fbpx

bizarro

Macabro: Ela teve um filho de um cadáver. Será?

Uma das histórias mais esquisitas que chegaram à midia é de uma mulher que engravidou de um cadáver após necrofilia. Vamos ver...

Escrito por Philipe Kling David · 9 Minutos de leitura >

Uma mulher de 26 anos, que trabalhava como patologista assistente no serviço médico legista, foi presa nos Estados Unidos, acusada de abuso… De um defunto!

É que ela fez sexo e engravidou de um homem que já havia morrido. E não foi só com um! A mulher foi acusada de ter praticado sexo com o cadáver de pelo menos 60 homens, ao longo dos dois anos em que trabalhou no local. A polícia suspeita inclusive que ela só tenha ido trabalhar no IML justamente para poder cometer os abusos pelos quais ela é acusada.

 

Grávida do defunto

Jennifer Burrows foi presa após a promotoria pedir um exame de DNA do seu filho recém nascido, que comprovou que ele é na verdade filho de um veterinário de 57 anos que sofreu um acidente de carro fatal. Posteriormente a investigação determinou que a safadinha do IML fez a autópsia no corpo desse homem. O pedido de DNA foi feito após as autoridades reunirem provas de que ela vinha abusando dos corpos durante todo o tempo, e foi um meio de confirmar todas as suspeitas que recaiam sobre ela. Eles conseguiram provar também que o homem nunca antes havia estado com a tal mulher.

Esse caso absolutamente GUMP caso aconteceu no estado do Missouri, nos Estados Unidos. Como naquele país não existem leis que proíbam a necrofilia, pois eles entendem que um corpo são apenas restos mortais, ela não será julgada por sexo com o cadáver, mas sim por tratamento indecente de um cadáver. Ela vai enfrentar além dessa, mais 158 acusações, incluindo conduta desordeira, exposição indecente e até posse de drogas proibidas.

Psicólogos concordam que a mulher sofre de necrofilia compulsiva e que ela tenha escolhido a profissão para poder cometer os tais abusos. A maioria das pessoas acreditam que seus advogados devem entrar com uma alegação de insanidade mental. Não fica a menor dúvida que ela precisa de acompanhamento psicológico.

Questões

A questão mais estranha nesse caso reside no fato: Como é possível que um espermatozoide do defunto conseguiu entrar no corpo dela? Logo após a parada cardiorrespiratória, quando cessam os batimentos cardíacos, o corpo após alguns minutos entra em estado de morte. Mas algumas células como os espermatozoides, ainda poderão estar vivos. O problema é que para o espermatozoide sair do corpo do cara, ele precisaria ter uma contração muscular afim de ejacular. Como que a doida conseguiu isso com um morto? Como ele ficou de bilau duro, se não tem um coração batendo para inflar o bingulim? São questões bem estranhas. O fato é que esses abusadores patológicos estão por toda parte e não é raro procurarem profissões que os permitam realizar suas estranhas fantasias. Não deixe de ver, por exemplo, a “Gump lista das professorinhas taradas”.

Tem cheiro de cascata!

Como eu disse, a história parece fazer pouco sentido quando pensamos nas condições de um cadáver para sustentar uma ereção e também poder ejacular.
Fui investigar um pouco mais e a verdade é que tudo não passa de mais uma conversa fiada de internet.  Segundo o site Snopes.com a história é falsa. 

A origem da história

Em 11 de novembro de 2010, o site Dead Serious News publicou um artigo postulando que uma funcionária mortuária ficou grávida após se envolver em um ato sexual com um homem falecido:

Uma funcionária mortuária de 38 anos está sendo mantida sob fiança de US $ 250.000 após engravidar de um de seus clientes – um homem morto. O suposto crime ocorreu no Necrotério da Glória de Luto, nos arredores de Lexington, Missouri. A polícia acusou Felicity Marmaduke de profanação de mortos e necrofilia.

