Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on pinterest
Pinterest
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on whatsapp

Chega a ser inacreditável que alguém consiga desenhar tão bem ao ponto de fazer praticamente uma fotografia. Mas este é o caso de Kelvin Okafor. Acredite se quiser, essas imagens que ilustram este post são desenhos detalhados feitos a lápis e carvão pelo talentoso artista britânico.

 

A história de Kelvin é tão curiosa quanto seu talento. Pobre demais para sair de casa e conviver com as demais crianças de sua idade, o talentoso artista passou a maior parte de sua infância e adolescência dentro de casa, aperfeiçoando suas habilidades de desenho. Em vez de festas e boates como os jovens de sua idade, ele metia a cara e desenhava, e agora está colhendo os frutos de tanto empenho. Kelvin cobra entre $ 1.300 a 4.750 dólares por arte comissionada. Alguns de seus melhores retratos já estão sendo vendidos por até 16.000 dólares.
Pode parecer muito dinheiro, mas considerando a qualidade do seu trabalho e da quantidade e tempo e paciência investidas em cada peça, não é caro.

 

Os pais de Kelvin emigraram para a Inglaterra vindos da Nigéria, na esperança de que seus filhos tivessem mais oportunidades. Eles lutaram para criá-lo, além de seu irmão e duas irmãs. Seus pais desde cedo sempre se preocuparam em mostrar que “o trabalho duro compensa”.

“A maioria dos adolescentes queriam experimentar muito com sua vida. Eles têm as suas experiências “, disse o artista de 27 anos de idade ao Daily Mail. “Eu não tenho isso. Mas, para ser honesto, eu não queria de qualquer jeito. Eu estava muito ocupado tentando me concentrar em meu ofício.”

 

Na verdade, ele estava sempre tão absorvido pelo seu trabalho que nem percebeu os motins terríveis que ocorreram mesmo no seu bairro, em 2011. Mas Kelvin também acredita que ele não teria se tornado um artista se não tivesse passado por todas as dificuldades que ele e sua família tiveram de suportar durante sua infância. Quando tinha apenas 11 anos de idade, Kelvin chegou em casa de férias e descobriu que sua família havia sido despejada. Eles não teriam um lugar para morar pelos próximos três anos, de modo que se tornaram nômades. “…De lugar em lugar, de primo para primo.” – Ele diz. – Foi uma luta. É por isso que eu passei muito tempo sozinho, desenhando. Eu não tinha o luxo de sair e gastar dinheiro “explica o artista.





Eu costumo começar com os olhos. De lá, eu faço toda a forma do rosto e eu trabalho no detalhe. Eu desenho em seções. Eu sou destro, então eu trabalho da esquerda para a direita. Depois que eu terminei o olho esquerdo, eu trabalho nas narinas, então o lado esquerdo do rosto, em seguida, os lábios. Eu sempre trabalho nessa ordem. Eu trabalho quatro horas de uma só vez, faço uma pausa de meia hora, trabalho mais quatro a cinco horas, em seguida, uma outra pausa de meia hora. Depois vou trabalhar por tanto tempo quanto puder. Às vezes, eu poderia trabalhar 10 a 15 horas em um dia. Em média, levo de 80 a 100 horas para fazer um retrato. É um trabalho árduo, mas o resultado final é simplesmente de tirar o fôlego.

[box type=”info”] veja mais trabalhos sensacionais do cara aqui. (obs: requer babador!) [/box]

 

 

 

 

As fantásticas ilustrações de Kelvin Okafor

Comments

comments

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on telegram
Telegram

16 ideias sobre “As fantásticas ilustrações de Kelvin Okafor

  • 1 de fevereiro de 2013 em 16:39
    Permalink

    fantástico mesmo…me passou uma força danada os desenhos..

    Resposta
  • 1 de fevereiro de 2013 em 19:37
    Permalink

    Eu me pergunto por que será que nenhum artista da renascença foi capaz de fazer algo remotamente parecido, uma vez que os materiais utilizados (papel, lápis, carvão) já estavam disponíveis.

    Resposta
    • 19 de março de 2013 em 14:54
      Permalink

      O nome do milagre se chama Fotografia. Não havia uma referência imóvel de 15 horas para se ter um estudo de luz tão aprofundado.

      Resposta
    • 2 de fevereiro de 2013 em 9:58
      Permalink

      Hehehe boa pergunta. Ocorre que o mercado de compra e venda de arte é bem parecido com a bolsa de valores. Muita gente compra arte para especular com ela, e isso catapulta certos preços para a estratosfera.

      Resposta
    • 7 de fevereiro de 2013 em 9:16
      Permalink

      Cara eu acho que isso acontece porque o artista ainda esta vivo. Quem sabe depois que ele morrer o valor não chegue a valer milhões também? rsrs…

      Resposta
    • 7 de fevereiro de 2013 em 9:16
      Permalink

      Cara eu acho que isso acontece porque o artista ainda esta vivo. Quem sabe depois que ele morrer o valor não chegue a valer milhões também? rsrs…

      Resposta
    • 8 de fevereiro de 2013 em 23:46
      Permalink

      Me questionei EXATAMENTE a mesma coisa. Um trabalho tão fodástico assim vale meros 16 mil obamis. E aquela porcaria listrada que qualquer imbecil pode fazer é hiper valorizada. Muito injusto…

      Resposta
  • 3 de fevereiro de 2013 em 4:23
    Permalink

    Interessante a pergunta sobre os artistas da Renascença…

    Resposta
  • 4 de fevereiro de 2013 em 21:13
    Permalink

    Se eu consigo renome, e literalmente esfregar bosta no quadro, depois outra faixa de pétalas de flor trituradas, vao me chamar de gênio e valerá milhões …

    quadro branco é o de menos, é barato … XD

    bosta tem de sobra, falta renome … XD

    Resposta
  • 6 de fevereiro de 2013 em 1:18
    Permalink

    De repente me deu uma vontade grande de voltar a desenhar

    Resposta
    • 6 de fevereiro de 2013 em 12:55
      Permalink

      Melhor nao, vc jamais chegara aos pes desse afro descendente, vc é o equivalente ao Monte de Fezes

      Resposta
  • 20 de fevereiro de 2013 em 11:41
    Permalink

    Philipe, esse artista é negro? (só curiosidade, pareceu pela história, e pelo fato d’ele retratar bastante personagens negros)
    Nada contra. O cara e “ninja’!
    Tenho muita noção de desenho e pintura. Pinto e desenho muitississimo bem também mas nunca me profissionalizei nesta área, embora fosse meu grande desejo, segui outros caminhos, por isso tiro-lhe o chapéu.

    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

error: Alerta: Conteúdo protegido !!