Frente a frente com o Lobisomem

Ah, como eu gosto de lobisomens. Essas criaturas míticas e assustadoras, que falam diretamente aos medos mais profundos do ser humano. Nós não passamos de primatas de miolos grandes, e em algum lugar da profusão de sentimentos, pensamentos e instintos está gravado o medo do predador. è isso que nos faz sentir medo de escuro quando pequenos e é isso que faz um bebê chorar ao ver cães, ou qualquer outro bicho que tenha dentes grandes e garras à sua frente.
Segundo Luis da Cãmara Cascudo, o mitólogo que analisou detalhadamente a origem dos mitos folcloricos brasileiros, o Lobisomem é um dos mitos importados da Europa ainda no período Colonial.
Câmara Cascudo diz que:

O lobisomem nos foi trazido pelo colono europeu. Está em todos os países e épocas, com histórias espelhadas, sob nomes vários, registrado nos livros eruditos. É um dos mitos mais complexos e escuros pela ancianidade e divisão local.

Pessoalmente, posso dizer que o mito do Lobisomem entrou na minha vida de modo sutil. Meu avô já contava suas histórias de fantasmas, como no dia em que ele deu carona a um casal que julgou ser fantasmas, ou no dia em que ouviu barulhos estranhos no quartel na época da Guerra. Meu avô sempre foi um bom contador de histórias, e seu domínio da atenção alheia foi um talento que persegui e tentei reproduzir ao longo da vida, e que de certa forma resultou neste blog. Meu avô tem uma aventura pessoal em que foi perseguido por uma espécie de cachorro gigante, preto, do tamanho entre um boi e um cavalo, que o seguiu em silêncio, na escuridão, até a porteira de uma fazenda, quando do nada, desapareceu sem emitir som.
Algo que me assutava muito nesta história, repetida milhares de vezes, sempre que havia festa ou churrasco na casa da minha avó, era o fato de que não havia tragédia. O monstro não demonstrava hostilidade, ou provocava medo. Era só uma sensação de estranhamento, de algo que não está certo, que não vai bem. Havia ali, naquela história algo novo e assustador, que era o medo potencial. A criatura não rosnou, nem mordeui, nem atacou. Apenas seguiu, mantendo uma distância fixa. Era como se a criatura estivesse no controle da situação. É como uma pessoa que apenas olha a simplicidade frágil de uma formiga, sabendo que pode esmagá-la se quiser.
E este poder, este poder acumulado, irrestrito, pronto para ser liberado a qualquer momento, isso era aterrador.

A figura daquela criatura assombrosa foi tema de muitos pesadelos em minha infância e da mesma maneira que causava espanto e repulsa, emitia um inebriante perfume de atração. No mito do lobisomem havia o mistério, havia o poder bestial e a horrenda transformação.
Mais que isso, o lobisomem era uma espécie de super-herói, mantendo uma vida dupla a todo custo, revelada apenas pelo poder da lua. Há aí também o poderoso arquétipo da máscara e o imemorial poder da lua sobre o ser humano.
Fiquei um bom tempo sem ouvir boas histórias de lobisomens, mas uma das últimas que ouvi foi bastante interessante. Curiosa o suficiente para eu contar aqui.

Outro dia eu fui lá em Friburgo, onde encontrei os amigos da minha sogra. O pessoal lá mora numa localidade rural, onde plantam tomates e hortaliças diversas. É um lugar bem interessante e acho que já falei dele aqui antes. Lembra o condado dos Hobbits. As pessoas são extremamente amáveis e hospitaleiras, e sempre que vou lá tem briga entre as famílias para definir a casa em que eu vou dormir. Eu havia ido lá na casa do Dinho, onde estava rolando um churrascão. Conversa vai, conversa vem, eu e mais uns três reunidos na varanda, chegou um velhinho lá, que era amigo do Dinho.

É engraçado que quando eu junto com este pessoal da roça eu viro o maior roçeiro de todos os tempos. Antes que eu possa perceber, estou falando do mesmo jeito que eles, contando causos e rindo bastante das histórias que eles contam. Um lance bem Rolando Boldrin. Pois não é que no meio do churrasco o Dinho – que acompanhou a minha saga pelo mato em busca da pele de um boi preto para usar no meu boneco do lobisomem, sabia que eu gostava do assunto. Apontou a faca de cortar carne para o coroa e disse:

-Seu fulano (desculpe, não lembro o nome dele) diz aí pro Philipe do dia que o senhor lutou com o lobisomem.

