Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on email
Email
Share on whatsapp
WhatsApp

Segunda a padaria não abre.

Subitamente sou acometido de uma vontade insana de comer um sonho de creme. Maldita sabotagem cerebral.
Pego o carro, encaro um engarrafamento, vou ate o mercado, cheio de fila.
No mercado a placa ameaça os malandros: Estacionamento para clientes. Não clientes:R$10,00 -Fração, R$10,00.
Meia hora esperando a moça da padaria parar de contar pra outra o que passou no Fantástico ontem. Ela me viu, fingiu que eu era o homem invisível e continuou. Com paciência de monge shaolim, espero para pedir o sonho. Inflaciono meu desejo ao me deparar com sonhos esféricos, verdadeiras cornucópias de doce de leite.

Realizo o meu desejo de obter meus sonhos.

A moça os acondiciona com cuidado em bandejinhas, envoltas com plastico transparente. São tantas voltas de plastico que começo a me intrigar se ela acha que vou tentar comer sem pagar. As voltas vão se sobrepondo, uma a outra, camada após camada do plastico branco. Penso que se aquilo saísse do bolso dela ela não botaria tantas.
“Essa dona tem talento para descontaminadora radioativa” – Penso, constrangido ao ver verdadeiras camadas geológicas de plástico se sobrepondo na caixinha do sonho.

Feliz, de posse dos meus sonhos, encaro os “néns” da fila para voltar pra casa.
A mulher do caixa pergunta se pagarei meus sonhos no dinheiro ou no cartão.
Pego o carro no estacionamento. Uma batida, engarrafamento, um infeliz atravessa o carro na faixa, fecha o cruzamento com uma picape que só não é maior que o ego dele e por fim um ônibus tenta misturar as tintas com o meu carro. Habilmente evito o busum pilotado pelo maníaco. Levo fechada de um golf preto dirigido por um cara magro tostado de sol, sem camisa, cabelo reco e cordão de ouro. É um “prey”. Prey de “preyboy”. Entro na minha rua.

Enfim a segurança das grades do condomínio, nossa prisão de luxo. Cumprimento o porteiro, o carcereiro de terno e gravata.

Conseguiu o sonho? -Ele pergunta, incrédulo, já imaginando que dei de cara na porta da padaria fechada.

Levanto o saquinho do mercado, eufórico. Exultante, ele me cumprimenta pelo esforço de “correr atrás dos meus sonhos”.

-Eu não desisto dos meus sonhos, cara!

Chego em casa, os sonhos pulsando na bandejinha.

A manobra de desenrolar o plástico é quase cirúrgica. É quase um parto.

Tenho que ter cuidado para que não espalhe o creme e o doce e leite por toda a embalagem. O sonho sem a generosa camada de recheio a verter de seu interior, é como uma mulher gostosa e feia.

Pego o sonho e enfio na boca. Mordo com o frenesi de um tubarão branco diante do turista alemão na água.

A primeira surpresa desagradável é encontrar duas bolotas pesadas de massa, gordurosas.

Tento abstrair a questão “infarto do miocárdio” daquele encontro íntimo com meu sonho. O recheio estava bom, mas enjoativo. A textura, parecia com a do fígado ressecado de um cachorro morto de beira de estrada. Não que eu já tenha comido um cachorro morto de beira de estrada, mas posso imaginar como deve ser ruim comer esta merda, e isso é quase tão ruim quanto o sonho. A diferença é que o sonho é doce.
Percebo então que as infinitas camadas de plástico visavam ocultar a verdade de que meus sonhos estavam velhos.

Todo trabalho, toda a aventura, todo esforço para encontrar meus sonhos, tinha sido em vão.

Deviam mudar o nome deles para pesadelos de creme.

Me conforto com meus pensamentos sobre os sonhos dos meus sonhos. Me sinto tão decepcionado quanto os eleitores do Lula.

Talvez um dia, quando as brumas do esquecimento atuarem, eu esqueça do fígado de cachorro morto e volte a desejá-los. Empreenderei uma nova quest e quem sabe, sairei vitorioso. Afinal, eu não desisto fácil dos meus sonhos.

