O dia que um disco voador pousou numa base da Força aérea dos EUA

Imagina só, uma espaçonave extraterrestre pousa numa base militar e os aliens saem para dar um "alô".

Na história de hoje temos o dia que um disco voador pousou numa base militar.

O mundo da ufologia é repleto de histórias e lendas, algumas bem mirabolantes sobre abduções ou contatos pacíficos com extraterrestres. Por estar imerso nesse mundo, eu já li uma série dessas histórias, algumas realmente loucas, como quando os EUA mandaram 12 humanos para viver em outro planeta,  especialmente treinados para uma “imersão” em outro mundo, que foram exportados à bordo de uma espaçonave alienígena.

inclusive, dizem que a cena em que aqueles caras de macacão vermelho e óculos escuros embarcam na nave-mãe no final do filme Contatos Imediatos do Spielberg é uma referência direta a essa galera).

Enfim, há todo tipo de história muito louca, onde é difícil qualquer tipo de comprovação, e aqui está mais uma, que caso você também curta essas histórias, poderá se impressionar.

O caso aconteceu no ano de 1974 numa base do Novo México, localizada a 1600km da  Área 51. Pouco conhecida ou mencionada, essa base aérea se chama Base área Holloman.

O dia do contato

O dia estava claro, e limpo, com poucas nuvens no céu do deserto. Eram 5:30. Na base, um avião de reconhecimento 1 se dirigia a cabeceira da pista para decolagem quando algo inesperado aconteceu. O sargento Mann recebeu um relatório de objetos voadores não identificados em aproximação.


Minutos depois a informação dos radares se concretizou no visual. As equipes da torre testemunharam quando três objetos apareceram em direta aproximação. “No peito e na raça.”

Através de uma série de frequências de radio, os operadores da base alertaram os objetos que a aproximação da área era proibida, mas não houve sucesso na comunicação.
Poucos instantes depois uma ligação foi recebida onde o Coronel Horner tomou ciência do que estava ocorrendo e ordenou que uma patrulha saísse imediatamente para verificar.  Nesse momento foi autorizado o estado de “alerta vermelho” na base, o que indicaria que todos deviam se comportar como se os EUA estivessem sofrendo um ataque direto de um país inimigo.

A aeronave não identificada continuava a se aproximar.
Através do telex eles entraram em contato com o departamento de inteligência da base de Wright Patterson afim de eliminarem a possibilidade de ser uma aeronave experimental precisando fazer um pouso de emergência.

Horner ordenou que os esquadrões de segurança e o dpt. de bombeiros estivessem à postos.
Por toda a base as sirenes de alerta soaram e pessoas corriam de um lado para o outro.

Veículos de segurança e bombeiros saíram a toda velocidade dos hangares de suporte em direção à pista.
Ao mesmo tempo, dois caças interceptadores foram acionados e por precaução, orientados a apenas escoltar os objetos para fora da área da base, em vez de atacar diretamente.

Enquanto tudo isso acontecia, numa missão fotográfica de rotina, um  sargento técnico e sua equipe estavam à bordo de um helicóptero fotografando a base. Ao saber do que ocorria ele começou a fazer diversas fotografias dos ovnis, registrando vários metros de filmes aquele incidente insólito, mas nada havia preparado seu espírito para o que ocorreria a seguir.

Um dos três discos voadores, totalmente metálico e liso, com forma que lembrava dois pratos colados, se separou da formação e começou a descer lentamente, se balançando, o que levou a muitos militares acreditarem que ele estava com defeito e ia cair.

O disco voador pousou

A essa altura, uma equipe munida com câmeras de alta velocidade que eram usadas em testes militares foram disparadas para registrar o acontecimento. Essas câmeras registraram em impressionante riqueza de detalhes a espaçonave, que pairava lentamente e descia perto do final da pista de decolagem.
O objeto pairou placidamente a cerca de três metros do chão por aproximadamente um minuto.
Desse objeto, saíram três pés metálicos e ele pousou suavemente.

O comandante da base e mais dois oficiais além de mais dois cientistas, se dirigiram ao objeto numa viatura. Eles pararam os veículos próximo aos veículos da segurança e dos bombeiros que resguardavam uma posição não muito perto do objeto, por segurança.
Durante algum tempo, todos ficaram esperando apreensivamente que algo acontecesse. E aconteceu: Um painel se abriu na fuselagem do objeto discóide e dele desceram três figuras estranhíssimas.