De acordo com um depoimento feito à polícia por Marmaduke, a suposta vítima teve uma ereção post mortem enquanto tomava banho. Estando sozinho, Marmaduke montou no homem morto e começou a fazer sexo com ele. Para sua surpresa, a suposta vítima chegou ao orgasmo depois de vários minutos. Algumas semanas depois, Marmaduke teve um teste de gravidez positivo enquanto fazia um exame médico de rotina. Ao contar ao médico as circunstâncias que levaram à concepção, a polícia foi avisada. Marmaduke foi presa sem incidentes em sua casa em ruínas a poucos quarteirões do necrotério.

Embora os meios de comunicação ocasionalmente relatem casos reais de trabalhadores ou intrusos em necrotérios / cemitérios que tentam ter relações sexuais com corpos de mortos, este item sobre uma funcionária mortuária engravidar por meio de tal atividade não é um deles. Era uma paródia do site Dead Serious News, cuja página “Sobre” observa que “Dead Serious News é um site satírico que é atualizado de forma irregular. Com exceção dos nomes de figuras públicas, todos os nomes são fictícios. ”

Em outubro de 2016, o site de notícias falsas do World News Daily Report reciclou essa história para um artigo semelhante, trocando o nome e um ou outro detalhe para a chegar na história que vimos aqui:

Uma funcionária do necrotério de 26 anos foi presa esta manhã depois que um teste de DNA revelou que seu filho recém-nascido era resultado de uma relação sexual necrofílica com um homem que ela deveria autópsia.

Jennifer Burrows, uma patologista assistente dos serviços de legista do condado de Jackson, é acusada de fazer sexo com dezenas de cadáveres nos últimos dois anos, um comportamento que levou ao nascimento de um menino em 7 de janeiro.

De acordo com o Departamento de Polícia de Kansas City Missouri, seu bebê é filho de um homem que morreu em um acidente de carro em março de 2015, e cujo corpo ela deveria autópsia. Eles alegam que ela, a Sra. Burrows, abusou sexualmente de mais de 60 outros cadáveres, pertencentes a homens de 17 a 71 anos.

 

Lista bizarras de necrófilos famosos

Sexo com pessoas mortas é um tabu em muitas culturas, mas apesar de tudo essas coisas macabras acontecem. Segundo o criminologista Herschel Prins, dizia-se que até o século 19, se uma jovem noiva na Europa Central morresse antes do dia do casamento, o cônjuge ainda poderia realizar a cerimônia copulando com o corpo da noiva. É literalmente a noiva-cadáver!
Os casos de necrofilia também foram muito comuns em períodos de selvageria como em guerras. Podemos ver isso acontecer durante o conflito do Peru do século 18 entre os rebeldes de Tupac Amaru e as forças coloniais , os rebeldes fizeram sexo com mulheres mortas. Também na guerra russo-turca do século 19 , as forças militares abusaram sexualmente de cadáveres. Na guerra marroquina de 1919-1926, a necrofilia foi cometida pelas tropas.

Morreu porque não topou

Embora essas histórias sejam bem horrorosas, há uma que é extra-bizarra porque o cara foi assassinado pelos invasores japoneses, porque ele SE RECUSOU a fazer sexo com um cadáver. Isso aconteceu com um chinês  durante o Massacre de Nanquim , depois de se recusar a fazer sexo com mulheres mortas como era o costume dos soldados japoneses:

“Os homens chineses eram frequentemente sodomizados ou forçados a realizar uma variedade de atos sexuais repulsivos na frente de soldados japoneses risonhos”, escreve Iris Chang. “Pelo menos um chinês foi assassinado porque se recusou a cometer necrofilia com o cadáver de uma mulher na neve. Os japoneses também gostavam de tentar coagir homens que haviam feito votos vitalícios de celibato a se envolverem em relações sexuais. …Os japoneses sentiam prazer sádico em forçar os homens chineses a cometer incesto – pais a estuprar suas próprias filhas, irmãos, suas irmãs, filhos, suas mães … aqueles que se recusaram foram mortos no local ”. (Chang, The Rape of Nanking , p. 95.)

