O Brasil precisa da sua ajuda!

Sharing is caring!

Caros amigos, eu tenho duas coisas muito importantes para dizer a vocês. A primeira é muito boa e trata-se de uma notícia que muita gente está esperando faz tempo. Nós queremos entrar na alta velocidade!

Sim, estou falando novamente do Maglev Cobra.

Até agora estávamos trabalhando duro na elaboração do trem de operação urbana – onde estão os maiores problemas de transporte atualmente. Já recebemos aportes financeiros importantes que estão viabilizando a construção do primeiro trem operacional, que ligará os novos centros de tecnologia na cidade universitária (UFRJ), na Ilha do Fundão.

Mas a coisa felizmente está melhorando cada vez mais. Novos contatos com a Transrapid alemã  já permitem a construção  – com transferência de tecnologia! – de um Maglev Cobra de alta velocidade. Sim, meus amigos, estamos falando de um trem de levitação, totalmente nacional, viajando acima dos 200km/h. E o que é melhor, CUSTANDO  A METADE DO PREÇO cobrado pelos TAVs, que pleiteiam este polpudo contrato, prometendo mentirosamente fazer o trem a tempo da copa de 2014.

A segunda coisa que eu quero falar com vocês é muito séria e preocupante. Infelizmente, a grande mídia não abriu a boca (estranho, não?) ainda para falar isso.

Está em curso um perverso e vergonhoso crime contra a ordem econômica. Eu não quero assistir calado uma enorme sacanagem que  os espertos de sempre, esses carrapatos que mamam nosso dinheiro nas tetas polpudas do poder vem tramando. Então resolvi meter logo o dedo na ferida e que se dane!

Eu não vou fazer isso porque sou maluco, kamikase ou coisa do tipo. Eu faço isso porque sei que este blog recebe visitas de milhares de babacas inúteis e criaturas acéfalas que não fazem a menor diferença, mas ele igualmente recebe a visita de milhares de pessoas inteligentes e íntegras que não gostam de ver sacanagens grossas acontecendo. São pessoas que reconhecem e admiram o trabalho que cientistas como o Dr. Eduardo David, meu pai e o professor Richard, além de muitos outros, que dedicam suas vidas para trazer à população melhorias e qualidade de vida, buscando mudar da melhor forma a idéia errônea de nossa vocação puramente agrária, de colônia.

Todos nós sabemos que o Brasil tomou a decisão da construção de uma linha ferroviária de alta velocidade, ligando as cidades do Rio e São Paulo.

Sabemos também que grandes empresas e consórcios internacionais, de olho nesta gorda fatia, se locupletaram em arranjar e proferir aos quatro ventos que detém tecnologias de ponta, que podem vender para o Brasil.

Curiosamente, os italianos dizem que o melhor trem é o italiano. Os alemãs dizem que o melhor trem é o alemão, os Japoneses dizem que o melhor e o deles, os franceses dizem que o melhor é o francês e assim vai. (estranho seria se não fosse assim.)

Mas fica a questão: Enfim, que tecnologia é a melhor para o Brasil?

Em busca de respostas, e visando estabelecer um embasamento técnico para a ligação do Rio a São Paulo por alta velocidade, o Brasil gastou DO SEU DINHEIRO DOIS MILHÕES DE DÓLARES, contratando uma consultoria inglesa que deveria dizer enfim a melhor tecnologia para ligar Rio-São Paulo, orientando o processo de licitação, e estabelecer o traçado – veja, algo FUNDAMENTAL, onde não se poderia admitir erros.

Detalhe: coisa que meu pai, Phd em transportes com mais de 30 anos de experiência ferroviária, fez DE GRAÇA e DEU PRO GOVERNO! O governo se lixou e ele publicou em um livro.

Qual não foi nossa surpresa ao descobrirmos erros crassos nos relatórios da consultoria inglesa paga a peso de ouro, além de verdadeiras barbaridades técnicas que só podemos esperar que sejam erros de digitação – o que já, por si só,  deveria ser considerado um absurdo em algo que custa dois milhões de dólares de dinheiro público.

Muitos dos furos você mesmo pode conferir em http://www.tavbrasil.gov.br/

O pior furo é o seguinte: A Consultora Halcrow-Sinergia contratada deveria produzir cinco volumes de relatórios. No site constam apenas 4, faltando o mais importante o Volume 3, que trata da modelagem econômica do projeto.

Sim, meu amigo, são dois milhões de dólares, para sonegação de informações FUNDAMENTAIS para o processo de decisão de algo tão importante para o país! Curiosamente foi a modelagem econômica, algo básico para um assunto de tamanha envergadura que não é disponibilizado. Interesse escusos? Erros do sistema? Tire suas próprias conclusões.

A consultoria internacional sugeriu um traçado absurdo, caríssimo, com túneis abaixo do nível do mar, cortando áreas de preservação pelo patrimônio Histórico e Cultural, atravessando áreas onde nem o Governo Federal  tem ingerência, como na Cidade Universitária. Sem nem perguntar se podia. São bilhões de reais em desapropriações inúteis que vão nos garfar se isso for levado à cabo.

Visando os aspectos constitucionais e pretensamente democráticos, a ANTT colocou no ar o site para que os interessados possam encaminhar contribuições e sugestões das 9 horas do dia 24 de julho até as 18 horas do dia 17 de agosto de 2009, devidamente identificadas e no idioma português, de forma concisa e objetiva, por meio eletrônico, pessoalmente ou por via postal, protocoladas na ANTT, nos endereços indicados no parágrafo anterior, até o prazo estabelecido.

Mas veja que curioso, a ANTT (Agência Nacional de Transporte Terrestre) quer encerrar  amanhã o prazo para o cidadão reclamar ou sugerir alguma coisa, mas não se deu ao trabalho de disponibilizar as informações básicas do projeto que nós, brasileiros pagamos com o suor dos nossos impostos, que não são poucos.

Portanto, não faz sentido a ANTT encerrar o prazo de envio de sugestões em 17/08/09 da Audiência Pública, se não disponibilizou para a população todas as informações. Os 30 dias corridos deveriam ser contados a partir da publicação no site do Volume 3 que está faltando, já que trata do aspecto mais importante do projeto, que envolve $$$. (nossa!)

Todavia, é dever de cada brasileiro que tome conhecimento não deve se omitir e manifestar sua opinião claramente pela Internet. A ANTT identifica, encaminha à área técnica, registra e publica em um Relatório Final, cada sugestão recebida pelo site, no endereço: http://www.antt.gov.br/acpublicas/formulario.asp?evento=cp002/2009

No caro estudo da consultoria inglesa encomendado pelo governo, a tecnologia  Maglev, que opera com sucesso na Alemanha e China e em breve nos EUA,  foi preterido por ser uma tecnologia de ponta. – Sim meu amigo. É verdade. Pode acreditar.

2 – Na página 10 do Volume 2 – Estudo do Traçado, a consultora tece elogios ao sistema Maglev “que pode seguir um traçado muito mais íngreme (100%) e perfazer curvas fechadas…” Lógico, seria a tecnologia mais adequada para um trecho montanhoso que se desenvolve ao longo do Vale do Rio Paraíba do Sul e tem que vencer a Serra das Araras. No entanto os consultores, apesar de todas as vantagens concluem: “Por esta razão o Maglev não foi ativamente considerado no desenvolvimento do TAV”

VERGONHA!!!!

