O misterioso objeto que surgiu do nada

Compartilhe

Meu amigo Bruno Cordeiro estava conversando comigo pelo chat outro dia quando me contou que tem uma coisa Gump que aconteceu com ele quando ainda tinha apenas sete anos de idade. Curioso, ouvi a estranha história sobre um dia em que ele estava brincando no jardim, entrou na casa para pegar brinquedos e ao voltar, quando se deu conta, onde antes não estava nada, agora havia aparecido, como se chegado das profundezas do impossível, um misterioso objeto, que daquele dia em diante, atormentaria Bruno para sempre.

Ele sempre esteve em busca de descobrir o que era aquela coisa, e também como ela foi parar no seu jardim, mas nunca teve sucesso. Perguntaram a vizinhos, a parentes, mas nunca houve uma resposta concreta que elucidasse o estranho mistério, que se resume a quatro palavras simples:

QUE PORRA É ESSA?

Bruno tirou fotos e me enviou. Eu confesso que me bateu uma estranha obsessão de desvendar este misterio que já perdura tantos anos. Mas não obtive sucesso. Levei as fotos para amigos meus que considero bem espertos, e também não saiu nenhuma pista. Não sei o que é isso e muito menos para o que poderia servir. Assim, achei que expondo a busca ao mundo, talvez alguém aí possa saber ou reconhecer o que é esta coisa e qual sua utilização. Vamos às fotos da coisa:

%name O misterioso objeto que surgiu do nada

O misterioso instrumento parece algum tipo de objeto de medida, composto de uma vareta com duas pontas em cada extremidade. Numa das faces da vareta de seção quadrada, há gradações, mas em vez de números estão letras e símbolos, cada qual com um buraco que atravessa a vareta de um lado a outro. Alguns desses orifícios parecem tampados com cera. As letras são gravadas com metal quente na madeira. Mas o objeto não é todo de madeira. Há um tipo de ferro ou arame dobrado que atravessa os orifícios e segura um disco. Esse disco, sem a chave de metal, correria livremente através da vareta. Então, uma coisa é certa: Há uma relação direta entre o disco de madeira e as gradações da vareta.

O objeto é composto de três partes.

12476122 1540058652980788 547250822 n e1452867903649 O misterioso objeto que surgiu do nada

%name O misterioso objeto que surgiu do nada

Aqui podemos ver bem os símbolos nas graduações:

%name O misterioso objeto que surgiu do nada

 

Outra coisa curiosa sobre o estranho objeto é que parecia haver algo escrito a caneta azul no disco, mas é completamente irreconhecível.

12476505 1540060406313946 1389025018 n O misterioso objeto que surgiu do nada

Talvez o nome do dono do estranho objeto?

Outro detalhe do objeto misterioso é que ele parecia ser usado com algum tipo de linha, porque há marcas que podem ser vistas na luz, como se tivessem enrolado uma linha bem fina e apertada tipo um nylon no objeto, de modo muito apertado, ao ponto de marcar a madeira e deixar sulcos. Veja o padrão dessas marcas de linhas:

12483762 1540065136313473 381559217 n O misterioso objeto que surgiu do nada

O que intriga é como algo assim surge do nada na casa de alguém. Lembrando que Bruno e seus pais foram em toda vizinhança em busca de desvendar o que era esta coisa, sem sucesso. Nenhum vizinho jamais viu aquilo.

Eu imaginei que talvez essa coisa pudesse ser algum tipo de objeto de aferição de densidade, mas por que não são números e sim códigos na vareta? Isso ficou com muita cara desses objetos bizarros do Harry Potter, algo que eu nunca estranharia em ver no laboratório de algum alquimista.

Você sabe o que é isso?

ATUALIZAÇÃO: 

Descobriram

Meu amigo Marco Antônio Medeiros descobriu o mistério! O objeto é realmente algo padrão Harry Potter. É um instrumento usado na Radiestesia, chamado Pêndulo cromático. Veja a foto de um pêndulo cromático:

pndulo cromatico cone virtual para radiestesia geobiologia 10513 MLB20030359344 012014 F O misterioso objeto que surgiu do nada

A pequena trava de aço serve para posicionar o disco nas diversas cores. Este instrumento é composto de uma tira de madeira arredondada; um lado achatado tem impressas as doze vibrações do “equador Chaumery-Bélizal” e as duas extremidades acabam em forma de cone. Um disco de maiores dimensões, calculado em relação, desliza na tira das vibrações-cor, estabelecendo deste modo um cone fictício, mais curto ou mais longo. São usadas três regulagens no fio de suspensão lhe permitem detectar ondas vitais (biometria), também onda astral, ondas de forma e ondas das cores. Ele foi desenvolvido na França por dois renomados pesquisadores da radiestesia: M. André de Belizal e M. Chaumery.

Agora que uma parte do misterio está solucionada, resta saber o que essa coisa que serve para radiestesia estava fazendo na casa do cara.
Falando em radiestesia, segundo a Wikipedia:

Radiestesia ou radioestesia é uma sensibilidade a determinadas radiações, como energias emitidas por seres vivos e elementos da natureza. As aplicações são, por exemplo, feitas por pessoas que podem determinar o local exato onde há poços de água subterrâneos com apenas uma vareta de madeira, ou pessoas que podem encontrar alguém desaparecido com um pêndulo e um mapa.

