26 Comentários

  1. anthony

    Tá muito interessante , história se revelando cada vez mais , parte 28 please

    Responder
  2. Isabella

    Fenomenal! Adoro o universo do Leonard… Você bem que podia fazer um boneco do Leonard! Ou do mungo…

    Responder

    1. Boa! Um boneco do Mungo seria sensacional para termos uma ideia mais concreta de como é o bicho. Mas imagino que, com o pequeno Davi na área, o tempo e condições para realizar uma escultura estejam escassos.

      Responder

      1. Exatamente… Davi me impede de muita coisa… Mas hoje eu não conseguiria, pq estou com muito trabalho e ainda tem fila de espera de clientes. Por um lado é bom, por outro uma merda, que me limita muito.

        Responder
  3. Máximus Brutus

    Ao que parece, a Velha está sacaneando o Anderson, vai precisar estudar mais, muito mais sobre o assunto, Ordem, Bruxaria. Está no meio do fogo cruzado, e ainda nem pegou em arma para se defender, somente em uma fechadora para colocar gente dentro da caixa. Vai ver o Kbelo Zumbi!rs

    Responder
  4. Dhays

    AAAAHHHH! Por favor, a Mara precisa sair da caixa! Ah não Philipe, já matou o cabelinho, mas a Mara não vai! rsrsrs

    Responder
  5. Thiago Andrey Ferreira

    Lovercraft fellings esse verme maldito!

    Cara, o Anderson ta num rolo maior do que era possivel imaginar mesmo. Áuguras em solo sagrado… é tipo o começo de uma revolução… elas tão querendo trazer o tinhoso em pessoa pro nosso mundo será?

    O Mungo foi trazido a caixa com o sacrifico dos olhos da velha?

    Cara, eu gostei da idéia do boneco do Leonard proposta ai em cima pela nossa amiga Isabella.

    Eu não quero que essa historia acabe não, tem muita coisa pra acontecer ainda. Dificil vai ser você manter o foco principal no Anderson porque o Leonard é uma figura, onde ele chega ele rouba a cena.

    Responder
  6. Thiago Andrey Ferreira

    Sem contar que Tamoz esta desperto… não podemos esquecer esse detalhe hein! Nem que seja uma cena pós-creditos, o Tamoz pegando a Cintia.! =D

    Responder

  7. Vishhhh, o bicho tá pegando ein, será que a Mara já era? Não, não pode ser, o Cabelinho já foi, agora a Mara? Diga que não Philipe!

    Responder
  8. Vitor

    Isso tá ficando cada vez melhor, e mais complicado! Eu li nos comentários dos anteriores que esse conto é parte de um universo maior, a busca de kuran. Eu terei que ler os outros contos para entender esse aí? E uma perguntinha off-topic, iniciei um blog e em menos de uma hora já tinha 50 visualizações sem eu nem anunciar nem nada. Existem “bots” que ficam entrando no blog e dando falsa estatistica? Achei meio esquisito…

    Responder

    1. Não, não precisa. São contos inteiramente separados, mas num mesmo universo, só isso. Existem spiderbots que entram sim, para cadastrar seu site. Se ele tiver muitos links, isso aumenta a tendência de bots entrarem.

      Responder
  9. DanXP (Daniel Bart Pinheiro)

    Eu nunca ia imaginar que A Caixa fosse chegar a essa grandiosidade quando eu li a parte 1. É um universo incrível esse que você criou Philipe, parabéns, esse conto fica melhor cada vez que avança. E achei legal a ideia do boneco do Leonard ou do Mungo que a colega sugeriu acima.

    Responder
    1. Carlos Dente

      Outro boneco legal seria o do demônio de ‘A Busca de Kuran’, ou um diorama de Leonard enfrentado a bruxa no metrô (beco?) em ‘O Caçador’.

