Minha mãe, o Freddy Krueger

Quando eu era mais novo, na escola, rolou uma atividade da aula de artes que era fazer um comercial. Os alunos tinham que criar um produto e em seguida, criar uma propaganda para ilustrar o produto.

Lembro que na minha carteira, quando ouvi aquilo, um sonho se criou na minha mente. Era a minha grande chance. Eu faria algo incrível, tão impressionante e realista que deixaria toda a escola, o bairro e talvez até o país boquiaberto. Eu seria descoberto e aclamado como um dos maiores diretores mirins do mundo.s George Lucas e Steven Spielberg pagariam tributos para trabalhar comigo.

Aquela era a chance que eu esperava, para mostrar que não era só um boçal com bigodinho de Cantinflas e ruim de Matemática. Eu me vingaria de todos que riram do meu veto. Eu mostraria a eles o meu valor. Eu seria enfim alguém. O maior diretor de cinema de todos os tempos!

Com desprezo olhei meus amigos se articulando em grupinhos. Pobres mortais.

Olhei ao meu redor e percebi – pela primeira vez com grande satisfação – que ninguém da sala queria fazer o trabalho comigo. Eu estava avulso.

Avulso como eu queria!

Enquanto os meus amigos faziam carros que voavam, prédios submarinos e toda sorte de produtos idiotas e  improváveis, eu resolvi criar um produto que fosse factível. Eu sabia que os motoristas de caminhão tomavam remédios para emagrecer, visando o efeito colateral, a insônia desgraçada que os famosos “arrebites” causam. Após pesquisar o cotidiano dos motoristas de caminhão, eu soube que eles dirigiam muitas horas, em uma jornada de trabalho insana, sem descanso. Muitos deles tomavam café com coca-cola, outros mascavam chicletes, tudo para espantar o sono.

Eu vi nesse problema um mercado potencial (que ainda existe) para um chiclete que não deixava a pessoa dormir. Na fórmula, uma série de excitantes do sistema nervoso deixariam a pessoa acordada. Escrevi praticamente uma bula de remédio e submeti ao professor, como uma prévia do que ele poderia esperar.

O professor adorou minha ideia e aprovou o meu produto. Começava então a fase da campanha. O filme, que enfim, me deixaria famoso.

Ao ver que tinha um produto que não deixava a pessoa dormir, eu percebi que o caminho mais fácil seria usar o tio Freddy como garoto propaganda:

Freddy era simpático (à sua própria maneira, claro) e era suficientemente bem humorado-cretino para vender um chiclete à prova de sono. Foi aí que começou a megalomania, o problema de sempre.

Enquanto os meus colegas da turma se contentavam em cartazes de cartolina, e mockups de espuma e isopor, eu resolvi fazer um comercial “de verdade”, para a Tv. O meu plano incluía contratar Robert Eglound, e com ele, fazer um video divulgando o meu chiclete.

Após muito trabalho (não existia internet ainda) descobri numa antiga edição de terror da revista SET o endereço de um estúdio em Los Angeles. Eu entrei em contato com o estúdio tentando – olha o grau insano de inocência do demente! – um contato direto com Robert Eglound, o ator que interpretava o Freddy Krueger. É óbvio que esta abordagem não funcionou. Até hoje estou sem respostas deles.

Vendo que o prazo se aproximava, eu busquei ajuda no único lugar que era possível: Em casa mesmo. Por sorte, minha mãe tinha um casaco listrado igual ao do Freddy. As linhas que deveriam ser pretas eram cinza, e um pouco ais estreitas, mas eu pensei que talvez fosse possível resolver isso colocando uma gelatina feita de papel celofane na frente da câmera.

Eu levei uns dois dias construindo a luva. E ficou bastante parecida. Faltava o chapéu.

Vendo meu perrengue, minha mãe saiu comigo pelo Rio de Janeiro em busca de um chapéu para o Freddy. Minha mãe era mestre em apoiar as minhas maluquices. Andamos um dia inteiro pelo centro do Rio e quando achamos… O Chapéu era uma fortuna. Eu tinha uns trocados economizados da merenda. Não dava nem pra uma parcela do chapéu, mas a minha mãe comprou mesmo assim pra me ajudar.

O chapéu que mais parecia com o do Freddy  era um modelo PRADA. (pode imaginar a facada que foi?)

