Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on email
Email
Share on whatsapp
WhatsApp

Eu devia ter uns três aninhos. Morava nessa época em Juiz de Fora. Eu não me lembro da história, só sei o que minha mãe conta. E é mais ou menos assim:

Ela tinha saído e me deixou com a babá “tomando conta”. Era dia de faxina. Quando minha mãe chegou da rua, algum tempo depois, viu a babá vendo televisão.

– Cadê o Philipe – Perguntou minha mãe.
– Tá aí pra dentro… – Disse a babá, meio desatenta, levantando pra me procurar.

Nada. Não havia nenhum sinal meu na casa. Apenas o silêncio. Os brinquedos arrumados. Tudo direitinho. Minha mãe entrou em pânico.

A empregada falou que eu estava do lado dela, e então sumi. Minha mãe chamou meu pai e taca os dois a me procurar. Primeiro na casa toda, depois no corredor, casa dos vizinhos, lixeira do andar, elevadores, térreo, garagem, rua…

Eu havia literalmente desaparecido no ar.

Minha mãe estava desesperada com meu pai na cozinha imaginando que alguém tivesse entrado sorrateiramente no apartamento e me levado embora.
Ela olha pro meu pai:
– Eduardo o que vamos fazer?

Então naquele momento de silêncio que antecede o choro desesperado, a minha mãe conta que ouviu uma vozinha fraquííííínha… Quase sumindo:

– Mãããããããããããããa…..* Socooooooooooo*…

– Escuta – Ela disse pro meu pai. – É ele! É ele! – Ao invés do fato de ouvir a minha voz reduzir o desespero, o efeito foi ao contrário. Ela ficou mais nervosa pois se a voz saía fraquinha assim eu devia estar em algum lugar muito perigoso.

Corta e entra flashback:

A empregada vendo novelinha da tarde, provavelmente “marrom glacê” na GLobo, quando eu me levanto e saio meio cambaleante carregando algum brinquedinho. Vou na direção da cozinha… A câmera fica.

Corta e volta para minha mãe. Uma cena igual a de Poltergeist:

– Philipe? – Ela grita olhando para o teto. E continua: – Tá ouvindo a mamãe Philipe?
Passa-se um tempo. Apenas o silêncio. MInha mãe e meu pai se entreolham.

– Mããããããã… Tá escuro aqui….* – A voz fraquíssima, como um rádio fora do ar, sumindo.
– Onde você está meu filho? – Meu pai pergunta, andando sem saber onde olhar. De um lado para o outro na cozinha, abrindo gaveta, armário. Olhando em baixo da mesa… Minha mãe interrompe:
– Philipe, grita pra mamãe!
– Mãããe… Eu tô com medo.
Então a porta da geladeira se abre como uma explosão fantasmagórica, e eu sou vomitado tal qual um pinto molhado para o meio da cozinha. Caio estatelado lá.
Close na cara de espanto-alívio-desespero-e-medo dos meus pais.

Flashback:

Eu entrando na cozinha carregando o brinquedo. OLho a geladeira, sem prateleira, descongelando… ( naquele tempo descongelava-se geladeira nos dias de faxina) Eu vou entrando e a porta se fecha atrás de mim. Tudo fica escuro. Começam a cair pingos terrívelmente gelados em cima de mim. Do lado de fora a empregada se diverete vendo a novela. O galã vai beijar a moça.

Foi a primeira vez que olhei a morte de frente. Minha mãe conta que saí de lá de dentro azul. Os dedos roxos. Eu fiquei fraco, e com três anos é uma força descomunal para abrir a porta da geladeira com aquele ímã de antigamente. A Consul vermelha quase virou um belo de um caixão vertical na cozinha.

Olhei na cara da morte – UM

Comments

comments

Eu devia ter uns três aninhos. Morava nessa época em Juiz de Fora. Eu não me lembro da história, só sei o que minha mãe conta. E é mais ou menos assim:

Ela tinha saído e me deixou com a babá “tomando conta”. Era dia de faxina. Quando minha mãe chegou da rua, algum tempo depois, viu a babá vendo televisão.

– Cadê o Philipe – Perguntou minha mãe.
– Tá aí pra dentro… – Disse a babá, meio desatenta, levantando pra me procurar.

Nada. Não havia nenhum sinal meu na casa. Apenas o silêncio. Os brinquedos arrumados. Tudo direitinho. Minha mãe entrou em pânico.

A empregada falou que eu estava do lado dela, e então sumi. Minha mãe chamou meu pai e taca os dois a me procurar. Primeiro na casa toda, depois no corredor, casa dos vizinhos, lixeira do andar, elevadores, térreo, garagem, rua…

Eu havia literalmente desaparecido no ar.

Minha mãe estava desesperada com meu pai na cozinha imaginando que alguém tivesse entrado sorrateiramente no apartamento e me levado embora.
Ela olha pro meu pai:
– Eduardo o que vamos fazer?

Então naquele momento de silêncio que antecede o choro desesperado, a minha mãe conta que ouviu uma vozinha fraquííííínha… Quase sumindo:

– Mãããããããããããããa…..* Socooooooooooo*…

– Escuta – Ela disse pro meu pai. – É ele! É ele! – Ao invés do fato de ouvir a minha voz reduzir o desespero, o efeito foi ao contrário. Ela ficou mais nervosa pois se a voz saía fraquinha assim eu devia estar em algum lugar muito perigoso.

Corta e entra flashback:

A empregada vendo novelinha da tarde, provavelmente “marrom glacê” na GLobo, quando eu me levanto e saio meio cambaleante carregando algum brinquedinho. Vou na direção da cozinha… A câmera fica.

