Algumas das afirmações mais estranhas

Desde tempos imemoriais, sabe-se que os humanos fazem todo tipo de afirmações estranhas sobre si mesmos. Seja sobre viagens no tempo, avistamentos de fantasmas ou algum superpoder obscuro que eles possuem, é mais do que provável que alguém já tenha reivindicado isso para ganhar popularidade. Mas se você acredita que tais afirmações só podem ser tão estranhas quanto seus sonhos mais loucos, temos novidades para você! Então, aqui estão dez das afirmações mais estranhas e famosas que as pessoas já fizeram na história. (obs: não quer dizer que sejam falsas, são apenas estranhas)

Foo Fighters

Durante a Segunda Guerra Mundial, os pilotos aliados que sobrevoavam a Europa Ocidental alegaram ter visto objetos brilhantes em movimento rápido seguindo suas aeronaves. No início, os Aliados acreditaram que se tratava de OVNIs nazistas, mas logo os pilotos do Eixo também começaram a fazer afirmações semelhantes. As reportagens dos jornais da época referiam-se carinhosamente a esses avistamentos como “Foo Fighters”.
Logo surgiriam até mesmo fotos desses estranhos objetos, quase sempre esféricos, que seguiam os aviões e vaziam manobras estranhas, e que curiosamente, podiam até mesmo ser derrubados! Falei desse caso nesse post aqui.

Os primeiros avistamentos de “foo fighters” ocorreram em Novembro de 1944, quando pilotos noturnos norte-americanos baseados na França alegaram que os seus aviões estavam a ser seguidos por objetos brilhantes.

As descrições das luzes brilhantes frequentemente variavam, mas todos os relatos concordavam que essas luzes seguiriam fielmente uma aeronave até grandes distâncias e em altas velocidades.

Como era tempo de guerra, o governo dos EUA levou estas alegações muito a sério, acreditando que se tratava de uma arma secreta alemã. No entanto, a maioria dos cientistas tendia a descartá-los como ilusões de ótica ou luz refletida pelos cristais de gelo no ar.

No entanto, estas afirmações atraíram a imaginação de milhares de pessoas, e os “Foo Fighters” tornaram-se um dos mistérios não resolvidos mais populares da época, sendo debatidos até hoje, embora se considere amplamente que se trate de uma manifestação de cunho ufológico.

Animais na lua

Num relatório de 1835, um jornal de Nova Iorque, The Sun , afirmou que vários animais, como bisões, unicórnios e castores, tinham sido encontrados na Lua. Esta descoberta foi atribuída a um renomado astrônomo, Sir John Herschel. Mais tarde, quando se provou que este relatório era falso, o incidente foi apelidado de “A Grande Farsa da Lua”.

Em 25 de agosto de 1835, o primeiro de seis artigos anunciando a descoberta de vida na Lua foi publicado pelo jornal americano The Sun. Diz-se que esses artigos foram escritos pelo Dr. Andrew Grant, colega do renomado astrônomo Sir John Herschel.

De acordo com o Dr. Grant, Sir Herschel encontrou evidências de que animais como bisões, unicórnios e castores bípedes que ele pensava que existiam na Lua.

Grant também ofereceu uma descrição vívida da Lua como tendo enormes crateras, grandes cristais de ametista e um ecossistema animado de rios e vegetação. Em setembro de 1835, o The Sun admitiu que o artigo nada mais era do que uma sátira e que o Dr. Andrew Grant era nada mais nada menos que uma figura fictícia inventada pelo autor original. Grande duma fake news, hahahaha

Mais tarde, um repórter do The Sun, Richard Adams Locke, afirmou publicamente que esses artigos eram obra sua, pra dar um gás no jornal.

Viagem no tempo

Em 1911, duas mulheres chamadas Charlotte Anne Moberly e Eleanor Jourdain publicaram um livro chamado An Adventure , onde faziam afirmações sobre viagens no tempo e avistamentos de fantasmas. A dupla afirmou que durante a sua visita ao Palácio de Versalhes, testemunharam o que provavelmente foram os acontecimentos de 10 de agosto de 1792, seis semanas antes da abolição da monarquia francesa.

