Opala, o mineral que não é um cristal.

 

Você cava o buraco e dá uma olhada lá pra dentro. O que você vê parece saído de um filme de sci-fi (malfeito) dos anos 50:

Opala, o mineral que não é um cristal.

Será o cocô fossilizado de um unicórnio?

Não. Trata-se da Opala. Curiosamente, esse mineralóide, como é chamado, só é encontrado com qualidade em dois lugares do mundo: Austrália e… Piauí! Isso mesmo, aqui no Brasil, na cidade de Pedro II está uma das maiores e mais importantes jazidas de Opala (claro que existem outras jazidas e Opala no mundo, sobretudo na África) da Terra.

Segundo a wikipedia:

O mineralóide Opala é sílica amorfa hidratada. Neste material, o percentual de água pode chegar a 20%. Por ser amorfo, ele não tem formato de cristal, ocorrendo em veios irregulares, massas, e nódulos. Tem a fratura conchoidal, brilho vítreo, dureza na escala de Mohs de 5,5-6,6, gravidade específica 2,1-2,3, e uma cor altamente variável. A opala pode ser branca, incolor, azul-leitosa, cinza, vermelha, amarela, verde, marrom e preta. Frequentemente muitas dessas cores podem ser vistas simultaneamente, em decorrência de interferência e difração da luz que passa por aberturas regularmente arranjadas dentro do microestructura do opala, fenômeno conhecido como jogo de cores ou difração de Bragg. A estrutura da opala é formada por esferas de cristobalita ou de sílica amorfa, regularmente dispostas, entre as quais há água, ar ou geis de sílica. Quando as esferas têm o mesmo tamanho e um diâmetro semelhante ao comprimento de onda das radiações da luz visível, ocorre difração da luz e surge o jogo de cores da opala nobre. Se as esferas variam de tamanho, não há difração e tem-se a opala comum. O termo opalescência é usado geral e erroneamente para descrever este fenômeno original e bonito, que é o jogo da cores. Na verdade, opalescência é o que mostra opala leitosa, de aparência turva ou opala do potch, sem jogo de cores. As veias de opala que mostram jogo de cores são frequentemente muito finas, e isso leva à necessidade de lapidar a pedra de modos incomuns. Um doublet de opala é uma camada fina de opala colorida sobre um material escuro como basalto ou obsidiana. A base mais escura ressalta o jogo de cores, resultando numa aparência mais atraente do que um potch mais claro. O triplet de opala é obtido com uma base escura e com um revestimento protetor de quartzo incolor (cristal de rocha), útil por ser a opala relativamente delicada. Dada a textura das opalas, pode ser difícil obter um brilho razoável. As variedades de opala que mostram jogo de cores, as opalas preciosas, recebem diversos nomes; do mesmo modo, há vários tipos de opala comum, tais como: opala leitosa (um azulado leitoso a esverdeado); opala resina (amarelo-mel com um bilho resinoso); opala madeira (formada pela substituição da madeira com opala); Menilite (marrom ou cinza) e hialite, uma rara opala incolor chamada às vezes Vidro de Müller. A opala é um gel que é depositado em temperatura relativamente baixa em fissuras de quase todo tipo de rocha, geralmente sendo encontrado nas formações ferro-manganesíferas, arenito, e basalto. Pode se formar também em outros tipos de materiais, como nós de bambus. A palavra opala vem do sânscrito upala, do grego opallos e do latim opalus, significando “pedra preciosa.” A opala é um dos minerais que podem formar fósseis, por substituição. Os fósseis resultantes, embora possam não ser especialmente valiosos do ponto de vista científico, atraem colecionadores por sua beleza. A maior parte da opala produzida no mundo (98%) vem da Austrália. A cidade de Coober Pedy, em particular, é uma das principais fontes. As variedades terra comum, água, geléia, e opala de fogo são encontradas na maior parte no México e Mesoamérica. Existem opalas sintéticas, que estão disponíveis experimental e comercialmente. O material resultante é distinguível da opala natural por sua regularidade; sob ampliação, as áreas com diferentes cores são arranjadas em forma de “pele de lagarto” ou padrão “chicken wire”. As opalas sintéticas são distinguidas das naturais mais pela falta de fluorescência sob luz UV. São também geralmente de densidade mais baixa e frequentemente mais porosas. Dois notáveis produtores do opala sintética são as companhias Kyocera e Inamori do Japão. A maioria das opalas chamadas sintéticas, entretanto, são denominadas mais corretamente de imitações, porque contêm substâncias não encontradas na opala natural (por exemplo, estabilizadores plásticos). As opalas Gilson vistas frequentemente em jóias vintage são, na realidade, um vidro laminado. fonte

Dá uma olhada na beleza desse material sensacional:

Opala, o mineral que não é um cristal.

 

Esta é uma amostra de opala assim que é escavada numa jazida asutraliana.

Opala, o mineral que não é um cristal.

 

Então as amostras são ensacadas em estado bruto e enviadas para lavagem e posterior lapidação. É aqui que a verdadeira  “mágica” acontece. 

 

Opala, o mineral que não é um cristal.

 

É após a lapidação que o material passa a ser vendido para os artistas que farão jóias com ele.

Opala, o mineral que não é um cristal.

Algumas opalas bem legais:

 

Opala, o mineral que não é um cristal.

Opala, o mineral que não é um cristal.

Opala, o mineral que não é um cristal.

 

Opala, o mineral que não é um cristal.

Opala, o mineral que não é um cristal.

Opala, o mineral que não é um cristal.

