O mistério do tesouro de Mont Blanc

Chega a parecer enredo de história em quadrinho. O mistério do tesouro perdido no Mont Blanc reúne um prefeito francês, um alpinista alpino, um historiador, um Judeu que é um rico comerciante de pedras preciosas de Londres, e suas conexões tênues em busca de um saco de jóias perdidas descoberta no pico de Mont Blanc.

A história começa em 24 de janeiro de 1966. No ar, o avião da Air India, vôo 101 começa sua descida em direção ao aeroporto de Genebra. O piloto teve a infelicidade de calcular mal a altitude da aeronave e o Boeing 707 se viu em rota de colisão com o cume do Mont Blanc, a montanha mais alta da França.

Todas as 117 pessoas a bordo morreram quando o avião acertou a montanha.

“Ele fez uma enorme cratera na montanha”, disse um guia de alpinistas que foi o primeiro a chegar ao local. Ele começou dizendo. “Tudo foi completamente pulverizada. Nada era identificável com exceção de algumas cartas e pacotes.”

E foi aí que “o bicho pegou”. Pacotes?? Pacotes???
Adivinha só o que estava num destes pacotes?

Várias tentativas de resgate para recuperar os corpos e destroços foram canceladas devido ao mau tempo no cume. Muitos restos da aeronave – incluindo um saco do correio diplomático e um cubo de roda – foram recolhidos lá de cima desde a tragédia, mas pedaços de metal retorcido do avião ainda se encontram em cantos e recantos do pico.

O saco de correio diplomático localizado nas montanhas
O saco de correio diplomático localizado nas montanhas

Demorou meio século, no entanto, para o local do acidente revelar o seu maior segredo: as pedras preciosas!

Entre os destroços em chamas que se espalharam através da uma geleira, uma pequena caixa cheia com mais de 100 esmeraldas, safiras e rubis foi arremessada pelo ar e engolida pelo gelo da montanha.

Uma cópia do jornal que além estava lendo à bordo do avião. O jornal incrivelmente sobreviveu ao desastre
Uma cópia do jornal que além estava lendo à bordo do avião. O jornal incrivelmente sobreviveu ao desastre

A caixa, que agora duas famílias estão reivindicando, tinha seu nome estampado na lateral. Ela afundou na geleira, só reaparecendo 47 anos depois, pelas mãos de um escalador local, que após encontrar a caixa, levou até a polícia local.

Os jornais noticiaram a decisão do alpinista de não ficar com o seu achado, no valor estimado de € 246.000!

“Como você pode ver, ele é muito honesto”, disse o chefe da polícia local Sylvain Merly. “Ele era um alpinista … e ele não queria ficar com algo que pertencia a alguém que tinha morrido.”

Merly levou as jóias direto para o prefeito de Chamonix, que as armazenou em um cofre no subterrâneo da prefeitura até que os meios de comunicação foram informados do caso.
Quando a história veio à tona, os jornalistas começaram a futucar o caso em busca de mais detalhes.

Curiosamente, aquele acidente não foi o primeiro, mas sim o segundo acidente da Air India na mesma área! Dezesseis anos antes, um outro avião, um Constellation conhecido como Malabar Princess, tinha caído na montanha, também em sua aproximação para Genebra. Assim, os destroços de dois aviões estão espalhados sobre essa área.

Dan disse que o rumor local, era que o alpinista que descobriu o saco de jóias era um homem de Bourg-Saint Maurice, uma aldeia a três horas de de Chamonix. “Todos nós ouvimos que estava acontecendo, mas era um mistério. Agora sabemos que foi fato um verdadeiro -.. Mas ainda não sei quem era”

Embora pareça uma história linda de honestida à toda prova, o caso pode não ser muito bem assim:
Ao que parece, os jornalistas da BBC “suaram a camisa” em busca de fotos das pedras. Em vão. Olha o depoimento do jornalista. Chega a dar pena:

Eu comecei a fazer tentativas para filmar as jóias. Mas Sylvain Merly disse que não tinha mais autorização de discutir a história com os jornalistas, me dirigindo ao prefeito do departamento de Haute-Savoie, em Annecy. O gabinete do prefeito disse que não tinha nada a ver com a investigação e me enviou para falar com para François Bouquin, chefe de gabinete do prefeito em Chamonix. Bouquin por sua vez, deu de ombros e falou que o gabinete do prefeito não era responsável por conduzir o inquérito, me apontando o tribunal de Bonneville. O tribunal de Bonneville disse que não era com eles, e sim com o tribunal de Albertville, que, confuso e sem saber do que se tratava, me enviou de volta para Bouquin – que disse que, em retrospectiva, ele não tinha certeza de quem estava no comando do tribunal.

No fim das contas, depois de muito penar, o jornalista aumentou a pressão sobre as autoridades e ouviu uma resposta que lembra a nossa resposta padrão, usada até quando alguém é flagrado com dólar na cueca: A tipicamente brasileira “estamos investigando o caso”.