Em 1901, duas amigas chamadas Charlotte Anne Moberly e Eleanor Jourdain foram de férias para a França, onde alegaram ter tido algumas experiências paranormais no Palácio de Versalhes. Em 1911, publicaram um livro chamado Uma Aventura, no qual detalharam suas experiências durante a visita.

De acordo com este livro, as mulheres se perderam enquanto procuravam o Petit Trianon , um pequeno castelo dentro do palácio, e ficaram chocadas ao encontrar pessoas vestindo trajes do século XVIII. Afirmaram também que, durante o passeio pelos terrenos do palácio, viram os fantasmas do conde de Vaudreuil, um nobre francês, e de Maria Antonieta, a jovem esposa de Luís XVI.

Uma semana depois de voltarem para casa, Moberly e Jourdain discutiram suas experiências e concluíram que o que testemunharam foram provavelmente os acontecimentos de 10 de agosto de 1792. Em 1913, Moberly e Jourdain, sob seus respectivos pseudônimos, haviam vendido 11.000 exemplares de seu livro.

Eu usei o caso delas como um dos exemplos que o professor G. Finney encontrou para fundamentar sua obra – que no caso ensina Richard Colier a viajar no tempo no filme “em algum lugar do passado”. (sim, eu escrevi o livro do velho professor que aparece no filme. 300 páginas de maluquices teóricas para viajar no tempo usando a mente – apenas porque sou retardado. )

A grande fuga dos animais do zoológico

O New York Herald , na década de 1870, publicou um artigo afirmando que tinha havido uma fuga em massa de animais do Zoológico de Nova Iorque, matando inúmeras pessoas. Ao final da matéria, o autor afirmou que a notícia foi fabricada apenas para chamar a atenção para a falta de medidas de segurança no zoológico. No entanto, o jornal foi criticado por incitar o pânico desnecessário entre os seus leitores.

O New York Herald foi um dos jornais americanos mais populares da década de 1870. Em novembro de 1874, foi gravemente criticado por relatar que houve uma fuga em massa de animais do Zoológico de Nova York.

De acordo com este relatório, vários animais fugiram do zoológico e assolaram toda a cidade. Afirmou também que todo o incidente tinha sido “um carnaval sangrento e assustador”, com quarenta e nove pessoas mortas e outras duzentas feridas, no melhor estilo do nosso Notícias Populares.

Como esperado, muitos leitores ficaram alarmados com essas afirmações, mas aqueles que leram até o fim foram recebidos por uma nota do autor dizendo que o artigo era uma farsa.

Infelizmente, o estrago já tinha sido feito e, apesar das afirmações do jornal de que estava simplesmente a tentar realçar as fracas medidas de segurança do jardim zoológico, os seus críticos não ficaram nada felizes.

O Irmão Caçula de Jesus

Hong Xiuquan foi um líder revolucionário chinês que afirmava ser o irmão mais novo de Jesus Cristo. Na década de 1850, usando suas reivindicações de divindade, Xiuquan comandou uma revolta religiosa e política na China e estabeleceu o Reino Celestial de Taiping. No entanto, com sua morte em 1864, este reino logo caiu nas mãos de seus oponentes.

Hong Xiuquan era um cristão protestante chinês que acreditava ser o segundo filho de Deus e irmão de Jesus Cristo. Em 1837, quando Xiuquan adoeceu gravemente e ficou acamado durante dias, ele afirmou ter tido visões de um “pai” e de um “irmão” que o ajudariam a livrar o seu país dos seus males.

Mais tarde, quando um parente o apresentou à literatura cristã, Xiuquan convenceu-se de que o pai em suas visões era o Deus cristão e que o irmão era Jesus Cristo. Em suas visões, Xiuquan também afirmou que havia ascendido ao céu e recebido o título de “Rei Celestial” – nooossa, mas que conveniente, não é mesmo?

Encorajado por estas crenças, em 1850, Xiuquan liderou uma rebelião contra a poderosa Dinastia Qing, quase derrubando-a. Em 1851, Xiuquan estabeleceu com sucesso o Reino Celestial de Taiping e proclamou-se seu Rei Celestial. Felizmente, após a morte de Xiuquan em 1864, esta rebelião chegou a um fim rápido.

