22 Comentários


  1. (…)que surge em terrahúmida e (…)
    (…)Ele prospera em condições de calor e humidade.(…)

    Só um adendo, úmido e assemelhados (umidade, umidoso, etc…) se escreve sem H.

    Responder

  2. [quote comment="28615"](…)que surge em terrahúmida e (…)
    (…)Ele prospera em condições de calor e humidade.(…)

    Só um adendo, úmido e assemelhados (umidade, umidoso, etc…) se escreve sem H.[/quote]

    Pode ser escrito com H e sem H. As duas formas são certas.

    HUMIDADE ou UMIDADE?

    Em Portugal, a grafia desta palavra apresenta-se com “h”, sendo assim correto escrever “humidade”, como também “húmido”, “humedecer”, “humedecimento”, “humedecido”, “humidificar”, etc. No Brasil, a grafia adotada é sem “h”: “úmido”, “umidade”, “umedecer”, “umedecimento”, “umedecido”, “umidificar”, etc.

    Até 1943, também grafávamos essa família com “h”. Na reforma ortográfica (ocorrida justamente em 1943), abolimos o “h” desse grupo de palavras. Esse caso não é o único em que se registra diferença gráfica entre a forma portuguesa e a brasileira. Além das inúmeras palavras que em Portugal se escrevem com “c” ou “p” (como “adoptar” e “direcção”), pode-se citar como exemplo dessa divergência a palavra “berinjela”, que entre nós se grafa com “j”, mas em Portugal se escreve com “g” (”beringela”). 😀

    Responder
  3. Maico Jacso Pelado

    Só faltou fazer uma propagandazinha do livro..
    Diz aí qual é! Também me interesso por fungos e seus derivados. B)

    valeu

    Responder

  4. [quote comment="28628"]
    Diz aí qual é! Também me interesso por fungos e seus derivados. B)
    [/quote]
    Adoro coisas desse tipo. :B
    Cara, coisinhas tão pequenas e aparência inofensiva são altamente letais, tipo… DEMAIS! uhahuahu x)

    Responder
  5. Danilo

    Caara! é por causa do ultimo fungo, o aspergillius Flavus que existem tantas ocorrências de cancer gastro-intestinal no Japão, onde o shoyu é consumido diariamente??

    vou ter pesadelos com sashimi hoje…

    ps. O aspergillius apareceu em algum capítulo do House…

    Responder

  6. [quote comment="29243"]Caara! é por causa do ultimo fungo, o aspergillius Flavus que existem tantas ocorrências de cancer gastro-intestinal no Japão, onde o shoyu é consumido diariamente??

    vou ter pesadelos com sashimi hoje…

    ps. O aspergillius apareceu em algum capítulo do House…[/quote]

    Eu fiquei com esta sensação tb. Acho que pode ter a ver sim. Mas é o tipo de coisa, se descobrissem que um produto dos mais exportados pelo tal país é potencialmente letal em grandes quantidades você acha que eles arriscariam perder essa grana ou ficariam na moita fingindo que nada acontece?
    Acho que é por aí…

    Responder
  7. Leonardo

    x_x :gasp: =D :happy: :/ 😀 :love: :wow: :worry: ;] :] 🙂 :sly: :shocked: 0_0

    Responder
  8. pinticus curticus

    Um estudo divulgado hoje pela revista “Nature” afirma que a aids começou, 1 a se propagar por volta do ano 1900, décadas antes do estimado, e coincidiu com o desenvolvimento dos centros urbanos na África.

    Os resultados da pesquisa, dirigida por Michael Worobey, da Universidade do Arizona (Estados Unidos), o HIV começou a se propagar nos seres humanos entre 1884 e 1924, momento em que a África iniciava sua urbanização.

    Estimativas anteriores situavam a origem da epidemia na década de 1930. No entanto, a equipe de Worobey chegou à nova data após comparar as seqüências genéticas de duas amostras do vírus, de 1959 e 1960, as mais antigas encontradas.

    As amostras são de duas pessoas infectadas em Kinshasa, capital da República Democrática do Congo (RDC).

    “A partir deste ponto em diante, as seqüências mais antigas são dos fins das décadas de 70 e 80, do tempo em que soubemos da aids”, diz Worobey, que há anos acompanha vestígios do HIV e, para isso, desenvolveu novas técnicas para recuperar o material genético do vírus.

    Está comprovado que o vírus da aids passou do chimpanzé para o homem no sudeste de Camarões. Entretanto, não estavam claros os fatores que lhe permitiram se espalhar no novo hospedeiro com tanta facilidade.

    A nova data coincide com uma época de mudanças na história da região onde o HIV se originou. No início do século XX, as colônias européias começavam a se instalar nos territórios que hoje são ocupados pela RDC e países limítrofes.

    Segundo os pesquisadores, o crescimento dos novos centros urbanos e as condutas de alto risco associadas a eles talvez tenham sido a causa da rápida expansão do vírus.

    Décadas mais tarde, a partir 1960, o número de infectados com o HIV na região havia disparado.

    Quanto ao futuro do surto da doença, Worobey é otimista. Para ele, assim como as mudanças experimentadas pelo ser humano possivelmente permitiram ao vírus se propagar, está nas mãos do homem reverter a atual situação.

    “Se o HIV tem um ponto fraco, é que se transmite relativamente mal. Existem várias maneiras de reduzir a transmissão e forçar o vírus à extinção, que vão desde melhorar a detecção e a prevenção até usar de um modo mais amplo dos tratamentos com anti-retrovirais”.

    Responder
  9. oooSNJHGDYSF

    o seu tal de Jean say fungo e cogumelo é a mesma coisa!!!!!!!
    😡 😡 😡 😡 😡

    Responder
  10. Amanda

    Streptomyces griseus é uma bactéria da qual foi extraída a Estreptomicina-antibiótico descoberto em 1944- e nao um fungo!

    Responder
  11. Ceu-azul

    para: oooSNJHGDYSF ,    

    fungo e cogumelo não são a mesma coisa, todos os cogumelos sao fungos, mas nem todos os fungos são cogumelos.

    na verdade, os cogumelos são estruturas reprodutivas dos fungos pertencentes ao filo Basidiomycota.

    Responder
  12. Nina

    Aspergillus flavus e aflatoxina não são a mesma coisa. As aflatoxinas são metabólitos tóxicos, denominados micotoxinas, produzidos por A. flavus e diversas outras espécies de fungos. Podem causar intoxicações agudas se ingeridas em alta quantidade em uma única vez, danos hepáticos e câncer, se ingeridas em baixas concentrações por um longo período de tempo.
    Muito interessante, mas é importante cuidar com a qualidade das informações que passamos adiante na internet. 
    Att.   

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.