Após uma insistência gigantesca dos jornalistas, as autoridades de Chamonix enviaram uma foto das pedras: Dentro de sacos plásticos que tornam impossível de reconhecê-las. (parece piada, né?)

Os sacos com as pedras preciosas
Os sacos com as pedras preciosas

Francoise Rey se diz convencida de que o prefeito e o alpinista fecharam um acordo de 50-50 muito antes de divulgar aos jornalistas a existência das jóias. Segundo a lei francesa, há uma janela de dois anos em que o bem poderia retornar aos seus donos.

“Se nenhum proprietário é encontrado até então, metade vai para o prefeito de Chamonix e a outra metade vai para o alpinista”, o Mister honesto.

Francoise Rey diz que tem certeza do que está rolando:

“Tenho a certeza de que eles estão interessados em manter as pedras e que eles não vão fazer absolutamente nada para ajudar as famílias ou os proprietários a provar que são os donos legítimos das jóias.”

Como o prefeito Fournier, está em campanha para eleições locais, ele não estava disponível para responder as perguntas, por isso Bouquin falou em seu lugar, negando que eles pretendem dividir o achado (me espantaria é se ele dissesse o contrario).

“Essa sugestão de que fecharam um acordo é completamente louca. Não há acordo. Nós nem sequer sabemos quem encontrou as pedras. Há uma lei que obriga um procedimento que deve ser seguido, e isso é tudo.”

O fato é que 1990, enquanto Francoise Rey estava pesquisando para um de seus livros sobre acidentes da Air India naquelas montanhas, ela teve acesso a um dossiê criminal compilado pelo tribunal local de Bonneville, que continha muitos dos documentos recolhidos após o acidente.

Analisando suas notas, a Sra. Rey fez uma descoberta surpreendente. Anotada dentro das páginas são os detalhes de um documento de seguro para um pedido de jóias perdidas destinados a um homem, que vivia em Londres.

Ela havia anotado o nome da família: Issacharoff.

Infelizmente, porém, Francoise não conseguiu anotar o primeiro nome do reclamante. “Eu vi a carta. Que eu não tenho, mas eu vi. Já escrevi em minhas anotações o nome da pessoa que estava esperando as pedras em Londres. Estou certa de que há muitos mais detalhes nesta carta. A principal coisa a fazer é voltar a encontrar esta carta. Mas isso está sendo muito difícil. ”

Uma vez que o tal processo não será aberto ao público nos próximos 75 anos, quando qualquer um que queira terá acesso ao arquivo, o processo de localização da família dos donos das pedras parece ser um longo caminho a percorrer.

No entanto, uma rápida busca na internet revelou que a família Issacharoff é um dos maiores e mais antigos comerciantes de pedras no Reino Unido. A empresa familiar começou com o antepassado de origem russo-judaica em 1930. Os Issacharoffs tornaram-se os maiores importadores de pedras preciosas no país.

Avi, o atual diretor da empresa agora chamado Diamonds Henig, diz que ele pode lembrar que seu pai falou sobre o acidente, e também do alívio coletivo da família que não tinha nenhum parente naquele avião. Avi explica que normalmente, quando a família fez uma compra desse porte, um deles iria ao lugar para buscar as pedras pessoalmente.

Neto de Ruben e filho de Davi, Avi é o terceiro na linha sucessória de administração da empresa. Seu pai não pode mais se lembrar dos detalhes exatos. “Consultamos nossos advogados, mas eles nos disseram que não tinha grandes chances. Nós não temos registros que datam de 50 anos atrás. A única maneira de provar a propriedade é se nosso nome estivesse escrito na embalagem.”

A família Issacharoff com sede em Londres não são os únicos pretendentes das jóias. Outro conjunto de Issacharoffs, esses da Espanha – curiosamente não são aparentados, mas, ainda mais curiosamente, esses também são comerciantes de pedras preciosas – já estariam se aproximando das autoridades francesas, na tentativa de obter acesso à carta que Francoise Rey fala.

Bouquin, do gabinete do prefeito, diz que viu a embalagem em que foram encontradas as pedras, mas não é necessariamente possível extrair um nome dela.

“Talvez nós pudéssemos ser capaz de identificar o nome no pacote, mas é muito difícil de ter certeza. Ele esteve 50 anos sob o gelo.”

Enquanto isso, os dias e os meses vão passando…

fonte

Related Post

6 comentários em “O mistério do tesouro de Mont Blanc”

    • OI Danilo, eu dei uma olhada e estava mesmo com problemas de performance desde a atualização de versão do wordpress. Creio que era um plugin que tava incompatível. Eu aproveitei e mexi em algumas outras coisas. Veja se melhorou o loading aí. Aqui esta carregando em 3 segundos e meio.

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

shares