Aquilo acabou com TODO o orçamento da minha produção. Meus planos de contratar o dublador oficial do Freddy Krueger no Brasil foram para o ralo. Também não havia dinheiro para conseguir um ator.

O jeito foi convencer a minha mãe a virar o Freddy Krueger.Poucas mães do mundo se prestariam ao que ela fez. Foram seis horas ininterruptas de maquiagem, na qual eu converti minha mãe no monstro da série “A hora do pesadelo”.

Para fazer a maquiagem eu usei toneladas de algodão com goma laca. O acabamento foi feito usando base de maquiagem e corantes alimentícios. Infelizmente, não havia câmera digital nesta época, a máquina do meu pai vivia sem filme, e não há registros do resultado, mas eu asseguro a vocês que foi um dos trabalhos de maquiagem mais complexos que eu fiz na vida. Quando nós acabamos, não era mais minha mãe. Era o Freddy! Até hoje, quando me lembro, me impressiono da forma realista que ficou.

Minha mãe amarrou uma espécie de fita sobre os seios, sumindo com eles. Nós fiamos treinando um pouco e olhando de longe, era absolutamente impressionante o resultado. O celofane vermelho na frente da câmera (color correction de pobre) deu certinho como eu queria.

O problema todo era a questão da voz, pois por mais que ela tentasse faz uma voz de Freddy Krueger, tava claro que era a minha mãe, ou no máximo um Freddy Krueger gay.

A solução de última hora foi selecionar trechos aleatórios das falas do monstro no filme. Gravei com meu aparelho de som e montei usando fita cassete. No final, estávamos com frases (que não significavam nada) com a voz do Freddy original.

A ideia era essa. Minha mãe dublaria, e depois eu colocaria uma legenda com o texto do comercial.

Aí veio o problema. Minha mãe não conseguia dublar aquela porra nem pelo cacete. Ela começava bem, mas no meio da frase desatava a errar a mímica e saia a voz quando ela tava de boca fechada, hahaha. Quando ela finalmente acertou, vez um movimento com a luva e uma das garras saiu voando.

E nós fomos assim, filmando continuamente, uma cena atrás da outra, sem claquete (porque eu nem sequer sabia que isso existia) para tentar achar uma versão em que o meu “Freddy” acertasse. Minha mãe foi atriz de teatro, então pra ela não era difícil pegar o jeitão do Freddy. O duro era casar a interpretação dela com o Freddy pré gravado.

Foram umas vinte versões. Em nenhuma a minha mãe conseguia acertar a interpretação do Freddy. Quando ela finalmente pareceu acertar, deu uma puta duma desmunhecada e ficou o um “Freddy Krueger GLS”.

O mais hilário era que a cada erro eu gritava: Porraaaaaaaa!

Então era um troço que ficava assim: “Porra! – vai. Porraaaa! – vai, ação! Porraaaa…”

No fim, o chapéu estourou totalmente o orçamento e isso jogou por terra a minha pretensão de editar o vídeo, colocar a legenda e mandar dublar nos estúdios Ebert Richers.

Eu me senti um fracassado completo. O dia da apresentação chegou. Meus amigos estavam com seus cartazes e mockups babacas de espuma… E eu era um idiota que não tinha nada além de um vídeo de um Freddy Krueger gay ejetando navalhas ao som de um “porraaaaaa”.

Mas ante o risco de uma nota baixa, levei o vídeo para mostrar ao professor, na tentativa vã de que, ao me ver humilhado, ele tivesse compaixão e me desse uma nota mínima, me deixando de lado na apresentação.Naquele dia, na hora em que bateu o recreio eu fui procurar o professor de artes. Encontrei-o na sala de artes, arrumando tudo.

Pedi licença para ter uma conversa com ele.

Ele veio sério, com cara de que iria ouvir o clássico “o cachorro comeu meu trabalho”. Mas eu contei a verdade dos fatos. Era importante pra mim expor meu fracasso previamente para não arriscar a pele em um novo vexame coletivo para toda a escola.

Ao ouvir minhas justificativas para o fracasso, o cara apenas ria. Eu não entendi aquilo. Achei que ele era retardado ou coisa parecida, pois eu estava li, diante dele, contando toda a minha desgraça de não conseguir contratar o ator de Hollywood, tendo que usar a mãe, gastando todo o dinheiro de meses de merenda num chapéu idiota e não podendo editar nem dublar e legendar o material bruto e o babaca apenas ria. E em seguida perguntava: “Você tá falando sério?”