Corta e volta para minha mãe. Uma cena igual a de Poltergeist:

– Philipe? – Ela grita olhando para o teto. E continua: – Tá ouvindo a mamãe Philipe?
Passa-se um tempo. Apenas o silêncio. MInha mãe e meu pai se entreolham.

– Mããããããã… Tá escuro aqui….* – A voz fraquíssima, como um rádio fora do ar, sumindo.
– Onde você está meu filho? – Meu pai pergunta, andando sem saber onde olhar. De um lado para o outro na cozinha, abrindo gaveta, armário. Olhando em baixo da mesa… Minha mãe interrompe:
– Philipe, grita pra mamãe!
– Mãããe… Eu tô com medo.
Então a porta da geladeira se abre como uma explosão fantasmagórica, e eu sou vomitado tal qual um pinto molhado para o meio da cozinha. Caio estatelado lá.
Close na cara de espanto-alívio-desespero-e-medo dos meus pais.

Flashback:

Eu entrando na cozinha carregando o brinquedo. OLho a geladeira, sem prateleira, descongelando… ( naquele tempo descongelava-se geladeira nos dias de faxina) Eu vou entrando e a porta se fecha atrás de mim. Tudo fica escuro. Começam a cair pingos terrívelmente gelados em cima de mim. Do lado de fora a empregada se diverete vendo a novela. O galã vai beijar a moça.

Foi a primeira vez que olhei a morte de frente. Minha mãe conta que saí de lá de dentro azul. Os dedos roxos. Eu fiquei fraco, e com três anos é uma força descomunal para abrir a porta da geladeira com aquele ímã de antigamente. A Consul vermelha quase virou um belo de um caixão vertical na cozinha.

Olhei na cara da morte – UM

Comments

comments

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp

22 ideias sobre “Olhei na cara da morte – UM

  • 16 de fevereiro de 2006 em 21:04
    Permalink

    É por isso que suas coisas que somem reaparecem na geladeira.. vc tem uma ligação muito profunda com ela… rsrsrsrs

    Resposta
  • 17 de fevereiro de 2006 em 10:55
    Permalink

    Hahahahaha. È verdade. Vou chamar aquela anazinha de voz engraçada pra tirar o capeta da minha geladeira.

    Resposta
  • 30 de maio de 2007 em 14:00
    Permalink

    ta bom intao. Eu também vou contar uma história … se meu pai fosse mulher, eu teria 2 mães.
    minha avó é virgem

    Resposta
  • 30 de maio de 2007 em 14:02
    Permalink

    ta bom intao. minha vó é virgem….. Eu tambem vou contar uma historia:
    se meu pai fosse mulher e teria 2 mães

    Resposta
  • 31 de maio de 2007 em 11:47
    Permalink

    ta bom intao. Na falta do que falar, vamo falar qualquer merda.

    Resposta
  • 14 de novembro de 2007 em 15:00
    Permalink

    ainda bem que minha geladeira é Frost Free entao nao vou deixar aberto pro meu filho entrar! que perigo!

    Resposta
  • 27 de setembro de 2008 em 16:59
    Permalink

    ” A Consul vermelha quase virou um belo de um caixão vertical na cOzinha.” XDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDD :lol2: :lol2: :lol2: :lol2: :lol2:

    Resposta
  • 8 de maio de 2009 em 14:38
    Permalink

    eim to chocada :shocked:
    acho que vc devia se tratar
    bjão x_x

    Resposta
  • 8 de maio de 2009 em 19:19
    Permalink

    :$ :] x_x x_x x_x x_x x_x :curious:

    Resposta
  • 17 de julho de 2009 em 12:08
    Permalink

    sem comentarios ne e vc nao foi pro hospital mesmo ficando todo azul e com os dedos roxos hahahahahaha………….. ;]

    Resposta
  • 20 de julho de 2009 em 17:02
    Permalink

    kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk Muito bom isso!!!

    Resposta
  • 29 de setembro de 2009 em 16:34
    Permalink

    Criança faz cada coisa,tenho pena da minha mãe quando eu era criança

    Resposta
  • 25 de janeiro de 2010 em 0:24
    Permalink

    Hmm… Essas antigas geladeiras vermelhas… x_x

    Resposta
  • 30 de março de 2010 em 19:12
    Permalink

    essa foi sinistra de todos que eu ja li essa foi a mais parecida com minha historia so que eu fiquei preso atras da geladeira :/

    Resposta
  • 21 de agosto de 2010 em 21:48
    Permalink

    Gostei dessa. Principalmente, da Cônsul vermelha. Na casa dos meus pais tinha uma “condenada” dessas. Foram obrigados a vendê-la, pois ela não se destruía.

    Resposta
  • 22 de agosto de 2010 em 19:13
    Permalink

    Uma vez eu fiquei preso dentro do guarda-roupas.Tinha 5 anos.

    Resposta
  • 17 de julho de 2011 em 18:09
    Permalink

    eu já caí com um portão de ferro em cima de mim com 5 anos, não sei quem precisava mais de ajuda, se era ou minha Mãe.

    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Eu dei duro aqui

Com 15 anos de sangue suor e lágrimas, eu me esforcei para fazer um dos blogs mais antigos e legais do Brasil. Mis de 5000 artigos, mais de 100.000 comentários, mais de 20 livros, canal, programa de rádio, esculturas... Manter isso, você pode imaginar, não é barato. Talvez você considere me apoiar no Patreon e ajudar o Mundo Gump a não sair do ar.
Ajuda aí?

Conheça meus livros

error: Alerta: Conteúdo protegido !!