10 Comentários

  1. Marco

    Philipe, pode parecer uma pergunta boba, mas, pra você, por que até hoje eles se mantém no reservado, digo, por que até hoje nunca se mostraram, mesmo em situações quase acabarmos com o mundo?
    Acredita que eles ainda nos visitam pra estudos?

    Não consigo pensar algo lógico nesse ponto do tema.

    Responder
    1. Marcos

      Chará, vou pegar carona no seu comentário.

      Já ouvi vários relatos de que muitas civilizações nos visitam, umas apenas como observadoras e outras nos abduzindo e estudando ativamente.
      Ao meu entender, deve rolar alguma coisa semelhante a 1° Diretiva de Star Trek, de não interferir com a civilização nativa. E que uma aliança de raças deve nos observar mesmo algumas sendo mais radicais. E realmente o mundo não acaba, a humanidade sumindo do mapa, 100 mil anos depois o mundo se restabeleceu.

      Responder

    2. Tenho duas hipóteses para isso que podem nem ser excludentes. Talvez sejam complementares:

      1- Não somos importantes a esse ponto. Num planeta como o nosso, a forma de vida humana é só ais uma entre milhões de outras, que se considera importante, mas talvez não tenha essa bola toda. Em paralelo, outra forma de vida extrínseca ao planeta pode conhecer inúmeras outras, de modo que ela não pode se arvorar a ser a porta-voz de todo um conjunto extraterreno. Não sei se existe uma organização para uma apresentação formal. O conceito de apresentações formais decorre da abstração humana da posse. Tudo aqui no planeta pertence a alguém, porque nossa mente cresceu nessa limitação. Mas no mundo lá fora, talvez não seja assim. Aliens devem desconhecer “espaço aéreo” e “invasão”, porque simplesmente essa ideia não faz o minimo sentido pra alguém que não seja limitado a um planeta.

      2- Talvez isso já tenha ocorrido e deliberadamente foi decidido pelo nosso lado, que “não deveríamos saber” os detalhes.

      Responder
      1. Diogo

        Cara da mesma forma que abelhas são alheias a nossa presença, mesmo que interferimos diretamente em suas colmeias, simplesmente por sua limitação de conhecimento, essas diferentes e “incompreensíveis” formas de vida podem estar interferindo na nossa sociedade. Apenas não temos conhecimento para ver.

        Responder
  2. raid

    Cara, tô impressionado com esses vídeos tão oficiais assim. Surpresa de fim de ano.

    Responder

    1. Na lista de surpresas inclua a admissão formal de um programa oficial com polpudas verbas para estudar ufos durante 5 anos. De modo que isso pode ser uma resposta do tipo “hide my ass” para as auditorias da administração Trump sobre gastos extraordinários do Pentágono. Se ele questionou por que gastar tanto num programa de estudos de ufos quando a propria USAF alega que “não existe nada além de balões e gases do pântano” pode ser uma solução liberar alguma coisa na linha de “olha, mas tem alguma coisa” até porque a empresa que desenvolveu o programa caríssimo de análise tem conexão estreita coim certos senadores, parece. A coisa pode ser um misto de problemas administrativos. O que me intriga é isso não estar pra dentro do black budget.

      Responder
  3. RODRIGO FERNANDES BERRISCH

    Interessantíssimo uma revelação destas de forma que, para nós, se parece repentina.
    Obviamente, a administração de um país só revela algo, no mínimo, intrigante e que gera um alto custo no orçamento, com o intuito de manipular alguma coisa. Ou seja, há sempre interesses escusos!
    Mas o que me intriga é, iniciando revelações que, desde sempre, foram negadas pela adm. americana, onde isso poderia levar? Sinceramente, gostaria que esta guerra administrativa interna levasse a um efeito dominó. O Trump não joga a toalha fácil, espero que o senador republicano, nessa briguinhas de marionetes, permita a liberação de mais documentos.

    Responder

    1. Há uma hipótese interessante sobre isso ser uma pressão interna para aumentarem o orçamento negro. Do tipo, “olha só, se isso não for pra debaixo do guarda-chuva vamos ter que dar explicações indigestas”

      Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.