Então o velhinho deu um gole no refrigerante e começou a me contar uma história sensacional sobre como ele descobriu – e tentou matar – um lobisomem de verdade.

Basicamente, enquanto fumava um cigarro e comia um pedaço de linguiça, o velho me contou que há muitos anos atrás, lá pelos idos de 1940, era recém casado, morando numa cidade do interior de Minas. Ele estava voltando tarde da noite para casa e estava quase chegando, quando seguindo a pé pela linha do trem, viu saltar uma “coisa preta” do mato ao lado da linha.

A noite era de lua, mas as árvores do local atrapalhavam a ver o que estava ali. Era um breu fechado e não deu para determinar à distância o que era aquilo, mas ele percebeu que pelo tamanho não tinha como ser um cachorro. E nem gente. O velho, na época ainda jovem, parou e ficou ali, olhando a “coisa”, que também se manteve imóvel, a cerca de uns trinta metros.

Ele gritou alguma coisa, para ver se havia resposta e não houve nada. Apenas o silêncio. Nem rosnado, nem mugido, nem tosse, nada.

Ele disse que inicialmente pensou que era um bezerro ou mesmo um boi. Sentiu um arrepio, mas tentou se tranquilizar de que aquilo não era nada demais. Ele já havia escutado boatos de um lobisomem na cidade, e animais apareciam mortos constantemente, mas nunca acreditou naquilo, pois nunca havia lido nada sobre Lobisomens na Bíblia…

“E se não está na Bíblia, não existe.”

Ocorre que ele se tranquilizou mentalmente de que se tratava apenas de um boi e continuou a andar na direção da coisa, que permanecia imóvel na escuridão.

O velho conta que após dar os primeiros passos, a “coisa preta” disparou rugindo como um leão na direção dele, e só assim ele percebeu que o troço não era um boi, mas sim o lobisomem que todos haviam comentado e do qual ele nunca acreditou.
Era o lobisomem, de carne e osso.

Sem perder tempo para ver em detalhes a criatura, ele me contou que não pensou duas vezes em disparar em correria, direto para a casa, que ficava na subida de uma colina, perto da linha do trem.

O bicho correu atrás e ele viu que a criatura iria acabar alcançando ele. Então, o sujeito saltou por entre os arames farpados que separavam a linha do trem da estrada. Nisso ele acabou se machucando e – fazendo questão de me mostrar uma cicatriz – prosseguiu dizendo que rasgou o terno dele, que era do casamento.

Largou o pedaço do terno para trás, e correu às cegas na direção da casa. Ele ouviu a criatura se debater no arame farpado. Ele contou que a criatura deu uma paulada no arame farpado com toda força, caindo por cima da cerca, arrando uns moirões e tudo. E daí ela soltou um urro que encheria de medo o coração do mais valente dos homens na face da Terra. Nisso, ele havia conseguido uma preciosa vantagem e estava prestes a entrar em casa. Enquanto corria, ia gritando a plenos pulmões para a mulher abrir a porta.

A esposa dele abriu a porta e viu também o bicho, chegando no encalço do marido.

O velho saltou para dentro da casa e a mulher dele bateu a porta com violência. Eles colocavam a barra de ferro que funcionava como tranca quando um estampido seco atingiu a porta. Ele disse que pensou que a casa ia cair tamanha a pancada que o bicho deu na porta.

Ainda ficou ali gritando e urrando desesperado. O Casal puxou a mesa da sala e colocaram calços nas portas. Trancaram-se no quarto, abraçados e com medo até que dormiram.

No dia seguinte, quando as primeiras luzes do sol iluminaram as redondezas ele disse que não havia sinal do bicho além de uma bela poça de sangue na varanda e na volta da casa. Viu algumas marcas na areia, mas nada que indicasse exatamente o que era aquilo. Quem realmente viu e confirmou em detalhes que era um lobisomem preto com grandes dentes brancos foi a esposa, que viu rapidamente o monstro, subindo desajeitadamente a colina, ao correr atrás do marido.