Sonhos de creme

Comments

comments

Segunda a padaria não abre.

Subitamente sou acometido de uma vontade insana de comer um sonho de creme. Maldita sabotagem cerebral.
Pego o carro, encaro um engarrafamento, vou ate o mercado, cheio de fila.
No mercado a placa ameaça os malandros: Estacionamento para clientes. Não clientes:R$10,00 -Fração, R$10,00.
Meia hora esperando a moça da padaria parar de contar pra outra o que passou no Fantástico ontem. Ela me viu, fingiu que eu era o homem invisível e continuou. Com paciência de monge shaolim, espero para pedir o sonho. Inflaciono meu desejo ao me deparar com sonhos esféricos, verdadeiras cornucópias de doce de leite.

Realizo o meu desejo de obter meus sonhos.

A moça os acondiciona com cuidado em bandejinhas, envoltas com plastico transparente. São tantas voltas de plastico que começo a me intrigar se ela acha que vou tentar comer sem pagar. As voltas vão se sobrepondo, uma a outra, camada após camada do plastico branco. Penso que se aquilo saísse do bolso dela ela não botaria tantas.
“Essa dona tem talento para descontaminadora radioativa” – Penso, constrangido ao ver verdadeiras camadas geológicas de plástico se sobrepondo na caixinha do sonho.

Feliz, de posse dos meus sonhos, encaro os “néns” da fila para voltar pra casa.
A mulher do caixa pergunta se pagarei meus sonhos no dinheiro ou no cartão.
Pego o carro no estacionamento. Uma batida, engarrafamento, um infeliz atravessa o carro na faixa, fecha o cruzamento com uma picape que só não é maior que o ego dele e por fim um ônibus tenta misturar as tintas com o meu carro. Habilmente evito o busum pilotado pelo maníaco. Levo fechada de um golf preto dirigido por um cara magro tostado de sol, sem camisa, cabelo reco e cordão de ouro. É um “prey”. Prey de “preyboy”. Entro na minha rua.

Enfim a segurança das grades do condomínio, nossa prisão de luxo. Cumprimento o porteiro, o carcereiro de terno e gravata.

Conseguiu o sonho? -Ele pergunta, incrédulo, já imaginando que dei de cara na porta da padaria fechada.

Levanto o saquinho do mercado, eufórico. Exultante, ele me cumprimenta pelo esforço de “correr atrás dos meus sonhos”.

-Eu não desisto dos meus sonhos, cara!

Chego em casa, os sonhos pulsando na bandejinha.

A manobra de desenrolar o plástico é quase cirúrgica. É quase um parto.

Tenho que ter cuidado para que não espalhe o creme e o doce e leite por toda a embalagem. O sonho sem a generosa camada de recheio a verter de seu interior, é como uma mulher gostosa e feia.

Pego o sonho e enfio na boca. Mordo com o frenesi de um tubarão branco diante do turista alemão na água.

A primeira surpresa desagradável é encontrar duas bolotas pesadas de massa, gordurosas.

Tento abstrair a questão “infarto do miocárdio” daquele encontro íntimo com meu sonho. O recheio estava bom, mas enjoativo. A textura, parecia com a do fígado ressecado de um cachorro morto de beira de estrada. Não que eu já tenha comido um cachorro morto de beira de estrada, mas posso imaginar como deve ser ruim comer esta merda, e isso é quase tão ruim quanto o sonho. A diferença é que o sonho é doce.
Percebo então que as infinitas camadas de plástico visavam ocultar a verdade de que meus sonhos estavam velhos.

Todo trabalho, toda a aventura, todo esforço para encontrar meus sonhos, tinha sido em vão.

Deviam mudar o nome deles para pesadelos de creme.

Me conforto com meus pensamentos sobre os sonhos dos meus sonhos. Me sinto tão decepcionado quanto os eleitores do Lula.

Talvez um dia, quando as brumas do esquecimento atuarem, eu esqueça do fígado de cachorro morto e volte a desejá-los. Empreenderei uma nova quest e quem sabe, sairei vitorioso. Afinal, eu não desisto fácil dos meus sonhos.

