fbpx

Curiosidades

Mulheres sábias: Conheça seis filósofas da antiguidade

Conheça algumas mulheres sábias da filosofia na Antiguidade

Escrito por Alien Juca · 4 Minutos de leitura >

Quando começamos a pensar nos filósofos antigos, a imagem de um Sócrates calvo conversando com belos jovens sob uma árvore nos vem à mente, ou o cientista Aristóteles palestrando entre colunas frias de mármore.

Mas o que dizer de Aspásia, a amada do proeminente político ateniense Péricles, que deu conselhos políticos e até eróticos? Ou Sosipatra, mística, mãe e neoplatônica, que foi uma professora mais popular do que seu marido, o Eustáquio da Capadócia?

As mulheres também influenciaram o desenvolvimento da filosofia. Embora seus escritos em geral não tenham sobrevivido, seus ensinamentos verbais tiveram um impacto significativo em seus contemporâneos e suas vozes ecoaram ao longo dos séculos.

Mais de dois milênios depois, mulheres inteligentes ainda lutam para fazer suas vozes serem ouvidas. Então, aqui estão 6 filósofas antigas das quais talvez você nunca tenha ouvido falar:

1. Aspásia de Mileto

Aspásia cercada por filósofos gregos. Arte de Michel Corneille the Younger , domínio público, via Wikimedia Commons

Aspásia de Mileto (mais ativa por volta de 400 aC) foi a mulher mais famosa da Atenas clássica. Estrangeira, tornou-se amante de Péricles, o líder de Atenas no início da Guerra do Peloponeso.

Ela era lembrada não apenas por sua beleza encantadora, mas também por sua mente notável. O próprio Sócrates chamou Aspásia de “sua professora” e disse que aprendeu com ela a construir discursos convincentes. Afinal, conta ele, Aspásia os escreveu para Péricles.

Ela desempenhou um papel verbal em pelo menos três diálogos filosóficos escritos pelos alunos de Sócrates: “Menexene” de Platão e diálogos fragmentários “Aspasius” de Ésquines e Antístenes.

2. Clea

Clea (mais ativa por volta de 100 DC) foi uma sacerdotisa em Delfos – um papel político e intelectual muito considerado no mundo antigo. Os líderes religiosos no santuário receberam pedidos frequentes de líderes mundiais por conselhos divinos sobre questões políticas. Clea fazia parte desse sistema político-religioso, mas acreditava na importância primordial da filosofia.

Ela encontrou oportunidades para conversas filosóficas profundas com Plutarco, o intelectual mais famoso de seu tempo. Nos prefácios de On Female Valor e On Isis and Osiris, Plutarco descreveu como essas conversas inspiradoras sobre morte, virtude e história religiosa inspiraram sua criatividade.

3. Thekla

Conhecido pelos Atos de Paulo e Thekla, Thekla (mais ativa no século 1 DC) levava uma vida normal de classe média, ficando em casa e se preparando para um casamento lucrativo. Mas um dia, inclinando-se para fora da varanda, ela ouviu o sermão dinâmico de Paulo e escolheu um caminho completamente diferente.

A mãe de Thekla opôs-se aos planos da filha, enquanto seu pretendente delatou Paulo para o prefeito da cidade que o aprisionou.

Subornando os guardas com todo seu ornamento em ouro, Thekla foi ao encontro de São Paulo que lhe transmitiu diversos preceitos paternais. Três dias depois, os servos de sua família a encontraram e a levaram a força. Irredutível quanto ao casamento, a mando de sua mãe, Thekla  foi condenada a fogueira. Segundo a tradição, ao entrar no fogo fazer um sinal da cruz sobre si mesma, uma luz a cercou e as chamas não conseguiram tocá-la. Uma forte chuva acompanhada com granizo apagou o fogo e seus torturadores dispersaram-se em pavor.

