Coisas que irritam

Sharing is caring!

Certas coisas são extremamente irritantes. Trabalhar no centro do Rio em meio ao caos do trânsito com um calor de maçarico na cabeça, têm o poder mágico de afetar o humor de qualquer cidadão. Até mesmo numa sexta-feira, o dia oficial da cerveja.

Veja, eu gostaria de saber qual a explicação científica para justificar que uma senhora ande protendindo seus braços em um movimento cíclico em discrepância geral com sua estrutura corporal quando em marcha.
Não entendeu? Vou ser mais claro:

Por que raios essas porras dessas suburbanas andam balançando os braços feito loucas pela rua?

Não é a primeira vez que levo um soco nos genitais em plena Av. Rio Branco de mulheres que não conseguem controlar o vai-vem de seus braços.
Legal foi o dia em que eu estava falando isso para a “Madame”, a minha amiga de trabalho e almoço Denise, quando fui – didáticamente – imitar a cena, e acabei acertando uma senhora quase no meio dos peitos. Coitada, quase morreu.

Outra coisa que é extremamente irritante, são aqueles malditos vendendores do Taí.
O Taí é um serviço de uma financeira do banco Itaú focada no público de baixa renda. É o tipo de empréstimo-pega-trouxa do banco Itaú.

O banco numa atitude – que pessoalmente eu considero das mais idiotamente burras na história dos bancos privados no país, – instruiu seus chatos vendedores a interpelar as pessoas que passam pela rua, munidos de uma pranchetinha escrota e vestindo uma roupa pior. Naturalmente são jovens com o primeiro emprego, mães de primeira viagem e pessoas com poucas chances de ascenção social que tem uam cota a cumprir. A semana vem acabando, a cota não é batida. Cabeças vão rolar. O cara pensa em seus 5 filhos que vão passar fome. Bate o desespero.
Se fossem só se jogar na minha frente eu até aceitaria. O problema é quando eles agarram pelo braço a pessoa.
Ora… Quem será o consultor que deu esta idéia genial ao Itaú? Seria o mesmo cara que instruiu o Sílvio Santos a chamar para vendedores do Carnê do Baú os sujeitos mais chatos e cafonas do planeta? Deve ser.
Eu sei é que este tal de Taí está manchando de modo grave a imagem do banco Itaú, que diga-se de passagem, já não era das melhores.

Outra coisa que é bem chata no Rio são os entregadores de papelzinho.
Pode me chamar de chato, alienado, utopista e até de ranheta. Mas eu não gosto de sujeira. Eu me incomodo vendo pessoas de São Gonçalo, um município vizinho ao meu onde 100% das ruas são imundas, jogando papel no chão de Niterói. Não estou dizendo que quem mora em São Gonçalo é porco. Mas estou dizendo que muitos porcos moram mesmo em São Gonçalo. Mas não só lá. Moram em Niterói, no Rio e demais cidades.
Porquice não é privilégio de pobre. Ontem eu fui na Barra dar aula e num puta carrão bem na minha frente, um importado que nem vi a marca, havia um sujeito. Quando paramos no sinal, eu emparelhado com ele, vi estupefato que o cara simplesmente abriu o vidro com insulfilme do carrão e começou a LIMPAR O CARRO jogando milhares de panfletos de imóveis, papéis de todos os tamanhos, bolinhas de pedágio e outros no meio da RUA!
Nessas horas eu me lamento por não ser um policial civil de truculência a la Sled Hammer – ou igual ao Careca ( em breve histórias do Careca bigodudo aqui no Mundo Gump) para descer do carro com o trabuco na mão e mandar o bacana pegar papelzinho por papelzinho e COMER.
A merda do brasileiro é que nós achamos que o que é público não tem dono.
E tem. EU SOU O DONO, PORRA! Bem como você que está lendo, sua mãe, sua avó, seu pai e seus amigos. Todos nós pagamos uma maldita taxa tributária incomparável para algum bacana se achando o rei do pedaço jogar lixo no chão.

Então eu fico extremamente puto ao ver que SUJAR O CHÃO é uma profissão e ninguém faz nada.
Verdade, sujar o chão aqui no Rio é uma profissão mesmo. Acredite se quiser, meus queridos leitores de Curitiba e os estrangeiros. Basta sairmos para andar em uma rua qualquer. Por exemplo, na Nossa Senhora de Copacabana. Num percurso de dois km eu recebo numa média de dez panfletinhos mel impressos num papel de péssima qualidade. 1/3 deles é sobre um puteiro com garotas “apertadinhas” – Acredite, está escrito isso no panfleto rosa!
1/3 deles é de “compro ouro” .
E o terço restante é de uma mãe de santo que “traz o amado em dez dias”.

