16 Comentários

  1. rafael

    na real essas pedras sao sinais do ets , que daqui a mil anos vai formar a imagem de optimus prime :B :B

    Responder

  2. Alguém já tentou colocar uma câmera pra gravar 24h as pedras? E depois fazer um timelapse…

    Essas coisas que se “movem” lentamente sem o ser humano perceber me lembra o experimento da viscosidade do piche que “pinga” de 8 em 8 anos…

    Talvez as pedras possam conter algum elemento magnético e estão sendo atraídas pelo campo da Terra… Bom, apenas mais uma hipótese sensacional…

    Responder
  3. Max

    São os et’s que de noite fica mudando as pedras fazendo um mapa gigante pra ver do céu, heuheu.

    Responder
  4. joao rodrigo

    acho q não é vento nem gelo.. mas a culpada é a água.. como podem ver tem “gretas de contração” no solo (essas rachaduras deixadas pela agua depois q evapora) indicando que em algum momento aquela área esteve submersa.. é bem provavel quem quando há chuva (sim, chove no deserto) enxurradas oriundas das montanhas que tem na volta arrastem tais pedreas junto ao fundo do lago deixando as marcas

    Responder
  5. joao rodrigo

    talvez tenha gelo tambem, pq de noite eh mto frio no deserto, e o gelo é muito competente pra carregar sedimentos, mas no fim das contas a agua ta envolvida ehauieha

    Responder
  6. firmino xuazinéger

    se existem essas gretas de contração, porque no mesmo espaço pedras “moveis” estão proximas de pedras “imoveis”, como o philipe citou no post? apoio a ideia de cameras vigiando 24 hs por dia.

    ps.: acho que as pedras estao brincando de pega pega. hehehe

    Responder
  7. Beth Camacho

    Bom, de qq forma, câmeras tirariam qq dúvida, mas aí perderia a graça, né?

    Responder
  8. Guilherme

    O lugar é muito quente de dia, chegando a 54° e durante a noite pode chegar a temperaturas até 1°, nos outros desertos espalhados pelo mundo são assim tbm, ou seja, frio a noite, muita umidade no solo, por ser um campo aberto, mesmo cercado por montanhas, ha incidencias de fortes vórtices de vento, independente da estação, com isso seria possivel a movimentação das rochas tranquilamente. Vale lembra que ano passado um tempestade de fortes ventos de
    120 km/h no litorial do estado do Espirito Santo, derrubou um guindaste da VALE.

    Responder
  9. Pedro

    O profissional que atua na área da geologia chama-se GEÓLOGO, e não “geologista”. Obrigado, abraços

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *