Mandou o filho pelo correio!

hahaha eu não posso acreditar no que eu li. Olha esta foto e veja a legenda que a acompanha:

cab9706b0817339c36f45a11b51bebfe

 
Após o serviço de encomenda postal ser introduzido em 1913, pelo menos duas crianças foram enviadas pelo serviço. Com selos colados às suas roupas, as crianças contaram com a boa vontade das operadoras ferroviárias e da cidade para chegar ao seu destino. O Chefe dos Correios rapidamente emitiu um regulamento que proibia o envio de crianças no correio depois de saber desses exemplos.

Fui verificar e para meu espanto, parece que é verdade! Os pais tiveram esta ideia, porque o correio era levado de trem, e o preço de enviar a criança como malote era mais barato que o custo da passagem, e o regulamento não imedia o envio de crianças. Ao que parece, antigamente era permitido o envio de carga viva, como porcos, galinhas e outros bichos. Assim, os pais apenas ligaram os pontos. Parece estapafurdismo hoje, mas temos que lembrar que antigamente algumas coisas eram bem mais bizarras:

Nunca é fácil viajar com as crianças e, muitas vezes pode ser caro. No início de 1900, algumas pessoas decidiram cortar custos enviando seus filhos através de encomenda postal.
O envio de pacotes via os Parcel Post Service nos EUA começou em 1 de Janeiro de 1913. Os regulamentos afirmavam que os pacotes não podiam pesar mais de 50 quilos, mas não necessariamente impediam o envio de crianças. Em 19 de fevereiro de 1914, os pais de uma criança de quatro anos de idade enviaram Maio Pierstorff de Grangeville, Idaho para seus avós em Lewiston, Idaho. Enviar Maio pelo correio aparentemente era mais barato do que comprar-lhe um bilhete de trem. A criança usava o valor de 53 centavos de selos postais em seu casaco e assim ela viajou no compartimento de correio do trem. Deu certo!

Depois de ouvir de exemplos como o de Maio, o Postmaster General emitiu um regulamento impedindo o envio de crianças pelo correio. A imagem que ilustra este post foi concebida como uma imagem bem-humorado para divulgar o fim de tal prática. (Imagem cortesia do Instituto Smithsonian.) fonte

Related Post

2 comentários em “Mandou o filho pelo correio!”

  1. Até poderia ser frequente essa prática, mas a “encomenda” deveria obedecer os mesmos critérios das malotes enviados de uma maneira genérica, ou seja, serem acomodados uns por cima de outros, em pilhas, serem jogados à distância e de alturas, ficarem girando, girando, girando nas esteiras separadoras, serem transportados muitas vezes em veículos inapropriados, ou sem proteçãos de chuva vento, frio, calor, neve etc. Imagine um malotinho de criança debaixo de 5 toneladas de outro pacotinhos?
    Demais!

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

shares