A história de um homem sequestrado por fadas

Outro dia esbarrei com uma história tão antiga quanto curiosa, que ao meu ver poderia estar nos arquivos arqueológicos das pesquisas de abdução extraterrestre. TRAta-se da história de um homem que entrou para a história como um caso real de um homem “sequestrado por fadas”. Fadas eram a explicação logica do caso, porque simplesmente, durante os anos 1500, as fadas era o que se havia para culpar.

Este caso, foi minuciosamente registrado por Renvard Saysat, o cronista da cidade de Römerswil, na Suíça.

15 de novembro de 1572.
Fazia frio em Kriesbuhl, uma pequena vila agrícola pitoresca no sopé dos Alpes suíços. Naquele dia, um sábado, Hans Buchmann, um camponês empobrecido, tem uma dívida a pagar. Ele deve dezesseis florins, aproximadamente o equivalente a US$ 600 em dinheiro de hoje, a um credor na cidade mercantil vizinha de Sempach. Hans tem feito muitos empréstimos contra seu pequeno pedaço de terra para fazer face às despesas e sustentar sua família.

Mas não importa quanto Hans peça emprestado, o dinheiro parece sempre desaparecer e sua família continua empobrecida.

Para sua sorte, a safra daquele outono foi bastante lucrativa e ele economizou o dinheiro para pagar seu credor.

Agora, sob a luz do sol da manhã, Hans está se preparando para caminhar os seis quilômetros até Sempach para pagar suas dívidas. Infelizmente, para Hans, a estrada de Kriesbuhl a Sempach é na maior parte subida e através de terreno arborizado, mas em novembro de 1572, embora as temperaturas tenham caído constantemente nos últimos dias, nenhuma neve caiu no sopé dos Alpes suíços.

É uma viagem que deve levar pouco menos de duas horas em cada sentido, mas Hans Buchman não voltará para casa por quase três meses.

Hans se agasalha contra o frio, colocando seu sobretudo de lã e luvas antes de pegar sua bengala e partir. Talvez por vergonha das dívidas que contraiu, ou talvez porque tenha outras intenções inteiramente, Hans sai de casa sem dizer a sua esposa, ou a dois filhos adolescentes, exatamente para onde está indo…

Duas semanas depois, Hans Buchman, sujo e desgrenhado, e sofrendo de uma forte dor de cabeça, acorda e se encontra encolhido contra um muro de pedra em um beco de uma cidade estranha e desconhecida.

Seu chapéu, luvas, sobretudo e bengala não estão à vista e ele está vestido com nada mais do que uma camisa esfarrapada e calças largas. Roupas que não são dele! 

Ele não tem ideia de onde está. Ele corre para a rua perguntando a todos que passam em alemão: “Onde estou? Que cidade é essa?”

Mas ninguém responde. Todo mundo simplesmente passa por esse louco sujo e desleixado, supondo que Buchmann não seja nada mais do que um mendigo estrangeiro bêbado, do tipo que é muito comum nesta cidade cosmopolita do início da era moderna.

É o dia de Santo André, cerca de duas semanas depois de 15 de novembro de 1572 e centenas de homens, mulheres e crianças estão nas ruas, enquanto os sinos das igrejas tocam e chamam os fiéis para a missa.

Hans vê um homem vestido com um uniforme de soldado, não muito diferente daqueles que Hans viu usado por soldados em sua terra natal, Sempach. Este soldado parece ser um homem de autoridade, um dos muitos homens uniformizados e fortemente armados que parecem morar nesta cidade estranha e superlotada.

“Senhor”, Hans grita em alemão enquanto corre até o soldado, “meu nome é Hans Buchmann. Eu estava viajando para minha cidade natal de Sempach, mas imagino ter me perdido. Em nome de Deus, que cidade é essa?”

O soldado responde em alemão perfeito: “- Aqui é Milão… ” Com um olhar desconfiado o soldado completa: “- Você está muito longe de Sempach”.

Milão de 1500

Hans Buchmann, de alguma forma, acabou a mais de 240 quilômetros de casa. Ele partiu, há duas semanas, em uma viagem de duas horas de sua aldeia natal de Kriesbuhl, uma simples caminhada de seis quilômetros que ele havia feito talvez centenas de vezes antes, e acabou do outro lado dos Alpes na Itália, sobre uma viagem de cinco dias de sua aldeia natal.

Ele não tem ideia de como chegou lá.

O soldado que respondeu à pergunta desesperada de Hans é, como se viu, suíço e ele é um dos muitos milhares de mercenários estrangeiros que vêm regularmente a Milão para sustentar as defesas daquela cidade durante as guerras contínuas e intermináveis ​​entre as cidades independentes italianas.

