O dia em que um lenhador ajudou um alien… a morrer

Essa é uma história bem curiosa sobre alienígenas. Volta e meia histórias sobre alienígenas de todos os tipos e formas brotam em grupos e comunidades e muitas delas são investigadas por ufólogos e pesquisadores interessados em assuntos insólitos. Nesse caso publicado pelo pesquisador John Fontaine, veremos uma dessas histórias muito estranhas, onde um alienígena todo estropiado pediu ajuda de um confuso terráqueo e seus irmãos,  para morrer.

Como tudo começou

Em julho de 1955, um lenhador, que preferiu permanecer anônimo, estava trabalhando na floresta no Golfo de Bótnia em Västra Norrland, Suécia, com seus dois irmãos.

Em algum momento, os três ouviram um barulho muito alto e incompreensível, que eles descreveram como um som semelhante ao de um animal muito grande correndo descontroladamente através dos arbustos da floresta.

Ouvindo esse barulho misterioso, o farfalhar e crepitar de galhos e arbustos, eles viram acima deles que estava passando um objeto em forma de charuto, e ele parecia estar caindo, pois voava tão baixo que tocava o topo das árvores, quebrando muitas delas. Fragmentos de galhos e folhas choveram sobre os homens como uma avalanche.

A princípio, eles pensaram que era um pequeno avião caindo, então, quando o objeto passou por cima deles, eles correram na direção em que ele caiu para tentar socorro. Eles não tinham dúvidas que iria ocorrer um acidente, já que aquele objeto estava perdendo altura rapidamente.

“Não sei o que esperávamos, talvez uma explosão ou uma colisão devastadora quando o avião batesse no solo, mas não aconteceu. A luz era tão brilhante que podíamos ver através das árvores. Por um segundo, pude até mesmo ver as sementes das árvores, e aqueles troncos tinham mais de um metro de diâmetro. Era como um raio-x. Após alguns segundos, surgiu uma onda de vácuo, sugando tudo em direção ao centro daquela luz. Nós três voamos para a frente, galhos e folhas voando por nós. Tudo provavelmente durou apenas uma fração de segundo, mas ainda me lembro de bater fortemente contra uma árvore, o tempo parou e toda a minha vida instantaneamente se repetiu na minha cabeça. Até os sons habituais da floresta tinham cessado.”

Quando os três lenhadores se recuperaram do impacto e finalmente chegaram ao epicentro do fenômeno, onde esperavam ver o avião caído, não havia sinal dele. Eles acabaram em uma clareira onde, por algum motivo, nem aeronaves nem outros equipamentos eram visíveis. Havia árvores danificadas, um monte de galhos quebrados para todo lado, mas nenhum destroço da aeronave.

A coisa era muito estranha, mas ficaria ainda mais esquisita.

Um misterioso encontro

Os três lenhadores ouviram um barulho e seguindo- o , encontraram uma criatura humanóide viva, aboletada precariamente sobre galhos desordenados. Era um homem, mas muito baixo, aparentemente com cerca de um metro e dez ou um metro e vinte centímetros de altura. Em torno dele havia uma estranha luz branca “vibratória”, que emanava, “como uma auréola” mística.

Os três imaginaram que estavam diante de um cadáver, já que a criatura parecia morta a princípio. Quando um dos irmãos estendeu a mão para tocar o corpo sem vida, ele imediatamente puxou a mão para trás, ao receber um forte choque elétrico. Então, aquele estranho homenzinho abriu os olhos e disse em um sueco perfeito:

– “Não me toque, isso só vai lhe trazer problemas!”

O narrador desse insólito encontro contou ao investigador:

“Depois daquele primeiro susto, eu acalmei-me, e imediatamente e examinei-o cuidadosamente. Ele não era um anão no sentido amplo da palavra. Ele tinha uma constituição muito proporcional, ombros largos e feições normais. Só era pequeno. Sua pele era amarelada, como a de um asiático. Seus olhos eram profundos e pretos, sem indício de pupilas. Seu rosto estava coberto de hematomas com alguns cortes grandes no queixo e na testa. Nenhum sangue estava escorrendo, o que era estranho, mas a pele ao redor das feridas estava molhada. O topo de sua cabeça estava levemente coberto por uma penugem de cabelo quase branco. Os lóbulos das orelhas eram integrados ao pescoço e lembravam barbatanas de tubarão. Os lábios eram enrugados, estreitos e praticamente sem cor.  Quando ele sorria de forma tranquilizadora, como sempre fazia, ele revelava uma fileira de pequenos dentes nas mandíbulas superior e inferior. Notei especialmente que os dentes caninos eram planos e simétricos, tão largas quanto nossos dois dentes da frente.

