O bizarro fato sobre anões de jardim que estavam vivos

De vez em quando a gente pode dar de cara com uma escultura de um anão de jardim decorando uma casa. Muita gente acha isso cafona, mas sempre tem algo gump que a gente pode espremer desse treco, duvida?

 

A história dos anões de jardim

Conforme descrito nos anais da história, a prática ancestral de adornar jardins com esculturas para ofertar “proteção” remonta à Antiguidade, mais precisamente em Roma. Naquela época, era comum entre os sacerdotes romanos a prática de decorar suas terras com figuras divinas como um escudo contra entidades maléficas, além de ser um símbolo de sorte e anseio por dias mais auspiciosos.

No entanto, a figura encantadora dos gnomos de jardim, inspirada na imagem de anões míticos, é uma herança cultural dos antigos germânicos e escandinavos.

 A Origem dos Gnomos de Jardim

Os antigos relatos desses povos nórdicos descrevem os gnomos como seres pequeninos e barbudos, guardiões de suas terras, tesouros subterrâneos e recantos sagrados. Dessa forma, a ideia dos gnomos se entrelaça com a noção de figuras protetoras e seres encantados, fundamentando a lenda dos gnomos de jardim.

Embora essa tradição tenha raízes antigas, foi somente durante o Renascimento que as representações desses seres começaram a tomar forma física nos jardins. No século XVII, surgiram as primeiras esculturas de gnomos, confeccionadas em madeira ou porcelana.

A Suíça foi pioneira na criação dessas figuras com o propósito específico de embelezar jardins, uma prática que inicialmente ficou restrita ao país. Contudo, no século XVIII, a popularidade dos gnomos de jardim se espalhou por toda a Europa, culminando na criação do primeiro modelo em terracota na Alemanha. Impulsionadas por narrativas fantásticas, essas figuras começaram a ser produzidas em larga escala.

A qualidade superior dos modelos alemães fez com que a produção de gnomos de jardim se tornasse um empreendimento extremamente rentável por um tempo. Eles eram vistos como símbolos de esperança e um investimento em um futuro promissor.

Desafios e Permanência

Contudo, a Revolução Industrial e os conflitos mundiais impactaram negativamente a indústria dos gnomos de jardim. Apesar desses reveses, a tradição persistiu e se disseminou pelo mundo através da migração europeia.

 Significado Atual dos Gnomos de Jardim

Hoje, os gnomos de jardim representam muito mais que uma mera decoração. Eles simbolizam proteção, esperança e boa sorte, encantando aqueles com corações repletos de sonhos. Embora encontrar um gnomo de jardim esteja se tornando raro, e muitos dos que restam estejam desgastados pelo tempo, a essência e as boas energias que eles emanam permanecem inalteradas.

Assim, a trajetória dos gnomos de jardim nos lembra que até os menores objetos podem carregar consigo histórias ricas e significativas, transformando pequenos espaços em refúgios de felicidade e serenidade.

Heremitas ornamentais

Hoje é comum as pessoas decorarem seus jardins com estátuas de gnomos, mas você sabia que no século 18, ricos proprietários contratavam pessoas reais como enfeites de jardim?

Por mais inacreditável que pareça, os eremitas de jardim eram extremamente populares entre proprietários de terras e aristocratas. Esses eremitas ornamentais eram pessoas reais pagas para se vestirem de druidas e permanecerem permanentemente no local.

Eles deixavam o cabelo crescer e não lavavam por anos. Eles viviam em cavernas, barracos e outros eremitérios construídos de forma rústica nos jardins.

Por sua vez, os proprietários cuidavam deles, alimentavam-nos, consultavam-nos para obter conselhos e exibiam-nos para entretenimento de seus convidados. Embora a prática fosse comum principalmente na Inglaterra, ela também chegou à Irlanda e à Escócia.