Este soldado, junto com outros soldados suíços ajudam Hans a voltar para casa. Para Hans, a viagem de volta para casa no inverno, sobre passagens de montanhas cobertas de neve, é longa e árdua. Leva semanas para Hans Buchmann cruzar os alpes e chegar a Kriesbuhl. Quando chega à porta de sua casa de fazenda já é a primeira semana de fevereiro de 1573.

Nesse ínterim, os dois filhos de Hans partiram pela mesma trilha terrestre que Hans a caminho de Sempach em busca de seu pai desaparecido. Eles encontraram o casaco, o chapéu, as luvas e a bengala de Hans à beira da estrada na beira de uma floresta fora da cidade, mas ao chegarem a Sempach e perguntarem a tantos moradores quanto puderam encontrar sobre o possível paradeiro de seu pai, não um relatou tê-lo visto em pelo menos duas semanas.

Alguns moradores de Sempach relataram que viram Hans entrar na cidade na tarde de 15 de novembro de 1572 e que ele parou em uma taverna local para tomar uma bebida, mas depois disso, a trilha se perdia.

Durante o século XVI, era comum que as vilas e cidades da Europa central tivessem um cronista local, que registraria os eventos para a posteridade em uma crônica da cidade, que seria mantida nos cartórios da cidade. Parece que quando Hans Buchmann finalmente voltou para casa e contou sua história fantástica de ter acabado, por meios desconhecidos a mais de 150 milhas de distância, em Milão, na Itália, que ele foi questionado por um cronista e um magistrado da cidade alemã vizinha de Rotemburgo.

A história de Hans é tão improvável que, suspeitando de alguma forma de jogo sujo ou subterfúgio por parte do devedor, o magistrado exige uma investigação completa sobre o assunto e solicita que Hans Buchmann se apresente imediatamente na delegacia de Rothenburg.

Sob intenso interrogatório do magistrado, conforme registrado na crônica da cidade de Rothenburg para o ano de 1573, Hans Buchmann admitiu que havia começado sua jornada para Sempach carregando dezesseis florins porque devia o dinheiro a um homem chamado Hans Schiirmann, proprietário de o Romerswill Inn em Sempach. A estalagem está lá até hoje:

Estalagem Sempach Romerswill

Embora o registro histórico não seja claro sobre se Hans Buchmann já declarou explicitamente para que exatamente devia o dinheiro, parece que os dezesseis florins podem ter sido algum tipo de dívida de bebida que ele devia, como uma conta de bar, uma vez que uma pousada do século 16 era mais parecida com uma taverna moderna ou um bar do que uma espécie de hotel.

Hans Buchmann disse que parou na casa de Schirman, mas que Schirman não estava lá, e que, impossibilitado de pagar suas dívidas naquele momento, ele foi a outra pousada local para tomar uma bebida.

É neste ponto que a história de Hans Buchmann começa a ficar um pouco superficial, para dizer o mínimo. Buchmann admitiu ter bebido no dia de seu desaparecimento, mas alegou que não conseguia se lembrar exatamente quanto, embora tenha afirmado ao magistrado que “foi apenas um pouco”.

Ele alegou que deixou a taverna sem nome algumas horas depois, pouco antes do pôr do sol e decidiu voltar para casa imaginando que pagaria sua dívida de volta a Schirman em outra data posterior, quando o proprietário do Romerswill Inn estivesse em casa.

Hans Bruchmann disse ao magistrado e cronista de Rothenburg que a última coisa de que se lembrava enquanto caminhava por uma trilha arborizada nos arredores de Sempach era ouvir um zumbido alto e insistente. Ele disse que se lembrava de olhar para o céu e ver uma luz brilhante enquanto era completamente envolvido por um zumbido como um enxame de abelhas e antes de perder os sentidos se viu levantado para o céu noturno em direção a “uma luz”.

A próxima coisa que Hans disse que conseguia se lembrar foi acordar em um beco em Milão com uma dor de cabeça latejante sem saber que era duas semanas depois e a mais de 200 quilômetros de distância.

Em seu livro sobre folclore europeu em torno da temporada de férias, intitulado The Old Magic of Christmas (Llewellyn Publications 2013), a autora, historiadora e folclorista Linda Raedisch afirma que Hans Buchmann, “quando ele foi atacado pela primeira vez, ele pensou que estava sob ataque por um enxame de abelhas, mas o zumbido então se revelou em um terrível raspar de arcos nas cordas do violino. Não sabemos o que realmente aconteceu com Hans… (Raedisch 12)

Mas a história, em resumo é simples.

Em 15 de novembro de 1572, o fazendeiro Hans Buchmann foi a uma pousada local para pagar sua dívida ao estalajadeiro Hans Schurmann.

Ao chegar ao hotel, Buchmann descobriu que Schurmann tinha saído e decidiu não perder tempo esperando por ele. Aproveitou para resolver negócios na aldeia vizinha de Sempach e retornar posteriormente.

Esta foi a última vez que os moradores o viram, pois Buchmann não voltou para casa nem à noite nem no dia seguinte. Sem sequer imaginar que seu marido estava vivendo uma das mais bizarras situações que uma pessoa pode passar, a esposa de Buchmann enviou dois de seus filhos adultos para procurá-lo, imaginando que talvez o encontrasse caído bêbado pelo mato.

Os jovens vasculharam todas as casas da área do hotel e não encontraram o pai em lugar nenhum. Quando começaram a perguntar às pessoas se alguém o tinha visto, disseram-lhes que tinham visto Buchmann ir em direção à aldeia de Sempach.

Tudo parecia como se alguém tivesse atacado o homem, mas não encontraram nenhum vestígio de sangue nas proximidades e, após uma rápida busca nos arredores, também não encontraram o corpo.

Pensando bem, os filhos de Buchmann sugeriram que seu pai poderia ter sido atacado por seu primo Klaus Bachmann porque os dois eram inimigos há muito tempo. Eles foram às autoridades e relataram o desaparecimento de seu pai e suas coisas encontradas na estrada, bem como suas suspeitas contra o tio.

Klaus Buchmann foi preso e sua casa revistada, mas não encontrou-se qualquer evidência de seu envolvimento no desaparecimento de Hans.

Dias, semanas se passaram, mas a investigação não avançou, ninguém viu Hans Buchmann vivo e seus restos mortais também não foram encontrados.

 

Mas de repente, nada menos que quatro semanas depois, uma bizarra notícia chegou a Römerswil – Hans Buchmann estava vivo e… Em Milão (Itália)!

Provavelmente era o último lugar que sua família poderia imaginar como o lugar onde seu marido e pai desaparecido na Suíça seria encontrado, e ninguém entendia como ele chegou lá e em que circunstâncias.

Em 2 de fevereiro de 1573, Buchmann finalmente conseguiu ir de Milão a Römerswil e voltou para sua família. Todos perceberam que ao chegar na cidade, ele parecia terrível – todo o cabelo de sua cabeça caiu por algum motivo desconhecido, e a própria cabeça estava dolorosamente inchada, como se tivesse sido espancada com força. Sua família ficou chocada ao vê-lo assim.

As autoridades da cidade, que ainda suspeitavam que Hans Buchmann pudesse ter sido morto por seu primo, não ficaram menos surpresas e prontamente chamaram Hans para interrogatório sobre o que havia acontecido com ele. O cronista da cidade Renward Saisat foi uma das testemunhas desse interrogatório.

A história que Hans Buchmann contou acabou sendo muito estranha. Ele disse que chegou em segurança à aldeia de Sempach a partir do hotel, resolveu seus negócios lá e depois sentou-se por um tempo em uma taverna local. Ele assegurou que bebeu bastante e, à noite, partiu.

Enquanto caminhava pela estrada no meio da floresta, começou a ouvir um barulho estranho. A princípio, ele pensou que fosse um grande enxame de abelhas zumbindo, mas depois começou a soar mais como uma música muito incomum. Ele ficou assustado e começou a se sentir desorientado, perdendo a noção de onde estava e o que estava fazendo. 

Em pânico, ele puxou seu sabre, balançando-o cegamente ao seu redor. Enquanto se debatia assim, deixou cair o chapéu, o casaco e as luvas. E então, por algum motivo desconhecido, ele caiu no chão e perdeu a consciência, sentindo no último momento como algo o estava LEVITANDO do chão em direção a UMA LUZ.

Quando voltou a si, estava deitado nas ruas de Milão e, quando soube pelos transeuntes que dia era, descobriu-se que duas semanas já haviam se passado desde aquela noite perto da aldeia de Sempach e ele não fazia ideia do que havia ocorrido no intervalo, (um efeito missing time).

Hans Buchmann sentiu-se muito fraco, sua cabeça não estava apenas inchada, mas muito doente, e ele estava com muita fome, como se na verdade não tivesse comido nada nessas duas semanas.

Porque ele estava em uma cidade que nunca tinha estado antes, e ele não sabia italiano, ele estava em uma situação de quase mendicância. Depois de tentar muita ajuda finalmente conseguiu encontrar um homem que falava um pouco de alemão e o convenceu a ajudá-lo a voltar para casa.

Ao ouvir sua história, as autoridades de Römerswil ficaram bastante céticas, mas concordaram que algo incomum definitivamente havia acontecido com Hans Buchmann na estrada. E assim terminou o  estranho caso deste homem.  Segundo o cronista Renward Saisat, Buchmann poderia ter se tornado vítima de fadas, que, como conta o folclore, às vezes gostam de sequestrar viajantes solitários.

A crônica do caso de Hans Buchmann

Para mim está claro que a história do desaparecimento deste homem se enquadra claramente num “modelo” de caso de abdução com posterior desova da vitima em outro lugar como já ocorreu em diversos casos, inclusive no Brasil. Provavelmente ele foi exposto a uma alta dose de radiação que fez com que seu cabelo caísse e seria responsável por sua má condição física. Ele também parece, conforme o relato de Renward Saisat, como tendo algum tipo de sequela neurológica que pode ter disparado um sinal de fome, talvez produto de uma ansiedade brutal que se instalou após a experiência, como num stress pós-traumático.
Um outro detalhe que chama a atenção é que Hans percebeu que havia sido “devolvido” sem suas roupas. Certamente isso pode indicar um efeito da “hipótese da incompetência extraterrestre”. Essa hipótese nos conta que nós os seres humanos e nossas idiossincrasias,  somos tão desprezíveis enquanto cobaias que sequer os alienígenas se preocupam em devolver a vitima de modo correto e preciso. Assim, não é exatamente raro que abduzidos acordarem usando sapatos nos pés errados, roupas que não são suas, ou roupas ao avesso, como com a cueca virada para trás, mas as de outro abduzido, joias desconhecidas, relógio no braço errado, etc.

Outra coisa que chama atenção é como este homem foi parar a 200km de distância (em linha reta) atravessando os alpes sem trajes apropriados nem provisões. Um caso tão curioso quanto intrigante.

Zumbido, barulho e luzes indicariam, talvez, a existência de algum tipo de nave, ou motor, algo que teria sido completamente desconhecido para um camponês dos Alpes suíços no ano de 1572.

Também é interessante notar que o céu noturno estava extremamente ativo com intrigantes fenômenos celestes na época do suposto desaparecimento de Hans Buchmann. De fato, apenas quatro dias antes, em 11 de novembro de 1572, o astrônomo dinamarquês Tycho Brahe havia se tornado a primeira pessoa na história a testemunhar uma supernova. Brahe, usando instrumentos astronômicos rudimentares, observou e registrou uma enorme explosão no céu noturno, o que ele erroneamente considerou o “nascimento” de uma nova estrela na constelação de Cassiopeia. Na realidade, o que Brahe tinha visto, praticamente a olho nu, era a morte de uma estrela, uma explosão tão enorme que poderia ser facilmente vista a bilhões de anos-luz de distância. O tipo de evento celestial que teria sido facilmente visível para qualquer civilização extraterrestre em qualquer lugar da nossa galáxia.

Então, com toda essa conversa de luzes brilhantes, zumbidos e estrelas explodindo no espaço sideral, foi Hans Bruchmann a vítima desavisada da primeira abdução alienígena registrada da história?

Talvez, mas talvez não.

Em seu livro, a historiadora e folclorista Raedisch admite prontamente: “Nós realmente não sabemos o que aconteceu com Hans… (Raedisch 12)

Se sua dívida fosse de fato uma dívida de bebida, ou se ele nunca tivesse dinheiro para pagar a dívida em primeiro lugar, talvez ele apenas convenientemente decidisse desaparecer e depois retornar uma vez que supôs que o tempo suficiente para permitir ele para inventar uma história de capa fantasiosa e protegê-lo da prisão do devedor.

Talvez, Hans Buchmann simplesmente tenha passado duas semanas bebendo e vagou para Milão, ou talvez, apenas talvez ele tenha acabado tão longe de casa por meios sobrenaturais.

Hans Buchmann pode ter sido a primeira vítima documentada de abdução alienígena da história, ou ele pode simplesmente ter sido um homem cheio de vergonha, que tentou esconder a verdade sobre suas dívidas e seu vício de sua família.

A história nunca saberá com certeza…

 

Receba o melhor do nosso conteúdo

Cadastre-se, é GRÁTIS!

Não fazemos spam! Leia nossa política de privacidade

Philipe Kling David
Philipe Kling Davidhttps://www.philipekling.com
Artista, escritor, formado em Psicologia e interessado em assuntos estranhos e curiosos.

Artigos similares

Comentários

  1. Que história bizarra Phil.

    O curioso é que o sobrenome do tal Hans é o mesmo que o meu.
    Porém meus antepassados vieram da Alemanha.
    Abraço.

  2. Um verdadeiro caso de sequestro por alienígenas. Muito semelhante a um muito conhecido caso brasileiro, envolvendo o Sr. Onilson Pátero, que nos idos de 1974 foi sequestrado por seres de um UFO, numa rodovia no interior do Estado de Sao Paulo (regiao de Marília/SP), sendo posteriormente libertado a mais de 1.400 Km de distancia, no alto de um morro de uma fazenda no município de Colatina/ES, e nada menos do que seis dias após ser abduzido…

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here

Advertisment

Últimos artigos