Essa seria a forma aproximada do homenzinho

Suas mãos eram pequenas com cinco dedos finos sem unhas, e quando movia a mão, parecia que o dedo anelar se fundia com o dedo mínimo, pois se moviam em total sincronia.

Suas roupas eram como metal avermelhado e pareciam em justas ao corpo . A cabeça e as mãos eram descobertas, mas nos pés a roupa se emendava num par de botas fechadas tamanho 35-37.
As solas das botas eram nervuradas e vibravam, e por um momento pensei naquele sistema de lagartas dos tanques de guerra. O estranho olhou para mim e assentiu levemente. Não havia dúvida de que ele sabia o que eu estava pensando.

Com essas botas, ele poderia rolar para frente e para trás na superfície sem sequer mover os pés. Em volta da cintura, ele usava um largo cinto de metal prateado com uma fivela incomumente grande que brilhava levemente com um tom azul claro, que mais tarde se tornou azul escuro quando ele morreu.

No meio da fivela havia um sinal de cor amarela – UV – parecia a letra V, que estava incluída na letra U.”

Essa estranha criatura disse ao lenhador que ele foi jogado para fora de sua nave num acidente, e estava gravemente ferido e agora, morrendo.

Em seguida, tirou do bolso um objeto retangular do tamanho de uma caixa de fósforos e com 12 pequenos entalhes. Ele então pegou outro objeto que parecia um lápis feito de ardósia e cutucou algumas das depressões no primeiro objeto antes de jogá-lo nos arbustos.

O alienígena então disse ao lenhador para não tocar aquele objeto, e que o item era um “farol” para que seus companheiros soubessem onde deveriam ir para recuperar o que restasse de seu corpo quando ele morresse.

Então aconteceu uma coisa curiosa. Os dois irmãos do interlocutor pareciam em transe. Eles simplesmente saíram, e deixaram a clareira.  O lenhador ficou sozinho com a criatura moribunda na floresta:

“O estranho ficou deitado por algum tempo como se estivesse dormindo. Suas mãos estavam fortemente cerradas e era óbvio que ele estava com muita dor. Então meus irmãos de repente ficaram confusos, se entreolharam e então, sem dizer uma palavra, saíam andando.

Anos depois, relembrando esse incidente, estou convencido de que o estranho de alguma forma os controlou.

Sentei-me conversando e ouvindo-o por duas horas antes de ele morrer. Pouco antes de sua morte, o estranho visitante me deu um pacote dobrado de um bolso que parecia invisível e disse:

“Quando eu morrer, a luz desaparecerá do meu corpo e, com a ajuda de outros dois homens, você me colocará nesta bolsa e me levará para o rio onde eu vou desaparecer, então você deve se banhar com cuidado na água, para não ficar doente.”

Agora ele estava respirando pesadamente e eu vi que o fim estava próximo. A auréola ao redor de seu corpo estava rapidamente ficando mais fraca e gradualmente desapareceu.

Sua fivela azul claro escureceu gradualmente. Ele olhou para mim e sorriu. Ele disse algo em um idioma que eu nunca tinha ouvido antes ou depois. De repente, ele mudou para o sueco e ouvi as última frase:

“Você veio sem nenhum desejo e vai embora contra o seu próprio desejo. Nossa vida é como a evaporação.”

Ele até disse mais algumas palavras, mas sua voz já estava tão fraca que não pude ouvi-las. Estou convencido de que ele orou a alguma divindade antes de morrer. Fiquei muito emocionado.”

 

Os irmãos então voltaram, parecendo um pouco atordoados e confusos, como se não tivessem certeza do que havia acontecido com eles ou por que haviam saído. Os homens colocaram o alienígena morto naquela sacola e o carregaram até o rio. Eles perceberam que a sacola cheirava a enxofre e literalmente estava queimando suas mãos. Era extremamente pesado para seu tamamho. A sacola pesava bastante entre 90 a 100 quilos. Quando eles baixaram o saco na água, o corpo e o saco começaram a se dissolver.

“Quando a bolsa afundou na água, ela começou a borbulhar e percebemos que algum tipo de processo químico havia começado. Após 5 minutos, nada sobrou da bolsa e do corpo, e pensei que talvez o estranho estivesse esperando cair no rio para uma morte rápida, em vez de ficar ali deitado por algumas horas, sofrendo. Ele provavelmente preferiria morrer sozinho, pensando em sua casa, que provavelmente fica a muitos anos-luz de distância.”

Alguns dias depois desse incidente, o lenhador foi novamente à área para encontrar um objeto retangular lançado por um alienígena, mas encontrou apenas o objeto que parecia um lápis. Ele guardou como lembrança e como prova de que não sonhou tudo, e está com o objeto em seu poder até hoje.

Depois disso, ele guardou essa história para si mesmo por muitos anos. A história seria desconhecida do mundo se não fosse o dia em que ele contou essa misteriosa aventura ao pesquisador de OVNIs chamado John Fontaine , que escreveu sobre tudo em um artigo chamado “Humanoid Dies in Sweden”.

Há mais do que parece

Fontaine falou pessoalmente com o lenhador e parecia ser a única pessoa com quem o homem falou sobre isso até hoje. Um detalhe interessante,  é que a testemunha ocular nunca revelou completamente os detalhes de sua longa conversa com o alienígena quando estavam sozinhos, nem mesmo para ele. Fontaine conta que:

“O que eles conversaram durante essas duas horas, não consegui que a testemunha contasse. Implorei e convenci, mas ele não me disse nada, apenas alguns dos fragmentos a seguir: Ele disse que o alienígena veio de um lugar próximo à constelação que chamamos de Águia. Várias raças do espaço sideral já visitaram a Terra e algumas são tão avançadas que só as veríamos quando se materializassem ou desmaterializassem para visitar um universo paralelo orbitando a Terra. Alguns alienígenas mantiveram as pessoas na Terra sob vigilância e o fizeram por milênios, enquanto outros coletaram amostras da Terra para fins de assentamentos posteriores, e outros ainda tiveram contato com a humanidade por séculos. É isso”

“Eu acho que isso foi tudo.” – disse a testemunha e se preparou para se despedir.

“Fiquei alguns anos com os irmãos, mas raramente conversamos sobre aquele dia especial. Acho, porém, que cada um de nós passou por isso todos os dias. Meus irmãos estão mortos agora, mas me lembro como se tivesse acontecido apenas ontem. Anos depois, eu o reconheci imediatamente pelo seu slide. É estranho; pensei que era o único que conhecia esse cara. Ao longo dos anos, vi muitas fotos e desenhos de visitantes do espaço, mas não vi ninguém como ele, até hoje.”

A testemunha, antes de ir, tirou um pedaço de metal e segurou-o diante do meu nariz. “Olha”, ele disse.

Eu parecia desnorteado. Parecia uma pequena agulha de crochê.

-O que é isso?

Ele riu conscientemente.

-Alguns dias depois do incidente, vaguei por onde ele estava deitado. O objeto retangular havia sumido, mas esse “lápis” estava caído na grama, ainda brilhando. Guardei-o como uma prova de que não estava sonhando.

Ele foi embora, e enquanto eu olhava atônito para ele, ele desapareceu na multidão. Este homem anônimo com sua história e lousa de lápis poderia aparecer na primeira página dos jornais do mundo. Acredito que só porque a história é verdadeira é possível carregá-la sozinha por tantos anos. Um psiquiatra poderia argumentar que uma imagem de slide o abriu para um longo incidente moderado, suprimido pelo medo do ridículo.

Provavelmente existem muitas histórias como essa que, infelizmente, nunca são conhecidas.”

Uma história e tanto

Realmente é uma história interessantíssima e até mesmo comovente em algumas partes. Mas eu não estou seguro que não se trate de uma lenda, ou mesmo uma invenção. Ao investigar a origem do artigo, ele parece ter sido publicado originalmente no Tim Beckley’s UFO Universe , que não está mais disponível.  Através desse artigo eu vi que o evento desse post é descrito num arquivo PDF no Scribed, creditado a um Patrik Gross e algo chamado URECAT — UFO Related Entities Catalog, descrito como“URECAT é um catálogo formal de relatórios de avistamentos de entidades relacionadas a OVNIs com o objetivo de fornecer informações de qualidade para estudos precisos do tema”.

A história foi publicada originalmente neste tablóide de baixíssima credibilidade REPLETO de histórias inventadas, o que levanta duvidas sobre sua autenticidade.

 

No artigo ele conta como descobriu o lenhador. Na verdade, ele foi descoberto. Segundo Fontaine:

“Certa manhã, quando várias escolas visitavam o estande, notei um ilustre senhor, de cerca de 60 anos, que ouvia várias vezes a palestra e ficava extremamente interessado cada vez que o slide show chegava à seção sobre humanoides, uma série de slides produzido com base em um número substancial de entrevistas com testemunhas. Embora a palestra fosse interessante, eu não conseguia entender por que um ouvinte comum iria assisti-la várias vezes, então minha curiosidade foi despertada e comecei a conversar com o homem.