Eles curiosamente não mencionaram o pequeno detalhe, de que o Maglev Cobra de alta velocidade custa A METADE DO PREÇO.

Além disso, existem outros furos:

a) A rampa de 100%, apesar de possível, porque o trem de levitação utiliza motor linear para tração, é um exagero, pois significa 45 graus de inclinação.  (um trem normal sobe rampa de 0,5%) A Transrapid alemã, fabricante do trem de levitação que opera com sucesso na China desde janeiro de 2003 recomenda rampa de 10%, para o conforto dos passageiros. Só pode ter sido um erro de redação, digitação e/ou um completo desconhecimento da tecnologia, e é condenável isso ter escapado da revisão antes de ser divulgado oficialmente. Até porque o documento norteia justamente qual a melhor tecnologia. Seria esse um erro proposital?

b) Ignorar uma tecnologia mais moderna, capaz de reduzir o custo de implantação pela metade (de US$ 18 bilhões para US$ 9 bilhões, na ligação Rio-São Paulo-Campinas), afronta a Lei 8884/94, que trata dos crimes contra a ordem econômica. Se o Edital do TAV a ser lançado pela ANTT não permitir trens de levitação magnética, restringindo a proposta apenas aos roda-trilho, pode e deve ser impugnado na justiça pois será considerado um “cerceamento à entrada ou existência de concorrentes, no mercado local, regional ou nacional”.

Nós podemos, nós sabemos como fazer. Nosso preço será menor e nós temos o melhor (infinitamente melhor) traçado, que reduz absurdamente o custo para o Brasil – logo para você, pra mim e pra todo mundo.Sem falar que nosso traçado permite concluir a obra e entrar em operação primeiro.

Temos que pensar que cada centavo desperdiçado aqui vai faltar no prato de uma criança carente, pode significar um remédio a mais num hospital, pode significar um caderno, uma esperança. Nós não podemos deixar essa sacanagem acontecer. A tecnologia de levitação não é ficção científica. Ela existe, opera na China (país que tem uma grande visão estratégica e sabe que isso revolucionará o futuro) e é viável para nós.

É a hora de escolher entre andar 50 anos para frente ou para trás (porque os países acima citados, não querem vender suas tecnologias de ponta e sim modelos de transporte já obsoletos por lá pra nós, como se o brasileiro não pudesse ter acesso ao que há de melhor)

Ser patriota não é saber o hino nacional de cor, meu amigo. Não é só pendurar a bandeira nacional em época de copa do mundo. Ser patriota é tomar uma atitude. Nem que seja gritar para o vazio. E digo mais. Não se trata de ser patriota ou não, mas de não se deixar ser tratado como gado.

VOCÊ vai financiar este troço. Pense nisso. Vamos reagir. Juntos, nós temos forças para embolar a maracutaia que vem se avolumando nos bastidores deste trem Rio-SP faz tempo.  Se é pra licitar, todas as tecnologias devem ser levadas em conta. Principalmente a NACIONAL, desenvolvida com dinheiro público e reconhecida mundialmente!

Peço encarecidamente que me ajudem nisso. Estou trabalhando duro com a equipe do Maglev para fazer isso ser realidade. Estamos a poucos passos de uma grande mudança. É um absurdo ver nosso trabalho sério e reconhecido até pelo príncipe de Dubai em pessoa ser desconsiderado na cara de pau em uma consultoria caríssima e de qualidade risível.

Recorte este post, mande para seus amigos. Use o twitter, orkut, forum, sei lá o que.

Não há tempo. Temos que nos movimentar agora. A parada encerra amanhã!

Se tiver jornalistas conhecidos, se você trabalhar em um veículo, seja de que tamanho for, aqui está um belo furo para aproveitar. Vamos tomar uma atitude. Nem que seja reclamar. Cada protesto será obrigatoriamente anexado ao relatório e servirá de base para que ações judiciais impeçam esta sacanagem com o dinheiro que não é deles.

Me ajude. Ajude o Brasil. Por favor!

Clique aqui e reclame: http://www.antt.gov.br/acpublicas/formulario.asp?evento=cp002/2009

Adendo: Aqui está um PDF com a apresentação da tecnologia de levitação para a ligação Rio-São Paulo exibida no Coninfra 2009

Comments

comments

Luminária Ufo

103 comentários em “O Brasil precisa da sua ajuda!”

  1. Com certeza aprovo a idéia do Maglev entre Rio e São Paulo. E essa obra é mais do que necessária, é uma vergonha o nosso país nao ter trens de longa distância.
    Onde eu encontro mais informações sobre o traçado proposto pela equipe do Cobra? Tenho interesse por ferrovias, venho aconpanhando o desenrolar da história do TAV… uma coisa que acho importante, era cogitado iniciar a construção pelo trecho Campinas-São Paulo, para depois continuar a construção para o Rio. Como fica no caso do Cobra?
    Abraços, seu blog é excelente.

    Responder
  2. Mesmo não fazendo nada relacionado à exatas, acompanho o seu blog principalmente para saber mais sobre o maglev cobra. Enviei a minha “contribuição/sugestão”. Mesmo estando lento o site da antt ainda dá para enviar.

    Responder
  3. Philipe, mandei meu email. Eu vou ajudar também divulgando em diversos locais. Espero que iso dê certo, pois é uma vergonha o que estão fazendo.

    Responder
  4. Eu postei em um fórum e enviei para o dono de um blog com alto número de frequentadores diários, se ele postar será de grande ajuda.
    Além de ter reclamado.

    Veremos

    Responder
  5. infelizmente é esta a triste realidade que o brasil enfrenta, enquanto EUA, Japão investem firme em desenvolvimento tecnológico, nossos mestres, doutores e phds, em vez de estarem produzindo tem que se contentar com um salario mediócre para dar aula pra pessoas mais medíocres ainda.

    Responder
  6. Felipe, além de tentar chamar a atenção da Mídia, você deve entrar com uma DENÚNCIA no Tribunal de Contas da União (TCU) e, caso haja verbas estaduais ou municipais, também nos Tribunais de Contas dos Estados e dos Municípios (SP e RJ).

    Acompanho seu blog diariamente há quase dois anos, e gostaria de ajudá-lo. Sou servidor de um Tribunal de Contas e posso instruí-lo a elaborar esse processo de denúncia.

    abs.

    Responder
  7. O ruim é que temos menos de 24h para agitar esse movimento… Vamos ver se a comunidade “virtual” se mexe pra algo que preste, invés de #forasarney…

    Não é apenas colocar #maglev nos seus twitts que vai fazer o projeto funcionar… Vamos indicar o texto aos blogs. Já que a grande mídia está comprometida, vamos ao Observatório da Imprensa, Caros Amigos, enfim…

    Acho que vale a pena até cutucar a Record e falar “Olha! A Globo não vai dar essa notícia… fura eles Record! Fura eles!” 🙂

    Responder
  8. Poh acho legal essa pesquisa ai no brasil do maglev 100% brasileiro. Ja existe algum prototipo em funcionamento, algo realmente funcional? Ou so existe projeto e alguns testes p mostrar que o design funciona.

