Poema da surpresa repentina

Tive uma surpresa repentina
Quando a noite findava ao lume
Com a brisa que entrava sorrateira
trazendo à alcova seu perfume
seu cheiro de menina,
mulher derradeira

Da surpresa fiz o encanto
Em todos os beijos que lhe roubei
Como o perfume que furtei do vento
Do teu corpo que adorei
Na memória apaguei seu pranto
No desejo, forjei meu pensamento

Na escuridão onde nada se via
Senti você ao meu lado
Em meio a surpresa repentina
Busquei seu corpo afobado
Só encontrei a cama fria
Que preenchi com tristeza libertina

Receba o melhor do nosso conteúdo

Cadastre-se, é GRÁTIS!

Não fazemos spam! Leia nossa política de privacidade

Philipe Kling David
Philipe Kling Davidhttps://www.philipekling.com
Artista, escritor, formado em Psicologia e interessado em assuntos estranhos e curiosos.

Artigos similares

Comentários

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here

Últimos artigos