Candiru: O peixe vampiro da Amazônia

Descubra essa desgraça de peixe que quer entrar no seu bilau a qualquer custo!

O Candiru é um peixe bizarro… Eles o chamam de “peixe-pau” por causa de seu tamanho minúsculo e formato fino. A partir daí, qualquer conotação agradável acabou. Dizem que as experiências daqueles que cruzaram o seu caminho são sádicas o suficiente para proceder com cautela. O que é verdade e o que é lenda?

candiru

O vasto ecossistema de água doce do Rio Amazonas abriga todos os tipos de vida animal. Muitas dessas espécies prosperam em virtude de quão cruéis e ferozes podem ser. Que esta seja a realidade do candiru é mais difícil de garantir. Se ouvirmos muitos dos moradores e indígenas do famoso rio, não há dúvida de que a espécie mais traiçoeira e temível são os peixes pequenos e magros.

Quando falamos deste anfíbio estamos nos referindo à Vanellia cirrhosa, também conhecida como candiru azul ou “peixe vampiro”. Vive nas profundezas da Amazônia e se trata de um parasita, principalmente de outros peixes, embora, como veremos, também possa atacar animais, inclusive humanos na equação (excepcionalmente).

candiru
candiru: O pesadelo na amazônia

A caça ao peixe vampiro

Ao contrário das piranhas, os candiru atacam individualmente, e não em grupos, e não são especialmente grandes como sucuris. Na verdade, está entre os menores vertebrados do planeta. O peixe geralmente fica na escuridão do fundo do rio, perseguindo silenciosamente os peixes vizinhos. Lá a luz é escassa, mas o peixe não precisa ver, basta seguir os vestígios de uréia e amônia que são expelidos pelas guelras.

Neste ponto, o minúsculo caçador persegue a sombra de sua presa, quase invisível devido ao seu corpo translúcido e pequeno tamanho. Quando o alvo expira, o candirú detecta o fluxo de água resultante e se dirige para a cavidade branquial exposta com uma velocidade incrível. Em menos de um segundo, ele penetra na guelra e se contorce por dentro, trazendo para fora um guarda-chuva de espinhos com o qual se engancha e fixa sua posição.

candiru

O peixe geralmente fica na escuridão do fundo do rio, perseguindo silenciosamente os peixes vizinhos. Lá a luz é escassa, mas o peixe não precisa ver, basta seguir os vestígios de uréia e amônia que são expelidos pelas brânquias. Sem levar em conta os movimentos espasmódicos
e o pânico do hospedeiro, o parasita inicia o celebração. Ancorado firmemente em seus espinhos, o peixe imediatamente começa a morder um buraco em uma artéria próxima com seus dentes de agulha, a recompensa jorrando e o cenário do filme sangrento se tornando realidade.

candiru
O cantiru tem um engenhoso agrupamento de espinhos na altura de sua guelra que faz com que ele se prenda fortemente, impedindo que seja puxado.

Em aproximadamente três minutos, a barriga desse demônio da água incha com o sangue de sua vítima e retrai suas garras presas dentro do peixe. E embora possa parecer que o alvo foi salvo, a verdade é que os seus ferimentos são tão extensos que as hipóteses de sobrevivência são mínimas. Enquanto isso, o candiru retorna ao lugar de onde veio, retornando às sombras das profundezas da Amazônia para digerir seu alimento.

candiru
Peixe sendo atacado pelos candirus

O candiru e sua predileção pelo pênis humano

A verdade é que existem muitas histórias na região, a maioria delas aterrorizantes, sobre os ataques dos candiru aos humanos. Não é incomum que quem nada ou toma banho no rio urina enquanto está na água, ação que cria pequenas correntes de água rica, justamente, em uréia e amônia, assim como um peixe exala. Eugene Willis Gudger contou o seguinte em seu ensaio de 1930 publicado no American Journal of Surgery:

candiru
Uma das piores desgraças que pode acontecer com seu pênis

Em toda a Amazônia, e por mais de cem anos, foi contada a história de um peixe que tem o incrível hábito de penetrar na uretra dos banhistas, principalmente se urinarem na água.
O trabalho de Gudder capta muitas das experiências dos povos indígenas desde 1820, embora muitas das histórias sejam francamente difíceis de verificar.

