A dialética do homem-largarto

De vez em quando sinto uma preguiça brutal de escrever aqui no blog. Em outras vezes, essa preguiça dá lugar a uma vontade irresistível de passar a minha vida escrevendo. Percebi que a minha vontade de escrever costuma surgir como uma válvula de escape para coisas que não estou com vontade de fazer. Não notei isso hoje. Eu já conheço essas minhas malandragens cerebrais desde os tempos da escola. Foi graças às provas de Matemática que aprendi como meus miolos safados funcionam.

Se eu tiver tempo e condições de produzir algo que preste eu simplesmente terei tudo menos a vontade de fazer.
Durante anos eu passei trabalhando duro pensando em como seria fundamental ter um aerógrafo. O aerógrafo é uma espécie de caneta que pinta com jato de ar, tal qual uma pistola de pintura. Antigamente, comprar um aerógrafo era difícil pra caramba, e assim a minha falta de aerógrafo virava a desculpa predileta para eu não fazer um monte de coisas. “Deixarei para quando tiver o aerógrafo”. Eu me dizia.

Assim, o tempo passou e quando finalmente eu tive o aerógrafo em minhas mãos, toda minha inspiração e projetos guardados para quando eu tivesse aquilo desapareceram como mágica.
Estranhamente, percebi que essa inspiração toda ressurgia com força total nos dias que antecederiam as minhas provas de Matemática na escola… E diante do retorno da inspiração pródiga que retorna à casa de olhos baixos e rabo entre as pernas, quem será o louco de ir estudar Matemática?

Assim eu me entregava à mais deslavada das tentações de desenhar, pintar e trabalhar sem parar. Como o mundo não é perfeito, eu sempre me estropiava nas provas de Matemática, e passada a prova, misteriosamente aquela inspiração do dia anterior já não se mantinha. Ela sumia.

Percebi então, que a inspiração era o meu miolo desgraçado tentando me fazer não estudar. Assim, passei a enganar esse mecanismo sempre que eu estava com condições de trabalhar mas a inspiração não vinha. Quando isso acontecia, eu me obrigava a fazer algo bem maçante, chato mesmo, como ir num banco ou fazer compras. Imediatamente a inspiração voltava como uma maneira de me dissuadir do desprazer. Funciona até hoje.

Mas a verdade, meu amigo, é que não tenho a mínima ideia da razão pelo qual estou contando isso. Eu ia falar de alguma outra coisa mais interessante, e agora estou aqui perdendo o (nosso) tempo com aerógrafo e provas de Matemática onde eu me fodi pensando que e vez de resolver equações idiotas, eu deveria estar desenhando mulheres peladas como o Hajime Sorayama.

EU deveria matar o post aqui mesmo e jogá-lo na lixeira, mas quem sabe ele não é útul para ensinar um pouco de mental hacking, ou mesmo ensinar a alguém o que é um aerógrafo?

Volta e meia, quando nem assim o miolo pega no tranco, eu acabei aperfeiçoando uma outra malandragem, essa que nunca me deixou na mão. Eu não tenho um nome para ela, mas poderia chamar de “desafio”. Basicamente eu escolho palavras que não parecem fazer grande sentido e me desafio a fazer um post sobre aquilo. Não raro, descubro coisas e acabo com bons posts nas mãos. Veja, por exemplo, o que farei neste post me desafiando a sair com alguma coisa que preste de:

Homem Lagarto

Assim, eu preciso colocar o homem lagarto em algum lugar neste post, e ganho pontos de XP se por ventura eu conseguir até tornar o homem lagarto no cerne deste post.%name A dialética do homem largarto

O foda é resistir à vontade de ir no óbvio só pra pegar meus XP e ir fazer alguma coisa mais legal como ver filme ou jogar videogame. Eu poderia, obviamente ir pro personagem que é o famoso inimigo do Homem Aranha, poderia falar dele, de como ele foi criado, e então eu pesquisaria a história desse vilão, falaria das versões dele no cinema, poderia mostrar aqui uma ou outra ilustração conceitual, e quem sabe até uma escultura?

 

%name A dialética do homem largarto

Ah, a mente humana, seus truques e hacks… É óbvio que não vou pelo mais fácil.