Ela paria coelhos

Em 1726, uma mulher britânica chamada Mary Toft tornou-se objeto de grande controvérsia quando afirmou ter dado à luz coelhos. Toft afirmou que depois que sua gravidez inicial terminou em aborto espontâneo, ela começou a dar à luz partes de corpos de animais. Após uma investigação mais aprofundada, no entanto, suas alegações foram consideradas uma farsa.

Em 27 de setembro de 1726, um mês depois de ter abortado a gravidez inicial, Mary Toft entrou em trabalho de parto e deu à luz algo parecido com um gato sem fígado.

Ela foi assistida por sua mãe, Anna Toft, que rapidamente ligou para o obstetra de Guildford, John Howard, para obter ajuda. Sob os cuidados do médico, Toft entregou mais partes de animais, incluindo uma perna de gato, uma cabeça de coelho e nove filhotes de coelhos mortos.

À medida que a notícia da gravidez extraordinária de Toft se espalhava, ela logo foi enviada para Londres para investigações adicionais. No entanto, ela não conseguiu dar à luz mais partes de animais e logo surgiram suspeitas.

Eventualmente, quando as autoridades ameaçaram abri-la para olhar para dentro, Toft foi forçada a admitir que ela havia colocado manualmente as partes do animal dentro dela e as empurrado para fora sob o pretexto de estar gravida de animais.

A chuva de bife

Coisas estranhas caem do céu de vez em quando.
O incidente do banho de carne no Kentucky ocorreu em 1876, quando uma mulher afirmou que enquanto estava lá fora fazendo sabão, alguns pedaços de carne caíram do céu e atingiram o chão. Suas afirmações foram amplamente divulgadas pelos jornais da época e até chamaram a atenção de vários cientistas. No entanto, as razões por trás do incidente ainda permanecem inconclusivas.

A Sra. Crouch, uma agricultora de Kentucky, estava lá fora fazendo sabão em 3 de março de 1876, quando notou pedaços de carne caindo do céu.

Essa tempestade de carne continuou por mais cinco a dez minutos e cobriu uma área de 100 por 50 metros na fazenda Crouch. Alguns vizinhos então se encarregaram de provar os pedaços e declararam que tinham gosto de cordeiro ou carneiro.

Este incidente logo chamou a atenção de cientistas renomados que realizaram inúmeros testes para determinar a natureza dos pedaços de carne. Eles ficaram perplexos ao descobrir que os pedaços lembravam tecido pulmonar de um cavalo ou mesmo de um bebê humano.

Pedaço de carne que caiu do céu nesse dia – Hoje em um museu

Algumas teorias sugeriram que algo pode ter feito com que os abutres voadores vomitassem as suas refeições não digeridas, cobrindo o chão com pedaços de carne. No entanto, ninguém foi capaz de deduzir a causa exata dessa bizarra chuva de carne. Ainda hoje, quase dois séculos depois, ainda não existe uma explicação conclusiva para este acontecimento. Ele tornou a ocorrer em lugares diferentes, e uma das hipóteses pode estar relacionada com outro mistério: A macabra mutilação de gado – algo relacionado com questões da Ufologia. Segundo “titia”, objetos ufológicos capturam gado (mas não só gado, como cavalos, alces, ursos e outros animais selvagens) e os suspendem no céu. Há um MONTE de testemunhas que juram que isso ocorre. Há também animais que são encontrados com marcas de cortes precisos, e partes (normalmente as mesmas) removidas com cortes que parecem cirúrgicos.  Eventualmente,  muitas das carcaças apresentam fraturas, como nos ossos das costelas que indicam que caíram de enorme altura. Há uma corrente dentro da ufologia que conjectura que alguns seres estão pegando esses animais para remover mucosas específicas para experimentos ou mesmo alimentação. O restante da carcaça é então jogada fora. Os pedaços de carne e também as chuvas de sangue,  que normalmente ocorrem espalhados por enormes áreas, poderiam se relacionar com esse descarte em grande altitude.

Alegações ocultistas

Na década de 1930, o movimento religioso “EU SOU” foi fundado como resultado de um encontro sobrenatural. Seu fundador, Guy Ballard, afirmou que durante uma de suas frequentes caminhadas no Monte Shasta, na Califórnia, conheceu um homem que se autodenominava Conde de St. Ballard e sua esposa logo transmitiriam os ensinamentos do conde por meio de suas publicações religiosas.

