MIT descobre jeito de fazer as plantas brilharem no escuro

Os pesquisadores do MIT fizeram um avanço importante em sua busca para tornar as plantas que brilham no escuro uma realidade. No que eles chamam de “Plant Nanobionics”, os engenheiros incorporaram nanopartículas nas folhas de uma mudinha de agrião que fez com que as plantas liberassem um brilho fraco durante três horas e meia.

Seu próximo objetivo é criar plantas suficientemente brilhantes para iluminar um espaço de trabalho, mas, se bem-sucedida, a tecnologia também pode ser usada para transformar árvores em postes de luz de rua auto-alimentadas. O objetivo final da equipe é projetar plantas capazes de substituir muitas das funções atualmente realizadas por dispositivos elétricos e eletrodomésticos.

“A nossa ideia é fazer uma planta que funcione como uma lâmpada de mesa – uma lâmpada que você não precisa conectar. A luz é produzida pelo metabolismo energético da própria planta”, disse Michael Strano, Professor de Engenharia Química no MIT e autor principal de um estudo recentemente publicado sobre plantas nanobiônicas.

MIT descobre jeito de fazer as plantas brilharem no escuro

 

Os esforços anteriores do pesquisador incluem a concepção de plantas que podem detectar explosivos e denunciar essas informações a um dispositivo inteligente, bem como plantas que podem monitorar condições de seca. Eles decidiram que a iluminação, que representa cerca de 20% do consumo mundial de energia, era uma meta interessante na medida em que  as plantas bioluminescentes reduziriam significativamente as emissões de CO2.

“As plantas podem se auto-reparar, têm sua própria energia e já estão adaptadas ao ambiente ao ar livre”, disse Strano à MIT News . “Nós pensamos que essa é uma idéia atual. É um problema perfeito para a nanobiônica de plantas “.

O principal componente das plantas luminosas da equipe do MIT é a luciferase, a classe de enzimas oxidativas que dão aos vaga-lumes o seu brilho de assinatura. Luciferase converte uma molécula chamada luciferina em oxiluciferina, fazendo com que ela emita luz. Uma molécula chamada coenzima A suporta o processo removendo um subproduto que pode dificultar a atividade da luciferase. A equipe do MIT empacotou esses componentes em um veículo separado de nanopartículas, elaborado a partir de materiais que a US Food and Drug Administration classifica como “geralmente seguros”. Essas transportadoras ajudam cada componente a chegar na parte da planta, bem como impedi-las de atingir concentrações que possam prejudicar as plantas.

Os primeiros esforços resultaram em plantas que poderiam brilhar por até 45 minutos, mas os ajustes subsequentes aumentaram o tempo de brilho para 3,5 horas. A luz gerada por uma mudinha de 10 centímetros é atualmente cerca de um milésimo da quantidade necessária para ler, mas os pesquisadores acreditam que podem estimular significativamente a saída e a duração da luz otimizando a concentração e as taxas de liberação das enzimas. Eles esperam expandir essa tecnologia para incluir uma maneira de pintar ou pulverizar as nanopartículas nas folhas das plantas, permitindo que elas convertam as árvores em fontes de luz.

“Nosso objetivo é realizar um tratamento quando a planta é uma planta de mudas ou maduras, e ter a última vez para a vida útil da planta”, disse Strano. “Nosso trabalho abre muito a porta para postes de luz que não são nada além de árvores vivas e que gerarão iluminação indireta em torno das casas”.

Curiosamente, os pesquisadores também podem desligar a luz nas plantas, adicionando um inibidor de luciferase, permitindo que eles finalmente produzam plantas que consigam “desligar” suas luzes em resposta a condições ambientais, como a presença da luz solar.

GUMP!

fonte

Related Post

3 comentários em “MIT descobre jeito de fazer as plantas brilharem no escuro”

  1. Tive a mesma impressão do comentarista anterior. A ideia parece sensacional da maneira que é divulgada, mas falta um pouco de responsabilidade científica em não divulgar apenas a novidade como “uma grande sacada”, mas também em avaliar as consequências reais. O MIT, aliás, pelo que venho acompanhando, parece estar seguindo muito essa linha de produzir soluções para problemas não completamente definidos.

    PS: Philipe, teu blog continua com um conteúdo interessantíssimo, mas penso que o redesenho da página inicial com as manchetes e subtítulos à la clickbait desfigurou um pouco a essência do site. Parece ter igualado o teu blog com outros não tão comprometidos com a qualidade das postagens.

    • O layout é assim há uns oito anos. E é assim, porque esse é o jeito mais lógico de fornecer o conteúdo. Quando alguém chega na pagina, ela não abre de uma só vez dez posts inteiros (alguns posts meus possuem CENTENAS de imagens). Tenho post aqui que ultrapassam cem paginas de word em texto. Esse sistema antigo onde o visitante é atingido com o conteúdo total dos posts é uma barbeiragem enorme em termos de usabilidade, porque às vezes o cara quer entrar para pesquisar um post antigo e se pra isso ele tiver que abrir dez posts inteiros e esperar tudo isso carregar, ele vai ficar traumatizado, e se estiver no celular então, aí ferrou de vez com o plano de dados dele… A troco de nada!
      O sistema em que listamos os títulos e as descrições dos posts dá ao visitante a possibilidade de escolher o que ele vai ver, na ordem que preferir, é até o momento, a unica solução lógica que contempla conteúdo e download à critério do usuário.

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

shares