Abaixo temos uma lista de necrófilos famosos e seus atos macabros:

  • Arthur Shawcross , um serial killer americano de Rochester, Nova York , também praticou necrofilia.  Shawcross (também conhecido como Genesee River Killer) foi condenado por 11 assassinatos em novembro de 1990. Ele alegou ter matado, estuprado, decapitado e comido duas mulheres vietcongues durante uma viagem ao Vietnã com a 4ª Companhia de Abastecimento e Transporte de a 4ª Divisão de Infantaria em 1968, durante a Guerra do Vietnã .  Ele supostamente também cometeu atos sexuais necrofílicos e mutilações em suas vítimas em Rochester entre 1988 e 1989. Todas, exceto uma, eram prostitutas da área. Shawcross recebeu duas sentenças de prisão perpétua em Monroe County, NY e Wayne County, NY respectivamente.
  • Sargento François Reece Bertrand  – Apelidado de “Vampiro de Montparnasse”, foi sargento do exército francês. Condenado por necrofilia, foi sentenciado a 1 ano de prisão.
  • Victor Ardisson – Apelidado de “Vampiro de Muy”, Ardisson foi um ladrão de tumbas francês e necrofílico,  que fez sexo com mais de 100 cadáveres.
  • Henri James Blot – entregou-se a atos sexuais com uma série de cadáveres desenterrados, incluindo uma dançarina de balé que ele desenterrou em Saint-Ouen em 1886, após o que foi preso. Durante seu julgamento, ele disse que “Cada homem a seu gosto. O meu é para os cadáveres.”
  • Carl Tanzler  – Tecnólogo em radiologia nascido na Alemanha no Marine-Hospital Service em Key West, Flórida . Ele desenvolveu uma obsessão por uma jovem paciente cubano-americana com tuberculose , Elena “Helen” Milagro de Hoyos, que continuou bem depois de a doença ter causado sua morte. Em 1933, quase dois anos após sua morte, Tanzler removeu o corpo de Hoyos de sua tumba e viveu com o cadáver em sua casa por sete anos até sua descoberta pelos parentes e autoridades de Hoyos em 1940.
  • Earle Nelson – assassino em série americano. A maioria das vítimas de Nelson eram senhorias, a quem ele abordava com a premissa de alugar um quarto. Nelson frequentemente estudava sua Bíblia gasta, usando-a para manter sua vítima à vontade e desprevenida perto dele. Depois de ter certeza de que havia ganhado a confiança deles, ele os mataria, geralmente estrangulando-os, e se envolveria em necrofilia com seu cadáver.
  • John Christie  – Matou mulheres e abusou sexualmente de seus cadáveres.
  • Yoshio Kodaira – Assassino em série japonês. Além de seus crimes na China, cujos detalhes permanecem desconhecidos, ele teria estuprado e assassinado cerca de 10 mulheres de 25 de maio de 1945 a 6 de agosto de 1946, em Tochigi e Tóquio . Ele frequentemente cometia necrofilia com os cadáveres. Considerado culpado em 5 de outubro de 1949, Kodaira foi condenado à morte.
  • Ed Gein – assassino americano. Além de mutilar os corpos de suas vítimas, ele também coletou inúmeros corpos femininos de cemitérios locais, alguns dos quais ele teve contato sexual.
  • Genzo Kurita  – serial killer japonês. Em 8 de agosto de 1951, ele estuprou e assassinou uma mulher de 24 anos e depois fez sexo com seu cadáver. Kurita foi executado pelo estado em 14 de outubro de 1959.
  • Jimmy Savile – Membros da equipe de Broadmoor alegaram que Savile havia contado a eles que ele se envolveu em atos necrófilos com cadáveres em seu necrotério em Leeds; Savile era amigo do agente funerário chefe, que lhe deu acesso quase irrestrito.
  • Karen Greenlee – agente funerário americano que foi condenado por roubar um carro fúnebre e fazer sexo com o cadáver que ele continha.
  • Melvin Rees  – assassino em série americano, condenado em 1960, por 53 anos.
  • Henry Lee Lucas – assassino em série americano. Ele teve relações sexuais com os cadáveres de várias de suas vítimas, uma das quais era sua namorada, Becky Powell. Quando questionado por que matava mulheres antes de fazer sexo com elas, ele respondeu: “Gosto de paz e sossego”.