Eles pareciam calmos, pacíficos e relaxados. Se aproximaram calmamente da comitiva da base que observava assustada. Eles três pareciam estar vestidos com um tipo de uniforme inteiriço metálico, na forma de um macacão justo. Sua pele era azul acinzentada.
Eles tinham um enorme e pronunciado nariz bem no meio do rosto. Os olhos eram dois, mas bem esquisitos e ovóides, e usavam um tipo de capacete na forma de uma touca, que lembrava algumas cordas superpostas. Em suas mãos eles seguravam um dispositivo, que pareceu ser um tipo de tradutor.  Tudo isso foi filmado pelos militares.

Um comandante e dois cientistas fazendo todo o possível para conter o medo, se aproximaram em uma postura não beligerante e foram cumprimentar os “visitantes”.
Um tipo de comunicação foi obtida entre eles. Não há detalhes sobre como eles fizeram para se comunicar.


Após isso, o grupo rapidamente se retirou para um escritório interno da base na área “King1”.
Um pequeno grupo de soldados e oficiais foi deixado perto do local.
Quem são os visitantes, de onde eles vêm e o que eles querem? É um mistério.

Isso é real ou ficção?

Acredite se puder, a história foi considerada real. Mas de onde ela vem?
O artista, empresário, compositor e documentarista Robert Emenegger, que já havia trabalhado para o Dpt de defesa dos EUA e numa ocasião, viu ovnis.  Isso o impressionou ao ponto dele resolver criar um documentário sobre o assunto, tirando proveito de sua estreita conexão com o dpt. de defesa. Assim, ele e Allan Sandler, de Los Angeles, Califórnia, viajaram até a base aérea de Norton afim de realizar um documentário sobre ufos, em 1972.

Emenegger e Sandler relatam que Oficiais da Força Aérea (incluindo Paul Shartle ) sugeriram incorporar informações de OVNIs no documentário, incluindo como peça central o caso do contato da Base Aérea de Holloman, no Novo México.

Emenegger concordou, diante da extensa quantidade de informações do intrigante – e não menos espetacular caso. Ele partiu então para um tour pela Base Aérea de Holloman e viu onde os oficiais conversavam com alienígenas.

Lá ele descobriu com fontes militares que “esta não foi supostamente a primeira vez que os EUA encontraram esses alienígenas”. Emenegger relatou que suas fontes militares dos EUA estavam “monitorando sinais de um grupo de alienígenas com o qual eles não estavam familiarizados, e seus convidados ET sabiam alguma coisa sobre eles? Os ETs disseram não.”

O documentário foi lançado em 1974 como UFOs: Past, Present, and Future (narrado por Rod Serling)

Emenegger planejava usar TODO O video do encontro com os aliens no final do documentário, pois seu pano era fazer o documentário definitivo para revelar a realidade dos Ufos ao mundo. Porém, ao final da edição, o pentágono voltou atrás e impediu que eles usassem o filme. Logo, em seguida militares disseram aPaul Shartle, encarregado do departamento de áudio e vídeo que era tudo um “engano” e que o video que eles estavam achando ser real, era somente um “video ficcional que os militares encomendaram a Hollywood para efeito de treinamento interno na base”.

hahahaha. Essa superou até os famosos “gases do pântano”. Curiosamente, o chefe da segurança e especialista em audio/video não tinha nenhum conhecimento desse “video de treinamento com alienígenas” apesar de que todas as compras audiovisuais passariam burocraticamente por ele, dada sua função.
Também não foi dada qualquer explicação a ele sobre o motivo pelo qual um “filme de treinamento feito por equipes de Hollywood” dentro da base que ele trabalhava mostrava as pessoas que ele conhecia pessoalmente.

“Ele disse James, assim como em um filme de ficção científica, a porta sem costura se abre e saem esses seres que tinham narizes muito grandes, fendas para bocas, e seus olhos eram quase como uma fenda vertical, como um olho de gato, muito, muito grande. Eles tinham … eu fique … eu [Fox] preciso deixar isso bem claro para o seu público. Não estou dizendo o que é verdade ou o que não é, ou se aconteceu ou se é estranho ou o que quer que seja. Estou apenas contando o que me disseram as pessoas que viram e afirmaram ter visto. Eles saíram e se encontraram com os comandantes da base, e então eles entraram em um jipe ​​ou estavam prestes a entrar em um jipe ​​ou fazer alguma coisa e então a filmagem simplesmente foi cortada.”