    Se o projeto ainda for teorico, existem certos riscos p um projeto real adotar algo assim. O que voce prefere num projeto de risco, adotar um design aprovado ou ir em algo que tem a possibilidade futura de ser bastante bom, mas que nao funciona ainda?

    Por exemplo um aviao (Vidas estao em jogo), e pergunte-se… Prefere utilizar uma aviao como o 737 que existe, ja passou por upgrates, recalls ou partir p algo que so existe no papel mas que usa materiais compostos que deixam o aviao mais seguro, mais barato, mais eficiente, mas ninguem sabe por exemplo numa tempestade como esse modelo funciona, afinal ninguem nunca testou.

    Nao quer dizer que simplesmente deve-se abandonar novos projetos, mas simplesmente existe uma discussao entre um produto testado e aprovado contra algo academico mas que nunca pisou no mundo real. Mas aprovo o Maglev Cobra, primeiro como projeto nacionalista, assim como ter um satelite 100% brasileiro ou mesmo andar na lua (como os chineses estao a fazer). Segundo pela inovacao.

    Parabens e vou divulgar as ideias…

    Responder
    • O maglev cobra urbano, de baixa velocidade e que usa levitação por supercondutores é de fato uma inovação recente e está sendo construído, com data de lançamento prevista para 2010. Já para alta velocidade o sistema é outro. É levitação eletriomagnética, já em uso na Alemanha e na China, testado, aprovado e garantido. O grande diferencial é que neste caso teremos transferencia de tecnologia e não a compra de um produto pronto do exterior. É algo mais ou menos como a diferença entre o país produzir de verdade ou apenas comprar algo pronto. No fim das contas seria melhor para o Brasil do ponto de vista estratégico. Mas minha opinião é que não temos como ganhar esta concorrência que – fontes que não querem ser identificadas – me asseguraram que já está combinado da Alston (que recentemente foi parar nos noticiários num escândalo de propina e corrupção) ganhar.

      Responder
  9. Aí Kling, já está começando a dar resultado. Pelo menos no portal do Terra já tem uma referência ao maglev cobra. Pelo jeito tem gumpgente trabalhando lá.

    http://planetainteligente.terra.com.br/noticias_integra_trem.php

    Eu sei que não é a notícia em destaque, mas já é um começo. Sem falar que o mundo de notícias é EXTREMAMENTE limitado. O que nos remete a uma maior chance da notícia ser “Ctrl C – V” para outros meios. Ainda mais se aumentar os cliques para ler a notícia (salvo engano as notícias são indexadas pelo número de direcionamento).

    Abraço velhinho e boa sorte

    Responder
  10. Olá,

    Não tenho amigos pessoais jornalistas, mas tenho um mailing de mais de 4 mil jornalistas aonde você poderia escrever um release e enviar por email a eles, para ver se eles se interessam pelo assunto. Se quiser eu lhe passo, só necessito do seu email.

    Responder
  11. Mandei o e-mail pelo site que você forneceu. Apoio totalmente o uso do MAGLEV para a construção do TAV.

    Moro em Campinas, então eu seria um potencial usuário constante do TAV para ir para São Paulo pelo menos. É realmente uma vergonha o que você relatou. Demonstra uma clara medida para ocultar o projeto e tornar a escolha tendenciosa.

    Vou divulgar em meu blog também. Conte com meu apoio total quanto a este assunto.

    Responder
    • Valeu cara. Aproveito para estender meus agradecimentos aos demais leitores que reclamaram dessa vergonha. Tomara que o prazo seja estendido e eles enfim publiquem o relatório econômico que está faltando.

      Responder
  12. Já fui lá preenchi o formulário e mandei o recado. Espero que realmente esses caras da ANTT se sensibilizem nessa situação. E não deixe de fazer a denúncia no TCU hein Philipe!!! :X

    Responder
  13. Já deixei minha sugestão no site da ANTT, repassei este artigo pra uns amigos e postei em uma das maiores comunidades que participo no orkut. Vamos acabar com essa putaria!

    Valeu Philip

    Responder
  14. Kling, manda pra um cara, chamado Marcelo alguma coisa… ele tem vários blogs (insight é um deles) e um outro (de perguntas sacanas – hilário) chamado pergunte ao urso.

    Ele tb tem vários leitores…

    Responder
  15. Pessoal, fiz minha contribuição. Deixo aqui o que escrevi para que sirva de modelo para as pessoas que também queiram contribuir. Lembrem-se que o ideal é que vocês alterem um pouco o conteúdo, com palavras diferentes, para que o sistema não reconheça como sendo a mesma contribuição (geralmente é assim que funcionam as consultas públicas: contribuições iguais são reconhecidas como sendo apenas uma).

    Ai vai:

    Contribuição/Sugestão:
    ———————–

    Sugiro que o prazo para contribuições seja prorrogado e que os documentos correspondentes aos estudos e levantamentos financeiros sejam publicados.

    Justificativa:
    ————–

    Não se pode oferecer contribuições efetivas se o descritivo financeiro/econômico do projeto não foi publicado para apreciação da população em geral.

    Responder
  16. Me entristece ler esse tipo de notícia que reforça o DESCASO que o governo tem com seu próprio povo.

    Por outro lado, é ótimo saber que ainda existem pessoas engajadas e que acreditam na mudança como você, Philipe.

    Já deixei minha reclamação no site da ANTT e estou divulgando ao máximo essa pouca vergonha que acontece debaixo de nossos narizes.

    Responder
  17. Li seu texto e fiquei impressionado com a falta de consideração pelas partes governamentais.

    Enviei um Ctrl C do seu texto (cortando a parte do suplicio hehe) pelo formulario na parte de sugestão e coloquei como Justificativa isso:

    “Fiquei indignado tamanho a indiferença da ANTT e do Governo diante das ofertas feitas pela tecnologia Maglev Cobra. É uma grande falta de respeito com seus desenvolvedores, eles estudaram e pesquisaram muito para chegar a tal tecnologia com a finalidade de oferecer o melhor para o Brasil, e nossos governadores tratam a tecnologia e as pesquisas como um lixo, simplesmente por serem brasileiras e contratam serviços de outros paises pra saberem o que é melhor para nós.
    Chega ao cúmulo do ridiculo tudo isso, será que não enxergam que não há melhor propaganda na Copa de 2014 do que o Brasil utilizando sua própria tecnologia, que não é nem de longe, ruim?
    Chegamos mesmo ao ponto de nos desvalorizarmos tanto que não temos mais auto-confiança que nossa tecnologia atendera ao gosto dos visitantes internacionais, e por isso, precisamos contratar tecnologia de outros paises, mais caras e obsoletas do que as oferecidas pelo Maglev Cobra?
    Países superdesenvolvidos como China, Alemanha e EUA, que não são simples paises, contrataram a tecnologia do Maglev Cobra para atuar nos seus transportes, não é bom o suficiente pra vocês?
    Por favor revisem isso.”