Sonhos de creme

Comments

comments

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp

12 ideias sobre “Sonhos de creme

  • 12 de agosto de 2013 em 18:51
    Permalink

    Caraca, só acho que o nome da Lei de Murphy tinha que mudar pra Lei de Gump, porque poutz, mesmo eu sendo um cara azarado não consigo chegar nesse nível. O máximo que acontece comigo é eu tentar de todas as maneiras ler O Iluminado e não ter em edição de bolso em nenhuma livraria.

    Resposta
  • 12 de agosto de 2013 em 19:07
    Permalink

    Philipe voce é meu idolo … você é mais azarado que eu ><
    Aventura nova \o/

    Resposta
  • 12 de agosto de 2013 em 19:09
    Permalink

    Philipe você é o meu idolo…você consegue ser mais azarado que eu ><.
    Aventura nova \o/

    Resposta
  • 12 de agosto de 2013 em 20:15
    Permalink

    puts me deu vontade de comer sonho mesmo assim kkkkk

    Resposta
  • 12 de agosto de 2013 em 21:04
    Permalink

    Comigo já aconteceu situação semelhante… mas os sonhos não estavam velhos… era o recheio que estava meio “azedo”, mesmo com aparência de novo.

    Até hoje eu não entendo bem isso… tem locais que esse creme sempre é bom, e outros que sempre tem esse gosto meio azedo (o que torna o sonho uma insonia).

    Mas enfim, quando a vontade bate… é triste eu ter que atravessar a cidade para ter certeza de comer um sonho de creme com sabor “certo”.

    Resposta
    • 12 de agosto de 2013 em 22:45
      Permalink

      O melhor que eu comi foi em Lisboa, numa pastelaria ali perto da estátua do Fernando Pessoa. Dá água na boca só de lembrar. Era uma monstruosidade de sonho.

      Resposta
  • 12 de agosto de 2013 em 21:20
    Permalink

    Na certa o seu sonho não era FriSonho né?

    Ta no lucro, deu sorte do creme não estar azedo.

    Resposta
  • 12 de agosto de 2013 em 22:50
    Permalink

    Sonho é um problema mesmo.

    Visualmente é quase sempre lindo, apetitoso, de dar água na boca. E aí na primeira mordida… aquela decepção…

    Resposta
  • 17 de agosto de 2013 em 21:57
    Permalink

    Tem algo parecido com sonho, independente do recheio de creme/doce de leite, que tem coco ralado em cima… chamam de “Marta rocha” … é minha grande tentação depois do sonho…

    agora o triste, independente da qualidade mas altamente frustrante quando de ótima qualidade, é descobrir ao final da ultima mordida, que “o sonho acabou” … XD

    Resposta
  • 22 de agosto de 2013 em 12:52
    Permalink

    Minha tia que dizia isso…

    “Os sonhos da padaria eram sonhos, ou pesadelos?”

    Até o dia que ela me deu um dinheirinho pra comprar pão e mortadela, me deparei com sonhos lindos por 1 real, comprei ele e os pães.

    Minha tia chegou viu que eram só 6 pães e perguntou “ué, só deu pra comprar isso, era pra ter dado mais hen?” ai eu respondi ‘desculpa tia, comprei um sonho, não resisti’

    Ela respondeu de volta brava ‘não devia ter comprado o sonho, devia ter comprado a realidade ò.ó’

    hahahaha é bobo eu sei, mas os sonhos nunca são de hj, mas se a gente pergunta pra pessoa da padaria, ela sempre te diz ‘são de hj agora!’ hahaha

    Resposta
  • 25 de setembro de 2013 em 17:44
    Permalink

    Meu pai chamava esses sonhos com creme de boca de epilético.

    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Eu dei duro aqui

Com 15 anos de sangue suor e lágrimas, eu me esforcei para fazer um dos blogs mais antigos e legais do Brasil. Mis de 5000 artigos, mais de 100.000 comentários, mais de 20 livros, canal, programa de rádio, esculturas... Manter isso, você pode imaginar, não é barato. Talvez você considere me apoiar no Patreon e ajudar o Mundo Gump a não sair do ar.
Ajuda aí?

Conheça meus livros

error: Alerta: Conteúdo protegido !!