Matilda McElroy: A enfermeira que conversou com o alien de Roswell

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on pinterest
Pinterest
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on whatsapp

Em 2008, surgiu uma mulher que alegou que viu pessoalmente os corpos de alienígenas em Roswell, e até mesmo se comunicou com um deles telepaticamente.

Em dezembro de 2020, o History Channel lançou um documentário em três partes baseado nos diários do oficial militar Jesse Marcel Sr. , que foi o mesmo homem que liderou a investigação do estranho incidente em Roswell em julho de 1947.

Em suas notas, Marcel destacou, em particular, que os fragmentos encontrados no Novo México “claramente não foram feitos por mãos humanas”, e também que nenhuma broca os perfurava, e os mais duráveis ​​quebraram ao tentar perfurar até mesmo um pequeno buraco nos destroços.

 

 

Após o lançamento deste filme, o interesse no tópico de Roswell aumentou novamente, e logo alguns pesquisadores “desenterraram” uma história anteriormente oculta de Roswell sobre uma enfermeira que se comunicou telepaticamente com o único alienígena sobrevivente de um OVNI.

Esta é uma mulher chamada Matilda O’Donnell McElroy com o posto de sargento sênior na Divisão Médica do Exército Feminino. Em 2007, Matilda, de 83 anos, contatou o ufólogo Lawrence Spencer e contou-lhe uma história que não queria levar consigo para o túmulo.

Matilda na època

“Muitas pessoas foram mortas para excluir a possibilidade de divulgar o conhecimento que eu ajudava a esconder da sociedade até agora. Apenas um pequeno punhado de pessoas na Terra viu e ouviu o que eu tive que manter em segredo por sessenta anos.

Todos esses anos, pensei que os “poderes constituídos” em nosso governo me mostravam grande confiança, embora muitas vezes eu suspeitasse que as autoridades estavam muito enganadas, acreditando que seu objetivo era proteger a Humanidade do conhecimento de que formas de vida extraterrestres inteligentes não só existir, mas continuou e continua a controlar agressivamente e invadir a vida de cada pessoa na Terra todos os dias “

 – foi assim que Matilda começou sua história.

A mulher garantiu que só contou sua história porque, literalmente, alguns meses depois de lançado seu livro, ela quer morrer por eutanásia e já não tem nada a perder.

Cena da famosa fraude da autópsia dos aliens de Roswell de Ray Santilli

De acordo com Matilda, em julho de 1947, ela era a motorista de um carro que levou um certo oficial militar Cavitt ao local do acidente de um objeto não identificado, e ela foi especialmente enviada para lá como uma enfermeira militar treinada e experiente.

Quando Matilda e o oficial chegaram ao deserto do Novo México no local do acidente, a mulher viu os destroços de um equipamento desconhecido e os corpos de dois alienígenas ali. Um estava morto e o outro ainda estava vivo e consciente. Quando Matilda tentou falar com o alienígena vivo, ela repentinamente começou a receber “imagens mentais” dele, que ela interpretou como uma tentativa de comunicação telepática.

Quando Matilda contou ao policial Cavitt sobre isso, ele decidiu continuar esta experiência e designou Matilda para o alienígena para que ela os observasse e se comunicasse com ele, compilando um relato completo de tudo o que ele diria ou mostraria a ela. Por conta disso, a mulher chegou a ser promovida e seu soldo inclusive foi aumentado.

 

O livro de Matilda

 

No processo de “comunicação” posterior, Matilda descobriu que o alienígena sobrevivente era uma mulher e que seu nome era Airl.

“Nossa comunicação não consistia em uma fala coloquial no sentido convencional. Na verdade, o corpo do alienígena nem tinha uma boca capaz de falar. Nossa comunicação era por telepatia. No começo eu não conseguia entender claramente Airl. Eu podia perceber imagens, emoções e impressões, mas era difícil para mim expressá-las verbalmente.

Depois que Airl aprendeu inglês, ela foi capaz de focar seus pensamentos com mais precisão usando símbolos e significados de palavras que eu pudesse entender. Aprender inglês foi um grande favor para mim. Foi mais para mim do que para ela. ”

A alienígena disse a Matilda que sua missão na Terra era de natureza expedicionária e que ela era simultaneamente oficial militar, piloto e engenheira. Ela disse que sua base é chamada de Força Expedicionária e está localizada no Cinturão de Asteróides.

Matilda descreveu a aparência de Airl como uma criatura humanóide cujo corpo era do tamanho de uma criança. No entanto, não era uma criatura real, mas sim um bio-robô-avatar, cujos tecidos eram feitos de material sintético e cujo corpo poderia ser possuído por um ser de ordem superior – um verdadeiro alienígena.

Matilda observou que Airl não deu a ela nenhuma informação sobre seu idioma ou a localização de seu planeta natal. Ela não tinha certeza sobre as intenções dos militares, e isso a fez se recusar a divulgar qualquer informação confidencial para as pessoas.

A enfermeira chamou isso de um sinal sério, porque se os alienígenas não estão seguros na Terra, então pode ser um grande problema para os humanos. Airl chamou sua civilização de muito poderosa, extremamente antiga e, acima de tudo, seu único objetivo era o progresso.

 

Muitos investigadores acreditam que essas podem ser fotos reais da autopsia da criatura do ufo, que teria inspirado Ray Santilli a tentar produzir sua famosa fraude

 

Se isso for verdade, essa deveria ser a aparência da alienígena que conviveu com Matilda

Quando Matilda perguntou a Airl há quanto tempo ela estava visitando a Terra, ela respondeu: “MUITO ANTES DO SURGIMENTO DA HUMANIDADE.”

Então Matilda aprendeu o seguinte:

“A Terra é um pequeno planeta na borda de uma estrela na galáxia. Isso torna a Terra muito isolada geograficamente das civilizações planetárias mais concentradas que existem mais perto do centro da galáxia. Esses fatos óbvios tornaram a Terra adequada apenas para uso como jardim zoológico ou botânico ou para uso como prisão – mas nada além.

Cerca de 30.000 anos atrás, a Terra começou a ser usada como depósito e prisão para os seres alienígenas que eram considerados criminosos ou não conformistas. Essas criaturas foram capturadas, presas em armadilhas eletrônicas e trazidas para a Terra de várias partes do “Velho Império”. As estações subterrâneas onde essas criaturas eram mantidas (ou ainda são) foram criadas em Marte e na Terra nas montanhas Rwenzori na África, nas montanhas dos Pirenéus (entre a Espanha e a França) e nas estepes da Mongólia. ”

Matilda conversou muito com Airl, mas então em algum momento o alienígena “morreu”, ou seja, o alienígena deixou seu corpo de avatar. A mulher não indicou os motivos e as circunstâncias ou não sabia.

A história de Matilda foi publicada no livro de Spencer de 2008, Entrevista com Aliens. No entanto, o livro, por algum motivo, não se tornou algum tipo de revelação especial e a história de Matilda nunca foi particularmente verificada quanto à confiabilidade do que ela disse.
Pode ser só mais uma pessoa tentando pegar uma “carona” na curiosa história do ufo acidentado mais famoso do mundo? Sem dúvida. Mas não sabemos ao certo. Os fatos apontam que Matilda estava realmente lá na época e pode ter participado da operação, mas se foi assim como ela descreve, talvez nunca saberemos.

 

Matilda McElroy: A enfermeira que conversou com o alien de Roswell

Comments

comments

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on telegram
Telegram

LUMINÁRIA UFO 

compre a sua em www.obscura.art.br

error: Alerta: Conteúdo protegido !!