Uma história de honestidade

Fui dar uma olhada no meu email e achei um subject que me chamou a atenção: “Honestidade: Algo raro”.

Uma história de honestidade

Com um título assim, imediatamente preparei meu espírito para ler mais uma daquelas fábulas que circulam entre amigos. Mas não era. No email estava escrito:

Meu caro colega, creio que nao seja muito inteligente abrir seu email
em pleno terminal publico da unb e marcar a opção de salvar a senha.
Se eu fosse uma pessoa maléfica, jah teria deletado seu email ou
mudado a senha. Mas aqui estou eu, te dando uma chance de aprender com
seus erros. Vou enviar esse email para todos de sua lista para que
eles possam aprender tambem, meu qyerido. 🙂 Pode deixar que eu vou
retirar a opçao “lembrar senha” quando sair viu? E nem vou ler seus
email pq nem devem ser interssantes… Um grande abraço! Boas
vibraçoes pra vc, Bruno Sousa! kkkkkkk

Interessante, não?

Foi aí que me liguei que aquele não era um email só pra mim. Era um email para uma cabeçada gigaaaaaaante.

O tal do Bruno Sousa deve ter dado mole de dixar a senha dele gravada num computador de uso público. O cara que veio depois achou aquilo dando sopa e resolveu enviar um email expondo o próprio Bruno Souza. Ele poderia ter mandado um email direto ao interessado, mas não. Ele resolveu mandar um email para todos os malucos da lista de emails do Bruno. Ainda fez o favor de não colocar em cópia oculta, o que produziu a aberração comum de ter o seu email atrelado a milhares de outros que mais tarde poderão ser usados como alvo de spam.

O que mais me intriga em tudo isso não é o pretenso comportamento de pretensa honestidade do sujeito, que entra no login do cara que esqueceu ativado, e manda um email que não é dele. É como uma empresa desenvolve um programa que você não pode configurar como default para nunca, de forma nenhuma, sob nenhuma hipótese, registrar as senhas. A tecnologia caminha para o uso cada vez mais corriqueiro de logins e senhas. Cada vez mais nosso dinheiro, nossos dados, nossa vida depende dessas senhas. Qualquer vacilo pode significar muita dor de cabeça.

Então pensei em fazer um post sobre isso, para usar este caso emblemático de “honestidade” como exemplo. Temos que tomar cuidado com o que escrevemos em certas máquinas. Principalmente se forem senhas.

Related Post

6 comentários em “Uma história de honestidade”

  1. Cara, esse negócio de senha em computador público é dose, já peguei várias máquinas assim, na faculdade e em lanhouses, mas eu sempre saio, também sempre dou a dica pro pessoal clicar no link Sair do e-mail para evitar esse tipo de coisa. Mas dá para ferrar como muita gente assim, eu por exemplo considero meu e-mail como minha carteira de identidade, se eu perder eu tó na roça.

  2. Philippe,

    Software não é sempre um produto e não tem sempre uma empresa por trás. Pode ser fruto de uma comunidade – e freqüentemente é. O pessoal que usa GNU/Linux, por ter mais contato com softwares que são criados pela comunidade, tem isso mais “fresco” na cabeça — e um belo exemplo é o GIMP que eu sugeri pra ti pelo twitter pra substituir seu Photoshop expirado.

    E sobre a questão da privacidade, em especial, o firefox tem uma opção no menu pra “Limpar dados pessoais”, assim como a opção “modo seguro” (em que ele não guarda nenhuma senha e anonimiza tudo que puder) da versão 3.1 do Navegador. Não podia ser outra – o Firefox é um software que, embora sob as asas de uma empresa, é basicamente tocado pela comunidade, com seu código livre e disponível pra quem quiser contribuir. Software que faz o que o usuário quer, não o que uma empresa acha que ele precisa.

    Estou fazendo tanta propaganda de um “estilo de vida” diferente porque afinal de contas esse é o assunto do post: direitos digitais, liberdades, privacidade. Esses são motes de existência do Software Livre.

  3. No navegador Firefox é só chamar passwords que ele te dá TODAS as senhas desde que foi instalado na máquina. Isso num cyber café é chegar e passar o rodo. Ou você instala aquele programa Cain & Abel e ele mostra todas as senhas em XP Profissional mesmo. Já leva para o cyber instalado na pendrive, não tem como eles bloquearem a operação. Ainda bem que só eu e você sabemos disso…

  4. :] :$ 😐 :argh: :wow: :worry: ;] :X :love: :lol2: 😆 :injured: 😀 :/ :happy: =D :curious: :*( 😎 :shocked: 🙁 😛 :raisebrow: :omg: D: :ohhyeahh: O_o 🙂 :sly: esse tal de bruno souza e muinto chato :curious: :happy:

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

shares