    Abraços

    Responder
  18. Philipe, essa notícia é legal pra colocar no Blog do Maglev:
    http://oglobo.globo.com/rio/transito/mat/2009/08/17/cabral-transfere-operacao-dos-bondinhos-de-santa-teresa-para-prefeitura-do-rio-757438544.asp

    Principalmente pelo trecho:
    “Cabral determinou a contratação de uma consultoria independente para inspecionar as condições dos freios dos vagões do bondinhos, que pode ter causado o acidente. Uma das instituições que poderá ser contratada para o serviço poderá ser a COPPE.”

    Quanto mais a Coppe estreitar os laços com a Secretaria de Transportes melhor.

    Responder
  19. Olá, enviei também sugestão para a ANTT, mas acho que você deveria ter postado com mais antecedência para dar tempo de enviar para os amigos virtuais. De qualquer forma sugiro a todos enviar email indicando este post para os Senadores em Brasilia e Deputados também, quem sabe algum deles faz algum comentário…

    Abraço,
    Herzog. :B

    Responder
  20. Phillip, enviei o seguinte e-mail no site da ANTT:

    Tenho obtido informações sobre o projeto Maglev Cobra, desenvolvido no Estado do RJ e que possui um custo total que equivele a metade do valor proposto pela consultoria Inglesa.
    Como advogada e cidadã, me sinto na obrigação de privilegiar a tecnologia nacional que além de mais barata é mais moderna.
    Deve-se ressaltar também a falta do volume 3 do projeto que deveria ser disponibilizado para a consulta da população.
    Desde já agradeço atenção e gostaria de saber que medidas serão tomadas, já que o dinheiro é proviniente da contribuição do cidadão.

    SAbe Philipe, faço questão de me manifestar sobre o assunto.
    Já trabalhei no DNIT, que você bem deve conhecer e vi coisas absurdas, que até Deus duvida, sabe? Denunciei o que vi ao Ministério Público Federal e a Corregedoria do órgão, os processos estão em andamento, mas o furo que encontraram, até mesmo antes da minha denúncia, terão que ser devolvidos aos cofres públicos.
    Sofremos um pouco, mas tenho certeza que a mobilização de algumas pessoas fazem grandes mudanças.
    Abraços e aguardo notícias.

    Responder
  21. Phillip, enviei o seguinte e-mail no site da ANTT:

    Tenho obtido informações sobre o projeto Maglev Cobra, desenvolvido no Estado do RJ e que possui um custo total que equivele a metade do valor proposto pela consultoria Inglesa.
    Como advogada e cidadã, me sinto na obrigação de privilegiar a tecnologia nacional que além de mais barata é mais moderna.
    Deve-se ressaltar também a falta do volume 3 do projeto que deveria ser disponibilizado para a consulta da população.
    Desde já agradeço atenção e gostaria de saber que medidas serão tomadas, já que o dinheiro é proviniente da contribuição do cidadão.

    SAbe Philipe, faço questão de me manifestar sobre o assunto.
    Já trabalhei no DNIT, que você bem deve conhecer e vi coisas absurdas, que até Deus duvida, sabe? Denunciei o que vi ao Ministério Público Federal e a Corregedoria do órgão, os processos estão em andamento, mas o furo que encontraram, até mesmo antes da minha denúncia, terão que ser devolvidos aos cofres públicos.
    Sofremos um pouco, mas tenho certeza que a mobilização de algumas pessoas fazem grandes mudanças.
    Obs. enviei para um grupo de colegas de pós graduação, composto por jornalista de renome em Curitiba, Coronéis do Exército, estrangeiros e outros.
    Abraços e aguardo notícias.

    Responder
  22. Sinto muito Philipie, sinto muitissimo mesmo cara, mas vc esperava algo de diferente? Cara, esse país não é nosso, nossos recursos naturais não são nossos e nossas vidas quase tb não são.
    Mas tabém esperar o que do povo desse país. Digo povo sim, pois a coisa está assim não só pelos politicos corruptos e pelos seus eleitores idem mesmo que miseráveis, comprados com promessas idiotas, bolsas famílias, carros pipas e esmolas governamentais para viver uma vida de subexistência preguiçosa.
    Isso não vai acabar nunca, sabe porquê? Porque aqui tem cerveja, mulata, praia, esperteza e malandragem, muita malandragem. De gente idiota que acha que furar sinal vermelho não é nada, que acha que levar vantagem não é problema, que acha que “pirão pouco, o meu primeiro”.
    Então meu amigo, seja inteligente, vá para bem longe, vá para a Austrália que seja, vá para um lugar que tenha gente interessada em trabalho, dignidade, honra e caráter e venha nos visitar nas férias, mas cuidado para não levar uma facada ou um tiro quando um pivete vier roubar sua câmera digital….

    PS: Esse que vos escreve é uma engenheiro indignado botando pra fora sua revolta em um dia bom. :X

    Responder
    • Fugir dos problemas é fácil, criticar o mundo inteiro tb, mas isso não faz diferença alguma… Esqueceu de mencionar outra característica do brasileiro: comodismo, o famoso “tá ruim, mas tá bom”, ou melhor, o estilo “foda-se o mundo” de viver…
      E mais uma: brasileiro adora jogar culpa nos outros, já reparou? é algo impressionante! A solução é única:cada um faz a sua parte e pronto, não precisamos fazer uma revolução ou sair matando todo mundo, apenas atos simples, tão simples, mas que trazem resultados…

      Responder
  23. desculpe, postei meu comentario no lugar errado :sly:

    Incrivel mesmo! Mais uma vez, brasileiros mostrando criatividade e inteligencia…pena que burocratas, capitalistas e mesquinhos dando ‘aquele’ jeitinho brasileiro de ‘vou me dar bem em cima desses otários que pagam os impostos mais caros do mundo’ … :meh:

    Responder
  24. Algumas perguntas

    1 – Quantos projetos a MagLev Cobra ja fez

    2 – Estive pesquisando sobre a MagLev Cobra e desobri que e uma
    empresa Sistemas, Design e Produções audiovisuais

    3 -Assisti a um documentário sobre essa técnologia onde é implantada na alemanha e no japão, e o projeto ainda tem grandes problemas em ser aprovado. Funciona em pequenos trchor urbanos. Se no Japão e Alemanha nao aprovaram o projeto em grande escala porque o Brasil teria que aprovar.

    4 – Que conhecimentos tecnicos o senhor tem para saber se o projeto nacional ficara mais barato, criar e uma coisa, fazer as pecinhas do brinquedo e que e o problema, provavelmete muita coisa seria importada.

    Responder
    • Você possui todo o direito de se expressar, mas:

      – você cheira alguém que está diretamente ligado ao procedimento (a maneira que escreve é agressiva, o que não é bom sinal. Parece que é alguém que pode perder alguma coisa com isso).
      – pelo modo que fala já mostra que não acompanha o blog, então provavelmente chegou aqui através da “manifestação” de hoje. Outro sinal que, provavelmente, pode perder alguma coisa com isso.
      – você não expressou a sua opinião sobre o terceiro relatório, que está faltando. Ele por acaso é irrelevante? Ou você não possui conhecimento o suficiente para dizer algo sobre isso (se for essa opção sinto dizer que todos os seus argumentos foram pelo ralo)?

