O bizarro caso do homem que virou um par de botas

Eu adoro esses títulos, hahahaha. Mas o pior é que É VERDADE!

Essa é uma história sobre um dos criminosos mais terríveis do século XIX. Quando estava na ativa, e atacava trens e diligências, nunca lhe ocorreu que se transformaria em um par de botas. E, no verdadeiro sentido da palavra.

Aqui está como isso aconteceu…

George Narigudo

George Parrott, era conhecido como George Big Nose. Ele era um ladrão de qualquer coisa, mas sobretudo de gado no oeste selvagem americano no final do século XIX. Narigudo,  também roubou trens e diligências com sua gangue. Naquela época, todas as transações eram feitas em dinheiro e grandes quantias eram frequentemente transportadas em diligências.

Um dia, em 1878, a gangue do Big Nose decidiu tentar a sorte com o trem da Union Pacific, que carregava dinheiro para pagar seus funcionários, no melhor estilo Red Dead Redemption.

Eles encontraram um trecho isolado de trilhos perto do rio Medicine Bow, em Wyoming, puxaram uma muleta dos trilhos neste local e se esconderam nos arbustos, esperando por um trem. Mas um ferroviário vigilante reparou os danos e alertou o xerife.

George Narigudo e seus homens, quando viram que o trem havia passado com segurança por sua “armadilha”, foram para Rattlesnake Canyon perto da cidade de Elk Mountain. Eles foram seguidos de perto por dois policiais, o vice-xerife Robert Widdowfield e o detetive Tip Vincent da Union Pacific. Quando os policiais chegaram ao Rattlesnake Canyon, eles viram as cinzas de um incêndio que havia sido pisoteado às pressas recentemente. Quando Widdowfield se abaixou para tocar nas cinzas para ver se ainda estavam quentes (para entender há quanto tempo os fugitivos haviam partido), ele foi imediatamente morto por um tiro vindo dos arbustos. Vincent se virou e tentou correr, mas também foi baleado.

A Union Pacific Railroad imediatamente ofereceu uma recompensa de $ 10.000 (o que era uma bela grana na época) pela cabeça de George Big Nose. Essa recompensa foi posteriormente dobrada para insanos $ 20.000.

Mas por mais dois anos, George e seus homens vagaram livremente até Big Nose ficar bêbado em um bar e começar a se gabar dos assassinatos de Elk Mountain. Maldita cachaça, hahaha.

Ele foi preso e levado para Rawlins, onde o tribunal considerou George Narigudo culpado e ele foi condenado à forca. Dez dias antes de sua execução programada, em 22 de março de 1881, George Parrott tentou fugir. Com um canivete, ele serrou os rebites dos grilhões das pernas, após o que esmagou a cabeça do carcereiro Robert Rankin. Apesar de ter sido perfurado no crânio, Rankin conseguiu ligar para sua esposa, Rose, que agarrou a arma de seu marido e forçou George Parrott sob a mira de uma arma de volta para a cela. E depois ainda chamam de sexo frágil, hein?

Narigudo levou a pior

Quando a notícia da tentativa de fuga se espalhou pela cidade, uma multidão enfurecida invadiu a prisão, arrastou George Parrott para fora e o enforcou em um poste telegráfico próximo.

Como Parrott não tinha família, o corpo do criminoso morto foi para os Drs. Thomas Magee e John Eugene Osborn, que planejavam estudar o cérebro do criminoso e descobrir de onde vem a propensão ao crime. Os médicos trepanaram o crânio de Parrott e examinaram seu cérebro, mas não encontraram diferenças perceptíveis entre o cérebro do criminoso e o de uma pessoa “normal”. Naquele tempo ideias como essa eram bastante comuns, sendo uma hipótese de que os malfeitores tinham características físicas defeituosas.

A partir desse momento, os experimentos de John Osborne tornaram-se muito estranhos. Ele esculpiu uma máscara mortuária do rosto de George em gesso, depois esfolou as coxas e o peito do morto e a enviou a um curtume em Denver para ser transformada em um par de sapatos e uma maleta médica de pele humana.

Quando o Dr. Osborne recebeu os sapatos, ficou desapontado porque as pontas das botas não tinham os mamilos que ele havia encomendado (lembre-se, metade da pele havia sido removida do peito), mas ele começou a usá-los mesmo assim.

Bandido bom, é bandido-bota

O resto do corpo desmembrado de George foi mantido em um barril de uísque, em solução salina, e Osborne continuou seus experimentos bizarros. Curiosamente, depois disso, o Dr. Osborne decidiu entrar na política e conseguiu se tornar o primeiro governador democrata de Wyoming e, em seguida, secretário de estado adjunto do presidente Wilson. Em seu baile inaugural como governador em 1893, Osborne (ou assim diz o boato) usava aquelas botas infames de pele humana. Testemunhas oculares disseram que ele costumava usar botas feitas da pele de um criminoso notório.

O topo do crânio serrado foi apresentado à assistente de 15 anos do Dr. Osborne, Lillian Heath, que mais tarde se tornou a primeira médica do Wyoming. Ao longo dos anos, ela usou esse topo de seu crânio como cinzeiro e mais tarde como suporte sob a porta do escritório.

Então George Big Nose foi esquecido até 1950, quando os construtores desenterraram um barril de uísque cheio de ossos enquanto cavavam um poço para a fundação do novo prédio. Dentro do barril havia uma caveira com a tampa do crânio cortada, uma garrafa de matéria vegetal incompreensível e um estranho par de calçados.

As autoridades locais sabiam perfeitamente a quem pertenciam os restos mortais, mas decidiram certificar-se de que estavam certos. Alguém se lembrou do cinzeiro da Dra. Lillian Heath, que na época já tinha mais de 80 anos, e entrou em contato com ela. A parte superior do crânio, preservada pelo médico, foi levada à polícia e verificou-se que se encaixava perfeitamente no crânio encontrado no barril. Décadas depois, testes de DNA confirmaram os resultados novamente.

Hoje, os sapatos de couro de George Big Nose, junto com a parte inferior do crânio e a máscara mortuária, podem ser vistos no Carbon County Museum em Rawlins, Wyoming. O topo do crânio está no Union Pacific Museum em Omaha, Nebraska. A maleta médica de couro nunca foi encontrada. Uma história que ilustra perfeitamente a evolução da democracia americana e da aplicação da lei.

fonte

Receba o melhor do nosso conteúdo

Cadastre-se, é GRÁTIS!

Não fazemos spam! Leia nossa política de privacidade

Philipe Kling David
Philipe Kling Davidhttps://www.philipekling.com
Artista, escritor, formado em Psicologia e interessado em assuntos estranhos e curiosos.

Artigos similares

Comentários

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here

Últimos artigos

Gripado

O dia da minha quase-morte

Palavras têm poder?

Um clipe musical 100% AI

Linha 3 do Metrô Rio