Eu disse que sim. Ele ficou mais sério e disse que queria ver a fita. Meio sem graça eu peguei a fita na mochila e trêmulo, estendi pra ele.  Ele guardou e me liberou para voltar ao recreio.

Quando acabou a aula de Geografia da Arquidésia, chegou a hora da aula de artes. Todo mundo empolgado de mostrar seus comerciais. Algumas meninas até ensaiaram um teatrinho tosco lá.

Eu fui, na esperança de que, à aquela altura, o professor me olharia com piedade e conteria sua ânsia de me reprovar.

Logo que eu entrei na sala, dei de cara com um monolito negro no centro da sala de artes. Gelei. O monolito negro era uma pequena caixa com rodas, onde havia uma espécie de gaveta de onde podia se ver um videocassete. E acima, no interior de um compartimento fechado com chave, estava uma enorme TELEVISÃO.

Nunca me senti tão ferrado na vida quanto no dia que me deparei com o monolito de video do professor Jesuíno. Aquilo só poderia significar uma coisa. Algo seria exibido em video para os alunos.

Tentei me acalmar, pensando que talvez alguém tivesse a ideia de gravar seus comerciais de espuma e isopor em casa. Afinal, câmera de VHS era algo caro, mas que muita gente tinha.

O professor nem olhava pra mim. Ele foi chamando e um a um, os grupinhos foram expondo seus comerciais. Tinha de tudo: carro que mudava de cor, avião que virava submarino… Eu fui ganhando confiança quando vi que o professor havia me pulado.

Quando tudo parecia ter terminado… Alguns já até levantavam para sair, o professor mandou todo mundo sentar em roda ao redor do aparelho do professor Jesuíno. E eu comecei a sentir que “a hora do pesadelo” era um nome apropriado para aquele meu projeto.

O professor me chamou lá na frente. Me senti um peixe. Foi como se um anzol invisível agarrasse meu pulmão e me tirasse fora da água. tentando não pensar na situação, me levantei e dei alguns passos vacilantes em direção ao professor.

Ele apontou pra mim e disse ao pessoal: “Olha, turma. Este é o trabalho do Philipe.”

Me senti traído. Eu só queria que ele mantivesse aquela desgraça em segredo, mas ao contrário ele expôs para todo mundo ver.

Os alunos se espantaram de ver o making of (não se chamava making of, era a câmera que eu ligava de vez em quando  enquanto maquiava minha mãe) e à media em que minha mãe ia tendo a cara coberta de cola, algodão e base de maquiagem, eu vi os olhares ficando cada vez mais arregalados.

Se naquele colégio alguém ainda tinha duvidas da minha sanidade, aquele video acabava com toda e qualquer duvida.

Após a sessão de maquiagem. O professor pausou o video e fez uma mini-entrevista comigo. Perguntou da ideia, perguntou do projeto como um todo. Eu explicava, reticente, aquilo tudo que havia falado para ele antes. Eu disse que queria contratar o ator de Hollywood… Todo mundo ria. Eu dizia que ia fazer a dublagem nos estúdios Ebert Richers. Todo mundo ria. Eu explicava a coisa da luva, do chapéu, do estouro o do orçamento, e todo mundo ria.

Eu não estava entendendo nada, afinal, não vai nada de engraçado naquela merda. Eu queria fazer o troço sério. Quando eu disse que meu plano era mandar pro Steven Spielberg. Aí neguinho já tava chorando de rir.

Eu ri amarelo também, mais para não parecer um babaca do que qualquer outra coisa.

O professor avisou que era para o pessoal prestar atenção e tascou o dedão no play e vimos as vinte versões do comercial que nunca deu certo.

A cada versão, neguinho se escangalhava mais de rir. O “Pooorraaaa” virava um bordão e cada vez que ele surgia, sempre no fim do video, mais a galera ia ao delírio.

No final, eu estava bem sem graça. E todo mundo morrendo de rir.  O professor vltou a falar, limpando as lágrimas. Disse que estava feliz, e que não acreditava que alguém fosse levar tão a sério a proposta.

Me devolveu a fita e mandou todo mundo bater palmas. Novamente fiquei sem graça. Eu queria sumir e a porra dos aplausos nunca acabavam.

