Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on pinterest
Pinterest
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on whatsapp

Não sei quanto a você mas eu sempre que me pego ouvindo uma musica digital costumo deixar a mente vagando a esmo por ideias que surgem inesperadamente, inspiradas pela musica. Acho que já falei sobre isso aqui antes. Mas o que talvez eu não tenha falado, é como me impressiono como o fato de que a tecnologia conseguiu um grande feito, que foi conseguir tornar uma musica qualquer em algo leve, que pode ser baixado rapidamente. A geração mais atual, talvez não se ligue na dificuldade monstruosa que foi para sairmos do analógico e ingressarmos no digital. Musicas – e video – sempre foram verdadeiros elefantes de dados. Ainda hoje, com Spotify, Netflix e toda essa comodidade de dados sob demanda, ainda me choco como a porra do MP3 consegue “colocar o elefante dentro dum envelope”.

O MP3 (MPEG-1/2 Audio Layer 3) foi um dos primeiros tipos de compressão de áudio com perdas quase imperceptíveis ao ouvido humano. O seu bitrate (taxa de bits) é da ordem de kbps (quilobits por segundo), sendo 128 kbps a taxa-padrão, na qual a redução do tamanho do arquivo é de cerca de 90%, ou seja, o tamanho do arquivo passa a ser 1/10 do tamanho original.
A taxa de bits pode chegar a até 320 kbps (cerca de 2,3 MB/min de áudio), gerando a máxima qualidade sonora do formato, na qual a redução do tamanho do arquivo é de cerca de 75%, ou seja, o tamanho do arquivo passa a ser cerca de 1/4 do original. Há também outras taxas intermediárias, cuja escolha depende da relação custo-benefício desejada, onde o tamanho do arquivo pode ser reduzido em detrimento da qualidade/fidelidade do som. Para efeitos de comparação, as músicas de um CD de áudio comum possuem uma taxa de amostra de dados de 1411,2 kbps.

O Moving Picture Experts Group, acrônimo MPEG, cujo nome verdadeiro é  “ISO / IEC JTC 1/SC 29/WG 11”, é uma denominação de codificação de imagens em movimento e áudio, criado por uma comissão técnica, formada pela ISO e IEC, encarregada de estabelecer normas para a representação de áudio digital, vídeo e outros tipos de mídia para atenderem a uma ampla variedade de aplicações.

O Comitê foi instituído em janeiro de 1988 por Leonardo Chiariglione e se reuniu pela primeira vez nos dias 10, 11 e 12 de maio de 1988. Normalmente, reuniam-se, em média, quatro vezes por ano. Na primeira reunião houve participação de 25 membros, enquanto que, atualmente, as reuniões são frequentadas por mais de 350 membros que representam mais de 200 empresas e organizações de 20 países ao redor do mundo.

O método de compressão com perdas empregado na compressão do MP3 consiste em retirar do áudio tudo aquilo que o ouvido humano normalmente não conseguiria perceber, devido a fenômenos de mascaramento de sons e de limitações da audição humana. O ouvido humano consegue captar frequências de 20 Hz até 20 kHz.

Pra se ter uma ideia do que representou em termos de revolução o MP3, um CD comum pode armazenar até mais de 12 horas de áudio em MP3 de 128 kbps!

Mas apesar de todo o avanço que o MP3 nos agraciou, há quem torça o nariz (ou melhor, os ouvidos) para o formato. Ainda que não neguem suas qualidades e seu impacto para o mundo conforme conhecemos hoje, há quem sustente que nessa transição do analógico para o digital, os mp3s muitas vezes despojaram a música de sua “essência”. Hoje, encontramos as pessoas gastando tempo e dinheiro tentando encontrar formas de “recuperar essa substância intangível”.

Os fantasmas num Mp3

Mas e os sons que escapam quando você comprime um mp3?

Ryan Maguire tem gasto muito tempo com esses fantasmas. Maguire é doutor no Centro de Música para Computadores da Universidade da Virgínia, e seu projeto The Ghost in mp3 explora aqueles sons muitas vezes inaudíveis.

A “paisagem sonora” intitulada moDernisT foi uma colagem de sons perdidos nos processos de compressão de musicas em mp3, obtidos com a música ‘Tom’s Diner’, usado como um dos principais controles nos testes de escuta para desenvolver o algoritmo de codificação de mp3.

Aqui encontramos a forma da música intacta, mas os detalhes são apenas restos do original. Da mesma forma, o vídeo contém apenas material que foi deixado para trás durante a compactação do “mp4 “.

A filtragem da canção de Suzanne Vega de 1987 , é realmente uma peça bonita de música experimental, mas que de certo modo dá calafrios, lembrando até em alguns aspectos experimentos como o radio do tesla e as maquinas de EQM que tentam ouvir espíritos desencarnados. Aumenta o som e taca o play:

No site, Maguire também decompõe colunas de ruído branco, rosa e marrom, “quando comprimido para a menor taxa de bits de mp3 possível”. Esse trabalho é experimental mas nos dá um olhar interessante sobre o que exatamente se perde em compressão e conversão .
Escute só e veja se não dá aquele gostinho das musicas dos “videos vazados da deep web”

 

Maguire conta que alguns anos atrás, estava estudando a história e o desenvolvimento da música eletrônica com Tara Rodgers e a dupla passou muito tempo a analisar os diferentes tipos de música que surgiram dos avanços na tecnologia de áudio. A história da música pode ser rastreada de forma muito próxima ao seguir a história tecnológica. Eles então perceberam que os discos de vinil tinham inspirado música concreta e arranhões, a era seguinte, das fitas cassete inseriram mixagens e colagens, feitas então com tesoura e fita adesiva, e depois músicas inspiradas em CDs trouxeram inovações de audio. Isso levou a uma reflexão sobre o que seria o legado da prática musical baseada em mp3s.

A principal diferença entre mp3 e todos os meios anteriores para gravar músicas eletronicamente é que os mp3s são explicitamente modelados nas limitações de nossa percepção auditiva. Eles são o que é chamado de um codec perceptual, o que significa que, para reduzir o tamanho do arquivo, cada mp3 utiliza um modelo de percepção auditiva humana para apagar informações que, de acordo com este modelo, a maioria dos ouvintes na maioria das situações não vai ouvir. Essa idéia foi realmente brilhante pelas pessoas que criaram o formato – e também muito audaciosas e, de certa forma, utópico. Funciona extremamente bem.  Ryan Maguire conta que ouve mp3s quase todos os dias, mas como a maioria das coisas, sabe que o formato não é perfeito. Isso despertou nele o interesse pelos sons que este codec apenas descarta. É como  fazer perícia no “lixo”.  O resultado dessa linha de pesquisa é o que leva à música que está desenvolvendo agora.

Por que o “Tom’s Diner” foi o modelo?

Segundo o pesquisador, “Tom’s Diner” em particular foi escolhido para a primeira faixa neste projeto por causa de seu uso como a principal faixa de teste durante o desenvolvimento do formato mp3. Também havia outras faixas em que ela está trabalhando atualmente, mas “Tom’s Diner” sozinho é considerado a “mãe do mp3”. Quando os engenheiros de áudio que desenvolveram o formato tinham um novo protótipo de trabalho para o algoritmo mp3, eles sempre testariam com a musica “Tom’s Diner”, e com base no quão bem essa música ficava codificada, o grupo voltava para a prancheta de desenvolvimento.

Eventualmente, eles decidiram que o codificador já estava maduro o suficiente e ele foi liberado ao mercado. Ryan conta que o que o deixou mais surpreso na tecnologia foram os sons que foram jogados fora.  Por pura curiosidade, ele  resolveu juntar todo o “lixo” resultante da compressão e  quando terminou o  primeiro teste e colocou os fones de ouvido para ouvir o resultado, teve o momento de eureka. Como: “Ei, esses sons são realmente assustadores e lindos. Eu posso trabalhar com isso! ”

Apesar de gostar do formato Mp3 Ryan tem uma opinião pessoal bem clara sobre o que os mp3s fazem para a qualidade da música. Ele diz que os mp3 são ótimos para ouvir através de fones de ouvido no metrô ou no carro,  mas você realmente não pode substituir a experiência de sentar e ouvir algo em um lugar silencioso com bons fones de ouvido ou alto-falantes num formato de áudio de alta fidelidade.

“Eu não me considero um audiófilo, apenas um amante da música, e quando há uma gravação que eu realmente amo, não hesito em comprá-la na melhor qualidade que posso, porque essa experiência de apenas escutar a obra em todos os seus detalhes não pode ser substituída jamais”.

fonte

 

Os fantasmas no MP3

Comments

comments

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on telegram
Telegram

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

error: Alerta: Conteúdo protegido !!