Gordon Campbell, professor de Estudos da Renascença na Universidade de Leicester, publicou recentemente  O Eremita no Jardim: Da Roma Imperial ao Gnomo Ornamental  com  a Oxford University Press . É o primeiro livro a aprofundar a história do eremita ornamental na Inglaterra georgiana. Como Campbell  explica neste vídeo do livro :

“Recrutar um eremita nem sempre foi fácil. Às vezes, eram trabalhadores agrícolas e estavam vestidos com fantasias, muitas vezes com fantasias de druida. Não havia acordo sobre como os druidas se vestiam, mas em alguns casos eles usavam o que chamaríamos de boné de burro. É um fenômeno muito peculiar, e compreendê-lo é uma das razões pelas quais escrevi este livro.”

A origem da prática de incorporar um eremita como um elemento de destaque em jardins magníficos pode ser rastreada até o imperador Adriano, de Roma Antiga, e sua propriedade em Tivoli. Esta villa continha um lago adornado por uma construção destinada ao isolamento de um indivíduo. Quando os vestígios desta eremita foram descobertos no século XVI, inspirou-se a sugestão para que o Papa Pio IV construísse uma semelhante para si na Casina Pio IV. A partir desse ponto, a figura do eremita evoluiu de religiosos dedicados à contemplação espiritual para uma ocupação peculiar no século XVIII para aqueles que aceitavam viver sob condições específicas.

Conforme descrito por Campbell em um relato encontrado em “A Tour in the Lakes Made in 1797”, de Sir William Gell, o eremita era obrigado a permanecer confinado ao local, sem se engajar em diálogos com outras pessoas por sete anos. Neste período, ele não deveria lavar-se ou cortar cabelos e unhas, deixando-os crescer livremente conforme a vontade da natureza.

Alguns anfitriões da época exigiam que seus eremitas vivessem sem calçados e, por vezes, esperavam que eles distraíssem os convidados com versos personalizados ou servindo bebidas. Embora possa soar como uma peculiaridade de jardim, era na verdade a expressão de um sentimento profundamente valorizado na era georgiana na Inglaterra: a melancolia.

A tendência para a reflexão profunda e o espírito melancólico eram altamente estimados pela elite, e as funções desempenhadas pelos eremitas refletiam essa inclinação. Um manual de 1784 sobre a propriedade Hawkstone, de Sir Richard Hill, em Shropshire, apresenta uma descrição detalhada do eremita que lá residia:

“Após tocar uma campainha para entrar, você encontra o eremita, usualmente posicionado à mesa com itens como uma caveira, representando a mortalidade, uma ampulheta, um livro e óculos. O respeitável Padre Francisco, sempre descalço (se desperto), levanta-se diante da chegada de visitantes. Aparentando quase 90 anos, mantém sua capacidade de maravilhar-se. Ele é acessível, distante de qualquer grosseria.”

Em determinados momentos, o eremita de Hawkstone era substituído por um boneco, ou talvez, como Campbell especula, por um autômato. Proprietários que não dispunham de recursos ou interesse em manter um eremita real por vezes arranjavam o eremitério para simular que seu habitante havia apenas se ausentado. Alguns chegavam até a ocupar eles mesmos os eremitérios.

Ao fim do século XVIII, a tradição do eremita ornamental se desvaneceu. Em “O Eremita no Jardim”, Campbell explora os vestígios dessa prática num “catálogo de eremitérios”, apontando quais foram destruídos, quais ainda existem ou quais nunca chegaram a ser construídos. No entanto, a figura do eremita permanece de certa forma presente.

Segundo Campbell, o conceito do eremita de jardim, originário do druida antigo, teria dado lugar ao moderno gnomo de jardim, perpetuando-se de maneira evoluída.

fonte, fonte

Receba o melhor do nosso conteúdo

Cadastre-se, é GRÁTIS!

Não fazemos spam! Leia nossa política de privacidade

Philipe Kling David
Philipe Kling Davidhttps://www.philipekling.com
Artista, escritor, formado em Psicologia e interessado em assuntos estranhos e curiosos.

Artigos similares

Comentários

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here

Advertisment

Últimos artigos