Relatos dizem que o peixe minúsculo e magro nem sempre distingue a urina humana de uma exalação das guelras do peixe, e às vezes tenta aquele ataque característico em alta velocidade contra a uretra exposta e submersa. Se assim for, o cenário descrito acima muda sensivelmente. Imaginar um ataque desta magnitude a um pénis pobre e indefeso na água é simplesmente horrível. É realmente possível?

Um cara chamado Silvio Barbosa foi uma daquelas raras almas que sofreram o ataque devastador. O homem nadava no rio Amazonas quando o pequeno parasita o atacou. Segundo Silvio:

Tive que urinar. Levantei-me e foi então que ele me atacou. O candiru me atacou quase sem perceber. Quando o vi, fiquei apavorado. Eu o agarrei rapidamente para que ele não pudesse ir mais fundo. Eu só conseguia ver a ponta da cauda balançando. Tentei agarrá-lo, mas ele escapou e entrou…

A história desse homem é parecida com o que contam os indígenas da região. Quando o candiru invade com sucesso um ser humano, ele procede exatamente como faria com um peixe hospedeiro. Depois de entrar no buraco identificado incorretamente, o peixe se contorce o máximo possível, muitas vezes acompanhado pelas tentativas frenéticas da vítima de agarrar a cauda escorregadia coberta por algo parecido com muco.

candiru

Candirus são peixes pequenos e bizarros. Os membros do gênero Vandellia podem atingir até 17 cm de comprimento padrão, mas alguns outros podem atingir cerca de 40 cm. Cada um tem uma cabeça bastante pequena e uma barriga que pode parecer distendida, principalmente após uma grande refeição de sangue. O corpo é translúcido, dificultando a localização nas águas turvas de sua casa. Existem barbos sensoriais curtos ao redor da cabeça, juntamente com espinhos curtos e apontando para trás nas capas branquiais.

No caso improvável de a vítima em pânico conseguir agarrar o peixe, suas pontas, provavelmente enganchadas dentro da uretra para trás, causariam uma dor excruciante e indescritível a cada puxão, e um forte poderia se transformar em uma lágrima tão dramática quanto sangrenta para a pessoa. Uma vez completamente dentro, o parasita continua seu caminho até encontrar uma boa membrana de sangue com a qual estender suas presas sobre o tecido circundante e começar a se banquetear novamente.

Mas o filme de terror desse peixe da amazônia não termina aqui. Para o candiru, esta viagem equivocada ao pênis de um homem será a última.

O banquete sangrento acaba deixando-o tão inchado que não consegue escapar pelo buraco. Segundo a lenda das vítimas, muitos homens escolheram a castração como alternativa a uma morte lenta, embora insuportável, antes que a cirurgia fosse uma opção.

 

muitos homens escolhem a castração como alternativa a uma morte lenta causada pela infecção de um peixe morto apodrecendo dentro do seu corpo

 

Como escreveu George Albert Boulenger, curador de Fishes no Museu Britânico, no início do século XX,

“o veredicto de todos os relatos existentes sobre estes ataques é que a única forma de evitar que cheguem à bexiga, onde provocam inflamação e, em última instância, a morte , é amputar o pênis.”

Oh, shit! Amputar o bilau?

No entanto, Boulenger não testemunhou nenhum ataque diretamente, nem Gudder. Em 2002 e para acabar (ou não) com a lenda, um grupo de investigadores da Universidade de Connecticut liderado por Stephen Spotte elaborou um plano. A equipa concluiu que, uma vez que os peixes conseguem alimentar-se com sucesso em águas lamacentas e turbulentas (muitas vezes à noite), devem ter adaptações sensoriais refinadas que lhes permitam detectar sabores e cheiros característicos das suas presas.

Eles então testaram os peixes contra outros peixes vivos com atrativos químicos (como amônia). O resultado? Ele respondeu com “apetite” aos peixes, mas ignorou quaisquer sinais químicos. Os investigadores apontaram então que deveria haver outro motivo para o alegado ataque a humanos.