      Você está no seu direito de duvidar, assim como eu também estou no meu de duvidar das suas reais intenções.

      Acho que por enquanto é isso.

      Responder
  25. 5 – O custo se torna extremamente alto quando passa dos 30 Kilometros, qual a magica para baixar o custo

    6 – Nao serial mais logico e barato usar tecnologia atual ao inves de gastar rios de dinheiro e servir de cobaia em testes de novas soluções

    Responder
    • – se você está se baseando em um simples documentário para fazer suas análises, acho que está procurando as respostas no lugar errado. Documentário é para divulgar, só isso. Se quiser saber a “mágica”, procure o sr. Kling (Eduardo David) ou Richard Stephan, na UFRJ. Espero que o profissional da engenharia (pressuponho que o senhor seja um) queira fazer análises objetivas, o que demanda dados, e não uma simples noção obtida através de um documentário.
      Isso sem falar que o preço de cada empresa é devido às suas próprias peculiaridades. Preço se discute na habilitação da licitação. E se forem eliminados do certame devido ao preço inexequível, terão o direito à resposta, para explicar os porquês, e a administração estará vinculada a revogar a eliminação se for um preço exequível.
      – que história é essa de cobaia? Acha que uma tecnologia é jogada assim no mercado? Eles já estão trabalhando nisso há anos. É trabalho sério. Ao contrário de vários processos licitatórios que ocorrem por aí.

      Responder
  26. Concordo com o senhor Mussa

    Não me leva a mal mas esta me parecendo que o senhor não que ajudar o Brasil e sim ajudar ao senhor e seu pais o Dr. Eduardo David que devem ter alguma participação com alguma empresa.

    Caso o governo use outra tecnologia os senhores ( voce e seu papai ), ficarao a ver navios.

    Responder
    • Parece que o senhor precisa aprender a interpretar corretamente. Eu estava me referindo ao senhor, Marcelo.
      É claro que ele vai ganhar alguma coisa com isso, e nunca isso foi escondido de ninguém, mas isso não é ilegal. Ilegal é utilizar meios escusos para conseguir fazer dinheiro, ainda mais recursos públicos. TODAS as empresa que almejam este projeto visam o lucro, isso é ÓBVIO. Se umas são mais competentes que outras na sua composição de custos, é característica da concorrência, e não da ilegalidade.
      O Kling está utilizando seus meios de tentar arrumar um erro em um item essencial no que parece ser um indício de irregularidade. O nome disso seria achado de auditoria, se fosse uma fiscalização. Ele não está cometendo crime algum, e nem sequer está errado.

      Responder
  27. Senhor Mussa

    Tenho ligação indireta com o projeto de trem de alta velocidade TAV.

    Mas sei que rola muito lobby, seja alemao , japones e francês.

    Quando lei este tipo de anuncio

    Vamos ajudar o Brasil

    Me vem a cabeça aquela velha campanha
    Vamos doar ouro para ajudar o Brasil

    O outro foi dado e ate hoje nao se sabe para onde foi

    Eu geralmente troco o ajudar o Brasil pelo nome dos envolvidos, ja que aprendi que
    ninguem neste pais faz alguma coisa pelo Brasil e sim por amor proprio.

    Voce é um jovem muito estressado Mussa, toma uma maracujina que isso passa.

    Responder
  28. Desculpem os erros de digitação acima,

    ###O ouro foi dado e ate hoje nao se sabe para onde foi###

    Um blog para manter seu respeito nunca deve ser usado para Interesse escusos, sendo usado tentando levar usuarios não esclarecidos a participarem de forma debil e nao totalmente esclarecida no protesto, tentando com isso levar alguma vantagem financeira.

    Responder
  29. Sou leitor do Gump ha muito tempo e admiro o trabalho do Philipe

    mas este post de hoje foi uma vergonha

    Vamos ajudar o Brasil

    No fundo vamos ajudar o Philipe e familia a ganharem mais alguns trocados, eles nao podem perder esta concorrencia, so nao enxerga isso quem e cego.

    Nao gosto de ser feito de massa de manobra ou debil como faleou o sujeito acima.

    Ou o blog muda a postura de seus post suspeitos ou tiro o Gump do meu rss.

    Quando um blog começa a perder a credibilidade a quase certo que os leitores desistam de acessar, afinal ja chega de manobras e mentiras na TV, com materias pra la de pagar e que visam nao o bem do Brasil mas o bem proprio e de grupos

    Abraços a todos

    Responder
    • Fábio, isso é óbvio. VocÊ por acaso trabalha de graça?? Desenvolvimento de novas tecnologias é um trabalho como outro qualquer e pra quem vive disso, sem dúvida tem mais é que divulgar o trabalho mesmo. Porém acho que vocÊ não sabe o que são 8 bilhões de dólares a mais do dinheiro público gasto na constrção de um trem. Esse dinheiro poderia ser investindo em muitas outras coisas (e bota cois nisso).

      ps: sim, eles podem perder essa concorrência. Existem outros países que estão interessados na tecnologia brasileira.

      Responder
      • É verdade. Provavelmente (infelizmente) perderemos esta disputa por “forças ocultas”, mas olhando para o Brasil hoje e estimando o crescimento da nação em 20 anos, é certo que teremos demandas para pelo menos três linhas de TAV no país. POdemos perder agora, mas não queremos ser deixados de fora da seleção.
        Se aparecer um trem de alta velocidade sobre trilhos melhor e mais barato que o sistema cobra, parabéns pra eles. Agora, ser preterido de sacanagem é duro, viu?
        Lembrando que toda esta discussão sobre a alta velocidade não muda religiosamente nada no Maglev Cobra urbano, de levitação passiva, que estamos desenvolvendo com muito prazer.

        Responder
    • CAra vamos por partes. Primeiro, obrigado por gostar do meu trabalho.
      Agora realmente não é este post que é uma vergonha.
      O maglev cobra não é a mesma coisa que o TAV de levitação, que usa parte da tecnologia cobra, portanto isso não muda praticamente NADA para o meu pai, inventor do sistema cobra. Mesmo que mudasse, e daí? Você prefere ver o governo gastar cem ou quinhentos reais num equipamento que faz a mesma coisa? Este é o problema.
      Independente da tecnologia, caro Fabio, alguém vai ganhar dinheiro nosso. Então, que seja o melhor.
      Mas o que a ANTT está fazendo é privilegiando tecnologias gringas em detrimento à inovação brasileira. Isso sim é uma vergonha.
      Se eu estivesse querendo fazer alguém de bobo aqui nem teria mencionado que meu pai é o inventor do trem. Teria dito que é da Universidade, que tem 50% da patente.
      Além do mais, nós podemos SIM perder a concorrência para o TAV Rio – SP ( que segundo fontes me disseram, está malandrado para a Alston ganhar)
      Agora se é pra perder, que seja honestamente e não em uma jogada safada de deixar uma tecnologia fora do páreo. Não temos vergonha de perder. Agora, que nos deixem competir, mostrar o que podemos fazer.
      Sobre tirar o blog do seu Rss, não me leve a mal, mas este blog chega a receber 500.000 pessoas num mês. tirar o MG do seu rss não muda nada pra mim.