Cerca de uns cinco anos depois,  minha mãe que era psicóloga de uma menina, disse que ela contou na sessão que havia visto um video na escola de um cara que maquiava a cara da mãe dele. Foi assim que descobri que o professor tinha feito uma cópia do meu video e que todo ano passava para os alunos. Se bobear, ele passa isso até hoje.

Quando a paciente contou isso, minha mãe não se conteve e contou que o Freddy Krueger era ela.

Daí uns dias, os pais da menina tiraram ela da “psicóloga”, hahahaha. Por que será?

81 Comentários

  1. Catu 27 de julho de 2010
  2. Vital 27 de julho de 2010
  3. Ananias Garcia 27 de julho de 2010
    • Philipe 27 de julho de 2010
      • Rochester 11 de abril de 2012
  4. EduTomazett 27 de julho de 2010
  5. Spoks 27 de julho de 2010
  6. heleno 27 de julho de 2010
  7. rbocchi 27 de julho de 2010
  8. Erick 27 de julho de 2010
    • Philipe 28 de julho de 2010
      • Alberto 3 de agosto de 2010
  9. Isabella 27 de julho de 2010
  10. wellison 27 de julho de 2010
  11. Giovanna 28 de julho de 2010
  12. Naira 28 de julho de 2010
  13. Pedro 28 de julho de 2010
  14. Antonio Vale 28 de julho de 2010
  15. Karin 28 de julho de 2010
  16. victorfest 28 de julho de 2010
  17. Gustavo 28 de julho de 2010
    • Philipe 28 de julho de 2010
    • DANIEL 27 de agosto de 2010
  18. Cristiano 28 de julho de 2010
  19. Jackie 28 de julho de 2010
  20. André 28 de julho de 2010
  21. Maria Goreth Kling David 28 de julho de 2010
    • Philipe 28 de julho de 2010
    • Jackie 29 de julho de 2010
  22. Lucas 28 de julho de 2010
  23. Ricardo Camata 28 de julho de 2010
  24. Leandro263 29 de julho de 2010
  25. Napster 29 de julho de 2010
  26. Maria Goreth Kling David 29 de julho de 2010
  27. Ricardo Mello 29 de julho de 2010
    • Jackie 29 de julho de 2010
      • Philipe 29 de julho de 2010
  28. Gabriel 30 de julho de 2010
  29. Napoleon 31 de julho de 2010
  30. Runnerba 1 de agosto de 2010
  31. Pessotti 1 de agosto de 2010
  32. zitosloko 3 de agosto de 2010
  33. Meyreélen 4 de agosto de 2010
  34. fabricio 20 de agosto de 2010
  35. DANIEL 27 de agosto de 2010
    • Philipe 28 de agosto de 2010
  36. Emanuelle Najjar 19 de junho de 2011
  37. Fabiola Faria 27 de junho de 2011
  38. Carla211200 29 de julho de 2011
  39. Debbiebernardes 7 de agosto de 2011
  40. Isabella 22 de agosto de 2011
  41. Fabricio 10 de setembro de 2011
  42. fernanda mohr 17 de setembro de 2011
    • Philipe3d 18 de setembro de 2011
  43. Wanya Maggi 23 de setembro de 2011
    • Philipe3d 24 de setembro de 2011
  44. Luciana Roque 22 de outubro de 2011
  45. Fafa 22 de outubro de 2011
  46. Kellyrock98 26 de outubro de 2011
  47. Daniel 1 de novembro de 2011
  48. Lucas Palmeira 17 de novembro de 2011
  49. Carla 12 de janeiro de 2012
    • Philipe3d 12 de janeiro de 2012
    • Philipe3d 12 de janeiro de 2012
  50. José Carlos Dias 18 de janeiro de 2012
  51. Sami 23 de fevereiro de 2012
  52. vanessa BMG 13 de março de 2012
  53. Rafael Silva Ramos 16 de maio de 2012
    • Philipe3d 17 de maio de 2012
      • Madureira 16 de agosto de 2012
  54. Marcelo Marques 10 de junho de 2012
  55. jujuba 23 de julho de 2012
  56. Madureira 16 de agosto de 2012
    • Philipe 16 de agosto de 2012
  57. Luiz 19 de novembro de 2013
  58. Rivelino 11 de novembro de 2014


Deixe seu comnetário

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *