O curioso experimento Kellogg

Dois psicólogos, Luella e Winthrop Kellogg deram à luz um filho que chamaram de Donald. Eles decidiram criar seu filho com um chimpanzé chamado Gua, em um experimento para determinar o efeito do ambiente no desenvolvimento dos chimpanzés e a possibilidade de humanizar um chimpanzé.

Esta experiência foi iniciada quando Gua tinha 7 meses e Donald, 10 meses. Eles foram criados como irmãos, comiam na mesma hora, usavam a mesma roupa, tinham os mesmos brinquedos e dormiam no mesmo lugar. Os dois foram induzidos a pensar que eram literalmente irmãos (e de fato eram).

A pesquisa era uma tentativa de ver se o ambiente influenciaria o desenvolvimento de um chimpanzé – e até que ponto eles poderiam torná-lo humano.

Outras teorias sobre o motivo pelo qual o teste foi interrompido incluem alegações de que foi cancelado porque Gua estava ficando muito forte e pode ter prejudicado Donald.

Gua tinha sete meses e meio e Donald era um pouco mais velho, com 10 meses, quando o experimento começou.

E ambas as crianças foram submetidas a testes cruéis, como apanhar na cabeça com colheres, girar em cadeiras e ser provocadas por seus pais.

 

Gua foi o primeiro chimpanzé a ser usado em um estudo de criação cruzada nos Estados Unidos.

Kellogg era fascinado por crianças criadas na natureza com pouca ou nenhuma ajuda humana – e achou que a melhor maneira de tentar replicar isso era trazer um chimpanzé para sua casa.

 

Em seu livro de 1933, The Ape and the Child ele questionou:

“Qual seria a natureza do indivíduo resultante que amadureceu… sem roupa, sem linguagem humana e sem associação com outros de sua espécie?”

Ele sabia que abandonar uma criança humana na natureza era moralmente repreensível, então, em vez disso, ele optou por trazer um animal infantil para a sociedade moderna.

Nos nove meses seguintes, 12 horas por dia, sete dias por semana, Kellogg e sua dedicada esposa – ambos psicólogos comparativos – conduziram teste após teste em Donald e Gua.

Eles foram criados exatamente da mesma maneira: ambos usavam macacões de bebê, feitos para sentar em uma cadeira alta, dormiam em uma cama e recebiam beijos de boa noite, embora Gua fosse carregado em uma pequena carroça.

Os autores do The Psychological Record disseram que o experimento dos Kelloggs “provavelmente teve mais sucesso do que qualquer estudo anterior em demonstrar as limitações que a hereditariedade coloca em um organismo, independentemente das oportunidades ambientais, bem como os ganhos de desenvolvimento que poderiam ser obtidos em ambientes enriquecidos”.

Mas o experimento de repente chegou a um fim inexplicável, disse a publicação, acrescentando: “Nossa preocupação final é por que o projeto terminou quando terminou.

“Fomos informados apenas que o estudo foi encerrado em 28 de março de 1932, quando Gua foi devolvido à colônia de primatas de Orange Park por meio de um processo gradual de reabilitação.

“Mas quanto ao porquê, os Kelloggs, que são tão específicos em tantos outros pontos, deixam o leitor se perguntando.”

Havia rumores de que eles estavam simplesmente exaustos de nove meses de pais ininterruptos e trabalho científico.

 

Quando ela tinha cerca de um ano de idade, Gua costumava testar à frente de Donald em tarefas como responder a comandos simples ou usar um copo e uma colher. Pequenas diferenças em sua colocação incluíram o reconhecimento de pessoas. Gua reconhecia as pessoas pelas roupas e pelo cheiro, enquanto Donald as reconhecia pelos rostos.

A diferença de despedida veio com a linguagem. Donald tinha cerca de 16 meses e Gua tinha pouco mais de um ano quando fizeram o teste de linguagem. Gua não conseguia falar, mas Donald conseguia formar palavras.

À medida que o experimento avançava, Donald começou a copiar Gua, fazendo os sons de um chimpanzé e também andando como um.

Gradualmente, Donald apresentou comportamentos que mostrou que em vez do chimpanzé apresentar uma evolução comportamental, era Donald que estava se tornando uma criança selvagem. Isso levou ao término do experimento, pois eles esperavam que Gua imitasse Donald, não o contrário.

O experimento teve um efeito duradouro em Donald, que se suicidou aos 43 anos. Enquanto Gua morreu um ano depois de se separar de Donald.

fonte

Receba o melhor do nosso conteúdo

Cadastre-se, é GRÁTIS!

Não fazemos spam! Leia nossa política de privacidade

Philipe Kling David
Philipe Kling Davidhttps://www.philipekling.com
Artista, escritor, formado em Psicologia e interessado em assuntos estranhos e curiosos.

Artigos similares

Comentários

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here

Advertismentspot_img

Últimos artigos