Opala, o mineral que não é um cristal.

 

Opala, o mineral que não é um cristal.

Opala, o mineral que não é um cristal.

 

Os aborígines da Austrália têm uma lenda. Eles dizem que o Criador veio para a Terra em um arco-íris para dar uma mensagem de paz para toda a humanidade. O lugar onde o pé do Criador tocou a terra era repleto de rochas e tornou-se vivo, começou a brilhar em todas as cores do arco-íris. E é assim que Opalas foram criadas.

Talvez isso explique porque o nome Opala é derivado da palavra sânscrita “upala”, que significa “pedra preciosa”. Esta provavelmente é a raiz da palavra para o termo grego “opallios”, que se traduz como “mudança de cor”. Até 1920 as Opalas eram bastante incomuns. Antes da descoberta da jazida da Austrália de 1849, as únicas fontes de opala eram o Brasil e a Hungria. Quando as Opalas australianas surgiram, elas eram tão espetaculares e sua diferença foi tão marcante que os donos das minas na Hungria espalharam o boato que opalas australianas não eram opalas reais.

Opala, o mineral que não é um cristal.

Graças ao boato, a opala australiana não apareceu no mercado mundial até 1890. Ninguém comprava porque acreditaram nos boatos.

Por muito tempo ninguém sabia porque as opalas da Austrália eram tão lindas. Na década de 1960 uma equipe de cientistas australianos analisaram as amostras de Opalas com um microscópio eletrônico. Eles descobriram que pequenas esferas de gel de sílica produziam interferência na passagem da luz, causando as incríveis refrações, que são responsáveis ??pelo jogo fantástico de cores dentro do material.

Em outras palavras, como a opala é formada de sílica, ela deixa a luz atravessar, e é essa entrada de luz e consequente divisão dela em micro-prismas, que dá às Opalas sua cor.

Entre as diversas formas de opala existente, (há as mais transparentes, as leitosas, as esverdeadas, é uma quantidade enorme de variações) estão as Opalas negras.
Opala, o mineral que não é um cristal.

Opala, o mineral que não é um cristal.

Opala, o mineral que não é um cristal.

 

 

A opala negra é a mais rara e valiosa de todas as opalas. Estas gemas sempre tem a cor de fundo escura, que contrasta lindamente com os brilhos multicoloridos naturais da Opala.

Quanto mais brilhante e mais nítidas as cores contrastantes, o mais valiosa a amostra de Opala negra.

A opala negra é rara, ao ponto de algumas pessoas colecionadoras de gemas a considerarem como “o Santo Graal da Opalas”.

Por sua inacreditável variação visual e beleza, as opalas são muito usadas para a produção de jóias. Algumas opalas de jazidas no México, chamadas Opalas de fogo,  são tão sensacionais que lembram até rubis:

Opala, o mineral que não é um cristal.

Há também a opala azul peruana, que é a pedra nacional do Peru. Eles dizem que ela tem a cor do mar do Caribe.

Opala, o mineral que não é um cristal.

 

Related Post

16 comentários em “Opala, o mineral que não é um cristal.”

  1. Que pedras lindas, adoraria que acontecesse uma coincidência de achar opala no lugar onde meu pai guarda as ferramentas dele, já que o chão lé não é de concreto hehehehehehehehehe, muito difícil acontecer.

  2. Olá Philipe, parabéns pelo artigo! Eu tenho algumas opalas que ganhei de um colecionador que conheci em Teresina, no Piauí. Realmente elas são muito lindas e geralmente, para realçar a opalescência, são lapidadas com uma parte do fundo rochoso ou coladas com casca de Tucum, um tipo de coquinho da região de Pedro II.
    Outro mineral muito bonito e que apresenta o jogo das cores, também chamado de iridescência, é a labradorita. Fica a dica para uma próxima postagem! 😉

  3. Sensacional. Essa é a pedra (preciosa) mais bonita do planeta, pela sua exuberancias de cores. Só não é a mais cara porque os entendidos neste assuntos, consideram a “dureza”, pureza, tipo de cristalização e consequente longevidade dos materiais para classificá-los quanto ao VALOR comercial! MAS QUE É DE LONGE A MAIS BONITA, ISSO É!

  4. eu tenho uma opala pequenininha dum cordão que minha mãe me deu. Pequena, porque mama não gosta de coisas chamativas
    como essa bela opala que mais parece caca de unicórnio, como você mesmo disse.
    Parabéns (não vou parar de falar parabéns tão cedo)!
    Adorei a matéria, gosto de saber sobre, humm, esse tipo de coisa.

  5. a opala sintética tem nome comercial de ''opalina'' e equivocadamente tbm chamada de ''pedra da lua'', praticamente todos acham que ela é natural, eu que trabalho com pedras tomo cuidado em comentar que ela é uma pedra comercial… porem mesmo assim, é uma bela ''pedra'', ja que as opalas verdadeiras tem valor muito elevado!

  6. tenho varias pedras de cor grandes e cada uma com a sua cor mas nao sei se valem alguma coisa …. Gostaria imenso de saber se tem valor as pedras ou nao deixo aqui o meu contacto. 911045569

  7. Gostei tenho pedras azuis brancas na minha propriedade rural em goiás até de kg elas da uma luz alaranjada dentro que bate a luz do Sol. E não sei o que é seu valor umas pessoas fala em opala ou paulina está e a dúvida você sabe quem pode me informa o que é na realidade e de tem comércio tenho muito meu whatsap 62 9317-8436

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

shares