Tecla abandonou a cidade e foi ao encalço de São Paulo que estava em uma caverna nas cercanias da cidade junto de seus companheiros; Tecla acompanhou Paulo em sua viagem de pregação na Antioquia da Pisídia. Na cidade,  o dignitário Alexandre, chocado por sua beleza, a pede em casamento. Naquele tempo, não se falava “não” para o regente, mas Teckla falou, e se ferrou.  Bem, na real, mais ou menos…

Ao negar o casório com o chefão da cidade, ela  provocou ira em Alexandre que ordenou que animais famintos fossem investidos contra ela. Segundo a tradição conta, os animais recusaram-se a tocar nela. Posteriormente Thekla foi amarrara em cordas puxadas por dois bois. Segundo a tradição, as duas cordas arrebentaram como teias de aranha e os bois fugiram assustados. Após tais fatos, temendo uma ira divina, Thekla foi liberta.

Thekla estabeleceu-se em uma região desolada nas proximidades de Selêucia Isáuria onde por muitos anos pregou a palavra de Deus, curou enfermos e converteu pagãos ao cristianismo. Com cerca de 90 anos, feiticeiros pagãos invejando a popularidade de Thekla, enviam seus seguidores para contaminá-la. Segundo a tradição, quando eles estavam próximos, Thekla gritou em súplico a Deus e uma rocha se abriu e escondeu a virgem, que entregou sua alma a Ele.
Em Ma’loula, na Síria, há um convento, Deir Mar Takla, dedicado a Santa Thekla, construído próximo do local onde a rocha supostamente abriu-se para ela. Atualmente, parte de suas relíquias está em uma catedral em Milão.

No final, ela ganhou o status de professora e começou uma carreira brilhante. Embora se presuma que Thekla nunca realmente existiu , a lenda dela inspirou muitas mulheres a levar uma vida filosófica. Aproximadamente 250 anos depois, Metódio de Olímpia escreveu um diálogo filosófico repleto de mulheres, com Thekla como a principal participante, e Macrina (veja abaixo) recebeu o apelido de família de Thekla, inspirado por sua missão filosófica e religiosa.

4. Sosipatra

Sosipatra (mais ativa no século 4 DC) viveu um sonho: ela teve uma carreira de professora de sucesso junto com uma boa vida familiar. Educada no misticismo por estrangeiros, Sosipatra tornou-se uma respeitada professora da tradição neoplatônica, interpretando textos complexos e transmitindo conhecimento divino.

Ela estava cercada por especialistas do sexo masculino, um dos quais era seu marido Eustathius, da Capadócia. Ao mesmo tempo, de acordo com o trabalho de Eunapius “The Lives of Philosophers and Sophists”, a fama de Sosipatra era maior do que a deles, e os alunos preferiam muito mais seu ensino inspirador.

5. Macrina, a Jovem

Macrina (por volta de 330–379 DC) era a filha mais velha de 10 filhos em uma família cristã grande, influente e bem-educada na Capadócia.

Uma mente perspicaz, uma alma devota e uma forte vontade permitiram que Makrina eventualmente transformasse a propriedade da família em uma comunidade bem-sucedida de ascetas masculinos e femininos. Seu irmão, Gregório de Nissa, observou a sabedoria de Macrina como na biografia “A Epístola sobre a Vida de Santa Macrina ”e no diálogo filosófico“ Sobre a alma e a ressurreição ”.

A última obra descreve uma conversa sobre a morte entre irmão e irmã, quando Macrina estava morrendo, na qual ela demonstra amplo conhecimento em filosofia, escrituras e ciências físicas.

6. Hipatia de Alexandria

Retrato de Hipatia. Imagem: desenhada por Jules Maurice Gaspard (1862–1919)

Hypatia (por volta de 355–415 DC), mais conhecida por sua dramática morte nas mãos de uma turba furiosa de cristãos, foi uma professora neoplatônica e era reverenciada por seu trabalho matemático e astronômico.

Um dos discípulos de sucesso de Hipátia, o bispo cristão Sinésio, escreveu cartas fervorosas para ela, trocando informações não apenas sobre filosofia, mas também sobre ferramentas matemáticas pouco conhecidas.

Ela até editou o comentário astronômico de seu pai, Theon de Alexandria, que ele reconheceu após a publicação.

Escrito por Alien Juca
Sobrevivente da chacina de Tasso Fragoso Profile

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.