O caso Mike Marcum: O estranho desaparecimento de um homem decidido a “viajar no tempo”

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on pinterest
Pinterest
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on whatsapp
Categorias
Night mode

Existem várias histórias no mundo sobre pessoas muito engenhosas que tentaram criar dispositivos tecnológicos incríveis, capazes de alcançar o que a comunidade científica nos diz ser impossível.

Esse é o caso de Mike Marcum, um homem que tentou criar uma… (cof, cof)  máquina do tempo em seu quintal, mas depois desapareceu misteriosamente.

Mas vamos do início, para entender como esse Doc Brown pós moderno chegou nesse ponto:

No início de 1995, Mike “Madman” Marcum tentou construir uma máquina do tempo no quintal de sua casa em Stanberry, Missouri, EUA. Ele estava obcecado com a ideia de conseguir viajar no tempo no melhor estilo de Marty Mcfly.

Assim, Marcum começou a criar um dispositivo chamado Jacobs Ladder (escada de Jacó). Basicamente é um dispositivo que se vê facilmente em qualquer filme de Dr. Frankenstein, onde um arco voltaico desfila por duas varetas metálicas, subindo ate desaparecer no ar. Mas Marcum teria incorporado diferentes “sofisticações” em seu dispositivo. Um desses elementos, conforme confidenciou a amigos foi que seu mecanismo usava um laser de um tocador de CD modificado para reduzir a resistência do ar entre dois pólos. Isso produzia um arco contínuo, um resultado incomum ao ligar o dispositivo.

Em seus experimentos com o estranho artefato, Marcum notou que ao ligar, surgiu um tipo de campo de calor sobre o objeto, mas era de forma circular e como um vórtice. Então ele decidiu lançar um parafuso de chapa metálica através daquele vórtice para ver o efeito e o que aconteceria. Marcum se espantou ao ver que o objeto simplesmente desapareceu, como mágica, diante de seus olhos, e meio segundo depois,  reapareceu igualmente como que num passe de mágica, a poucos metros de distância.

O dia em que fez esse experimento marcou sua vida, com resultados imprevisíveis.

O dispositivo inicial desenvolvido por Mike Marcum:

Motivação: Ele queria os números da loteria

Na época ele tinha apenas 21 anos e era estudante do curso de eletricista. Em comparação com seus amigos, pode-se dizer que Marcum era bastante inteligente. Marcum aparentemente tentou construir uma máquina do tempo porque queria obter os números vencedores da loteria do futuro. No entanto, havia um problema: seu dispositivo de viagem temporal precisava de muita energia para funcionar.

Depois de mais alguns testes, o conjunto de laser adaptado do aparelho de som pegou fogo. Marcum precisou voltar a estaca zero, e imaginou que já que teria que reconstruir a máquina novamente, ele poderia usar transformadores maiores também. Seu plano original era comprar os transformadores, mas eles eram muito caros. Assim, o intrépido inventor, misto de Doc Brown com McGuyver recorreu ao improviso: Roubar em nome da Ciência.

Na usina local, havia 6 transformadores antigos. Marcum roubou seis transformadores pesando mais de 136 kg de uma subestação de St. Joseph em King City, Missouri. Ao testar seus experimentos, ele causou um blecaute massivo em vários quarteirões de seu bairro.

Lenrou alguma coisa? Sim, os experimentos dos caras do CASO DAS MASCARAS DE CHUMBO

Momentos depois, o xerife do condado de Gentry, Eugene Lupfer, o prendeu com um mandado dentro de sua casa em 29 de janeiro de 1995, por (em nome da ciência ou dos números da loto no futuro)  roubar os transformadores.

Notícias sobre a prisão de Mike Marcum. Crédito: Google News

Após vários meses na prisão, Marcum foi libertado. Então ele foi convidado para participar do famoso programa de radio Art Bell em Coast to Coast AM. Lá, Mike contou a história do parafuso e seus planos para construir uma máquina do tempo. Ele prometeu que de agora em diante o faria legalmente.

Marcum disse a Art que ainda tinha as intenções de outro experimento, mas que não tinha dinheiro ou peças sobressalentes para tal. Durante a entrevista, ele deu seu número de telefone e conforme amigos contam, recebeu ligações ininterruptas por 3 dias!

Os EUA está REPLETO de gente de miolo mole, e muitos são de miolo mole e bolso com grana para gastar, de modo que todos os amigos dele acreditam que graças ao Art Bell, Marcum achou um investidor.

O show realmente ajudou Marcum porque muitos ouvintes compartilharam ideias, financiamento e doaram peças sobressalentes necessárias para construir seu tão esperado dispositivo.

Com a ajuda e as doações de seus ouvintes, seu próximo projeto de máquina do tempo se tornaria ainda mais poderoso e muito maior do que o anterior. Enquanto o motor original funcionava à taxa de quilowatts, desta vez foi reprojetado para 3 megawatts.

Seu plano, como convém a qualquer filme de ficção científica que invariavelmente dá merda era um só: Testar a máquina em si mesmo.

 

Confia!

Além disso, Marcum instalou um campo magnético rotativo que ele adaptou seguindo planos do que seria aquele usado pelos militares dos EUA no Experimento Filadélfia. (a história só melhora!)

Ele disse que os campos magnéticos rotativos são mais eficazes e eficientes. Art Bell teve Mike Marcum como convidado novamente um ano depois.

Marcum afirmou que naquele ponto sua investigação tinha avançado SUBSTANCIALMENTE, e ele já estava fazendo experiências “mais sofisticadas”.

O vórtice eletromagnético já era grande o suficiente para um homem entrar. A entrevista terminou com Marcum alegando estar prestes a gerar a quantidade desejada de voltagem para fazer a máquina funcionar.

Quando questionado sobre o que levaria consigo se um dia conseguisse viajar no tempo, Mike disse que traria seu telefone celular. No final do show, Mike decidiu dar seu endereço em vez de seu número de telefone.

A máquina

Depois de cumprir sua pena, Marcum se mudou para um apartamento em St. Joseph e foi despejado enquanto trabalhava em outra máquina do tempo, de acordo com o New York Times. Marcum anunciou no programa de rádio de Bell o boato de que ele havia jogado um gato em sua máquina, “simplesmente não é verdade”

Mike Marcum Durante a segunda e última participação no programa de Bell em 1996, ele disse que tinha 30 dias restantes para completar sua máquina do tempo de modo “legal”.

Desde então, nada mais foi ouvido de Mike Marcum.

A casa de Marcum em Stanberry (BellGab)

Existem muitos rumores sobre ele em vários fóruns, que teorizam seu possível destino. Pouco depois do desaparecimento de Marcum, um ouvinte ligou para o programa Art Bell para falar sobre uma estranha história que havia tomado ciência.

 

Na década de 1930, a polícia encontrou um homem morto em uma praia da Califórnia.

Ele foi esmagado até a morte em um estranho tubo de metal.  O homem estava irreconhecível e um dispositivo misterioso foi encontrado perto de seu corpo. A pessoa que ligou disse que o dispositivo parecia um telefone celular. Seria esse cadáver misterioso, nunca reconhecido, o próprio Marcum? É impossível determinar.

Esquerda: Mike Marcum. À direita: Imagem obtida de uma conta do Facebook, (que deve ser fã do Bob Dylan) supostamente de Mike Marcum.

Provavelmente é dele mesmo pq em 2016 ele tava pedindo dinheiro lá para “viajar no tempo” com essa foto de grande credibilidade:


O que aconteceu com Mike Marcum? Conforme indicado, existem várias histórias sobre o paradeiro de Mike Marcum. Alguns indicam que ele ainda está vivo e com o passar dos anos ele parece um pouco diferente. Outros indicam que efetivamente desapareceu sem deixar vestígios,

Há quem sustente que o rapaz conseguiu viajar no tempo com um desfecho desconhecido. Em um fórum foi relatado sobre uma conta do Facebook que poderia pertencer a Mike e tem atualizações públicas até 2018. E também há uma ou outra pessoa que afirma ser Mike, e eles até tentam dar provas de sua existência. Além do que pode ter acontecido com ele, essa história é bastante semelhante à de John Titor, o suposto viajante do tempo.

Viagem no Tempo?

Uma questão que sempre surge quando se fala desse caso é que talvez Marcum estivesse simplesmente equivocado em sua premissa. Ele acreditava que após jogar o objeto no vórtice, ele teria viajado no tempo. O fato é que Marcum poderia ter se enganado. Ele poderia ter atravessado para uma realidade paralela em vez de viajar no tempo.

A viagem no tempo, como se imagina com base nos produtos culturais, como filmes, quadrinhos e livros é todo baseado em premissas muito frágeis. Se pensarmos que uma maquina do tempo fosse viável, ela mandaria alguém para um ponto do espaço-tempo, e esse espaço dificilmente seria o mesmo do ponto de emissão, simplesmente porque toda a Galáxia está se movendo numa velocidade absurda. A cada segundo, nós estamos em um ponto diferente do universo.

Sabe-se isso porque cientistas analizaram dados da radiação de fundo do universo que são dados do tempo do Big bang que ainda viajam pelo vácuo. Com base nessa radiação, foi possível saber a que velocidade nossa galaxia inteira esta deslizando na escuridão.

A velocidade da nossa galáxia com respeito à radiação cósmica de fundo — ou seja, radiação eletromagnética da época do Big Bang e que preenche o universo — é de pouco mais de incríveis 581 quilômetros por segundo.

Mesmo que seja a mesma cidade, a mesma rua, a mesma casa e o mesmo quarto, esse lugar estará em outro “endereçamento” espacial em tempos diferentes. A maquina do tempo teria que não apenas mandar uma pessoa para o tempo, mas para o espaço correto!  As chances são microscópicas e se de fato Marcum viajou no tempo, ele muito provavelmente foi jogado no vácuo do espaço exterior.

Seja como for a questão persiste: O que aconteceu com Mike? Ninguém sabe. O caso Marcum ainda está em aberto.

fonte fonte

Comments

comments

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on telegram
Telegram

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

© MUNDO GUMP – Todos os direitos reservados. Proibida a reprodução sem autorização.