No começo ele foi muito reservado, não quis entrar em detalhes, mas quando viu que eu o levava a sério, acabou contando sua história. Durante uma hora ele contou sua experiência enquanto eu fazia anotações e, de fato, era uma história estranha:

“Certa vez, vi e conversei com um homenzinho como o mostrado nos seus slides. Em 1955, eu trabalhava como lenhador no Golfo de Bótnia, em Vestra Norrland, na Suécia, com dois irmãos que forneciam madeira para uma serraria no centro da Suécia… – Ele disse. 

 

De volta a hipótese do caso do alienígena falecido ser ficcional, o pesquisador Patrick Gross tinha uma hipótese instigante: John La Fontaine é um pseudônimo.

De acordo com Gross, o UFO Universe era um tablóide de supermercado, o que é verdade, e, portanto, publicou muitas histórias completamente inventadas apenas para vender mais. O editor era  Timothy Green Beckley, acusado de ser um trapaceiro em ufologia e teorias da conspiração que se equilibrava entre fato e ficção. Gross também afirma que John La Fontaine é uma versão de Jean de La Fontaine, um autor de fábulas francês – o chamado fabulista – que viveu entre 1621 e 1695.

Ele escreveu 12 livros com 239 fábulas no total e foi muito popular no momento. Seria essa apenas uma fábula moderna? Não sabemos, mas fica a seu critério a credulidade e a desconfiança.

Pesquisando para este post, me deparei com o trabalho investigativo do autor sueco Fred Andersson, que também estava bastante curioso com a mitologia subjacente ao caso, porque para ele e- e como eu disse, pra mim também – parece estranhamente familiar, como convém a uma lenda.

Fred conseguiu num trabalho incrível, descobrir que apesar do nome, John La Fontaine era um cara real e não um pseudônimo de um desses espertalhões da ufologia. Ele era provavelmente um marinheiro e que gostava muito de contar histórias de todo tipo. Ele era muito ativo na FUFOS e viajava pela Dinamarca para falar sobre o assunto ao público. Ele já havia falecido.
Fred achou inclusive uma outra publicação da história, anterior a que todos conhecem, que foi publicada na edição seis, de 1977, da revista sueca UFO-Information. A revista trazia a manchete: “Avled en man från en annan planet i Norrland år 1955?” — “O homem de outro planeta faleceu em Norrland em 1955?” , assinado por John La Fontaine. Ela fora traduzido do dinamarquês por Jan-Ove Sundberg.

A gênese da história ?

A história de um alien bondoso que caiu da nave e agora está prestes a morrer com seu amigo terrestre parece extremamente familiar, certo?

Certo.

De fato, apesar do “ET “ser quem vem em nossa mente quando essa premissa é solicitada, algo muito semelhante surgiu bem antes. O pesquisador e autor sueco Håkan Blomqvist tem outra teoria, que ele compartilhou – ou pelo menos insinuou – em um e-mail recente:

“Um certo paralelo pode ser traçado com o livro de Albert Coe, The Shocking Truth , juntamente com uma versão em PDF.

The Shocking Truth

Segundo Fred diz em seu artigo:

O livro de Albert Coe é a suposta história verdadeira de Coe, no deserto por meses, ao encontrar um humanoide – ferido em um acidente. Coe o ajuda e eles se tornam grandes amigos. A configuração básica é bastante semelhante ao que o homem desconhecido disse a La Fontaine em 1977: o deserto, o humanoide ferido, a comunicação entre os dois – mas difere drasticamente. Onde o amigo de Coe, Xretsim (“Mister X”), ou Xret como Coe o chama, sobrevive e continua a ter contacto com ele (até vão pescar juntos), e é tudo um segredo entre eles, termina a história sueca com o humanóide morrendo na frente do homem e seus dois colegas madeireiros e é então dissolvido em um rio próximo. O homem poderia ter lido o livro de Coe e tirado dele a premissa inicial? Talvez ele tenha lido e de alguma forma, com a ajuda de uma imaginação vívida, tornou-se um acontecimento real em sua própria vida?

É perfeitamente possível, mas ainda – não sabemos.

 

fonte fonte

Receba o melhor do nosso conteúdo

Cadastre-se, é GRÁTIS!

Não fazemos spam! Leia nossa política de privacidade

Philipe Kling David
Philipe Kling Davidhttps://www.philipekling.com
Artista, escritor, formado em Psicologia e interessado em assuntos estranhos e curiosos.

Artigos similares

Comentários

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here

Advertismentspot_img

Últimos artigos