18 Comentários

  1. Fabio

    Philipe, se vc ta gostando desse negocio mesmo o cara la do TimeScape tá fazendo um filme com os videos dele..tá em pre-venda..tem 3 versões…uma só com o video..uma com making-of e outra mais completa (leia-se cara pra burro) onde ele ensina como faz…o lance dos tracks e tal..

    http://timescapes.org/pre_order.asp

    o blog do cara é interessante tbm http://forum.timescapes.org/blog/

    Tem tbm uns videos no vimeo de um cara mostrando como funciona os trakcs

    http://vimeo.com/31817037

    acho que pode te interessar!
    abs!

    Responder
  2. eduardo

    Ae Philipe, vc pode usar essa técnica em algum momento do seu filme de zumbis…
    Boa sorte!

    Responder
  3. Mezzenga

    Em Itaipuaçu você vai encontrar noites com pouca interferência de luz urbana e com céu bem estrelado.

    Responder
    1. Philipe3d

      Pode crer, no alto daquele morrão la deve dar pra fazer umas fotos DUCA! O foda é sair de lá. Principalmente se chover. Sorte que meu carro tem tração, hahaha.

      Responder
  4. Celio

    O maior  observatório do Brasil, que fica em Brasópolis-MG, já perdeu muito de sua capacidade devido ao crescimento das cidades em volta, tem até um astrônomo que fez um estudo sobre isso. Nós desperdiçamos muita energia com lâmpadas viradas para cima  ou sem parte refletiva no topo.

    Responder
  5. UmPonto

    taí, eu perguntei como fazia, né?
     interessante é este recurso de programar as fotos pra hora que você quiser, não tenho isso, estou com uma G12 da Canon… mas legal essa coisa de usar os RAW…  interessante que as vezes tiro fotos completamente escuras e no tratamento aparece peixes que não dá pra ver no jpeg,(a G12 gera os 2 ao mesmo tempo) divertido gerar o vídeo a partir das imagens, ficou interessante o vídeo, mas as luzes da cidade estouram muito, ainda assim, gostei… a lua ficou interessante, troço meio sombrio.mas poxa… como esses arquivos RAW comem espaço! to me lascando aqui pra lidar com eles.

    e agora no carnaval? não rola uma viagenzinha pro interior pra uma tentativa longe da poluição luminosa?

    Responder
    1. Philipe3d

      Opa, eu fiz este post em sua homenagem. Inicialmente ele era minha resposta, mas ficou muito grande e promovi ela a post.
      Eu vou tentar ir para algum lugar mais distante pra ver se consigo fazer um treco menos tosqueira agora que sei onde vacilei no último. De quebra ainda faço um churras na casa da minha sogra, lá em Papucaia (onde o Judas perdeu as meias).
      Como estava com um intervalo muito grande, demorou muito. A noite toda praticamente. Agora que sei que da pra colocar 2 segundos de intervalo, devo matar um desses aí em mais ou menos umas duas horas. O foda é o cartão. Vou ver se levo meu note, aí descarrego nele.

      Responder
  6. Fabiocb2006

    Eu achei muito legal o que tu já conseguiu, o que tu já aprendeu sobre o processo. Talvez tu estejas sendo um pouco exigente demais contigo mesmo. Mas continuo te acompanhando, e vou ficar feliz de ver o teu progresso.

    Responder
    1. Philipe3d

      Não penso que eu esteja sendo exigente. Algo me diz que a minha maquina consegue fazer um video com a mesma qualidade la do video dos gringos (tirando o dolly automatizado que é caro), eu só tenho que aprender como. Vamos ver o que eu consigo arrumar no carnaval.

      Responder
  7. Henrique

    Premissa… será que foi com câmera fotográfica mesmo? Não poderia ter sido com câmera de vídeo. E mais… Os gringos não são “malucos” ? Tem gente que não abandonou a película… Não poderia ter sido uma câmera de filmar, portanto?

    Responder
    1. Philipe3d

      No site eles dizem qual camera foi. São DSLR. Uma delas é inclusive, igual a minha.

      Responder
  8. Henrique

    De novo eu. Olhei com mais calma o vídeo original, dos gringos. Nunca dá para saber exatamente como cada fotógrafo resolve as questões técnicas de cada sequência, mas dá pra perceber quais teriam sido as soluções utilizadas para cada tomada:
    – tem time lapse;
    – tem HDR time lapsed;
    – tem exposição de dia e de noite sendo repetida seguido de finalização por composição de imagem;
    – tem o uso pontual de recorte (não importa a técnica ou nome, ex.: máscara, chroma key, luma key) ao invés da composição tradicional.

    Não falo do que parece ser dolly´s computadorizados pq não é o foco aqui.
    Atenção: o que falo a seguir serve também para filmes ou vídeos em cor.
    Os filmes tinham o que chamam de latitude ou densidade. Entre o branco total e o preto, a escala de cinza possíveis variavam de filme pra filme. No vídeo e câmeras digitais, é uma porcaria. Independente da máquina, qdo fotografa, vc sempre é obrigado a tomar uma decisão: – qual faixa de luminância vou pegar. Percebo no vídeo dos gringos que tem tomadas que seria impossíveis manter alguma luz na mata e as estrelas sem que estourasse (branco) o céu. (obs.: Por isso que não se vê estrelas nas fotos do homem na lua. Ou fotografava os astronautas exposto ao sol escaldante sem atmosfera ou fotografava as estrelas.)
    Ansel Adams criou um processo intuitivo chamado de escala zonal, para quem fotografa só com fotômetros e não quer se perder nos seus cálculos na hora de fotografar. Mas o mais importante é que se não me engano ele comenta compensações necessárias de tempo a serem feitas para quem fotografa com exposições longas. Procure saber mais detalhes para isso e se vai ajudá-lo também. Qualquer coisa, faça uma chamada aqui, que apareço: – PLIM!

    Abraços
    Henrique

    Responder
    1. Philipe3d

      Cara será que os sujeitos lá não usaram um simples refletor de led, desses baratinhos, dimmerizados, para iluminar as arvores e manter a captura do céu? Eu acho que dá e sai menos trabalhoso que fazer duas vezes a mesma sequencia pra só depois compor. Eu tenho um aqui que dá pra regular até ficar suuuper sutil. Ainda mais em árvores, imagina o suplicio de fazer uma mascara num dolly animado? Num dos videos deles, dá pra ver a traquitana do dolly mecânico usada, e não é um daqueles monstrengos de motion control do George Lucas.

      Responder
      1. Henrique

        A luz das estrelas é ínfima. Qualquer luz sútil tem que ter um primor de precisão. Lembre-se que tem tema de vegetação em primeiro plano e angulado, ou seja, a luz que cai nela em primeiro plano logo esmaece conforme a vegetação tende a ir para o segundo plano. Teria que ter mais de um refletor led e usar a distância do tema para achar o melhor ponto. Nos sites dados por outros aqui com making of, não vi isso, aparentemente. O modo de finalizar as imagens na animação me pareceu a resposta para muita das dúvidas. Está nessa postagem abaixo que fiz anteriormente. é justamente no site dessa truca computadorizada. É uma graça e não é tão cara para o que se propõem. Bem pequena.

        Responder
      2. Henrique

        Justamente pelos disparos serem computadorizados as compensações de tempo já estão incluídas, tirando o melhor de cada foto. Pesquise isso se for fazer manualmente.

        Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.