Bem, o documentário ia sair só com o tradicional monte de relatos anedóticos, quando um editor descobriu que quando os caras do Pentágono foram lá e recolheram o material, esqueceram nada menos que 8 segundos de video real.

E assim, no meio da história, havia essa pérola. Uma pérola impressionante:
Tinha um pedaço REAL da filmagem DESSE DIA NA BASE! Justamente quando a nave está descendo para a cabeceira da pista!
Acredite se puder, era a primeira vez que um disco voador, filmado por militares seria apresentado num programa de televisão.

Essa pequena cena causou perplexidade em muitas pessoas (inclusive em mim) afinal, como os milicos deixaram algo assim ir para o documentário?

Nessa pequena entrevista, que eu dublei em português, o documentarista Robert Emenegger e o chefe de segurança na área de audio/video da base de Holloman, Paul Shartle, debatem e confirmam o inusitado episódio, que culminou com a exibição na TV do que se acredita que seja uma cena do pouso da nave naquele dia, realizado pelos próprios militares.

Em 1988, Shartle disse que o filme em questão era genuíno e que o tinha visto várias vezes.

Em 1976, um documentário televisionado UFOs: It Has Begun escrito por Robert Emenegger foi apresentado por Rod Serling, Burgess Meredith e José Ferrer.

Algumas sequências foram recriadas com base nos depoimentos de testemunhas oculares, juntamente com as descobertas e conclusões de investigações governamentais civis e militares.

A representação de Emenegger de 1973 de um pouso em Holloman é amplamente conhecida por suas “impressionantes” semelhanças com a representação de Steven Spielberg de 1977  “Contatos imediatos do terceiro grau” quando a nave mãe faz seu famoso pouso na Torre do Diabo.

No documentário Mirage Men de 2013 , o ufólogo Richard Dolan discutiu o documentário de Emenegger, dizendo

“Eu me perguntei se aquele filme,  como muitas pessoas também se perguntaram, foi uma tentativa abortada de algum tipo de ‘Divulgação ‘

Além disso, a equipe de produção de Emenegger teve acesso a documentos altamente confidenciais nas instalações do Departamento de Defesa (DoD), e eles receberam assistência de oficiais militares que tinham experiência em assuntos relacionados a OVNIs, como o coronel William Coleman do Projeto Blue Book e o coronel George Weinbrenner, que chefiou Tecnologia Estrangeira na Base da Força Aérea de Wright Patterson.

Em suma, o caso é esse. A história parece espetacular demais para ser real, mas temos esses oito segundos que mostram um objeto luminoso em plena luz do dia, descendo diante das montanhas que se situam em frente a base de Holloman.

O que me deixa fascinado é imaginar que em alguma gaveta, numa sala escura do pentágono ou de algum órgão militar, está um filme que mostra claramente três alienígenas interagindo com oficiais da Força Aérea.

Ah, como eu gostaria de dar uma bela olhada nisso!

PS: Consegui achar o documentário! Aqui está ele:

Receba o melhor do nosso conteúdo

Cadastre-se, é GRÁTIS!

Não fazemos spam! Leia nossa política de privacidade

Philipe Kling David
Philipe Kling Davidhttps://www.philipekling.com
Artista, escritor, formado em Psicologia e interessado em assuntos estranhos e curiosos.

Artigos similares

Comentários

  1. Eu acho que os milicos não abrem o jogo para o grande público por uma razão(com a qual sou obrigado a concordar):

    Muita gente vai endoidar. Só pegar uns episódios muito mais bestas da nossa história, passagem do cometa halley, bug do milênio, etc… O que teve de culto, paranoia coletiva, não tá escrito.

    Agora imagina você provar por A+B: “olha, existem humanoides de outros planetas com uma inteligência e tecnologia que fazem os humanos parecerem primatas arremessando cocô uns nos outros”.

    Impactaria economia (escassez? no espaço tem planetas com qualquer minério que vc quiser). Religião(ué, mas o humano não é imagem e semelhança de Deus? Então pq esses outros caras são tão mais avançados que nós).

    Mas que eu enquanto indivíduo adoraria descobrir a verdade sobre tudo isso, eu adoraria.

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here

Advertismentspot_img

Últimos artigos