O bizarro caso de Will West

A menos que você seja um estudante da História da Papiloscopia, você não deve saber quem diabos é Will West. Aliás, talvez você nem imagine que diabos seja Papiloscopia, hahaha.

Bom, basicamente, olhe para a foto abaixo. Esses dois caras são muito, muito parecidos, né?  Um deles é Will West. Você sabe dizer qual?

db65fa2fbb7ceb19139261e17b22b31c (1)

 

Se você disse “os dois” acertou!

Will foi acusado de um crime, e foi condenado. O problema é que na cadeia, já havia um cara, chamado Will West (sério!) e o tal “duplo” dele, era absurdamente igual a ele em altura, aparência, cor… Em tudo. E o mais doido: eles NÃO ERAM GÊMEOS!  Eles nem mesmo se conheciam.  Eu sei. É Gump pra dedéu!

Will West
Will West

O homem acima foi chamado Will West, e o cara ao seu lado era William West, e ambos foram condenados à prisão na Penitenciária Leavenworth no Kansas há mais de 100 anos atrás. A chegada de Will West em 1903 fez com que o funcionário registros na prisão ficasse – compreensivelmente – maluquinho. Imediatamente ele pensou que Will tinha fugido sem ninguém notar, pois ele sabia que o tal Will estava preso. O funcionário perguntou a Will se ele já havia sido preso. Will respondeu que não.

McClaughry em seguida, resolveu seguir o método de Bertillon – um método de obtenção de medidas criado para identificação humana. O método foi batizado como uma homenagem ao policial francês Alphonse Bertillon.

McClaughry, ainda estava convencido de que o homem diante dele já tinha sido preso. Então ele vasculhou os arquivos da prisão em busca do nome. Foi quando ele encontrou um William West – que era idêntico ao Will West diante dele, nas fotografias e em todos os aspectos. Pra piorar, eles ainda compartilhavam as mesmas medidas de Bertillon.

Mas Will West, igualmente confuso, insistiu para McClaughry que aquele sujeito não era ele:
-Olha moço, essa é a minha imagem, mas eu não sei onde nem como você conseguiu isso. Só seio que eu nunca estive aqui antes. – Disse o preso.

Will West
O outro Will West

Para o choque de McClaughry, aquele homem estava absolutamente certo. William West era uma pessoa completamente diferente e, de fato, tinha sido enviado para a prisão numa pena de dois anos por acusação de homicídio.
O caso Will West destacou as falhas no método de Bertillon e não demorou muito para que as autoridades norte-americanas se voltassem para outro método: A impressão digital.

O pioneiro na técnica, chamada papiloscopia, que se trata de análise das impressões digitais afim de identificar pessoas, foi o sargento da Scotland Yard. John K. Ferrier, que conheceu McClaughry na Feira Mundial em 1904, enquanto ele estava guardando as jóias da Coroa, que estavam em turnê.

Ele disse ao funcionário da prisão dos Estados Unidos como a Scotland Yard estava usando impressões digitais para os últimos três anos e o “converteu” de sua precisão. McClaughry que ja havia passado pelo problema Will West viu de imediato que ali estava uma grande solução para a identificação criminal e civil. Assim, após aprender tudo que podia sobre as técnicas, de papiloscopia, ele introduziu o método na prisão de Leavenworth.
O primeiro grande arquivo nacional de digitais da América seria criada logo depois.

O uso de impressões digitais com a finalidade específica de segmentar pessoas de forma sistemática, começou  em 1858 com Sir William James Herschel, magistrado chefe do distrito Hooghly em Jungipoor, Índia, que pediu moradores locais que carimbassem os seus contratos comerciais com as palmas das mãos.
No entanto, ele fez isso mais como um palpite de que seria uma boa maneira de identificar alguém, porque até então, não se conhecia a ciência por trás da análise das digitais. Até hoje não foi encontrado nenhum caso com duas pessoas com o mesmo conjunto de minúcias de impressão digital.

fonte

Related Post

15 comentários em “O bizarro caso de Will West”