Me parece que a mente humana é cheia de pequenos truquinhos baratos e dependente de artimanhas como um velho e cansado mágico de circo do interior. Veja, por exemplo, essas coisas que as pessoas acabam “vendo”. Homem-mariposa, pé-grande, aliens e fantasmas. Por mais que busquemos nos certificar que na ancoragem do real essas coisas não deveriam existir, mais e mais pessoas continuam vendo. E que eu chamo de “ver” são registros, algumas vezes fotográficos de seres que poderiam ser agrupados nas seguintes categorias:

  • Aliens Grey
  • Monstros peludos
  • O diabo
  • Fantasmas

É no mínimo curiosa essa característica humana de “ver certas coisas”. Hoje, mais que nunca a tecnologia ajuda não só a ver como registrar e até mesmo gerar certas “visões”, tornando o mundo mais confuso, estranho e divertido por tabela.

É nessa seara que surge o caso do tenebroso Homem Lagarto da Carolina do Sul ( Obs: Pode computar mil de XP aí pra mim!)

O Tenebroso Homem Lagarto da Carolina do Sul

Parece até zoeira, parece que estou inventando essa porra, mas pior que não! O tenebroso Homem Lagarto da Carolina do Sul é – senão um monstro criptídio real – um fenômeno social real, quantificável e pesquisável.

Trata-se de um lagarto bípede humanóide que anda em pé, e que vários residentes do estado da Carolina do Sul relatam já ter visto desde 1988.

Assim uma testemunha ocular da criatura a descreveu:

Era uma figura alta e escura que tinha uma cauda e parecia ter escamas. Era quase como um jacaré com um nariz curto e pernas longas.

Agora, apenas a menção de “lagarto” já pode nos trazer à mente aquelas criaturas populares da cultura conspiracionista, os reptilianos.

%name A dialética do homem largarto
Chamou, chamou?

 

Embora os alienígenas reptilianos surjam com grande pujança nos sites de conspiração, não se trata desse homem-lagarto. Na verdade, “Lizard Man” como o homem-lagarto ficou conhecido nos EUA é basicamente um híbrido do Pé grande com um dragão.

Se você levar em consideração os olhos vermelhos brilhantes que dizem que o Homem Lagarto tem, começamos a ver algum tipo de DNA mítico que parece ser compartilhado por muitos seres, que vão da Biúna Amazônica ao Et de Varginha, passando pelo Mothman.

Nos casos dos avistamentos do homem lagarto, ele é visto atravessando rodovias, saindo perto de pântanos, e até mesmo deixando  “marcas de mordida” na frente de um carro.

Mas, de longe, o melhor registro do Homem Lagarto de todos os tempos deve ser este aqui em baixo, já que o suposto ser foi até filmado!

%name A dialética do homem largarto
Não vale rir.

 

OK, eu aceito se você estiver rindo aí agora. Eu também tentei não resistir, mas é impossível. Isso é o cruzamento de um bicho de pelúcia com um monstro do Jaspion.

Acredite ou não, é sério que alguém filmou isso e achou MESMO que é o tal homem-lagarto que vem sendo reportado às autoridades desde os anos em que Crocodilo Dundee estava nos cinemas.

A questão aqui não deveria se limitar ao que a testemunha viu e fotografou, mas o que leva alguém a fazer uma roupa dessas e andar por aí pedindo para levar um teco (já que nos EUA não há lei que impeça um redneck de matar um criptídio)?

Obviamente que a imagem acima foi analisada em sites que tratam do problema à sério e chegou-se à conclusão de que “não é um monstro autêntico”. Convenhamos, isso não é notícia. Notícia mesmo, só se fosse ao contrário.

Mas a coisa gump não acaba aí. Logo sites de mistérios passaram a explorar a possibilidade de que “homem-lagarto” seja parte de uma artimanha elaborada para esconder segredos mais obscuros … uma ação de “operações psicológicas”:

O Escritório de Política Exopolitica (OEP) poderia estar plantando o Homem Lagarto para desacreditar avistamentos reais de qualquer atividade Reptóide na área. (Não há grupos Reptóides conhecidos na área, mas eles poderiam estar se expandindo para outras regiões em antecipação da futura e iminente mudança climática.) O grupo simpatizante dos Siriusianos conhecido como Nidhug poderia estar começando uma campanha para desacreditar os Reptoides e criar oposição humana organizada a quem revelar algo sobre eles. Outra opção é que é uma ala mundana dos serviços de inteligência procurando afirmar-se contra OEP.

A História aponta para CIA, mas nebulosas como essas coisas são, poderia ser NSA, DIA, a ONI ou até mesmo o misterioso SIA (Agência de Inteligência Espacial).

%name A dialética do homem largarto
Minha cara lendo esta porra

Seria possível que alguém estivesse colocando deliberadamente um sujeito numa fantasia de espuma para criar ruído e dissuadir pessoas a falarem a verdade sobre reais avistamentos de criaturas bizarras (não terrenas ou não desta dimensão)?

Real ou não, é uma ideia interessante de se observar em como é praticamente impossível conter a dialétca conspiracionista. Ela se curva e escapole como um peixe ensaboado. Tudo que está as claras está assim porque há inúmeras condicionais ocultas que se redistribuem e reorientam toda a narrativa a cada obstáculo.

A especulação conspiratória é como um monstro que só cresce e não tem forma, porque ela é mutante. Eu pude perceber isso muito claramente com o Relato de um Mib, onde para além do contexto da minha história escrita e da outra história paralela, surgiram pelo menos outras duas conspirações diferentes que são mutantes derivadas do Relato. É impressionante!

De volta ao homem lagarto, eu não duvidaria que sua gênese em 1988 esteja ligada diretamente em alguém também vestindo uma fantasia. Por que alguém faria isso eu não sei, mas hipóteses nunca faltam nos EUA, país que tem a famosa tradição das pessoas se fantasiarem no dia das Bruxas e onde nos anos 80 tinha um grande mercado de tabloides de bizarrices, alguns que trouxeram ao mundo grandes histórias como aquela do cara que ficou milionário na bolsa de valores porque era um viajante do tempo…

Também não duvido que o homem lagarto fosse uma manobra “Scooby-Doo” -tipo para assustar ou distrair residentes, ou ainda desvalorizar certos lugares para potenciais compradores levarem boa terra à preço de Banana.

Eu achei interessante o lance do Museu do Homem Lagarto. Aqui está, do artigo da foto feita em Bishopville SC:

Embora a lenda tenha se popularizado e até mesmo atraído a atenção nacional no final de 1980, o museu do algodão de Bishopville tem avistamentos documentados por todo o lugar de volta aos tempos dos nativos americano, relata WCSC. O museu mantém uma exposição do Lizard Man lore em exposição.

“Quantas coisas que temos visto como, ‘Oh, isso é uma história impossível’ que acabou provada verdadeira?”, disse Jason Cox do museu. “Então, como eu digo às pessoas: Você tem que acreditar. Você tem que acreditar que poderia haver um homem lagarto lá fora.”

Se for um homem vestindo uma fantasia para espalhar o temor de um homem-lagarto nas redondezas, por que alguém estar interessado em enganar as pessoas e fazê-las acreditar em alienígenas, goblins, homem-mariposa e outras criaturas? Muitos destes avistamentos seriam apenas um grande elaborada farsa? Ou quem sabe uma estratégia de guerrilha do museu?

Ou há alguma intersecção estranha de todas essas possibilidades, incluindo a mais ingênua e impossível de todas elas: Será que não pode realmente ser, em certo sentido, verdadeira a história do homem do lagarto?

 

(Ganhei XP pra caralho nesse, hein?)

Artigos relacionados

Comments

comments

5 comentários em “A dialética do homem-largarto”

  1. Cacete, eu sou igual a você. Quando não pode ou não dá, tenho altas sacadas de melodias e letras pra compor músicas. Quando to em casa, sozinho, livre e desimpedido pra fazer o que quiser, tenho vontade de dormir! ¬¬

  2. Ok….assumo, não li todo o post.
    Mas uma pergunta ficou me martelando a cabeça: Por que diabos o ilustrador do Homem-Aranha o fez com garras na mão direita, enquanto a esquerda não tem?

  3. Eu fiquei algum tempo assombrado quando lia tex, sobre uma aparição de algum tipo de homem lagarto que surgia de uma enorme caverna. Nessa história não ficou claro se o personagem era fruto de alguma experiência química ou algum tipo de aliem. Mas o fato é que fiquei bolado por algum tempo. Era bem piazão, nessa época hehe!

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.