15 Comentários

  1. Fulano!

    Excelente ; )

    Eu sabia que conhecia essa Terezinha de algum lugar…

    abraços

    Responder
  2. Márcia Cristine

    Muito bem! a cantiga que virou música, que já foi peça e agora conto! Parabéns!!!

    Responder
  3. Khronos

    Bem bem interessante. Só achei o final um tico corrido, de supetão rs
    Mas todo o resto muito bem desenvolvido. Fiquei imaginando antes se não era um dos contos da sua vida rs Mas pela época deu pr ver que não.
    Muito bem escrito, meus parabéns

    Responder
  4. Gabriel

    concordo com o khronos qnt ao final, mas achei muito bom tb ^^

    “Este foi mais um texto do experimento de coca-cola + abstinência + a primeira música que toca na playlist”

    heiuhieuheiuhe, sempre dá certo!

    Responder
  5. VictorCastro

    realmente, quando linkei para deixar um comentário, imaginei ver somente elogios, achei excelente o texto e pensei que seria o único a dizer q o final ficou um pouco mais abrupto em relação a todo o desenrolar da estória, onde lê-se um texto cheio de detalhes que permitem “ver” como que em um filme a estória. Mas então Philipe, não seria interessante um retrabalho do final?!, eu acho que merece viu!
    “Elogios”!

    Responder
  6. ianic

    tu é um gênio,cara..
    no começo tb pensei que era um daqueles seus contos engraçados que só vc viveu..hehe
    parabens..

    Responder

  7. Acho que sim, Victor. Uma detalhada maior no final é realmente é uma boa idéia, já que o pessoal gostou.

    Responder
  8. Khronos

    Acho que fui eu quem começou com a critica então, vamos lá =p
    Espero não ter deixado você nervoso ou chateado rs, é que fico meio p da vida quando leem o que eu escrevo e recebo apenas um “lindo, mto bom” então, achei melhor comentar rs
    E já que estava virando livro, que termine como começou, muito bem =]
    Abraços e continue com o blog e suas bizarrices o/

    Responder
  9. Helena Maris

    Só você pra me fazer ouvir Maria Bethânea às 4:36 da madrugada.

    Responder
  10. Maria

    Philipe, depois que eu li essa história, eu voltei a escrever. Queria agradecer pela inspiração, de verdade. 🙂 

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.