Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on pinterest
Pinterest
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on whatsapp

Quem curte plastimodelismo sabe que um dos grandes desafios da arte de criar modelos convincentes reside no cuidado com a criação do desgaste. O desgaste é muito importante para um modelo, pois ele dá vida à peça, que sem o acabamento adequado fica parecendo excessivamente novo, com cores muito vibrantes, como um brinquedo.E tudo que um plastimodelista NÃO QUER é que seu modelo seja visto como um brinquedo.

Existem inúmeras técnicas para simular desgaste, seja sujeira, lama acumulada, graxa, poeira e ferrugem.

Hoje, eu recebi um email do meu primo Guilherme, que é plastimodelista fera. No email ele mandava imagens de um modelo que é tão absurdamente bem acabado que chega a ser indecente o trabalho do cara no envelhecimento. Quem curte bonecos, modelos e maquetes, certamente vai ficar bolado como eu fiquei. Olha só o nível de joselitice do camarada:

Photobucket

Photobucket

Photobucket


Photobucket

Photobucket

Photobucket

Photobucket

Photobucket

Photobucket

Photobucket
Parece até um carro ferrado de verdade, né? É difícil não olhar para a ferrugem e o desgaste e não pensar que isso é na escala real. Pra quem duvidou da escala, aqui está o sujeito com sua obra.

Me deu trabalho descobrir quem esse cara é. Mas após alguma cavucada na internet, eu finalmente encontrei e me embasbaquei ainda mais ao ver outros trabalhos do fera. Confere só:

Photobucket

Photobucket

Photobucket

Photobucket

Photobucket

Olha só essa foto do carro no terreno baldio. Parece muito real para ser um modelo, né?

Photobucket

Mas é um modelo mesmo. Olha ele aí em cima das fotos:

Photobucket

E aqui Martin fazendo os acabamentos.

Photobucket

O nome desse cara é Martin Otto Heukeshoven Lambert. Ele nasceu em 1962. Martin mora no sul da Alemanha e já trabalhou com gravuras, design grafico, ilustração e também computação gráfica. (alguma coisa a gente tem em comum, hein Martin?)

O artista fabricou seu primeiro carro oxidado em 1995. E desde então não parou mais. Sua fascinação são os carros antigos, abandonados à sua própria sorte que existem nos quintais e terrenos baldios de todo o mundo.

Em alguns carros ele perde a noção e faz até o motor:

Photobucket

Photobucket

Photobucket

Photobucket

Photobucket

Photobucket

Photobucket

Photobucket

Photobucket

O trabalho dele vai bem além do plastimodelismo. Envolve construir os carros em metal, e usar ácidos e técnicas que ele trouxe de seu passado dos tempos da gravura para envelhecer os modelos.  O cara fabrica os bancos com couro, cria detalhes minuciosos usando fibras, tecidos, resinas, colas diversas e sucata. É a riqueza de pequenos elementos, como tubulações, cabos e peças do motor que maravilha as pessoas que observam suas esculturas.

Para ver mais (muito mais) carros e até aviões, entre no site de Martin Otto Lambert.

O mestre da ferrugem

Comments

comments

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on telegram
Telegram

7 ideias sobre “O mestre da ferrugem

    • 20 de setembro de 2010 em 2:50
      Permalink

      caramba. que carro.

      Resposta
  • 12 de setembro de 2010 em 0:13
    Permalink

    Eu fico fascinado com essas paradas. Uma vez eu ganhei um Kit Revell quando tinha 12 anos… Era uma moto toda invocada.. nossa… aquilo virou uma meleca de super-bonder, peças mal alinhadas, terrível… heheheh Nunca mais.

    O que eu acho bacana nas suas esculturas é o passo a passo. Acompanhar a coisa nascendo e ver as técnicas aplicadas é sensacional. Seria bacana ver um passo-a-passo de como o cara chega nesses resultados.

    Resposta
  • 12 de setembro de 2010 em 9:57
    Permalink

    Nossa fantasticoo…
    O cara tem muita habilidade e paciencia pra criar isso…
    Já acho, fantastico quando se cria em escala real… Imagina só nessa escala, a riqueza de detalhes é impressionante…
    Ele deve curtir bastante carros antigos, porque ele cuida muito bem dos detalhes, que acho que só quem gosta conhece…
    Hehehehe, seria legal um post sobre rustcars… ou rust style… rhehehehe

    Resposta
  • 14 de setembro de 2010 em 22:26
    Permalink

    Cara, isso hipnotiza… Meu cérebro entrou em danger sabendo que é em escala! MUITO REAL!

    Resposta
  • 15 de setembro de 2010 em 21:38
    Permalink

    Eu juro, imaginei que o ônibus das 1ªs fotos era de verdade, como não li de início o texto, pensei que fosse sobre alguém que morava dentro do ônibus. Fiquei impressionado quando vi que ele é uma miniatura. Perfeição nota 11.

    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

error: Alerta: Conteúdo protegido !!