Foto Gump do dia: Plantas que brilham para falar

Nossa foto Gump do dia de hoje são essas plantas que brilham para falar. Isso mesmo, FALAR!

A história por trás dessas plantas é muito Gump. Elas estão sendo desenvolvidas em Israel.

Plantas normalmente não falam, mas graças a uma tecnologia nova, elas poderão se comunicar com o agricultor informando sobre sua condição de saúde através de um brilho.

Uma equipe de pesquisadores da Universidade Hebraica de Jerusalém conseguiu modificar geneticamente plantas de batata para brilhar sob câmeras fluorescentes quando estressadas por vários fatores.

Um dos maiores desafios da agricultura moderna hoje é reagir aos fatores de estresse das plantações antes que seja tarde demais. As plantas não têm realmente uma maneira de avisar o que sentem e, na maioria das vezes, quando os sintomas visíveis aparecem, já é tarde demais para fazer qualquer coisa a respeito e muito de material e investimento agrícola se perde como prejuízo.

Os cientistas israelenses esperam corrigir esse grande problema com a ajuda da manipulação genética avançada. Uma equipe de pesquisadores liderada pelo Dr. Shilo Rosenwaser conseguiu modificar geneticamente a planta de batata para que brilhe sob uma câmera fluorescente quando afetada por estresse físico (falta de água, clima frio, falta de luz solar, luz forte etc.).

Os pesquisadores alcançaram a incrível façanha ao introduzir um novo gene nos cloroplastos da planta, ( cloroplastos são estruturas subcelulares que conduzem a fotossíntese) e este gene expressa uma proteína fluorescente em resposta à presença de espécies reativas de oxigênio – moléculas químicas altamente reativas que são produzidas para ajudar a mitigar o estresse. Quanto mais estresse uma planta sofre, quanto mais espécies reativas de oxigênio ela produz, mais forte é seu brilho fluorescente.

Injetar genes que fazem plantas brilharem não são uma novidade. A grande novidade é conseguir fazer um sistema de “leitura” do brilho que funcione como um feedback da saúde geral da planta.

É importante notar que a fluorescência da planta modificada é invisível a olho nu, mas a mudança pode ser observada quando a planta é vista por uma câmera fluorescente especial de alta sensibilidade.

“Fomos capazes de monitorar os sinais de fluorescência emitidos pelos biossensores e notamos o acúmulo de espécies reativas de oxigênio durante as respostas de fase inicial às condições de estresse, como seca, temperatura extrema e luz alta,” Dr. Rosenwaser disse à Alpha Galileo .

Os pesquisadores optaram por se concentrar na humilde batata para seu estudo, pois é uma importante safra alimentar que compreende 40% das exportações de Israel e é muito popular em todo o mundo. No entanto, eles acreditam que a aplicação de biossensores também pode ser expandida para outras culturas importantes, o que pode ajudar a mitigar o problema de quebras de safra devido às mudanças climáticas.

No ano passado, pesquisadores do MIT apresentaram uma planta de agrião bioluminescente criada pela inserção de DNA obtido de cogumelos bioluminescentes na sequência de DNA da planta.

 

 

Receba o melhor do nosso conteúdo

Cadastre-se, é GRÁTIS!

Não fazemos spam! Leia nossa política de privacidade

Philipe Kling David
Philipe Kling Davidhttps://www.philipekling.com
Artista, escritor, formado em Psicologia e interessado em assuntos estranhos e curiosos.

Artigos similares

Comentários

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here

Advertismentspot_img

Últimos artigos