Neste ponto voltamos à história de Silvio que aconteceu em 1997. Esta é, segundo dizem,  a única evidência de primeira mão disponível na literatura médica. Spotte decidiu ir ao médico que tratou Silvio em Manaus (Brasil). O homem teve a sorte de ter acesso a instalações médicas modernas, embora tenha suportado três dias de profunda agonia antes que o peixe fosse removido pelo cirurgião urogenital, Anoar Samad.

Samad aparentemente lhe apresentou fotos e até um vídeo da operação, mas Spotte ainda duvidava. Conforme afirmado num trabalho subsequente, a vítima afirma que o candiru subiu pelo jato de urina antes de se agarrar violentamente à uretra. Spotte indica que é incrível, pois “para nadar na corrente de urina, o peixe deve nadar mais rápido que a força da corrente e sair da água contra a gravidade”.

Será um mito?

Em suma, a ideia do peixe nadando e entrando completamente num pênis parece ir contra as próprias leis da dinâmica dos fluidos. Relatos verificados de ataques de candiru aos órgãos genitais humanos são tão raros que é difícil acreditar que um peixe seja capaz de nadar até um jato de urina vindo de cima e penetrar no pênis.

Embora muitos possam atribuir o canduri no bilau a um mito muito difundido na região até entre os índios e população ribeirinha que vive lá há séculos, há casos que mostram indubitavelmente o peixe na região genital das pessoas.

Em 1836, Eduard Poeppig documentou uma declaração de um médico local no Pará, conhecido apenas como Dr. Lacerda, que ofereceu uma testemunha ocular de um caso em que um candiru havia entrado em um orifício humano. No entanto, estava alojado na vagina de uma mulher nativa, em vez de na uretra masculina. Ele relata que o peixe foi extraído após aplicação externa e interna do suco de uma planta de xagua (que se acredita ser um nome para o jenipapeiro).

Outro relato foi documentado pelo biólogo George A. Boulenger, de um médico brasileiro, chamado Dr. Bach, que examinou um homem e vários meninos cujos pênis foram amputados. Bach acreditava que este era um ato executado por causa do parasitismo do candiru, mas ele estava apenas especulando, pois não falava a língua de seus pacientes.

O biólogo norte-americano Eugene Willis Gudger observou que a área de onde os pacientes eram não tinha candiru em seus rios e sugeriu que as amputações eram muito mais prováveis ​​do resultado de terem sido atacadas por piranhas.

Em 1891, o naturalista Paul Le Cointe fornece um raro relato em primeira mão de um candiru entrando no corpo humano e, como o relato de Lacerda, envolvia o peixe alojado no canal vaginal, não a uretra. Na verdade, Le Cointe relata que removeu o peixe, empurrando-o para a frente para desengatar os espinhos, girando ao redor e removendo-o de frente.

Gudger, em 1930, observou que houve vários outros casos em que os peixes entraram no canal vaginal. Segundo Gudger, isso dá credibilidade à improbabilidade de o peixe entrar na uretra masculina, com base na abertura relativamente pequena que acomodaria apenas os membros mais imaturos da espécie.

candiru
Apenas candirus minúsculos poderiam entrar pela uretra

Bem, o que eu posso dizer? A foto do raio x de um peixe dentro do cara devia bastar. Quando meu pai fez o Projeto Rondon, ele ficou na Amazônia e todo mundo lá sabia do perigo desse peixe e é por isso que os índios amazônicos locais nadam com uma proteção na ponta de seus órgãos genitais.

candiru
Candiru attack fonte

Portanto, é lógico que se você urinar na Amazônia enquanto seus órgãos genitais estão submersos e expostos, segundo os cientistas de gabinete, “o risco é ridiculamente improvável”.

Mas quem vai lá fazer o teste para garantir? Eu que não sou!

 

Receba o melhor do nosso conteúdo

Cadastre-se, é GRÁTIS!

Não fazemos spam! Leia nossa política de privacidade

Philipe Kling David
Philipe Kling Davidhttps://www.philipekling.com
Artista, escritor, formado em Psicologia e interessado em assuntos estranhos e curiosos.

Artigos similares

Comentários

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here

Últimos artigos