      Sobre seu último parágrafo, não dá pra entender nada.

      Responder
    • Rapaz, só pq vc é egoísta não quer dizer que todas as pessoas são, acha que todos pensam que nem vc… Sou de acordo com o projeto do Sr. Pai do Sr. do Gump pq pelo menos eu sei pra quem vai o dinheiro: vai pra um brasileiro, e não para um estrangeiro. Nem vou responder o Marcelo, pois é a mesma pessoa que o Fábio…

      Responder
      • Aliás, só uma correção, no maglev cobra 01 ( o que realmente já recebemos para fazer) o dinheiro vai para milhares de brasileiros, pois 99,9% de tudo do maglev cobra será feito e comprado aqui, com excessão dos criostatos, que estamos em negociação para serem fabricados aqui, com transferência de tecnologia, e os ímãs, que são comprados da china pois o Brasil contingenciou suas jazidas de terras raras (a segunda maior do mundo) no tempo do regime (ditadura).
        Num potencial cobra de alta velocidade, nós faremos todas as obras civis, ou seja mais de 70% de toda a grana fica aqui, além de recebermos os tecnicos alemães e/ou chineses, compraremos baterias da China, por terem menor custo, e receberemos todas as informações necessárias para fazer o trem aqui, importando o mínimo de componentes possível.

        Responder
  30. Acabei de registrar uma reclamação lá, e o site funcionou bem…
    Sobre a imprensa: será que dá pra confiar nas reportagens de denúncia, como as que vão ao ar na rede Bandeirantes, no programa CQC, por exemplo? Lá tem um quadro do tipo “proteste já”… acho que a essa altura alguém já deve até ter mandado algo pra eles, não é…?

    Responder
  31. Em qualquer ramo de uma economia, seja nos alimentos, vestuario, maquinario, etc

    A procura gera aumento de preço, exemplo: roupa de inverno, papel de presente em epoca de Natal, o preço e alto passado a temporada ou data festiva os preços voltam ao normal.

    Outra coisa que gera o aumento de um bem, serviço ou produto e a escassez ou falta.

    O projeto MAGLEV poucos o usam, conseguentemente poucas empresas produzem as peças ou prestam serviços isso gera um aumento natural no custo final do projeto.

    E muito dificil o calculo exato do custo de um projeto ou nova tecnologia que inclusive e novidade ate para este pises citados no post, tem ainda as dimensões e custo ( taxas, superfaturamento, propina, etc etc etc ) do Brasil.

    Mesmo que as peças forem fabricadas aqui, deverão serem aplicados recursos para importação de equipamentos, ferramentas, treinamento de tcnicos especializados de fora para acompanhar o projeto, o que por muitas vezes inclue em enviar pessoas para o exterior para aprenderem, tudo isso encarece o projeto.

    Poderia o Philipe explicar como se fara o projeto pela metade do preço? Acredito que nao será dificil a explicação, já que seu pai e um dos incentivadores do MAGLEV.

    Responder
    • Vc está certo sobre a explanação dos custos indiretos ligados ao projeto.
      Mas num projeto destas dimensões, isso é menos de 0,005%.
      Sobre importar peças e treinar pessoas no exterior, é certo que poderá acontecer, até porque nosso acordo prevê transferência tecnológica e não importação pura e simples. Imagine que você queira comprar uma batedeira.
      Uma coisa é comprar uma batedeira. Outra é virar um fabricante de batedeiras. Agora imagine que seja mais barato comprar um pacote onde além de ter uma bela e moderna batedeira você ainda vira um fabricante de batedeiras. Não é mais negócio do que só comprar uma batedeira e ficar dependendo de peças importadas para todo o sempre??
      Isso é visão estratégica. É nisso que o Brasil e seus políticos deveriam estar pensando ao invés de raciocinarem qual a margem de gordura dá pra morder.

      O grande diferencial do sistema cobra é que num trem de alta velocidade, 70% do custo é obras civis. O Maglev cobra tem em todo seu design uma série de soluções que otimizam muito o custo de obras civis. Por exemplo, por não depender de contato, ele não necessita de peso para ter atrito. Com isso, consome menos energia para acelerar e recupera energia na frenagem. O seu sistema modular permite entrar em curvas de raios mais estreitos e subir rampas de até 15% (embora a inclinação sugerida pela ergonomia para o conforto do passageiro seja de 10%)
      Sendo mais leve, ele demanda superestruturas mais esbeltas, e mais fáceis de construir, o que significa menos gasto com obras.
      O resultado pratico é que gasta-se menos com a via, reduzindo diretamente o custo. Por não possuir seção retangular, o trem se inscreve num túnel circular. Isso reduz de modo absolutamente dramático o custo de túneis – e o mais importante – o TEMPO de construção da obra – para o sistema cobra. E por fim, a nossa proposta de traçado reduz drásticamete a desapropriação, o que implica em outra bela redução de custos. A explicação para isso é que o maglev circula em vias elevadas que podem acompanhar o traçado das estradas e de áreas não habitadas como o complexo militar de Deodoro, onde poderá haver uma estação de uso exclusivo militar para uso em situações emergenciais (idéia dos próprios militares) e a área da Supervia, que estuda uma parceria com o nosso sistema.
      Nosso traçado tem poucos tuneis, todos acima dos 1000 metros, enquanto o traçado original daquela consultoria maluca tem até túneis abaixo do nível do mar. Na verdade dos fatos, não é o sistema cobra que é barato. Ele é até caro. Só que os demais é que são absurdamente caros.
      Mas se eu tivesse que apostar diria que temos menos de meio porcento de chance deles deixarem a gente entrar na disputa.

      Responder
  32. Olá Philipe! Ja postei minha sugestão no site e vou divulgar!
    Até pq me interessa muito qualquer melhoria na UFRJ, ja q me afeta diretamente, vou passar principalmente pro pessoal de lá!
    Bjs e boa sorte pra todos nós!

    Responder
  33. Alguém reparou que esses três últimos sujeitos que criticaram o post digitam EXATAMENTE da mesma maneira? ¬¬

    Algo me diz que minha lâmina de matar trolls está brilhando…

    Responder
  34. Philipe.

    Cara, antes de mais nada parabéns pelo blog. Já acompanho faz mais de ano (nunca comentou porque pura preguiça mesmo).Mas com esta notícia (apesar de muita gente discordar, acho os blogs um importantíssimo meio de comunicação e mesmo de notícias, basta que o leitor tenha um senso crítico mais apurado para diferenciar verdades, mentiras e cópias), mas voltando…) não pude ficar quieto.
    Me surgiu uma idéia, talvez não seja o primeiro, mas não seria uma boa tentar levar o caso para o programa CQC? Pode ser que não dê em nada, mas pelo menos parece que aquele pessoal está tentando ajudar mesmo, ainda que fosse só por audiência, vai que funfa!

    Buenas, fica a sugestão, e os parabéns

    PS. Eu sou brasileiro, e não desisto nunca. Se mesmo reclamando, esperneando e gritando tem tanta gente roubando no nosso país, imagina se simplesmente ignorarmos. Não sei quem é o autor, mas tem uma frase que cabe bem aqui: “Para que o mal vença, basta que os homens bons nada façam”. Abração, e sigamos em busca dos homens bons!

    Responder
  35. Se conseguir ler minha resposta perdida em 74 outras…a resposta para seu desabafo é simples: Ministério Público. Faça uma denúncia ao Ministério Público. Se não for lá, acho que é, dirão onde será…

    Responder
  36. Tá lá! Com certeza eu apoio este projeto. Inclusive eu vi uma reportagem de tecnologias do futuro no Discovery e uma das tecnologias era o Maglev. Eu sou de Porto Alegre mas moro atualmente em Belo Horizonte, Philipe, e de certa forma, em POA o transporte Urbano é dominado pelas empresas de ônibus. Tu já ouviste falar do Aeromóvel? Na Europa e Japão, principalmente, ele foi muito usado. Adivinha quem criou? Brasileiros! Isto mesmo! O nascimento do Aeromóvel foi em POA e, como não podia deixar de ser, na época as empresas de ônibus não deixaram o projeto evoluir. Solução: Vender para outros países. Pois o caixa já tinha gastado muita grana na época e precisava ter um retorno desta grana investida. O Japão pegou primeiro e a Europa veio logo depois. E em POA? Só restou o projeto. Só agora estão querendo reativar o Aeromóvel:
    http://portoimagem.wordpress.com/2009/06/07/novos-ventos-sopram-o-aeromovel/

    Aqui poderia entrar o Maglev num futuro em POA: Talvez aproveitar o caminho do antigo Aeromóvel (espero não ter viajado).

    Fica o meu apoio pra vocês aqui também, Philipe. Muita força pra ti e teu Pai colocar este projeto no centro do País e instalar no Brasil, finalmente, com um transporte urbano de século XXI. Parabéns à vocês dois por encararem no peito esta.

    Responder
  37. Boa noite, so sei que gosto do blog porque tem coisas legais.

    Com referencia ao ultimo parágrafo, significa que se o blog mudar o foco deixando de falar sobre assuntos interessante se focando em politica, perdera leitores.

    Respeito mas nao gostei de seu comentário a respeito de eu ser um usuário insignificante diante de suas 500.000 por mes.

    Obrigado pela atenção e uma pequena correcção a seus números agora serão 499.000 por mês

    Responder
  38. Acabei de ler o texto (um pouco tarde já para o prazo), mas acabei de entrar no http://www.tavbrasil.gov.br/ e que surpresa tenha ao ler que a Consulta Pública foi adiada até 15 de Setembro.

    Viva as reclamações!!!

    Ta na hora de fazer um outro post com mais pontos que podemos comentar, como não temos conhecimento do assunto não sabemos o que está certo ou errado.

    Responder
  39. COMENTÀRIO DE QUEM CONHESSE ESSA AGENCIA POR DENTRO< QUEM JÀ TRABALHOU. Era de se esperar "uma falha" assim desta Agencia. os unicos etudiosos dela são da área da informatica, o resto….. nada funciona bem e so verificar o RNTRC que é um registro para caminhoneiros feito pela ANTT. Pergunta pra eles se é facil ou se eles gostam deste resgitro.
    esperem que virá mais.

    Responder
  40. INcrivel é que não só as autoridades mas o proprio “povo” em parte prefere a coisas internacionais. PArece que não acreditam no potencial do seu país. Querem que vá pra frente aceitando tecnologia internacional velha.

    Na comunidade sobre o “trem bala” RJ-SP um cara com muita boa vontade fez um post sobre o maglev e um dos primeiros comentarios sobre o trem foi de um imbecil assim:

    “Do tempo que estão fazendo propaganda dessa porcaria… típico do Brasil, fazem propaganda de algo que meio mundo, da Venezuela ao Japão faz há décadas como se fossem os únicos e a maior novidade do mundo, quando na verdade é um troço que sequer dá para se levar a sério.”

    Incrível isso. Minha vontade era de espancar esse imbecil.

    Pena que cheguei tarde para mandar a coisa para o site lá, mas pelo menos estou publicando onde posso esse post, principalmente nessa mesma comunidade. E pretendo mandar isso por e-mail para pessoas para elas verem a situação em que nos encontramos.

    Responder
    • Guilherme, não chegou tarde, cara. Eles prorrogaram o prazo. Ao que parece, nossa pressão no último segundo deu resultado.
      Sobre o que os detratores do sistema falam, sempre vai ter quem vai ser contra. È impossível unanimidade em qualquer coisa. O engraçado é o cara alegar que como a Vanezuela ( que nunca fez mais que uma maquete) e o japão (que nunca vendeu seu sistema para país algum) pesquisam isso há décadas, nós não temos o direito de investir num sistema de levitação diferente, repito: Diferente, que opera com levitação passiva, pois levita sem precisar de energia, sensores ou atuadores e tem aplicação urbana.
      O cara diz que não dá pra levar a sério. Fico grato que seja a opinião de um leigo, pois técnicos internacionais e especialistas do setor de transportes vibram com a nossa iniciativa e empresários do mais grosso calibre que você puder imaginar são entusiastas da nossa tecnologia.

      Responder
  41. Quantos projetos são levados dessa mesma maneira no Brasil inteiro e não recebem nem menção em blog??

    E quantos projetos são mais necessários para o Brasil do que a ligação São Paulo – Campinas – Rio de Janeiro via trem hightech??

    Sei que seu esforço é justificado e eu não sou contra ele.

    Realmente me parece estrategicamente melhor a decisão de se utilizar tecnologia nacional mas o fato dela ainda não estar implementada não é um fator positivo, muito pelo contrário. Eu posso estar enganado mas pelo que eu vi no site do maglev cobra ele ainda não é funcional.

    O fato do site do TAV dar menos de 1 mês para consulta e argumentação sobre o projeto é altamente questionável, assim como parte do projeto não estar liberado para consulta (pelo menos deveria existir uma justificativa) geral.

    De qualquer forma o povo brasileiro deveria ter sido consultado muito antes para se pronunciar sobre a necessidade desse trem em detrimento de outras.

    Boa sorte na sua luta!

    Responder
    • Danilo, você tem razão ao dizer que o Maglev cobra ainda não é operacional. Mas lembro que este é o Maglev urbano, de baixa velocidade. para alta velocidade a tecnologia é a alemã, que opera há décadas e agora funciona normalmente até na China. Quem quiser andar basta ir na china que ele tá lá.
      O que é uma tecnologia totalmente nova é o urbano de baixa velocidade. O de alta velocidade é uma tecnologia consagrada, que seria compartilhada com o parque tecológico e científico brasileiro.

      Responder
  42. Muito lindo o projeto Cobra, legal mesmo, mas só tem um problema, é um projeto, não é um empreendimento, pelo que sei não atinge velocidade superior a 30km/h…
    Talvez o Cobra se torne realidade daqui algumas décadas, talvez nem seja no Brasil, pois isso aqui é administrado por gente corrupta que facilmente repassarão essa tecnologia com subornos… e implantarão parcerias com outras empresas corruptas como a Alstrom como aqui no metro de SP.

    Responder
    • Com certeza, nosso sistema cobra vai estar se espalhando pelo mundo daqui a 30 anos, mas pra chegar lá temos que passar pelo período inicial.
      Mas corrigindo, o maglev era um projeto apenas há dois anos atrás. Hoje ele é uma realidade, mas ainda não está em operação, pois estamos construindo. Inaugura no ano que vem.
      Para alta velocidade, repito, a tecnologia motriz é a do maglev alemão, que é o mesmo que funciona na china, e chega a mais de 400 km/h.
      O nosso, de uso urbano, só não passará dos 30km/h no primeiro percurso porque o mesmo é um trecho curto.
      Velocidade é algo que está atrelado diretamente à distância.

      Responder
  43. Uma duvida:

    “Novos contatos com a Transrapid alemã já permitem a construção – com transferência de tecnologia! – de um Maglev Cobra de alta velocidade. Sim, meus amigos, estamos falando de um trem de levitação, totalmente nacional”

    Não entendi, na boa. Contatos com uma empresa alemã, permitem ter um Maglev totalmente nacional?

    Se depende de algo da alemanha, então não é 100% nacional.

    100% nacional para mim, é o engenheiro sentar o rabo na cadeira e fazer o projeto do zero, fabricar todas as peças no brasil, sem depender de tecnologia do exterior.

    Então eu gostaria de saber, O Maglev é uma tecnologia 100% nacional, ou algo vem de fora, mesmo que seja 0,01% ?

    Responder
    • É mais do que óbvio que quando me refiro a um maglev totalmente nacional estou dizendo um maglev construído aqui. É possível fazer isso hoje apenas de dois jeitos: Com a tecnologia motriz alemã (que opera na Alemanha e na China) ou a japonesa (restrita ao japão).
      Nós temos um contato com a Transrapid e isso pode viabilizar construir o nosso maglev – que é diferente do maglev alemão e o chinês, pois nós temos alguns avanços bastante significativos na parte de design, que afetam diretamente na redução do custo. Isso tudo pode ser construído no Brasil, claro que com o apoio técnico dos caras da Transrapid, que detém uma experiência de décadas com TAVs eletromagnéticos. Note que isso é diferente das demais opções que envolvem a importação direta de veículos já prontos.
      Um engenheiro sentar e fazer um projeto assim do zero, usando só material nacional é piada. Acho que não existe nada que tenha circuitos eletrônicos que seja totalmente feito no Brasil. Muitas peças, sensores e itens serão sempre da china, taiwan, EUA etc. Quero lembrar que nós temos conhecimento técnico e científico para fazer um maglev igual ao dos alemães sem dependência, mas isso levaria vários anos de desenvolvimento e consumiria milhares de reais para ser aprovado e no final estar na mesma situação de hoje. Nós pensamos que o melhor caminho em tempos de globalização é isso. Acordos de cooperação em que os dois países tem a ganhar, juntos. É diferente de uma relação meramente de consumo.

      Responder
  44. aiai.. esse é o unico blog que leio até os comentários! vcs acham que é falta do que fazer ?!? O_o enfim… marcelo ramos pedindo pro mussa tomar maracujina… ai que ódio! esses f** na mamata da licitação e ainda ficam pedindo pra ficar quieto..calmo..arfs! Eu sei que fico revoltado a toa porque esses negocios de licitação de trabalho pro governo é assim mesmo, tudo mamata! E não vem me dizer que não porque eu mesmo ja fiz trabalhos assim, pode jogar meu nome no google e vai encontrar… vai levar a licitação por esta ordem, primeiro quem é o mais conhecido a nivel de amizade/indicação do chefe que vai organizar a licitação…depois tem o nivel qual projeto vai dar mais lucro no bolso do burrocrata… daí meus amigos, ainda tenho esperança que seja o maglevCobra por justamente ser o mais barato no custo ^^
    .. a sim, mesmo que custe o mesmo preço que uma technologia gringa( com o % $cueca$ ) e que eu não vou ganhar nada ($) … prefiro ver uma familia que agente conhece se dar bem.. (e merece, talvez vamos ver aquarexes gigantes nas praças! rsrsrs)

    Responder
    • O mais engraçado de tudo, Adrien, é que o governo age de modo completamente maluco nessa história. Tipo, querem licitar a tecnologia antes de licitar o projeto. è mais ou menos como você resolver construir uma casa e pedir preço nas lojas de material de construção antes de sequer fazer o projeto da obra. Ou tem mamata na parada ou tem uma burrice sem tamanho. Como é bem difícil acreditar que uma agência nacional do transporte terrestre seja tão jumenta, só posso acreditar na mamatice.

      Responder
  45. Filipe boa tarde,

    Estamos fazendo um trabalho semelhante ao seu, mas envolvendo o Aeromóvel. Trata-se de um projeto totalmente desenvolvido no Brasil, não poluente, sem emissão de ruídos e com custo de implantação de 15 milhões por Km, enquanto 1 Km do metrô custa aproximadamente 300 milhões. O Aeromóvel está em funcionamento na cidade de Jacarta, mas infelizmente aqui no Brasil a solução não recebeu nenhuma importância das autoridades!!!
    Minha pergunta, posso linkar sua matéria em nosso blog?

    Grande abraço,

    Elton

    Responder
    • Não, não procede.
      Os alemães pesquisam isso há muitos anos. O forte deles é levitação eletromagnética. A tecnologia do maglev cobra de aplicação urbana é com levitação supercondutora.
      As pessoas costumam confundir um pouco as coisas. O sistema maglev cobra não diz respeito a um determinado tipo de levitação. É impossível hoje patentear a levitação, porque ela é como a gravidade, é algo que se conhece há muitos anos. O efeito Meissner, que levita o cobra, é conhecido há mais de 100 anos!
      O sistema cobra funciona independente do sistema de levitação. Ele pode usar repulsão magnética, eletrolevitação, levitação supercondutora, etc.
      Cada tecnologia tem suas vantagens e desvantagens. É tudo uma questão comercial. Os alemães é que tem um acordo com a gente, para usar a tecnologia e o know how deles ( o sistema chinês tb é deles) quando e se a gente resolver entrar na alta velocidade.
      O lance é que pra nós não compensa a alta velocidade, porque queremos ajudar as pessoas e maglev como spolução de prtoblema se aplica é no contexto urbano. É nas cidades e periferias que estão os engarrafamentos. Para longas distâncias tem avião.
      O problema hoje é que o cara pega engarrafamento pra tomar o avião. Voa em 40 minutos pra São Paulo, onde pegará outro engarrafamento de duas, três horas. É nesse problema urbano que temos que atuar. Se é com metrô, maglev, linha de ônibus especial, teleférico, o cacete a quatro, pouco importa. O que importa é que precisamos de uma solução rapida, e ela está atravancada por absoluto desinteresse de quem pode fazer alguma coisa.

      Responder

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Apoie este projeto

Criar este website não é uma tarefa fácil. Mais de 5000 artigos, mais de 100.000 comentários e conteúdo próprio, demandam muito trabalho. Saiba como você pode ajudar a manter o Mundo Gump cada vez melhor e evitar que ESTE SITE ACABE
Ajuda aí?
MUNDO GUMP – © 2006 – 2020 – Todos os direitos reservados.