      Responder
  10. BEZALEL

    IIIIIIIII! ai, ai, ai, ai, ai!Sera que a coisa vai ficar preta pro lado da MARA? Esperamos que voce encontre uma solução satisfatória, e é claro que vai, com certeza!
    isso tá mesmo ficando muito bom!(ou mal)

    Agora mudando um pouco de assunto, asistindo uma reportagem do Roberto Cabrini, sobre os desmnandos nas terras da amazonia, envolvendo seringueiros, me ocorreu uma curiosidade: de onde vem toda a borracha para fabricar essa enormidade de pneus ou outros materiais? É só de um tipo de árvore? Que outra região tambem produz alem do brasil? É só natural a borracha que conhecemos ou a sintética tambem existe?
    É que a impressão que dá é que a extracão natural é muito precária e a quantidade seria muito aquém da dependencia que criamos desse material, que me diz?

    Assunto para um “post”?

    Responder
    1. Carlos Dente

      A maior parte da borracha existente hoje é sintética ou mista, e a maior parte da matéria-prima para “borracha de verdade” vem do Sudoeste da Ásia: sistemas de adaptação da espécie em estufas permitiu, no passado, que a seringueira se adaptasse aos climas asiáticos e centro-americanos.

      Responder

    2. Opa, valeu aí.
      Quanto a sua pergunta da borracha, acho que posso ja começar a responder aqui antes de fazer um post com isso, o que é tb uma boa ideia, pois no passado eu ja tive esta duvida tb.
      Existem dois tipos de borracha: Borracha natural e borracha sintética. Até a sintética, que é formada por elastômeros quimicos ser inventada, toda a produção de borracha do mundo era à base de borracha natural. O Brasil durante um tempo foi o maior exportador de borracha no mundo, e Manaus chegou a ser uma das mais ricas cidades do mundo graças ao ciclo da borracha. Eles ficaram tão ricos com o extrativismo, que – olha que coisa GUMP – chegaram a cobrir RUAS com camadas de borracha, para que as carruagens não afetassem o som das orquestras no theatro municipal de Manaus. Incrivelmente, no Brasil fizemos uma inversão, criando o “Pneu” na via e não na roda!
      Então, havia tanta borracha e a produção era tão excepcional que o próprio Henry Ford resolveu criar uma cidade utópica no meio da Amazônia, chamada “Fordlândia”. A cidade foi construída e hoje foi engolida pela floresta e é considerada uma das mais interessantes CIDADES FANTASMA do mundo.
      Pra vc ter uma ideia do que foi economicamente o monopolio da borracha, Manaus tinha, em 1849, cinco mil habitantes, e, em meio século, graças ao látex, a população cresceu para 70 mil!
      O ciclo da borracha teve dois grandes períodos, no primeiro, o preço decaiu por incompetência gerencial do governo, ainda monárquico, que sofria pressão dos cafeicultores que achavam que só devia haver investimento para o café (burrada suprema) e o segundo na segunda guerra, que foi bem traumatico, porque uns caras ROUBARAM mudas de seringueira e levaram contrabandeadas para a ásia. Foi o primeiro grande caso mundial de trafico de espécies, e até hoje, o mais emblemático, porque FODEU a economia do norte do Brasil. Se não me engano, foi na Malásia onde as seringueiras “piratas” se desenvolveram bem e até hoje eles ainda são grandes exportadores de latex. Havia uma demanda muito grande pela borracha porque ela tinha baixa durabilidade, e quando inventaram a VULCANIZAÇÂO, (um cara inventou em casa, usando os utensílios de fazer comida da esposa, depois de falir varias vezes na tentativa e erro) a borracha passou a durar muito mais, o que contribuiu para uma acentuada redução no consumo. Mas a morte do extrativismo da borracha mesmo veio depois da segunda guerra, quando a borracha sintética invadiu o mundo, e ajudou a torná-lo o que conhecemos hoje.

      Responder
  11. BEZALEL

    Hi…! Sei não, Carlos Dente. Isso já é um post.
    Pqp, PHILLIPE, V. é rápido mesmo né? Parabéns. Valeu pelos esclarecimentos. Ta muito bem explicadinho, para um simples comentario. Matou à pau!
    E aí Carlos D….. V. Também mandou bem! Também tá de parabéns!

    Abraços p. Todos!

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.