Tempos depois, ele passou a desconfiar do lobisomem. Ele e os amigos do trabalho tinham um grupo que jogavam purrinha numa venda nas proximidades e havia um sujeito lá que sempre voltava pra casa cedo. O cara era sempre o primeiro a voltar para casa e todos achavam aquilo estranho. Como se não bastasse, ele era solteiro e não tinha irmãos. Assim, não havia motivos claros para que ele voltasse para casa cedo.
O sujeito vivia sozinho, solteirão, e apesar de bastante culto e esperto, sempre aparentava estar doente. O velho me contou que começou a desconfiar desse cara bem antes de encontrar a coisa preta na estrada. Ele achava estranho que o sujeito parecia sofrer de algum tipo de tuberculose, pois vivia fraco, suando e sempre muito pálido.

O tal homem era um primor de educação e se dizia viajante. Conhecia muitos lugares e citava muitas pessoas nas conversas. Mas era reservado com relação à sua vida pessoal.

Este homem começou a jogar purrinha apresentado por um outro, também viajante, que o trouxera para a cidade.

Depois do episódio com a criatura na estrada, meu amigo do churrasco contou que começou a desconfiar cada vez mais daquele sujeito. Um dia resolveu testar sua desconfiança, segurando-o num jogo de poker. O Sujeito jogava bem, ele disse, mas ao badalar das nove horas (achei isso peculiar, pois a mitologia do lobisomem geralmente coloca a transformação na meia noite) ,  disse que o cara desatou a suar em bicas, molhando a camisa.

Assim que bateu as nove horas o sujeito fez de tudo para interromper o jogo. Ele foi ficando mais e mais nervoso até abandonar a partida alegando que estava sentindo cólicas intestinais.

Aquilo deixou o coroa bastante cabreiro. Desde o encontro na linha do trem com o dito cujo, ele resolveu caçar o monstro a qualquer preço. Ele estava determinado e finalmente traçou um plano em conjunto com os amigos de purrinha para testemunhar a transformação do viajante na besta mitológica.

Um tempo depois, eles reuniam-se na venda para jogar quando chegou, lá pelas seis, o tal viajante cujo nome ele me disse na ocasião, mas não lembro mais.

O cara chegou e desataram a jogar. Sem que o viajante soubesse, meu amigo coroa tinha um revolver na cintura, escondido sob a camisa. O tempo foi passando e eles proseando, bebendo, e fumando. Jogaram dados, purrinha e cartas até que deu as nove horas e o cara disse que ia embora. Pagou a conta ao dono da venda. Enquanto estava de costas, o velho fez um sinal para os amigos. Ele já ia saindo quando os dois amigos do velho o seguraram e o sentaram numa cadeira. O velho sacou a arma e apontou bem na cara do sujeito.

-Agora você vai ficar aqui com a gente até a meia noite. – Disse ele segurando o revólver.

O cara se desesperou. Ele me disse que nunca viu alguém ficar em tamanho pânico na vida. O cara começou a suar e dali a minutos estava empapado, respirando com muita dificuldade, como se tivesse asma.

Era noite de lua cheia.

Eles mantiveram o sujeito, mas ele foi ficando mais e mais agitado. A medida em que o tempo passava ele ia se tornando agressivo. Já não era mais o homem erudito, de aparência frágil e doente. Ele agora era um sujeito em Pânico, com os olhos amarelados, arregalados e suando muito. A voz baixa e os gestos contidos deram lugar aos gritos. Começou a gritar e se debater de modo que os homens pensaram em amarrá-lo na cadeira. Mas isso não foi possível, pois ele estava tão transtornado que lutou contra os homens da venda e tinha tamanha força que atirou um deles lá na rua.

Em seguida atropelou os que estavam na frente,incluindo o velho, o único que estava armado, que temendo acertar “alguém de bem” não puxou o gatilho. O sujeito saltou para a rua e correu para um lado mais escuro, atravessando uma praça e saltando para um terreno baldio, de onde não mais saiu.

Naquela mesma noite numa fazenda das proximidades, os corpos de animais foram encontrados. O sujeito nunca mais deu as caras por lá, e após meses buscando notícias, o velho descobriu que ele havia se mudado para outra cidade, nas proximidades de Araxá (este lugar eu guardei porque era lá que se passava Dona Beija). Algo que o fez ter certeza que o vajante era mesmo o lobisomem é que tão logo o cara saiu da cidade, as mortes de animais e o desaparecimento de pessoas pararam.