Como você pode imaginar, estes papéis não interessam a nem 0,00023% da população. Mas ao contrário do que seria o certo, eles imprimem uma quantidade gigantesca desses panfletinhos e colocam pessoas que provavelmente estão desempregadas para distribuí-los como se fossem máquinas pelas ruas.
São dois erros. Os que distribuem e os que pegam. Por que pegar o maldito papelzinho? O Brasileiro em sua infinita bondade se sente consternado de passar reto sem nem ao menos dar bom dia e deixar aquele pobre neguinho ou baranga favelada no vácuo. Assim ele pega o papel só pra agradar o sujeito e em seguida joga o papel no chão, porque não vê a lixeira, ou em alguns casos, ela está lotada até a boca com bilhões de folhetinhas daquela.
É aí que acontece. Os caras vendo que 100% das pessoas que pegam aquela merda jogam na primeira lixeira que vêem, resolvem ficar entregando os folhetos no lugar mais distante das lixeiras possível. Na cabeça deles isso fará com que as pessoas andem com o papel por mais tempo, maximizando uma espécie de “page view” literal.
Resultado, chão abarrotado de papéis. Bueiros entupidos, esgoto transbordando em dias de chuva.
O mais intrigante em tudo isso, é que os caras entregam papéis com telefones de contato e endereço de empresas! Bastava a prefeitura ter mais vergonha na cara. Não precisa enfiar a porrada nas crianças panfleteiras não. É só autuar o cara que manda imprimir, afinal, o telefone e endereço dele estão ali, no papel. Este é o problema urbano de mais fácil resolução que tem no Rio. Os caras sujam a cidade porque o resultado econômico compensa. Se não compensasse, eles não faziam isso. Acerte eles no bolso que a farra acaba em dois tempos.

Agora chega. Vou tomar uma cerveja e ficar relax.

Ufos,mistérios,curiosidades e muito mais
Luminária Ufo

12 comentários em “Coisas que irritam”

  1. vc esqueceu de falar dos panfletos de emprestimos do banco BMG e seus coleguinhas, que enganam os aposentados e decontam as prestacoes no contra-cheque miserável dos velhos!

    Responder
  2. “O Brasileiro em sua infinita bondade se sente consternado de passar reto sem nem ao menos dar bom dia e deixar aquele pobre neguinho ou baranga favelada no vácuo.” vc é foda!rsrsrs queria ter coragem de escrever isso!

    Responder
  3. Philipe,

    maravilhoso este post. Também me irrita imensamente isso! :)`
    O melhor foram as suas sacadas. Realmente, a gente não quer consternar os caras e acaba pegando aquela merda…

    Sensacional.

    Beijos.

    Responder
  4. Tem uma coisa que me irrita mais do que trabalhar numa sexta-feira no centro do Rio 40°.

    Ficar em casa com febre e dor numa sexta-feira…

    E esses caras dos papeizinhos são fogo. Me sinto o Neo de Matrix para me desviar deles.

    Responder
  5. bem Philipe, é um repost seu, mas vale um coment mesmo assim…
    cara, estive em Floripa agora, na praia de Jurerê, cuja praia vizinha, ou continuação, melhor dizendo, é Jurerê Internacional, nunca, mas te digo com a certeza de quem já circulou muito pela Barra, nunca vi um bairro com tantas mansões, tanta riqueza e tanto respeito ao meio ambiente… na boa, nego lá respeita mesmo, e olha que tava cheio de argentino farofeiro, eles cagam tudo em canasvieiras, praia próxima, mas não em Jurerê, e com um detalhe, teve até nos jornais que tinha na época que estive lá um bando de 171 que hostentavam carros caros, entre eles uma ferrari amarela, bem lá eu não vi a amarela, mas vi 2 vermelhas e uma prata… pqp… lá tem nego rico, aqui é farofa!
    Outra, fiz um texto loooooooooooooooooooongo para meireles, sobre a situação das HQ’s atuais, com base em um texto públicado, agradeceria seu coment meu professor, à, estarei indo na Paraguaiana buscar leds e etc… mantenha contato! Se quizer, me manda o msn pelo “Budo”, assim é apagado sem que ninguém veja!

    Responder
  6. Repost meu? Eu já escrevi isso? Nem lembro. Será que eu estou ficando velho? Ou será que isso me irrita tanto que eu acabo me repetindo?
    Vou dar uma olhada no texto das Hqs.
    Vc se mudou pra Floripa? Eu soube do caso desses 171. Era um golpe ultra-bem bolado. Até comentei com a Denise. ( A Mg, que estava doente na sexta-feira aí em cima, hehe)

    Responder
  7. Mesmo que isso me irrite e eu concorde com seu ponto de vista, discordo veementemente da atitude preconceituosa ao se referir às pessoas que estão tentando ganhar a vida como “neguinho” “favelado” “mãe de primeira viagem” e etc…venho de origem humilde e a concentração de pessoas dignas nestes locais é indubitavelmente maior que em locais onde reina a soberba.

    Responder
  8. ah, apesar do comentario anterior, apenas achei deselegante sua postura com relação a essas pessoas, o que não tira o brilhantismo deste e nem dos outros textos…

    um abraço!

    Responder
  9. Demetrius. Leia novamente. Talvez você tenha visto no texto um preconceito que você mesmo sente, seja ele próprio ou externo.
    Um texto é como um espelho. Ele pode refletir coisas boas ou concentrar uma percepção social distribuída em um conjunto de palavras.

    Sim, eu disse “neguinhos” e disse “mulheres mães de primeira viagem” e realmente “favelados”. Não há outro nome para os pobres que moram no morro em copacabana, há?
    Se “favelado” pra você é algo pejorativo, “bacana” também deve ser. Mas pra mim favelado é apenas alguém que mora na favela. Isso não significa nada. Eu poderia morar na favela também. E certamente o faria se não pudesse morar onde moro.
    Não falei que são “favelados safados, ladrões, canalhas ou que as mães de primeira viagem são calhordas.” Pelo contrário, eu mostro que são pessoas humildes, de origem pobre, em situação de zero poder de barganha trabalhista e realmente exploradas como os caras que viram chatos porque são treinados pelo banco para irritar os outros e arrancar-lhes dinheiro para encher os cofres do banqueiro.

    Eu não considero chamar um neguinho de deselegante nem que isso seja algo pejorativo.
    Vamos parar com esse papo de “politicamente corretismo” que isso é escroto. 90% dos brasileiros vêm de origem humilde. Não se considere o representante da massa do país. Isso não é vergonha e não deve ser orgulho pra ninguém. Isso é a vida e nada mais. O cara pode ser rico e ser safado. Pode ser pobre e ser safado.

    Eu não aceito estabelecer elo entre situação econômica e caráter.

    Se o cara é preto é preto e ponto. “Afro americano brasileiro” o escambau! Branco é branco, preto é preto. Aliás, branco é branco uma pinóia. Branco pode ser preto. Preto pode ser branco. Isso de rotular por cor é uma coisa eugenista ultrapassada de mentes retrógradas. BAsta entender o mínimo de biologia celular e genética pra saber que raça não existe. O conceito de raça é ignorância.

    Pra mim isso não importa. Inclusive eu sempre sinto um certo tom de preconceito com o termo afrodescendente. Sabe como é? Parece o efeito do excesso de cuidado. E excesso de cuidado revela um medo inconsciente. E só tememos o que não conhecemos. Se os negros tiverem orgulho de serem honestos, belos e fortes, Inteligentes e amigos, capazes e engajados, não há porque se sentir ofendido em ser chamado de neguinho. ( ou no aumentativo socialmente elogioso, negão) Negros são negros. E isso não faz a menor diferença. O problema no brasil é quando você é negro e é pobre. Aí, infelizmente tá ferrado. Os negros são sacaneados. E o pior é que quem geralmente os sacaneia, capricha no uso dos termos politicamente corretos.

    Responder
  10. Acho que os de agiotagem “DINHEIRO NA HORA! Sem comprovação de renda.” devem ter se sentido desmerecidos. A porcentagem deles também deveria ser considerada.

    😀

    Gostei das tiradas sensacionais “sol de maçarico”, da descrição dos caras do Taí, “pegar papelzinho por papelzinho e COMER”, “baranga favelada no vácuo” e “resolvem ficar entregando os folhetos no lugar mais distante das lixeiras possível”.

    Responder

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Coisas que irritam

Apoie este projeto

Criar este website não é uma tarefa fácil. Mais de 5000 artigos, mais de 100.000 comentários e conteúdo próprio, demandam muito trabalho. Saiba como você pode ajudar a manter o Mundo Gump cada vez melhor e evitar que ESTE SITE ACABE
Ajuda aí?
MUNDO GUMP – © 2006 – 2020 – Todos os direitos reservados.