Artista com o Mal de Alzheimer faz seu autorretrato até esquecer como desenha

Esta é uma história triste de um homem que sofria do mal de Alzheimer.
Quando o artista norte-americano William Utermohlen foi diagnosticado com o mal de Alzheimer, em 1995, ele decidiu fazer o melhor uso do seu tempo e da memória que se tornaria progressivamente limitada. Ele começou a usar sua arte para compreender-se melhor. Assim, por cinco anos, ele desenhou autorretratos antes que finalmente ele se esquecesse completamente como desenhar.

O resultado de seu experimento artístico é um soco no estômago.

%name Artista com o Mal de Alzheimer faz seu autorretrato até esquecer como desenha

Através desta série os espectadores podem observar a gradual demência do artista, baseado em Londres ir progredindo e afetando sua arte. À medida que a doença terrível tomou o controle de sua mente, todo o seu mundo começou a tentar para perspectivas achatadas. Os detalhes em suas pinturas evaporaram, e seu trabalho se tornou mais e mais abstrato. Às vezes, ele parecia ciente das falhas técnicas em seu trabalho, mas ele simplesmente já não conseguia descobrir como corrigi-las.

“A percepção espacial continuava piorando, e eu acho que ele sabia”, disse Patricia Utermohlen, a esposa de William e professor de história da arte.

“Nestas fotos vemos com os esforços de partir o coração intensidade de William para explicar sua imagem alterada, seus medos e sua tristeza. Mesmo quando ele estava começando a ficar doente, ele estava sempre desenhando, a cada minuto do dia.”

Segundo o Dr. Bruce Miller, neurologista da Universidade da Califórnia, “a doença de Alzheimer afeta o lobo parietal direito em especial, que é importante para a visualização de algo internamente para, em seguida, colocá-lo em uma tela. A arte se torna mais abstrata, as imagens são borradas e vagas, mais surrealista. Às vezes não há uso de cores bonitas, sutis.”

As pinturas foram posteriormente estudado por um psicanalista, que escreveu que eles retratavam tristeza, ansiedade, resignação e sentimentos de vergonha.

William parou de pintar em 2000, quando ele foi transferido para uma casa de repouso. Ali permaneceu até sua morte em 2007, com a idade de 74. Ironicamente, seu trabalho recebeu mais reconhecimento depois de ter deixado de desenhar, do que quando estava no auge de sua carreira. Sua auto-retratos e outras pinturas foram exibidas em várias cidades ao redor do mundo.

“Ele sempre foi uma pessoa extrovertida”, disse Patricia. “Ele nunca esteve em paz com o que estava acontecendo. É tão estranho ser conhecido por algo que você está fazendo quando você está muito doente… Eu digo que ele morreu em 2000, porque ele morreu quando ele já não podia produzir mais. Na verdade, ele morreu em 2007, mas aquele já não era mais ele”.

O artista trabalhou com afinco para se retratar, mas sem saber, conseguiu um dos mais raros registros dessa terrível doença que é o mal de Alzheimer. Assim, podemos dizer que ele fez um retrato de sua própria doença.

 

1967

%name Artista com o Mal de Alzheimer faz seu autorretrato até esquecer como desenha

 

1996

%name Artista com o Mal de Alzheimer faz seu autorretrato até esquecer como desenha

 

1996

%name Artista com o Mal de Alzheimer faz seu autorretrato até esquecer como desenha

 

1997

%name Artista com o Mal de Alzheimer faz seu autorretrato até esquecer como desenha

 

1997

%name Artista com o Mal de Alzheimer faz seu autorretrato até esquecer como desenha

1998

%name Artista com o Mal de Alzheimer faz seu autorretrato até esquecer como desenha

 

1999

%name Artista com o Mal de Alzheimer faz seu autorretrato até esquecer como desenha

 

2000

%name Artista com o Mal de Alzheimer faz seu autorretrato até esquecer como desenha

 

fonte

Artigos relacionados

Comments

comments

9 comentários em “Artista com o Mal de Alzheimer faz seu autorretrato até esquecer como desenha”

  1. Muito interessante:

    Ja devem ter te pedido, mas pra engrossar o coro: faz uma postagem sobre teorias conspiratorias envolvendo politicos brasileiros?
    Ontem procurei sobre o Tancredo. De oficial, nao tem muito, mas se a gente cruza as informacoes do q as pessoas postam na Net, fica uma baita pulga atras da orelha…

    • Boom, o que dizer né? Realmente é terrível a ideia de receber um diagnóstico assim, mas se todos pensassem que a saída para uma diagnostico desses é o suicídio, jamais teríamos descobertas como as do Stephen Hawkins, que recebeu este diagnóstico e fez grandes progressos para a Física e Astrofísica quando ja estava bem debilitado pela doença. Eu espero que em breve tenhamos mais boas notícias sobre a forma de reverter o alzheimer, há grandes progressos nessa área que dão esperanças.

  2. Pois é, eu também espero, porém infelizmente, o caso do Stephen Hawking é mais exceção do que regra. Especialmente no caso do Alzheimer, quando tudo o que remete à humanidade do indivíduo se vai, não creio que o que sobra pode ser chamado de vida. Realmente não defendo o suicídio como solução para nada, a não ser para um fim digno, desde que decidido pelo próprio doente.

  3. ainda assim desenha melhor que eu… não creio que esqueceu “como” desenhar, porque ele faz traços que só quem é artista faz, mas não consegue organizar as ideias.

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.