O canhão eletromagnético da China

O canhão eletromagnético é capaz de disparar no centro do Rio e matar alguém lá em Minas Gerais.

Cientistas chineses conduziram exercícios de demonstração de um novo tipo de arma – uma arma eletromagnética que dispara projéteis.

Em um desenvolvimento inovador, uma equipe de engenheiros navais chineses afirma ter construído com sucesso um canhão eletromagnético capaz de disparar uma série de projéteis rapidamente sem sofrer danos. Essa maravilha tecnológica mortal, apresentada pela Marinha Chinesa, ostenta precisão incomparável mesmo durante sessões contínuas de disparo, impulsionando projéteis a uma velocidade impressionante de 2 km por segundo. Essas capacidades significam que qualquer alvo dentro de uma faixa de 100 a 200 km está dentro de sua mira, uma façanha que ultrapassa em muito as limitações dos projéteis de artilharia convencionais.

Eles voam em velocidade hipersônica e destroem tudo em seu caminho.

Os EUA abandonaram o desenvolvimento de canhões ferroviários em 2021, concentrando-se em vez disso em mísseis hipersónicos. Foto: Marinha dos EUA

Para maior clareza, como escreve o americanista Malek Dudakov, os chineses testaram a arma em um análogo do tanque americano M1. Se atingido por um projétil hipersônico, os sistemas eletrônicos do tanque ficariam inoperantes – e os membros da tripulação ficariam gravemente feridos – devido ao impacto e à colossal energia liberada.

O Pináculo da Guerra Eletromagnética

Os canhões ferroviários são vistos como parte de tecnologias revolucionárias que podem fazer pender a balança em guerras futuras. Foto: Marinha dos EUA

Durante testes rigorosos, o canhão eletromagnético exibiu uma resistência notável ao disparar 120 rodadas, uma façanha que se aproxima das capacidades de algumas das artilharias atuais. O sistema saiu ileso mesmo após essa extensa saraivada, demonstrando um nível de durabilidade sem precedentes em divulgações públicas. Essa conquista coloca a China na vanguarda dos avanços globais em sistemas de lançamento eletromagnético.

Mudança de Paradigmas na Guerra

De acordo com os pesquisadores do Laboratório Nacional Chave de Energia Eletromagnética da Universidade Naval de Engenharia, esse avanço significa uma transição de energia química para energia eletromagnética no campo da guerra. A taxa de disparo contínuo torna-se um indicador crucial da eficácia de combate para sistemas de lançamento ferroviário eletromagnético, demonstrando a destreza da China em armamentos futuristas.

Superioridade Tecnológica

Ao contrário dos Estados Unidos, que abandonaram o desenvolvimento de railguns em 2021 para focar em mísseis hipersônicos, o sucesso da China pode ser atribuído a um sistema sofisticado de medição e diagnóstico. Esse sistema, capaz de coletar e analisar dados de mais de 100.000 pontos componentes simultaneamente, ultrapassa em muito as capacidades de sensores de aeronaves modernas. Ele identifica e resolve rapidamente problemas, reduzindo o tempo de resolução de dias para milissegundos.

Uma Arma autoadaptável com inteligência artificial

O sistema inteligente não apenas diagnostica; ele também toma decisões autonomamente. Problemas menores, como superaquecimento de equipamentos, são gerenciados para manter o sistema operacional, enquanto problemas potencialmente graves, como mau funcionamento do impulso, impedem o disparo para evitar danos.

Essa abordagem orientada por IA já teria salvado a arma eletromagnética de problemas potenciais três vezes, aprimorando sua funcionalidade a cada problema corrigido.

Implicações Estratégicas

Pesquisadores chineses que trabalham com armas eletromagnéticas imaginam que poderiam usar a tecnologia para passar um trem através de um tubo de vácuo a 1.000 km/h, mais rápido do que qualquer avião.

Para o exército chinês, os canhões ferroviários eletromagnéticos têm importância estratégica significativa. Especialistas militares antecipam que esses canhões poderiam ter um alcance de disparo além de 200 km, permitindo que a marinha chinesa projete poder longe de suas costas.

Esse avanço desafia a dominação naval americana, especialmente no controle de espaços marítimos.

Os EUA, por sua vez, estão trabalhando em canhões laser de alto poder de emissão, capazes de cortar o casco de uma embarcação quase como se fosse um sabre de luz. Canhões laser parecem ser uma arma de grande potencial, já que o impacto ocorre na velocidade da luz. 

Além do Horizonte

Os pesquisadores chineses vislumbram aplicações ainda maiores para a tecnologia eletromagnética, contemplando o uso de tais sistemas para impulsionar trens por tubos de vácuo a velocidades de 1.000 km/h, mais rápido do que qualquer aeronave existente.

Além disso, o tubo de lançamento eletromagnético a vácuo alongado construído na província de Shanxi em novembro sugere aspirações para testes mais extensos e possíveis avanços no horizonte.

Em conclusão, os avanços da China na guerra eletromagnética não apenas posicionam a nação como líder em armamentos futuristas, mas também destacam seu compromisso em empurrar os limites da inovação tecnológica.

Enquanto o mundo observa, o canhão eletromagnético se destaca como um testemunho da destreza da China em moldar o futuro da guerra.

Esperamos que o desenvolvimento tecnológico sirva para tornar a vida humana mais valorizada, e leve a uma melhoria da vida no mundo, mas ao que parece, a vontade de usar a tecnologia para a morte ainda é muito grande, nesse planeta tão primitivo.

Receba o melhor do nosso conteúdo

Cadastre-se, é GRÁTIS!

Não fazemos spam! Leia nossa política de privacidade

Philipe Kling David
Philipe Kling Davidhttps://www.philipekling.com
Artista, escritor, formado em Psicologia e interessado em assuntos estranhos e curiosos.

Artigos similares

Comentários

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here

Advertismentspot_img

Últimos artigos