  • Jerry Brudos – Também conhecido como “The Lust Killer” e “The Shoe Fetish Slayer”, Brudos foi um serial killer e necrofílico, preso em 1969, mais tarde condenado à prisão perpétua na prisão estadual do Oregon.
  • Patrick Kearney  – assassino em série americano e necrófilo. 
  • Dennis Nilsen – assassino em série britânico e necrofílico. Admitido ter praticado atos sexuais com os cadáveres de suas vítimas, foi condenado em 1983.
  • Ted Bundy – Assassino em série, sequestrador e necrofílico. Bundy confessou 30 homicídios. No entanto, as estimativas chegam a 100 ou mais (mas isso é altamente especulativo). Ele foi executado em 1989.
  • Gary Ridgway  – assassino em série americano e necrófilo. Ridgway é o assassino em série mais prolífico já registrado, com base no número de assassinatos confirmados; 49 mulheres. A maioria de suas vítimas eram supostas trabalhadoras do sexo e adolescentes fugitivos. Depois de estuprar e estrangular suas vítimas, ele jogou seus corpos em áreas cobertas de mato e florestas de King County , e mais tarde voltaria a se envolver em atividades sexuais com seus cadáveres.
  • Edmund Kemper  – assassino em série americano e necrófilo que assassinou dez pessoas e fez sexo com a maioria dos cadáveres de suas vítimas, incluindo os de sua mãe.
  • Richard Chase  – assassino em série americano. Ele se envolveu em necrofilia com o corpo de uma de suas vítimas, Evelyn Miroth.
  • Ondrej Rigo  – assassino em série eslovaco. Ele assassinou oito mulheres e uma criança entre 1990 e 1992 e fez sexo com os cadáveres da maioria das mulheres.
  • Thor Nis Christiansen  – assassino em série americano e necrofílico da Califórnia .
  • Kazuhisa Yoneda – assassino em série japonês. Ele assassinou e se envolveu em necrofilia com duas garotas nuas, uma de 18 e outra de 20anos.
  • Jeffrey Dahmer  – agressor sexual e assassino em série americano. Muitas das acusações contra ele incluíam necrofilia.  Ele foi condenado a nada menos que 15 penas de prisão perpétua, totalizando cerca de 937 anos de prisão.
  • Marcelo Costa de Andrade – assassino em série brasileiro, que estuprou e matou 14 meninos.
  • Christopher Mhlengwa Zikode  – assassino em série sul-africano . Em 1997, ele foi condenado a 140 anos.
  • Serhiy Tkach  Um assassino em massa na Ucrânia que foi condenado por estuprar e sufocar 37 meninas com idades entre 8 e 18 anos. Ele cometeu atos sexuais adicionais em seus cadáveres.
  • Louise Vermilya  Uma assassina em série em Illinois que envenenou dois maridos, cinco filhos ou enteados e quatro visitantes. Ela trabalhava, às vezes sem remuneração, em uma funerária e gostava de lavar os cadáveres de suas vítimas antes do funeral.
  • Reginald Oates  Assassino americano que estuprou, espancou até a morte, violou o cadáver, decapitou e cortou as mãos e os órgãos genitais de um menino de 10 anos em um parque de Baltimore. No dia seguinte, no mesmo parque, ele fez as mesmas coisas com irmãos de 8 e 5 anos e com outro menino de 10 anos. E no dia seguinte, depois de atacar sem sucesso duas meninas naquele parque, ele foi preso e encontrado com partes dos corpos dos meninos.

 

fonte fonte fonte

Escrito por Philipe Kling David
Designer, blogueiro, escritor e escultor. Seu passatempo preferido é procurar coisas interessantes e curiosas para colocar neste espaço aqui. Tem uma grande atração por assuntos que envolvam mistérios, desconhecido e tecnologia. Gosta de conversar sobre qualquer coisa e sempre tem um caso bizarro e engraçado para contar. Saiba mais... Profile

Video bizarro: O que é a criatura atacando uma cabra?

em bizarro, polêmica
  ·   4 Minutos de leitura

O mistério dos caixões que mudavam de lugar

em bizarro, polêmica
  ·   50 segundos de leitura

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.