Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on pinterest
Pinterest
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on whatsapp

Esse post tem trilha sonora, então dá play aí no video e deixa rolando:

Será este o crânio do gênio Walfgang Amadeus Mozart?

Ninguém sabe ao certo

Claro, pode-se dizer coisas como sexo, idade, às vezes história de doença ou lesão de um crânio, tornando assim uma incompatibilidade fácil de identificar. Mas mesmo que todos esses elementos coincidam, ainda é difícil fazer uma combinação positiva. Com o advento dos testes de DNA, em teoria, deveria ser capaz de raspar um pequeno osso, fazer alguns testes e ponto: prova definitiva da propriedade do crânio … Infelizmente, não é tão simples no mundo real.

Em 1902, o museu de Mozart em Salzburgo, Áustria, ficou de posse do que se dizia ser o crânio de Mozart. Sem a mandíbula inferior, este crânio correspondia a um registro histórico indicando que Joseph Rothmayer, um coveiro, havia retirado o crânio da sepultura coletiva em que Mozart foi enterrado dez anos após sua morte em 1791.

O museu de Mozart

Embora muitas vezes seja dito que foi enterrado em uma missa ou tumba de indigente, Mozart foi realmente enterrado em uma cova com apenas quatro ou cinco outros corpos, um procedimento padrão de sepultamento da classe média naquela época. De acordo com a história, o coveiro já na intensão de roubar a cabeça do gênio da música, amarrou um fio ao crânio para que soubesse qual era de Mozart quando fosse buscá-lo depois. (O fato de ele ter esperado dez anos para fazê-lo, no entanto, lança algumas dúvidas sobre esta afirmação.)

A partir daí, o crânio passou por várias mãos, um sacristão, uma coleção frenológica do Dr. Hyrtl (que, excluindo o crânio de Mozart, iria para se tornar a coleção de crânios do Museu Mutter ) antes de acabar nas mãos do Mozarteum em 1902.

Por isso, foi com grande entusiasmo que em 2006, 104 anos após a aquisição, o Mozarteum pretendia provar de uma vez por todas que possuía o crânio de Mozart. O plano era testar o DNA do crânio com o DNA dos parentes de Mozart, retirado dos ossos da coxa de sua avó materna e da sobrinha. Mas… Os resultados foram desanimadores.

Usando DNA mitocondrial, os resultados sugeriram que não apenas o crânio não tinha relação com os restos mortais da família Mozart, mas que os restos mortais não tinham sequer relação entre si, lançando dúvidas sobre os restos mortais da família também.

Devido à confusão, o resultado não foi negativo nem positivo, mas totalmente inconclusivo.

Talvez o melhor caso de o crânio ser de Mozart seja o fato de que o crânio mostra que ele foi duramente atingido cerca de um ano antes de seu dono morrer. Isso seria consistente com as dores de cabeça que Mozart descreveu em seu último ano de vida e forneceria alguma explicação adicional para sua morte prematura.

Pintura do retrato de Mozart

 Mas isso também é especulativo, e o mistério do crânio de Mozart, por enquanto, permanece sem solução.

Embora ainda no Mozarteum, o crânio não está mais em exibição, pois enervou vários docentes. No entanto, com um pedido prévio, uma exibição do crânio pode ser oferecida a um intrépido viajante.

A história do Mozart

Mozart mostrou uma habilidade musical prodigiosa desde sua infância. Já competente nos instrumentos de teclado e no violino, começou a compor aos cinco anos de idade, e passou a se apresentar para a realeza europeia, maravilhando a todos com seu talento precoce. Chegando à adolescência, foi contratado como músico da corte em Salzburgo, porém as limitações da vida musical na cidade o impeliram a buscar um novo cargo em outras cortes, mas sem sucesso.

Mozart compondo as partes finais do Réquiem no próprio leito de morte

Seus últimos anos viram surgir algumas de suas sinfonias, concertos e óperas mais conhecidos, além de seu Requiem. As circunstâncias de sua morte prematura deram origem a diversas lendas. Deixou uma esposa, Constanze, e dois filhos.

Foi autor de mais de seiscentas obras, muitas delas referenciais na música sinfônica, concertante, operística, coral, pianística e camerística. Sua produção foi louvada por todos os críticos de sua época, embora muitos a considerassem excessivamente complexa e difícil, e estendeu sua influência sobre vários outros compositores ao longo de todo o século XIX e início do século XX.

Hoje Mozart é visto pela crítica especializada como um dos maiores compositores do ocidente, conseguiu conquistar grande prestígio mesmo entre os leigos, e sua imagem se tornou um ícone popular.

fonte

O crânio de Mozart?

Comments

comments

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on telegram
Telegram

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

error: Alerta: Conteúdo protegido !!