A radioestesia é uma paraciência. Seus defensores possuem a capacidade de captar radiações e energias emitidas por quaisquer objetos. Esta habilidade permitiria aos radiestesistas (geralmente com o auxílio de bastões,pêndulos e outros instrumentos) encontrar água e minerais, corpos enterrados, objetos perdidos, ou qual seria a melhor dieta para um determinado organismo.

Ainda segundo estes, não existem artigos publicados em periódicos científicos que corroborem tal hipótese (a sensibilidade às radiações).

Os primeiros pêndulos foram encontrados no Egito, no Vale dos Reis. Há cerca de 2000 anos antes da nossa era, chineses radiestesistas já se utilizavam da arte do pêndulo para encontrar fontes da água, minérios e a usavam também na agricultura. No século XVIII, em 1780, os médicos Dr. Thouvenel e Dr. Bleton escrevem o livro “Memória física e medicinal”, demonstrando as relações entre a forquilha, o magnetismo e a eletricidade.

Em 1890, os abades Mermet e Bouly usaram pela primeira vez o termo radiestesia.

Em 1929 é criada a Associação Francesa dos Amigos da Radioestesia, que contava com a participação de vários cientistas das melhores academias de ciências da época. Desde então esta ciência tem ganhado inúmeros adeptos, crescendo muito no domínio damedicina, da psicologia, na harmonização de casas e terrenos. Segundo a Radioestesia, existe um campo magnético terrestre que provoque um radiação, que possam mover na terra certas linhas ou correntes telúricas como se fossem uma rede a fazer cruzamentos entre elas, originando a teoria das Linhas Ley assim como das linhas Hartmann e Curry, estudadas por Ernst Hartmann e Manfred Curry respectivamente, que possam ter influência em todos os seres vivos.

fonte

Artigos relacionados

17 comentários em “O misterioso objeto que surgiu do nada”

  1. Parece algo para ser mergulhado em liquido, na vertical, possivelmente amarrado a um objeto, calculando a densidade na medida do quanto afundou… algo como aquele medidor de pureza de alcool nos postos de gasolina. Vai ver alguem passando jogou isso no jardim dele como lixo.

    Ou é uma arma de esterilização alienígina com contador para iniciar fusão nuclear da atmosfera da terra.

  2. Acho que pode ser algo semelhante a isso:

    http://www.geomarcosmeioambiente.com.br/PDF/3/2.%20PERGUNTA%20SOBRE%20A%20UTILIZA%C3%87%C3%83O%20DO%20DISCO%20EQUATORIAL.pdf

  3. Fala xará!

    Pra mim é um tipo de régua ou marcador do espectro eletromagnético, mais especificamente do espectro da luz visível. As marcações seguem a ordem de valores de maior radiação, maior frequência e menor comprimento de onda – radiação ultra violeta (parte de cima da régua), pras radiações de menor frequência e maior comprimento de onda – Infravermelho. As marcações podem ser interpretadas como:
    V-: ?
    Br: ?
    UV: Ultra violeta
    Vi: Violeta
    In: Índigo
    Az: Azul
    V+: Verde (?)
    Am: Amarelo
    La: Laranja
    Ve: Vermelho
    IV: Infravermelho
    Pr: Infravermelho Próximo (?)
    V-: ?

  4. Vou chutar que tem alguma coisa a ver com “artesanato”… onde a evidência de uma linha enrolada pode se encaixar…
    Já vi esse famoso “povo que faz miçanga” usar nylon para fazer pulseiras e cordões.
    Pode ser também alguma régua/gabarito para tricot/crochet
    Fiz uma busca no Google pelas marcações “V- Br UV VI In Az V+ Am La Ve IV Pr V-” mas obviamente não encontrei nada.

    A única coisa que vi, por enquanto, é que as marcações “V” estão bem “distribuídas”:
    V- nas pontas e V+ exatamente no meio:
    V- (Br UV VI In Az) V+ (Am La Ve IV Pr) V-

  5. Phala Philipe!
    Acompanho o Mundo Gump há um tempão e até então nunca tinha comentado.
    Mas na questão desse artigo, creio que possa ajudar, pois isso me parece muito com um Graminho, bem antigo e rústico, ou alguma ferramenta similar. Sobre as letras gravadas, poderiam ser nomes de peças específicas definidas por seus tamanhos, cores em uma “quase” escala cromática (Br -branco, In -Índigo, Az -azul, Am -amarelo, La -laranja, Ve -verde, Pr -preto).
    Dá uma goolgeada por imagens “old graduated marking gauge”.
    A escala gravada em letras parece uma escala de positivos e negativos: temos V- nas extremidades e V+ no centro.
    Segue a dúvida.
    Abraço.

  6. Legal, agora que você é o desvendador de mistérios podia responder essa pra mim que me atormenta a mais de 15 anos:
    Caiu do céu na terra não chegou, o cego viu, o aleijado catou. O que é?

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.