Ele me disse que organizou uma viagem para “caçar o lobisomem”, mas chegando lá o sujeito havia sumido. De acordo com um primo dele de segundo grau, o viajante morreu. Ele teria sido baleado por um fazendeiro quando atacava suas criações. Atngido a tiros ainda no estado de monstro, correu para uma mata, onde dias depois o corpo do viajante foi encontrado, em estado putrefato.

Em todo o tempo que me contou esta impressionante história, o velho pareceu totalmente sério, não dando nenhum indício de que estava inventando. O Dinho, meu amigo, também escutou e pelo que me disse a história dele era bem conhecida, pois ele contava a todo mundo do dia que enfrentou o lobisomem.

Obviamente que apenas com um relato de um velho roceiro de uns 80 anos não dá pra dizer se foi um fato real ou não. Ele pode ter sido atacado por uma onça, e ameaçou de morte um sujeito doente, talvez até esquizofrênico; mas é fato concreto que histórias de lobisomens são sempre maravilhosas e deliciosas de se escutar e ler.

Elas são muito antigas e os estudos que buscam a genealogia deste mito apontam para a grécia. Nos mitos gregos existe um em que Licoan, o rei da Arcádia tentou matar a Zeus, que era seu hóspede por uma noite. O Deus castigou-o dando a ele uma forma vulpina. A lenda grega pegou carona com os romanos, onde ganhou força para se difundir entre os povos dominados, estendendo-se até os confins do Império, atingindo também os bárbaros do norte.

Foram os romanos que criaram os festivais dedicados aos lobos, chamados Lupercais. Nestes festivais pessoas vestiam peles de lobo e corriam seminus, sujos de sangue de animais oferecidos aos deuses. Eles corriam pelas ruas, assustando e açoitando os transeuntes. Os lupercais realizavam-se no dia 15 de fevereiro, e eram uma espécie de ritual de purificação. Como era de se esperar, isso acabava em orgia. As mulheres corriam aos lupercais em busca de pancadas (e talvez algo mais), pois acreditava-se isso afastava a esterilidade e os partos seguiam a contento.

Só no ano 494 depois de Cristo que os lupercais foram batizados de “festa da Purificação” com o passar do tempo a tradição foi se perdendo até sumir. Mas a força do mito do humano que vira lobo continuou e se espalhou mais e mais pelo mundo.

Falando nisso, vem aí um filme que me pareceu bom a primeira vista (trailer) que trata da lenda do lobisomem.
A Obra é do Benício del Toro e isso me parece uma chancela de que o troço promete. Pelo menos nos efeitos especiais.

E aproveitando o ensejo, aqui está outra dica. Esta pra quem curte ler: Meu amigão Rafael Trovão escreveu um ótimo livro sobre um garoto que é atacado por um lobisomem em plena cidade de São Paulo.

Frente a frente com o Lobisomem
O livro chama “O amuleto de Lupês” e foi publicado pelo Clube de Autores. Ele está vendendo a obra on line, e pra quem estiver curioso, recomendo uma lida.

Related Post

16 comentários em “Frente a frente com o Lobisomem”

  1. Lembrei agora das estórias que ouvi na minha infância…Todas no mesmo estilo, sejam as de fantasmas ou as de lobisomem ou dos causos de encontros com onças…Muito legal! 😆

  2. Maneira a historia, eu gostaria muito se o filme tivesse a metade do potencial da mesma. Eu achei BEEEEEM fraco, e embora revolucionaria para eopca a maquiagen de lobisomen do filme original, nesse remake fica parecendo o Michael Jackson no triller… Hollywood devia parar de fazer remakes de qualidade duvidosa e investir em novos talentos, seguro que vc podia fazer um roteiro para um filme muito mais barato e melhor. Fica a dica eu recomendo para DVDzao.
    Andre

  3. Olha que coincidência. Essa semana mesmo, numa roda de chimarrão, meu pai e um amigo dele contavam histórias de lobisomem. E o mais impressionante é que eles não tem motivo nenhum para mentir, realmente acreditam naquilo. Chegavam a se arrepiar lembrando. Meu pai contou do dia em que cercaram um lobisomem e tentaram capturá-lo, mas ele era muito forte e ágil, e acabou fugindo.
    O que eu acho mais impressionante nestas histórias, é que pessoas que eu conheço e confio, como meu pai, meus tios, meus avós, contam em detalhes e com muito medo. O que era então que eles viram, senão um lobisomem? Foi um cachorro descomunal, um lobo, um puma? Ou apenas o medo das antigas histórias, que fez com que enxergassem coisas? Se for isso, como então grupos de pessoas viram (como na história do meu pai)? Ilusão coletiva?
    Esse é o ponto que me intriga.

