Hienas – Animais perigosos

O mundo natural está abarrotado de animais perigosos dos mais variados tipos. Existem os peçonhentos, os que provocam alergias, os que transmitem doenças, os nojentos, os animais violentos e os assassinos natos.

Na categoria de assassinos natos, estão as hienas.
Os antigos acreditavam que se a sombra de uma hiena caísse sobre a de um cão, este ficaria mudo e paralisado. Diziam que a hiena era a encarnação de espíritos de feiticeiros.

A hiena é um animal atarracado, peludo, com grandes maxilares e quartos traseiros caídos. É um caçador diurno, encontrado em toda a África e na Ásia meridional, desde o Meditêrraneo até a baía de Bengala. É um animal sem atrativos. Seu modo furtivo, o pêlo castanho-sujo, o andar manquejante, o grito áspero e o cheiro desagradável não ajudam muito sua reputação.

Elas também figuram com honras na categoria dos animais nojentos. Isso porque a hiena vive de comer restos. E restos nas savanas da África, envolvem fezes de outros animais, como a dos leões. As hienas também comem cadáveres putrefatos, porque são na maioria das vezes predadores oportunistas. Extremamente inteligentes elas observam o comportamento dos abutres para saber onde encontrar aquela carcaça cadavérica já cheia de vermes, onde a hiena chega logo se fartando. Depois leva o máximo de comida que é capaz de engolir até o buraco onde cria os filhos e vomita tudo. Os bebês-hiena logo que são desmamados, comem satisfeitos o vômito de carne podre (ou fezes) dos pais.


Muitas pessoas acreditam que as hienas são animais que vivem rindo. Na verdade esses barulhos são uma forma estranha de latido pelo qual elas conseguem se comunicar num amplo e variado repertório de sons que só recentemente vem sendo estudados. Conhecidas pela covardia e forma traiçoeira pelo qual se portam, elas são bravas e não raro colocam leões para correr, pois uma hiena adulta chega a 70kg e pode perseguir as suas presas a velocidades de até 55 km/h, caçando em grupos de até 100 indivíduos, todos bastante bravos.

As hienas geralmente não são domesticáveis, permanecendo com instintos assassinos mesmo depois de criadas em cativeiro e se adaptando à presença humana. Em alguns lugares da África, como na Nigéria as pessoas usam hienas como se fossem cachorros.

 


A relação do homem com as hienas vem mudando com o tempo.

E aí? Você teria esta coragem?

 

Não deixe de ler o comentário do Patola que tem dados interessantíssimos sobre o sexo das hienas.

45 Comentários

  1. Cheetara 5 de maio de 2008
  2. Marilia Pupo 5 de maio de 2008
  3. Ed 5 de maio de 2008
  4. Roberto 5 de maio de 2008
  5. Ivan 5 de maio de 2008
  6. Fred 5 de maio de 2008
    • Ander souza 20 de agosto de 2011
      • Andreiacmrt 31 de março de 2012
  7. Patola 6 de maio de 2008
  8. Philipe 6 de maio de 2008
    • Cauluk 18 de agosto de 2011
    • Welsonbreno 1 de abril de 2012
  9. Fred 6 de maio de 2008
  10. Philipe 6 de maio de 2008
  11. R.F. 7 de maio de 2008
  12. Fred 7 de maio de 2008
  13. Hunteriunn 7 de maio de 2008
  14. doxx 9 de maio de 2008
  15. jonathan 18 de maio de 2008
  16. Camila 18 de maio de 2008
  17. Philipe 19 de maio de 2008
  18. Michael 24 de fevereiro de 2009
  19. Anônimo 20 de abril de 2009
  20. Rui Jose Rosa(Lima) 30 de abril de 2009
  21. mesteriosa 25 de junho de 2009
  22. eduardo 11 de outubro de 2009
  23. eduardo 24 de outubro de 2009
    • Philipe 25 de outubro de 2009
      • Vitor Carvalho 31 de maio de 2011
  24. eduardo 25 de outubro de 2009
  25. eduardo 25 de outubro de 2009
    • eduardo 25 de outubro de 2009
  26. raiane 16 de setembro de 2010
  27. Marceloeduardo001 31 de dezembro de 2010
    • Anônimo 2 de janeiro de 2011
  28. Samuel 21 de agosto de 2011
  29. =) Gl. 4 de dezembro de 2011
    • haku 28 de janeiro de 2012
  30. Demigaucha1tarologa 10 de junho de 2012
  31. Demigaucha1tarologa 10 de junho de 2012
  32. Emanuel Paiva 15 de fevereiro de 2013
  33. TIAGO CUNHA 15 de maio de 2013
  34. marinnatarot 18 de agosto de 2013
  35. Professora Nilva 23 de agosto de 2014
  36. Izabela B. Minela 22 de setembro de 2014


Deixe seu comnetário

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *