Rosemary Jacobs – A mulher que ficou prateada

Sharing is caring!

Aqui está mais um curioso caso. Trata-se da história de Rosemary Jacobs, a mulher que ficou prateada. Sério mesmo. Olha aí a foto!

Rosemary-Jacobs-argyria-550x330

Hoje com 71 anos, Rosemary Jacobs conta que convive com sua estranha condição de ter a pele prateada nos últimos 60 anos.

Como ela ficou prateada?

Aos 11 anos, Rosemary desenvolveu uma doença rara chamada argíria – que é causada pela exposição a formas químicas do elemento prata. A Argíria faz a pele ficar azul ou cinza-azulada. Lembra do homem que ficou azul? É a mesma doença.

Veja o caso do homem que ficou azul
Veja o caso do homem que ficou azul

No caso de Rosemary, a exposição ocorreu a partir de gotas de um remédio de aplicação nasal que continha prata coloidal.

Não é fácil mudar de cor. Todo mundo zoa.

Rosemary quando ainda era normal
Rosemary quando ainda era normal

Você só consegue ver a cor da pele mudar bruscamente nos desenhos animados, mas, no caso dela, era uma condição real e irreversível. Assim, Rosemary teve que viver uma vida de estigma por causa disso. Claro, a pele não muda de cor de uma hora para outra. Na verdade, ela só foi diagnosticada com argíria quatro anos após ela começar a usar a medicação.

Rosemary, hoje professora de espanhol aposentada em Vermont, EUA, contou como tudo começou:

“Quando eu tinha 11 anos, minha mãe mencionou para um otorrinolaringologista que eu sempre tinha resfriados. Ele me disse que aquilo parecia ser uma alergia e receitou essas gotas nasais que continham prata, recomendando que eu usasse “conforme necessário”.

Assim, Rosemary fez o que lhe foi dito, usando as gotas cada vez que ela tinha o nariz entupido.

No início, ela não conseguia notar qualquer diferença na pele. “A mudança na minha cor era tão lenta, eu não percebi. Nem minha família e amigos não perceberam, porque me viam todos os dias”, disse ela.

Uma enfermeira finalmente viu a diferença de cor e Rosemary foi a uma consulta com o dermatologista. A biópsia da pele revelou que havia partículas de prata ligados profundamente sob a pele. Infelizmente, não havia cura para argíria na década de 1950, e já era tarde demais para reverter os efeitos só com a interrupção da droga.

 “Eles me disseram que a cor era permanente. Foi devastador “.

Rosemary desejou ser normal durante toda sua vida. Ela foi vítima de discriminação e comentários cruéis por muito tempo.

Algumas pessoas achavam que ela tinha uma doença contagiosa e faziam de tudo para evitá-la.

 “As pessoas apontam e olham, me xingando e me dizendo para tirar minha “maquiagem do Dia das Bruxas”. Já teve gente dizendo que eu pareço com os zumbis do The Walking Dead.”

Muitos empregadores se recusaram a contratá-la por causa de sua aparência. “É muito doloroso. Apesar de eu ter sido assim por tanto tempo, eu ainda me esforço para parecer normal “, disse ela. Um de seus momentos mais embaraçosos foi quando uma comissária de bordo em um avião tentou dar-lhe oxigênio, pensando que ela estava com alguma doença na altitude.

Ser prateada não é fácil!
Ser prateada não é fácil!

Ao longo dos anos, vários tratamentos foram tentados, todos com muito pouco sucesso.

Aos 36 anos, Rosemary optou por passar por uma dermoabrasão da pele – um procedimento para remover a camada superficial da pele, deixando-a vermelha como um bife. Os médicos não tinham certeza se ele iria curar a doença, mas ela estava disposta a arriscar.

O que é a argíria?

Argiria resulta de um contato prolongado com, ou ingestão da prata. Isso ocorre quando a prata se acumula no organismo, deixando a coloração da pele com uma cor azulada. A condição é mais comumente vista em trabalhadores envolvidos na mineração de prata, o refino ou a fabricação de itens de prata. Casos também foram atribuídos a tomar suplementos de prata coloidal e procedimentos cirúrgicos que envolvem o uso de suturas de prata. A condição é muito rara e não costuma causar outros sintomas. Fonte: Medscape

“A dermoabrasão não doeu nada”, disse ela. “A pele só parecia horrível por um tempo depois. Demorou cerca de seis meses para saber como que a cor final seria. Infelizmente, quando sua pele se recuperou, voltou com partes rosas e outras prateadas. “Eu não acho que eu fiquei muito melhor”, disse ela.

Rosemary, que nunca namorou ou teve qualquer relação conjugal por ser estranha, agora investe todo o seu tempo para espalhar a consciência dos perigos de tomar suplementos e medicamentos que contêm prata. Ela acredita que o número de suplementos dietéticos que contêm prata tem aumentado e que eles deveriam conter nos rótulos a advertência sobre a argíria.

Fonte fonte

Ufos,mistérios,curiosidades e muito mais
Luminária Ufo

14 comentários em “Rosemary Jacobs – A mulher que ficou prateada”

  1. Será que dá certo com cobre? Pra ficar verde… Não tem outros efeitos mesmo? O fígado e os rins não acabam afetados? De qualquer maneira, se algum dia eu tiver que lutar contra um lobisomem, já sei pra quem vou pedir cobertura.

    Responder
  2. o homem azul esta doença porque tomava um composto de prata feito em casa que consistia em uma altíssima concentração de prata iônica. Como muitas pessoas ainda hoje, ele achava que estava fazendo prata coloidal. Ele não estava fazendo prata coloidal. Além disso, para deixar a solução ainda mais perigosa, ele adicionava sal e, então, através de eletrólise ele produzia cloreto de prata concentrado com partículas muito grandes, esta solução sabidamente causa argiria. Para piorar as coisas, Paul Karanson não apenas tomava doses elevadas deste perigoso composto, ele tambem a passava no corpo todo e, então, deitava ao sol para “fixar” o cloreto de prata ao seu corpo. Nos dias sem sol, ele ia se “bronzear” com o perigoso composto em câmaras de bronzeamento artificial.

    Responder
  3. O relato dela é MUITO triste mesmo, eu sou deficiente e entendo bem o que ela falou. Mas a “piada” sobre lobisomem me deu ideia pra um conto de terror com um caçador argírico de lobisomens 😛

    Responder
  4. Fico muito de cara com essas coisas de “foi vítima de discriminação e comentários cruéis por muito tempo”. Pelo amor, é uma doença, ela não tem culpa e as pessoas só conseguem pensar se vai contagiá-las. Santa ignorância.

    Responder
  5. e bem sabido que o uso da colloidal silver ou seja prata coloidal simbolo ag e toxico para o corpo humano exposto prolongadamente causando doenças como argyria ou cyanose que a falta de oxigenação do sangue por metais pesados como a prata . esta provado e verdade seja o caso do homen azul paul karanson inclusive morreu

    Responder

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Rosemary Jacobs - A mulher que ficou prateada

Apoie este projeto

Criar este website não é uma tarefa fácil. Mais de 5000 artigos, mais de 100.000 comentários e conteúdo próprio, demandam muito trabalho. Saiba como você pode ajudar a manter o Mundo Gump cada vez melhor e evitar que ESTE SITE ACABE
Ajuda aí?
MUNDO GUMP – © 2006 – 2020 – Todos os direitos reservados.