Guy Ballard era um veterano do exército que se tornou engenheiro de minas e tinha um grande amor pelo ocultismo. Na década de 1930, durante uma de suas caminhadas pelo Monte Shasta, ele afirmou ter conhecido um jovem que se identificou como Conde de St.

De acordo com Ballard, o conde o levou a uma jornada extracorpórea que mudou a maneira como ele via o mundo. A partir desse momento, Ballard e sua esposa, Edna, tornaram-se os autoproclamados anjos do conde e estabeleceram o movimento religioso “EU SOU”.

Após a morte de Guy Ballard, na década de 1940, o grupo enfrentou um pequeno revés quando Edna Ballard e outros membros foram condenados por fraude postal. Seu número começou a diminuir com o tempo e hoje eles existem apenas como um pequeno grupo religioso que opera no Monte Shasta.

A princesa Caraboo

Em abril de 1817, uma mulher chamada Mary Willcocks ganhou notoriedade por afirmar ser a princesa Caraboo da Ilha de Javasu. Ela foi encontrada por um sapateiro na cidade inglesa de Almondsbury, que percebeu que ela estava desorientada e falando uma língua estranha. Willcocks afirmou que ela havia sido sequestrada por piratas e pulou do navio no Canal de Bristol para escapar.

Em 3 de abril de 1817, Mary Willcocks, vestida de Princesa Caraboo, bateu na porta de um sapateiro de Almondsbury, pedindo comida e água. Como ela era uma estranha, o sapateiro hesitou em acolhê-la e entregou-a às autoridades locais. No entanto, o magistrado do condado e sua esposa ficaram comovidos com a situação dela e a acolheram.

Meses depois, um marinheiro português alegou que conseguia entender a estranha língua dela. Com sua ajuda, Willcocks narrou que havia sido sequestrada por piratas e conseguiu escapar saltando no canal de Bristol.

Mas a verdade logo veio à tona quando o zelador da pensão reconheceu Willcocks como a mulher que havia se hospedado com ela alguns meses atrás. Era tudo um puro 171. A essa altura, porém, a esposa do magistrado já gostava de Willcocks e a ajudou a migrar para a América.

Nos sete anos seguintes, ela permaneceu lá e continuou seu papel de Princesa Caraboo, até retornar à Grã-Bretanha.

A farsa do balão

Edgar Allan Poe certa vez publicou uma farsa de jornal chamada “A farsa do balão”. Publicado pela primeira vez no jornal americano The Sun , o artigo de Poe afirmava que um europeu havia completado uma viagem de 75 horas através do Oceano Atlântico em um balão “mais leve que o ar”. Também incluía diagramas, especificações da embarcação e outros detalhes realistas da viagem.

Em 13 de abril de 1844, o jornal americano The Sun publicou um artigo escrito por Edgar Allan Poe, que detalhava a viagem de um balonista europeu através do Oceano Atlântico.

Poe afirmou que o balonista, um homem chamado Monck Mason, realizou um feito incrível ao viajar através do oceano durante 75 horas num balão “mais leve que o ar”. Para tornar o artigo o mais verossímil possível, Poe também incluiu diagramas, especificações da aeronave e outros detalhes da viagem.

Na verdade, Poe era um grande amante de farsas e inventou todos os detalhes da história. No entanto, os leitores do The Sun absorveram esta história fascinante e correram para a redação do jornal para saber mais detalhes.

O The Sun , tendo reconhecido a impressão que sua história causou, publicou discretamente uma retratação dois dias depois, admitindo que a história foi inventada. Mas aí ja tinha vendido jornal pra caramba.

Háááááá! Glu-glu!

 

Receba o melhor do nosso conteúdo

Cadastre-se, é GRÁTIS!

Não fazemos spam! Leia nossa política de privacidade

Philipe Kling David
Philipe Kling Davidhttps://www.philipekling.com
Artista, escritor, formado em Psicologia e interessado em assuntos estranhos e curiosos.

Artigos similares

Comentários

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here

Advertisment

Últimos artigos