogo?

    Resposta
  • 27 de setembro de 2014 em 18:17
    Permalink

    Não vejo nada tão inexplicável nesse bote, provavelmente ele se desprendeu de algum navio e foi arrastado até a ilha junto com os remos e o tanque de cobre. Como ele já se encontrava semi-naufragado no momento da foto ele fode ter afundado de vez entre as duas expedições ou então sido arrastado de lá por alguma tempestade. Mas a ilha Bouvet ainda guarda os seus mistérios, existem duas histórias envolvendo ela que são muito mais gumps que essa do bote (e você até poderia utilizá-las para complementar essa postagem): a do chamado “incidente vela”, uma detonação nuclear detectada na ilha por satélites norte-americanos que nunca foi inteiramente explicada (suspeita-se que foi um teste nuclear conjunto de Israel e da África do Sul); e o da ilha Thompson, avistada em 1825 e 1895 nas proximidades da ilha Bouvet, que simplesmente desapareceu em algum momento depois destes avistamentos (suspeitava-se de que ela tinha afundado em um terremoto, mas estudos posteriores revelaram que o oceano no local onde a ilha foi avistada tinha mais de 2400 metros de profundidade).

    Anos atrás eu fiz muitas pesquisas sobre ilhas desertas ao redor do mundo, buscando um local apropriado para construir meu próprio reino, e a ilha Bouvet foi uma forte candidata (tenho certeza que ninguém se importaria se algum maluco fosse até lá e declarasse independência da Noruega), contudo acho que ela é fria demais para o meu gosto. Atualmente a campeã é a ilha de Navassa, no Caribe, que apesar de ser propriedade dos Estados Unidos (com sua velha prepotência de acharem que são donos do mundo), está deserta há muitas décadas. Ela tem uma história bem interessante também (que poderia render até mais uma postagem no seu blog), mas vou deixar pra você pesquisar caso lhe bata a curiosidade.

    Resposta
  • 30 de setembro de 2014 em 0:17
    Permalink

    eu diria que o barco foi parar ali quando essa parte nova da ilha estava em formação e ele ficou encalhado no ''lago interno'' vindo de um bote que se desprendeu de um barco.a muito tempo.

    Resposta
  • 13 de março de 2015 em 23:18
    Permalink

    Olá Philipe,
    Bem bacana seu site. Interessante as curiosidades. Esta da ilha Bouvet gera mistério, mas ainda da pra crer que tem uma mãozinha do homem ou natureza na história. (espero hehehe). Na oportunidade, que tal acrescentar um post sobre o reservatório de metano na sibéria. Neste post, ninguém vai perder tempo em te criticar..(hehehe).

    Abraço.

    Resposta
  • 1 de junho de 2019 em 18:15
    Permalink

    Eu acredito que o bote foi levado pelas ondas em um passado no séc. XX, mas é só uma afirmativa, muito legal, o navegador Amyr Klink navegou ao largo desta ilha mas não conseguiu avista-la (livro Mar Sem Fim), um abraço do povo de Seara SC cirofranke@yahoo.com.br

    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

error: Alerta: Conteúdo protegido !!