    Desculpe pelo comentário gigante, mas esse tema me fascina. 🙂

  4. Sinceramente, eu acho essa história bem mais verossímil do que a daquele tal de Villas Boas, que falou que deu uma com a E.T. Eu dei muita risada com aquela história, é praticamente um conto erótico…

    • Tô achando bem legal. Gostei da parte que o mendigo se fode lá no início… Hahaha. O estilo me lembra aquela coleção vagalume. Aquilo era muito bom, né? Pena que o Marcos Rey morreu.

    • Eu descobri a lenda do corpo seco na Ignis, porque ele era um dos monstros do jogo. Daí fui estudar a história do corpo seco e me espantei com a riqueza de detalhes.

  5. O filme em questão é ‘O Lobisomem’ (Wolfman), uma releitura do clássico de 1931.

    Dois filmes bem interessantes sobre a lenda seriam ‘Lobo’, com Jack Nicholson, e o espanhol ‘Romasanta’, que é baseado num caso real (!), que seria o último caso de “lobisomismo” registrado na Espanha (!!), e levanta a questão se o lobisomem seria sempre um homem que vira lobo, ou poderia ser um lobo que vira homem (!!!).

  6. Eu sempre fui fascinado pelo universo lupino, mas essa fascinação aumentou mais ainda quando eu comprei Fúria Lupina de Alfer Medeiros, o cara fez uma releitura do tema lobisomem e não é que ficou ótimo. Mas o assunto lobisomem nunca me deu tanto medo assim como dá na maioria das pessoas, eu sempre me sentia atraído pela lenda do lobisomem. Mas Philipe, esse livro aí que tu indicou ainda tá a venda?

  7. olha sei quer estamos falando de lopisomen mais acredida e real posso afirma tenho viçoes o tempo todo é acredide ser quizer ainda mais quer eu aceitei um trado quer e manda todos os demonios de volta para o lucar deles como aconteceu fui um burro foi anoite quando estava vendo sopre o chupa cabra e eu aceitei simples assim pensa bem o mundo e muito grante e sor ver quer a resposta vc acha

  8. Tudo caminha para dar maias realismo à historia, não é? O apuro do homem pálido, a fuga, os animais que param de morrer, o corpo encontrado na florasta…!
    Quando eu era criança, era costume se dizer que pessoas de cor clara (bem polacos) se tornariam lobisomem nas noites de “quaresma’, e se alguem avistasse algum durante a noite era só convidá-lo para vir à sua casa no dia seguinte para buscar sal. Assim se descobriria de quem se tratava…rsrsrs. E todo mundo acreditava nisso!

  9. foi facinante a história , essas bestas humanoides de fato existem mais, chorar ou me jogar da escada que não vou.
    Apenas evito ficar ate tarde da noite em lugares desertos e sombriu .
    Houve uma ocasião que aqui na rua onde moro, avia um boato qui na vizinhança um senhor idoso, virava um “lobisomem” tarde da noite os cães latiam com muita agressividade em torno de algo “destemido” mais, anos a frente esse senhor e sua esposa faleseram de morte natural.
    E sobrou apenas o filho adotivo um homem alto ,palido que vendeu a casa e foi embora, foi quando os cachorros da rua pararam de latir tarde da noite.
    Mais certa noite um vizinho acordou com os cães latindo no fundo do quintal, foi quando ele levantou de sua cama e asendeu a lampada do quintal e olhou pela freta da porta e , ate enquanto ele tava vivo com agente aqui na vizinhança ele jura ter visto um “lobisomem” esse senhor ja faleceu mais, ele descrevia como algo sinistro e horrenta eu passei a acreditar nesse senhor , pos de um dia pro outro ele, largou a bebida e se converteu evangelico.
    Ficar ate tarde pra confirma ,eu não vou.

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

shares