  1. Kra, acho q a chance de uma coisa dessas acontecer eh de 0,00000000000000000000001%…

    deveriam ter feito algum exame de parentesco.. pq sinceramente, será msm q não eram gêmeos Philipe? qual a explicação lógica da ciência pra esses casos? como podem 2 seres humanos se parecerem tanto e terem o mesmo nome? coincidência? só isso??

    será q houveram outros casos? c devia fazer uma matéria assim se de fato houveram outros..

    d qquer maneira, parabéns por essa..
    show

    • Suspeito que sim, seja coincidência. Existem muitas pessoas que são sósias perfeitos. Nesse caso a coincidência ganha contornos surreais pelos dois terem inclusive o mesmo nome e sobrenome.

      • Talvez só tenha faltado comentar que o tal “método de Bertillon” também é conhecido como Antropometria, que tem por base tirar medidas da pessoa como largura, altura, comprimento dos braços, pernas, etc. O método foi muito difundido até que ocorreu este problema com o West.

      • Mudei da cidade onde vivi 25 anos, para outro estado. Quando voltei após 10 anos, tive que provar que eu estava vivo. Alguém morreu sem documentos e esse cadáver foi identificado como sendo meu, por várias pessoas!

  2. Philip, bem bacana o texto. Um relato particular: A pele dos meus dedos das mãos não tem as digitais. Eu sofro desde pequeno com uma dermatite que não sara nem com corticosteróides muito potentes. Meus dedos racham e sangram. Já passei com vários dermatologistas. Meu RG tem só uma mancha cinza. Eu não consigo usar caixas eletrônicos com biometria – tive que pedir para o gerente da conta desligar a biometria pra mim – e provavelmente vou ter problemas para votar nas próximas eleições com a urna biométrica. É bem chato.

  3. Eu tenho uma teoria que é a seguinte: a natureza é preguiçosa quanto a fenótipos. A probababilidade de em alguma parte do mundo ter uma pessoa com o meu rosto é bem grande. Qualquer pessoa que se torne famosa ou poderosa facilmente consegue sósias perfeitos. Não é por acaso. Kkkkkkkkkkk.

  4. fiz esse gif para mostrar as pequenas diferenças dos dois (caso alguém venha com a teoria de que seja a mesma pessoa e mesma foto), o perfil é praticamente o mesmo! Apenas as orelhas são diferentes e a entrada do cabelo na testa.

    https://31.media.tumblr.com/a85feada485503d7755f14a86a728f8c/tumblr_nebld950Yx1qbfo61o1_500.gif

    Nota rápida: trabalho com diagramação de revista, e logo que entrei na agência, cerca de 7 anos atrás, na sala de espera tinha umas revistas para as pessoas sentarem e lerem enquanto aguardavam para serem atendidas. Uma vez um colega de trabalho me disse que tinha em uma capa, uma moça bem parecida comigo e fui conferir. A altura e o corte de cabelo era idêntico! Que medo! Pena que era nova da agência e fiquei com vergonha de pedir a revista para mim 🙁

    • Eu tenho uma sósia, e mora não muito distante , aqui na grande Porto Alegre. Logo que vim morar aqui, uma pessoa disse que já me conhecia, então lhe disse que fazia poucos dias que havia chegado. Uns 15 anos depois, um colega me perguntou se eu tinha uma irmã ?! Respondi que não, pois sou somente eu de mulher, só tenho irmãos. Ele me disse que a pessoa era a minha cara, estatura, cabelo e corpo. Fico impressionada até hoje. Mas a respeito do caso acima, dos Will ,acho que naquele tempo tudo acontecia. E pensei que poderiam ser gêmeos, pois por serem negros, sabemos das dificuldades e atrocidades da época. A mãe pode ter morrido, ou separados por algum motivo. E, ou, apenas sósias.

  5. Parabéns! Adoro esses fatos intrigantes. No meu caso tbm seu por duas pessoas diferentes e em épocas diferentes da minha vida que tenho uma sósia. Mas não a conheço. Pelo que me falaram, é outra eu. Kkk. Obrigada pela ótima postagem.

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

shares